Reavivados por Sua Palavra


LINKS ESTUDO ISAÍAS by Jeferson Quimelli
12 de janeiro de 2021, 20:35
Filed under: Sem categoria

Prezado leitor, você que está estudando o livro de Isaías neste trimestre poderá acessar os comentários sobre os capítulos desse livro através dos links abaixo.

Este post estará disponível pelo menos até o final de março, na barra de menus das LIÇÕES DA BÍBLIA aqui ao lado ( ), em azul.

Por favor compartilhe a quem possa ser útil.

Isaías 01    Isaías 02    Isaías 03    Isaías 04    Isaías 05    Isaías 06    Isaías 07    Isaías 08    Isaías 09    Isaías 10

Isaías 11    Isaías 12    Isaías 13    Isaías 14    Isaías 15    Isaías 16    Isaías 17    Isaías 18    Isaías 19    Isaías 20

Isaías 21    Isaías 22    Isaías 23    Isaías 24    Isaías 25    Isaías 26    Isaías 27    Isaías 28    Isaías 29    Isaías 30

Isaías 31    Isaías 32    Isaías 33    Isaías 34    Isaías 35    Isaías 36    Isaías 37    Isaías 38    Isaías 39    Isaías 40

Isaías 41    Isaías 42    Isaías 43    Isaías 44    Isaías 45    Isaías 46    Isaías 47    Isaías 48    Isaías 49    Isaías 50

Isaías 51    Isaías 52    Isaías 53    Isaías 54    Isaías 55    Isaías 56    Isaías 57    Isaías 58    Isaías 59    Isaías 60

Isaías 61    Isaías 62    Isaías 63    Isaías 64    Isaías 65    Isaías 66



EZEQUIEL 21 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
12 de janeiro de 2021, 4:00
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO EZEQUIEL 21 – Primeiro leia a Bíblia

EZEQUIEL 21 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

EZEQUIEL 21 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

COM. VÍDEO PR ADOLFO SUÁREZ(link externo)

COM. VÍDEO PR EVANDRO FÁVERO (link externo)

COM. VÍDEO PR VALDECI JÚNIOR (link externo)

COM. VÍDEO PR WEVERTON CASTRO E EQUIPE (link externo)

COM. VÍDEO PR RONALDO DE OLIVEIRA (link externo)

COM. VÍDEO PR MICHELSON BORGES (link externo)



EZEQUIEL 21 by Jobson Santos
12 de janeiro de 2021, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/ez/21

As palavras e ações de Ezequiel não eram politicamente corretas ou patrióticas. Elas são as palavras e ações de um homem que está comunicando um testemunho direto de Deus. Essas não são palavras fáceis de engolir e entender, pois quando Deus diz a uma nação: “Eis que estou contra vocês …”, quaisquer pensamentos glamurosos que você teve de que tudo estava bem, agora são jogados pela janela. Sem lisonja, Deus anuncia por meio de Ezequiel o julgamento iminente por meio da espada sobre Seu povo pelos babilônios.

O julgamento que está por vir é tão assustador que Deus compartilha no versículo 3 um pensamento muito perturbador: “o justo e o ímpio serão exterminados”. O Deus que lemos no livro de Ezequiel não deseja a destruição de ninguém, muito menos de Seu povo escolhido, mas Suas advertências são repetidamente ignoradas, e Suas repreensões passam despercebidas. Estes são os Seus que serão profundamente feridos, mas Seu povo não consegue ouvir Sua voz, pois eles têm estado ocupados ouvindo belas mentiras acerca de si mesmos. Nunca é fácil ouvir a verdade sobre nós mesmos, mas a pior coisa que você pode fazer é abafá-la com mentiras que soam doces.

Shaun Brooks
Pastor na Associação Georgia-Cumberland, EUA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1069
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



EZEQUIEL 21 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
12 de janeiro de 2021, 0:50
Filed under: Sem categoria

1740 palavras

A curta mensagem em 20: 45-48 apresenta a primeira das três mensagens sobre os julgamentos que viriam sobre Jerusalém: (1) a espada do Senhor (21: 1-7); (2) a espada afiada (21: 8-17); (3) a espada de Nabucodonosor (21: 18-22). A cidade seria destruída porque estava contaminada. De acordo com a lei judaica, objetos contaminados deveriam ser passados pelo fogo para serem purificados (ver Números 31:22, 23; Salmos 66: 10-2; Provérbios 17: 3). O julgamento de Deus tem como objetivo purificar; a destruição costuma ser uma parte necessária desse processo. Life Application Study Bible Kingsway.

1-7 Os v. 1 a 7 reproduzem, em linguagem simples, a enigmática parábola de Ezequiel 20:45-49. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 714.

2 Contra Jerusalém. Em vez do triplo “sul”(Ez 20:46), aqui há as expressões “Jerusalém, “santuário”e “terra de Israel”. CBASD, vol. 4, p. 714.

3 Minha espada. Mostra-se que o “fogo”da parábola enigmática (Ez 20:47) é a espada do invasor. CBASD, vol. 4, p. 714.

O justo como o perverso. A aplicação da linguagem figurada em 20.47, na qual a árvore verde simboliza o justo e a seca, o perverso (17.24; Lc 23.31).49.1-6). Bíblia Shedd.

4 O justo. Ver com. de Ez 20:47. Nos juízos de caráter nacional, os inocentes frequentemente são envolvidos nos mesmos sofrimentos temporais que os culpados. CBASD, vol. 4, p. 714.

5 Jamais voltará. Isto é, até que tenha completado a sua missão. … A mesma ideia de duração restrita se encontra em Ezequiel 20:48, em que se declara que o fogo dos juízos de Deus não se apagará (ver com. [CBASD] ali). … Em cada caso a duração precisa ser determinada pelo contexto (ver com. [CBASD] de Ez 30:13). CBASD, vol. 4, p. 714..

6 Suspira. O profeta precisava usar de todos os meios para mostrar que a destruição de Jerusalém já era uma sentença pronunciada, para ver se o povo se arrependeria.49.1-6). Bíblia Shedd.

De coração quebrantado. Ver Na. 2:1, 10. Ordena-se ao profeta que faça uma vívida descrição aos ouvintes de quão profundo todos se comoveriam com a notícia da queda de Jerusalém.

Ezequiel deveria suspirar de tristeza e manifestar amargura pela grande calamidade ligada à queda de Jerusalém, que certamente sobreviria. Bíblia de Estudo Andrews.

8-17 Os v. 8 a 17 podem ser intitulados como “O cântico da espada afiada e polida”. Em geral, estes versículos constituem uma ampliação da mensagem dos v. 1 a 6. CBASD, vol. 4, p. 714.

10 O cetro. Os fracos e ignorantes deixados em Jerusalém depois da primeira deportação, tinham uma confiança arrogante de que resistiriam à força dos invasores, em uma soberba doentia. Bíblia Shedd.

11 Matador. Isto é, o rei da Babilônia. CBASD, vol. 4, p. 714.

12 Dá, pois, pancadas na tua coxa. Um sinal de extrema vergonha ou dor (ver jr 31:19). O objetivo dos gestos era atrair a atenção e suscitar perguntas (ver com. [CBASD] de Ez 4:1). CBASD, vol. 4, p. 714.

13 Pois haverá uma prova. A RSV faz uma tentativa de tornar o texto inteligível: “Pois não será um teste – o que isso poderia fazer se vocês desprezam a vara?””. CBASD, vol. 4, p. 714.

14 Bate com as palmas uma na outra. Um gesto de forte emoção; aqui, evidentemente, de horror (ver Ez 21:17; cf. Nm 24:10). CBASD, vol. 4, p. 714.

Triplique-O. O texto é obscuro; o significado pode ser que o golpe da espada não viria apenas uma ou duas vezes, mas três. CBASD, vol. 4, p. 714. [Provavelmente, as três deportações à Babilônia.]

17 Baterei as Minhas palmas uma na outra. Por meio de uma figura que atribui atos e sentimento humanos a Deus, declara-se aqui que Yahweh está fazendo o que ordenou ao profeta (ver com. do v. 14). CBASD, vol. 4, p. 715.

18-32 A terceira profecia do capítulo, mais específica que a anterior. CBASD, vol. 4, p. 715.

A décima encenação. O profeta precisa marcar duas estradas com placas: uma levando a Rabá, a capital de Amom (os amonitas também conspiraram contra Babilônia), e outra rumo a jerusalém. Nabucodonosor, o rei babilônio, escolheria atacar Judá e levar o obstinado povo de Deus para o cativeiro. ele tomaria sua decisão usando adivinhação e magia, conforme o v. 21. Bíblia de Estudo Andrews.

Evidentemente, Amom se rebelou contra Babilônia mais ou menos na mesma época que o rei Zedequias em Judá. Em 589 a.C. as nações de Judá e Amom estavam entre aqueles que conspiraram contra a Babilônia (Jeremias 27: 3). Ezequiel deu esta mensagem aos exilados que ouviram a notícia e ficaram novamente cheios de esperança de retornar à sua terra natal. Ezequiel disse que o rei da Babilônia marcharia com seus exércitos na região para deter a rebelião. Viajando a partir do norte, ele pararia na bifurcação da estrada, uma levando a Rabá, a capital de Amom, e a outra levando a Jerusalém, a capital de Judá. Ele tinha que decidir qual cidade destruir. Assim como Ezequiel predisse, o rei Nabucodonosor foi a Jerusalém e a sitiou. Life Application Study Bible Kingsway.

19 Dois caminhos. O rei da babilônia é retratado como se estivesse na encruzilhada, indeciso quanto a se deve tomar a estrada que leva a Jerusalém ou a que levava à capital dos amonitas (v. 20). CBASD, vol. 4, p. 715.

21 Em visão, … Ezequiel é testemunha ocular das adivinhações pagãs que Nabucodonosor faria para resolver a direção da marcha dos seus exércitos, três anos depois destas palavras do profeta. Bíblia Shedd.

Para consultar os oráculos. Os pagãos recorriam à adivinhação quando importantes questões precisavam ser decididas. São mencionadas aqui três formas específicas de adivinhação. CBASD, vol. 4, p. 715.

Sacode as flechas. Várias flechas sem ponta eram marcadas com mensagens apropriadas e sacudidas juntas numa aljava ou outro recipiente; e uma era tirada; ou se girava o recipiente e a flecha que caísse primeiro era escolhida. Supunha-se que o que estava escrito ali indicava a vontade dos deuses. CBASD, vol. 4, p. 715.

Ídolos do lar. Do heb. terafim, estatuetas com a forma humana (ver com. [CBASD] de Gn 31:19). Não se sabe como eram usadas para adivinhação. CBASD, vol. 4, p. 715.

Examina o fígado. Este modo de adivinhação, chamado hepatoscopia (ver com. de Dn 1:20), era comum entre os babilônios. Foram descobertos fígados de ovelha feitos de argila, marcados com linhas e inscrições, evidentemente usados para ensinar as pessoas a usar o método.

Embora nenhuma forma de adivinhação seja aprovada pela Bíblia, muitos cristãos tentam obter orientação divina por métodos não aprovados por Deus, métodos que, em sua essência, são semelhantes aos antigos métodos de adivinhação. Há diferentes métodos dessa natureza. Alguns buscam a resposta de Deus atirando uma moeda para cima; ou escrevem as palavras “sim” e “não” em cada lado de um cartão e, depois, aceitam como resposta a palavra que aparecer ao deixar cair o cartão. Alguns abrem a Bíblia ao acaso e aceitam a mensagem do texto sobre o qual os olhos pousarem primeiro. Ainda outros colocam várias ideias em diferentes cartões, depois os sacodem e aceitam a resposta do cartão retirado ao acaso. Todos esses métodos seguem o mesmo padrão básico do acaso. É possível que o Senhor, às vezes, tenha dado orientações por meio de alguns desses métodos, especialmente para os que não têm muita luz sobre a Bíblia ou, possivelmente em emergências. Porém, eles são métodos arbitrários que devem ser abandonados à medida que a pessoa cresce na graça e no conhecimento da verdade.

Se, em todas as decisões da vida, a pessoa recebesse uma resposta direta de Deus por meio de algum sinal exterior, tal pessoa se tornaria uma mera máquina. Ela se despojaria de um direito fundamental para a liberdade humana, isto é, o de tomar suas próprias decisões, faculdade esta que lhe foi concedida por Deus.

O lançar sortes se encontra nesta mesma categoria e não é algo a que se deva recorrer. É dado o seguinte conselho: “Não tenho fé em lançar sortes. … Lançar sortes para os oficiais de igreja não está nos planos de Deus”(ME2, 328). CBASD, vol. 4, p. 715, 716.

22 Para a direita. Isto é, o oráculo que caiu sobre Jerusalém veio da mão direita do rei. CBASD, vol. 4, p. 716.

24 Aparecendo os vossos pecados. Os pecados deles deveriam ter sido cobertos no ritual do Dia da Expiação (Lv 16). Uma vez que Israel se recusou a reconhecer sua culpa, ficou descoberta e requeria punição. Cada nova transgressão despertava na mente todo o registro da conduta pecaminosa do passado, e então o total cumulativo requeria imediata retribuição. CBASD, vol. 4, p. 715, 716.

25 perverso, príncipe de Israel. O rei Zedequias. Bíblia de Estudo Andrews.

26 Diadema. Do heb. mitsnefeth, traduzido por “diadema” apenas aqui. Mitsnefeth vem da raiz tsanaf, “enrolar” (no caso, como um tecido), portanto, significa um turbante; aqui, a referência é aparentemente ao turbante real, um sinal de realeza. CBASD, vol. 4, p. 716.

O princípio de exaltar o humilde aplica-se aos pobres cativos da babilônia que, uma geração mais tarde, restaurariam Jerusalém. O abatimento do soberbo manifesta-se na eliminação dos que quiseram formar, em Jerusalém, um Estado independente dos caldeus, aos quais tinham jurado fidelidade, independente do próprio Deus, entregando-se à idolatria (Jr 44.15-23; Ez 8.5-18). Saudou-se o nascimento de Jesus Cristo com a proclamação de que este princípio [de exaltar o humilde] estava em pleno vigor (Lc 1.50-53). Vd Ez 17.24n [Bíblia Shedd]. Bíblia Shedd.

27 A ruínas a reduzirei. A passagem diz, literalmente: “uma ruína, uma ruína, uma ruína, Eu a farei”. A tripla repetição intensifica a ideia. O edito é concernente ao trono da casa de Davi. “A Judá não seria mais permitido ter um rei até que o próprio Cristo estabelecesse o Seu reino”(PR, 451; cf. Ed, 179). CBASD, vol. 4, p. 716.

Profecia messiânica que leva em conta Gn 49:10. Somente o Messias restabelecerá o reino de justiça. Bíblia de Estudo Andrews.

28 Acerca dos filhos de Amom. Embora o rei de Babilônia escolhesse atacar Jerusalém em vez de Rabá (v. 20-22), os amonitas não escapariam da punição (ver Ez 25:1-7). CBASD, vol. 4, p. 716.

Com base nos vs. 18-23, pareceria que os babilônios atacariam Jerusalém, mas poupariam Amom. Este terceiro e último cântico da espada explica que Amom também provaria o gosto da ira de Deus, mediante a fúria dos babilônios (Jr 49.1-6). Bíblia de Genebra.

Os amonitas e os israelitas costumavam lutar uma contra a outra. Deus falou para os israelitas não se aliarem com nações estrangeiras, mas Judá e Amom se uniram contra a Babilônia em 589 a.C. (Jeremias 27:3). Deus primeiro julgou Judá quando Nabucodonosor primeiro  foi a Jerusalém (21:22), mas Amom seria também julgada, não por se aliar com Judá, mas por assistir a destruição de Jerusalém com prazer. Life Application Study Bible Kingsway.

30 Torna a tua espada à bainha. A ordem é dirigida aos amonitas (ver v. 28). Os esforços militares deles seriam em vão. em seu próprio país receberiam a punição por seus malfeitos. CBASD, vol. 4, p. 716.

31 Brutais. Do heb. Bo’arim, derivado de be’ir, “animais”, “gado”(ver Sl 49:10; 92:6). Estes homens “brutais” são destacados em Ezequiel 25:4 e 10. CBASD, vol. 4, p. 716.

32 Já não serás lembrado. Em contraste com a gloriosa promessa feita a Israel (v. 27). CBASD, vol. 4, p. 716.

 



EZEQUIEL 21 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
12 de janeiro de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Filho do homem, profetiza e dize: Assim diz o Senhor: A espada, a espada está afiada e polida” (v.9).

Os juízos de Deus nunca são derramados sem que antes as Suas misericórdias tenham sido abundantes. De forma persistente e amorável, o Senhor clama ao coração do homem para que se converta de seus maus caminhos e se arrependa de seus pecados: “Hoje, se ouvirdes a Sua voz não endureçais o vosso coração” (Hb.3:15). Não era diferente com o povo da promessa. Israel havia se rendido às transgressões das nações vizinhas e corrompido até mesmo o seu lugar de adoração. A rebelião era constante e a sensação de tranquilidade lhes promovia uma falsa paz que contrastava com a amargura de coração na vida do profeta (v.6).

As “novas” (v.7) que Ezequiel levou aos filhos de Israel foram recebidas com desprezo e com gracejo diante da letargia que os envolvia. E enquanto Ezequiel profetizava: “A espada está… afiada para matança”, Israel dizia: “Alegremo-nos!” (v.9 e 10). Em tempo de gritos e gemidos (v.12), o povo se alegrava e se banqueteava. Isto não nos lembra outro episódio? Como a voz de Deus, o som que vinha das madeiras aparelhadas ecoava no mundo antigo, bem como a voz do pregador que com vigor e alto clamor, apelava: “Arrependam-se todos, pois eis que Deus derramará o Seu juízo em forma de dilúvio sobre toda a terra!” Era, porém, a mensagem de juízo de Noé de um lado, e a zombaria do mundo antediluviano do outro.

E para aqueles que não dão crédito ao relato do dilúvio, esquecem que o próprio Jesus o confirmou e ainda o utilizou como um prenúncio do tempo do fim: “Pois assim como foi nos dias de Noé, também será a vinda do Filho do Homem”, e continuou dizendo: “Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio comiam e bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, senão quando veio o dilúvio e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do Homem” (Mt.24:37-39).

Enquanto Israel se alegrava em seu estado espiritualmente falido, a espada do Senhor estava “afiada para matar” (v.15). Deus estava prestes a “realizar a Sua obra, a Sua obra estranha” (Is.28:21). Da mesma forma, amados, “haverá uma prova” (v.13), uma prova final que se aproxima e que revelará os verdadeiros adoradores que suspiram “de coração quebrantado e com amargura” (v.6) e que sentem que o “tempo do castigo final” (v.29) se apressa para o seu cumprimento. Tempo em que “será exaltado o humilde e abatido o soberbo” (v.26).

Não podemos ignorar os constantes apelos do Espírito Santo e o fato irrefutável de que é o Senhor que fala e não o homem (v.32). Amados, ninguém que faz parte deste projeto espiritual ganha algum benefício financeiro para que você receba estas mensagens. O Reavivados por Sua Palavra é um ministério voluntário e um ministério de amor. A nossa maior alegria é que vocês encontrem a verdadeira felicidade no estudo da Bíblia e na comunhão com Deus. E que, juntos, recebamos o preparo do Céu para o grande Dia do Senhor. Portanto, não ignoremos as advertências das Escrituras, pois elas são tão valiosas quanto as palavras de conforto, e possuem, em sua essência, a máxima do evangelho de que “Deus é amor” (1Jo.4:8). Peça, agora, ao Senhor a humildade para reconhecer isso e persevere em estudar a Sua Palavra, pois é ela que prepara e santifica o povo do advento (Jo.17:17). Vigiemos e oremos!

Bom dia, santificados pela Palavra!

* Oremos uns pelos outros, suplicando a Deus que nos encha do Seu Espírito.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Ezequiel21 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



EZEQUIEL 21 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
12 de janeiro de 2021, 0:40
Filed under: Sem categoria

EZEQUIEL 21 – A misericórdia de Deus pela humanidade miserável foi a razão de Israel ter sido preservado, como se percebe no capítulo anterior. Entretanto, imoralidades, promiscuidades, perversidades e todo tipo de iniquidade não passam despercebidos ao Juiz do Universo. Neste capítulo, 16 vezes a espada é citada. Deus julga!

• Ezequiel geme como um homem sentindo uma tristeza imensurável e uma grande dor. Se alguém perguntasse sobre essa nova dramatização, deveria dizer que se referia à destruição total de Jerusalém – até então destruída parcialmente (vs. 1-7).
• Além de gritar e gemer numa nova encenação, agora Ezequiel deveria dar pancadas nas coxas e bater palmas. Assim chamaria a atenção para a real situação e previsões proféticas para o futuro em breve, em que Babilônia despedaçaria Judá e Deus bateria palmas quando o juízo sobre o pecado estivesse em andamento (vs. 8-17).
• Deus estava no controle dos judeus e dos babilônios – inclusive quando tudo parecia fora de controle, um pandemônio horrível. O pecado do povo havia provocado o caos político, econômico e social; contudo, Deus estava agindo para reverter o efeito do pecado. O rei Zedequias sofreria tudo o que arrogantemente plantara de errado (vs. 18-26).
• A solução para os judeus e o restante do mundo estava na vinda do Messias. Assim, diante das trevas morais, da necessidade de líderes piedosos, e fieis mergulhados num desespero sem igual, Deus ainda despertava a esperança no coração deles (v. 27).
• A imoralidade e corrupção não ficam sem punição em lugar algum. Deus não está apenas observando Seu povo, Ele percebe o pecado em todas as suas formas em todos os lugares. Os amonitas também colheriam os resultados de suas rebeldias como exemplo do que o restante do mundo enfrentará se não abrir mão do pecado (vs. 28-32).

Deus demorou para punir Israel devido à Sua misericórdia. Hoje também somos alvos dessa misericórdia.
• O que seria de nosso país se Deus agisse conosco como agiu com Israel no passado?
• O que diria Deus se Ele apresentasse o diagnóstico da igreja hoje?
• E se o diagnóstico fosse de nossa vida, como seria?

Jesus é a solução para nossa situação; Ele tem capacidade de salvar-nos de nossa condição pecaminosa. Mas, quem preferir ao pecado antes que a Cristo colherá as consequências de suas escolhas.
Portanto, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: