Reavivados por Sua Palavra


EZEQUIEL 16 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
7 de janeiro de 2021, 4:00
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO EZEQUIEL 16 – Primeiro leia a Bíblia

EZEQUIEL 16 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

EZEQUIEL 16 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

COM. VÍDEO PR ADOLFO SUÁREZ(link externo)

COM. VÍDEO PR EVANDRO FÁVERO (link externo)

COM. VÍDEO PR VALDECI JÚNIOR (link externo)

COM. VÍDEO PR RONALDO DE OLIVEIRA (link externo)

COM. VÍDEO PR WEVERTON CASTRO E EQUIPE (link externo)

COM. VÍDEO PR MICHELSON BORGES (link externo)



EZEQUIEL 16 by Jeferson Quimelli
7 de janeiro de 2021, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/ez/16

Neste capítulo, a infidelidade de Jerusalém ao Senhor é alegoricamente comparada à imoralidade de uma prostituta. O profeta usa palavras como prostituta, prostituição, fornicação e meretriz muitas vezes para descrever a falta de fidelidade de Judá a Deus. Os habitantes de Jerusalém eram mais perversos do que uma prostituta por causa de sua infidelidade em servir ao único Deus verdadeiro. A história de Israel, narrada no conto figurativo de uma menina nascida e crescendo até a maturidade, é recontada para enfatizar as ofensas de Israel.

Surpreendentemente, apesar da longa história do mal de Jerusalém, a alegoria deixa claro que Deus não a rejeitará para sempre. Felizmente para nós, Deus continua a perdoar os pecados do arrependido e eventualmente estabelecerá uma existência onde a justiça prevalece e a rebelião contra Ele não existe mais.

É encorajador perceber que já estamos naquela “aliança eterna” se estivermos em Cristo. Nosso futuro lar é a Nova Jerusalém, que habitaremos com alegria em cumprimento a esta promessa de fidelidade da parte de Deus.

Mohanraj Israel
Spicer Adventist University, Pune, Índia

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1064
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



EZEQUIEL 16 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
7 de janeiro de 2021, 0:50
Filed under: Sem categoria

1318 palavras

Segunda parábola: o cântico do amor de Deus. O povo que habitava em Jerusalém é simbolizado por uma bela mulher (duas imagens são entrelaçadas – ela é filha adotiva, mas também esposa). Quando nasceu, estava condenada a morrer, mas Deus cuidou dela e a fez prosperar, tornando-a rica e famosa. Infelizmente, ela se tornou infiel ao Senhor, viveu uma vida desregrada, promíscua e se comportou como uma prostituta, pior que Sodoma e suas filhas (v. 48). Ela não só adorava ídolos, como também ofereceu os próprios filhos a deuses estrangeiros (v. 20, 21, 36; 20:26, 31; 23:37, 39). Sua ingratidão e esquecimento do amor e cuidado divinos são surpreendentes, inacreditáveis. Todavia, Deus sempre estava disponível para ela: perdoando, sendo fiel, estendendo graça. A parábola termina com a esperança de que o Senhor interviria mais uma vez por ela e restabeleceria a aliança eterna (v. 60), pois a mulher se arrependeria (v. 61, 63), muito embora houvesse quebrado a aliança várias vezes (v. 59). Trata-se de uma magnífica história da filha pródiga. Bíblia de Estudo Andrews.

1 A palavra do SENHOR. Parte da linguagem empregada na alegoria é repulsiva a pessoas discretas e que não falam de coisas íntimas de maneira tão direta. Aqueles a quem Ezequiel se dirigia estavam acostumados com essa linguagem e não ficariam chocados. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 686.

3 Amorreu … heteia. Sabe-se que os amorreus habitaram aquela região desde épocas muito antigas, e que os heteus, vindos do norte, se infiltraram na Palestina e ocuparam algumas áreas antes que os hebreus se estabelecessem na terra. … Os primitivos reis que governaram Jerusalém antes da ocupação israelita tinham nomes amorreus e heteus. Foram esses os antecedentes étnicos de Jerusalém. A linguagem de Ezequiel é uma afronta ao povo de Jerusalém que se gabava de ser descendente de Abraão, mas que agia como se descendesse dos antigos habitantes da terra que, mais tarde, veio a constituir Israel. CBASD, vol. 4, p. 686, 687.

4 Quanto ao teu nascimento. O período da história de Israel representado por essa parábola, provavelmente, seja a época de peregrinação no Egito, onde Israel foi estabelecido como nação. CBASD, vol. 4, p. 687.

6 Deus é representado como um viajante que, ao passar, descobre a criatura de aparência repugnante e digna de pena. Apesar da sujeira em que ela se encontra, Ele se apieda dela e lhe salva. CBASD, vol. 4, p. 687.

8 Passando Eu por junto de ti. Esta visita é distinta da outra, quando a nação era infante no Egito, e Deus a abençoou e a fez crescer. Ela então chegou à idade de se casar, e o Senhor ficou noivo dela (ver Jer 2:2). CBASD, vol. 4, p. 687.

Estendi sobre ti as abas do Meu manto. Significando a intenção de conferir à moça a honra do casamento (ver com. [CBASD] de Dt 22:30; Rt 3:9). A referência é ao solene evento no Sinai, quando Yahweh entrou em aliança com os hebreus, que se comprometeram a amar, adorar e obedecer a Deus, com a exclusão de todos os outros deuses rivais (Êx 19:1-9; 24:1-8). CBASD, vol. 4, p. 687.

9 Então, te lavei. A lavagem e a unção eram parte dos preparativos para o casamento (ver Rt 3:3; Et 2:12). CBASD, vol. 4, p. 687.

11 Enfeites. O profeta emprega uma figura oriental e apresenta os enfeites de uma noiva oriental pertencente à realeza. CBASD, vol. 4, p. 688.

13 Chegaste a ser rainha. Provável referência ao tempo de Davi e Salomão, quando o reino de Israel se estendeu desde o Eufrates até “a fronteira do Egito” (ver com. [CBASD] de 1Rs 4:21), e muitos dos reinos vizinhos se tornaram vassalos. Este período foi a era de ouro de Israel. CBASD, vol. 4, p. 688.

14 Por causa da Minha glória que eu pusera em ti. O povo é lembrado de que a prosperidade e a glória não se deviam a qualquer mérito de sua parte. Deviam a Deus tudo que desfrutavam. CBASD, vol. 4, p. 688.

15 Confiaste da tua formosura. Cumpriu-se a previsão de Deuteronômio 32:15 (cf. Os 13:6). Elevado à glória no princípio do reinado de Salomão, Israel começou a confiar em sua grandeza e prosperidade. CBASD, vol. 4, p. 688.

E te entregaste à lascívia. Uma metáfora para descrever as alianças estrangeiras, que objetivavam conseguir vantagens políticas e que Deus havia proibido enfaticamente (Dt 7:2; Jz 2:2), ou para descrever a substituição do culto ao Deus verdadeiro por outra forma de adoração. … A referência aqui é às várias alianças com os pagãos que Salomão iniciou e à subsequente adoção do culto idólatra dessas nações. CBASD, vol. 4, p. 688, 689.

20 Sacrificaste. Referência ao culto a Moloque, que foi uma forma de idolatria comum no último período de Israel [especialmente no reinado de Acazias e Manassés, de Judá] (2Rs  16:3; Sl 106:37; Is 57:5; Jr 7:31, 32). Nesta forma de culto, crianças eram sacrificadas como holocaustos (ver p. 419 [CBASD]), um crime desumano e terrível (ver com. [CBASD] de Lv 18:21; 1Rs 11:7; 2Rs 16:3). CBASD, vol. 4, p. 688.

[Nota: ver mais sobre estes sacrifícios nos comentários sobre 2Rs 23 e Jeremias 7: em: https://reavivadosporsuapalavra.org/2019/09/13/2-reis-23-comentarios-selecionados-2/ e https://reavivadosporsuapalavra.org/2020/11/02/jeremias-7-comentarios-selecionados-2/).

22 Não te lembraste. Israel é aqui acusado do pecado de ingratidão. A nação desfrutava grandes privilégios e fora exaltada em suas vantagens. Deus não omitiu nada que ajudasse a assegurar seu sucesso. … (Is 5:4). … Os cristãos devem cuidar para não se tornar mesquinhos em suas expressões de agradecimento. Uma proporção muito maior de suas orações devia ser devotada ao louvor dAquele que é a fonte de todas as bênçãos. CBASD, vol. 4, p. 688.

24 Prostíbulo de culto. Em muitas formas de culto da antiguidade, a prostituição assumia um caráter semirreligioso. CBASD, vol. 4, p. 688, 689.

26 Filhos do Egito. Alguns consideram uma referência ao caráter licencioso do culto egípcio. CBASD, vol. 4, p. 689.

De grande membros. Uma figura sem eufemismos que representa o poder do Egito e a força dos soldados egípcios (ver Ez 23:20). CBASD, vol. 4, p. 689.

27 Filisteus. desde os tempo dos juízes, os filisteus foram inimigos persistentes de Israel. Foram subjugados por Davi, mas se tornaram um problema durante o período dos últimos reis. CBASD, vol. 4, p. 690.

28 Filhos da Assíria. Tanto Judá (2Rs 16:7) como Israel (Os 5:13) fizeram aproximações com a Assíria. CBASD, vol. 4, p. 690.

29 Caldeia. Babilônia encerra a lista de nações com as quais Israel se prostituiu. CBASD, vol. 4, p. 690.

35 Ouve a palavra. Após apontar o pecado de Judá, o profeta começa a pronunciar seu castigo, e continua com a mesma linguagem figurativa. CBASD, vol. 4, p. 690.

44 Tal mãe. Um exemplo da tendência oriental de expressar experiências de vida na forma de ditados curtos e vigorosos. … O ditado quer dizer que Israel, apesar de ter se orgulhado de uma ascendência superior, na verdade não era melhor que seus antecessores heteus (ver com. do v. 3). CBASD, vol. 4, p. 691.

47 Não só. O maior pecado teria de ser entendido no sentido de mais culpa por ter tido mais oportunidade. … O castigo mais terrível virá sobre os que tiveram as maiores oportunidades, mas abusaram das misericórdias de Deus e desprezaram as advertências divinas [ver restante do com. CBASD sobre o v. 47].  CBASD, vol. 4, p. 692.

60 Uma aliança eterna. Embora Israel tivesse sido desleal e quebrado a aliança, sua infidelidade não pôde alterar a fidelidade de Deus. Ele estava disposto a entrar num novo relacionamento de aliança assim que eles se arrependessem. Infelizmente, por causa da contínua infidelidade do povo que restou na terra, o cumprimento foi adiado até a era evangélica, quando a permanência da aliança foi assegurada, não mais em base nacional, mas individual [ver mais sobre a aliança do com CBASD sobre o v. 60]. CBASD, vol. 4, p. 693.

61 As mais velhas. O plural mostra que a referência é não apenas a Samaria e Sodoma, mas que estão incluídas todas as nações que aceitassem a nova aliança. CBASD, vol. 4, p. 694.

Tua aliança. A referência provavelmente seja à interpretação errônea de Judá sobre a aliança original de Deus, cujo alcance, conforma o plano do Senhor, devia se estender ao mundo todo, mas de cujos benefícios os judeus excluíram todas as outras nações. CBASD, vol. 4, p. 694.

63 Para que te lembres. O perdão de Deus não apaga a recordação do passado pecaminoso. A vergonha que acompanha tal recordação é uma salvaguarda necessária para a nova experiência. Isso também conserva a consciência da grandeza da salvação (ver PR, 78). CBASD, vol. 4, p. 694.

 

 



EZEQUIEL 16 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
7 de janeiro de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Portanto, ó meretriz, ouve a palavra do Senhor” (v.35).

Não, Deus não estava se referindo à Babilônia neste capítulo, e sim à menina dos Seus olhos: Jerusalém. Naquele tempo muitas meninas que nasciam eram abandonadas à própria sorte, mas Deus usou desta analogia para declarar o Seu amor pelo Seu povo desde o nascimento. Semelhante ao louvor poético do livro de Cantares, Ele não economizou palavras de afeto para descrever a Sua noiva. Com ela, Ele firmou concerto adornando-a com o melhor de Seu reino e cobrindo-a com Sua glória (v.14). Eis que “era tempo de amores” (v.8).

Porém, como uma mulher cujo coração não pertence a seu marido, Jerusalém exaltou-se a si mesma como objeto de cobiça (v.15). A sua fama, ao invés de causar-lhe profunda gratidão por Aquele que a amou primeiro, tornou-se em arrogância e orgulho. Permitiu que o mesmo sentimento que despertou rebelião no Céu fosse aflorado no coração. E mediante a sua formosura, multiplicou a sua prostituição (v.26).

De forma pejorativa, e em linguagem forte, Jerusalém tornou-se um antro de práticas abomináveis, abrindo “as pernas a todo que passava” (v.25). As nações que antes a admiravam, passaram a vê-la como sua igual. Não havia mais diferença entre o povo de Deus e os ímpios, a ponto de sacrificarem seus próprios filhos (v.20) e o Senhor exclamar: “Ai, ai de ti!” (v.23). A falsa adoração a despojou do título de “rainha” (v.13) para o de “meretriz descarada” (v.30). E sobre a sua cabeça recairiam os juízos de Deus segundo o seu procedimento (v.43). Comparada a Sodoma e a Samaria, Jerusalém praticou coisas ainda piores. A soberba e o egoísmo tornaram-na hostil para com as necessidades do próximo (v.49 e 52).

No livro de Apocalipse também encontramos a descrição de uma “grande meretriz” (Ap.17:1). Esta sim, referindo-se a Babilônia. E assim como o provérbio citado em Ezequiel: “Tal mãe, tal filha” (v.44), encontramos algo semelhante na visão de João: “BABILÔNIA, A GRANDE, A MÃE DAS MERETRIZES E DAS ABOMINAÇÕES DA TERRA” (Ap.17:5). A profecia nos revela que há um poder religioso apóstata cuja apostasia gerou filhas e práticas abomináveis ao Senhor. Apesar da degradação de Jerusalém, o seu meretrício cessaria e Deus a conduziria ao arrependimento (v.63). Porém, com relação à Babilônia atual, o chamado ao arrependimento é para todo aquele que dela aceita se retirar: “Retirai-vos dela, povo Meu, para não serdes cúmplices em seus pecados e para não participardes dos seus flagelos” (Ap.18:4).

Estamos vivendo em tempos difíceis e decisivos. Deus sempre teve e sempre terá um povo para chamar de Seu. A ruína que sobreveio à Jerusalém foi o resultado da maldade que ali prevalecia. Esquecendo-se dos dias de sua mocidade (v.43), provou das consequências de seu fraco coração (v.30). Pela concupiscência dos olhos e da carne, caiu em profunda crise espiritual, a ponto de adorar a Deus e aos ídolos ao mesmo tempo. Erguida foi a bandeira da insanidade e deposta a verdadeira Bandeira (Êx.17:15).

O urgente e derradeiro chamado de Deus ao Seu povo no tempo do fim não é diferente em seu objetivo. O Senhor deseja estabelecer com o Seu Israel atual “uma aliança eterna” (v.60). As práticas abomináveis aos olhos do Senhor, hoje, não diferem das que levaram Jerusalém à queda. Inseridos em um mundo onde a máxima é de que não há verdade absoluta, a humanidade pensa ter aberto um terceiro caminho, quando a Bíblia é bem clara ao afirmar que só existem dois (Dt.30:15; Mt.7:13-14). E nesta busca insaciável pelo prazer a qualquer custo, o homem ergue em seu fraco coração ídolos que jamais conseguirão preencher o espaço que só o Eterno é capaz de preencher (Ec.3:9).

Deus está chamando homens que, semelhante a Josué, assumam o sacerdócio do lar e declarem firme e corajosamente ao mundo: “se vos parece mal servir ao Senhor, escolhei, hoje, a quem sirvais… Eu e a minha casa serviremos ao Senhor” (Js.24:15). Deus está chamando mulheres que não temam a pressão feminista e, como mulheres virtuosas (Pv.31:10), assumam a sua “missão de mãe” (1Tm.2:15) como uma sagrada e santa obra. Deus está chamando filhos que, à semelhança de José, honrem a seus pais e ao Senhor a despeito das tentações que os assaltam (Gn.39:12) e das más influências que os rodeiam.

Creio estarmos vivendo o tempo propício para o cumprimento das palavras do profeta: “Ele converterá o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos a seus pais, para que Eu não venha e fira a terra com maldição” (Ml.4:6). Não é sem razão que as famílias têm sido bombardeadas por Satanás através dos inúmeros artifícios midiáticos. Precisamos blindar a nossa casa com oração e sabedoria. Precisamos, como Jacó, nos agarrar às vestes do Senhor e não deixá-Lo ir enquanto há graça. Então, quando os juízos de Deus vierem com ímpeto jamais visto, “serás salvo, tu e a tua casa” (At.16:31). Portanto, vigiemos e oremos!

Bom dia, famílias benditas do Senhor!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Ezequiel16 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



EZEQUIEL 16 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
7 de janeiro de 2021, 0:40
Filed under: Sem categoria

EZEQUIEL 16 – Este capítulo apresenta uma mulher infiel, possui imagem sexual explícita. A ideia é falar do adultério espiritual, mais comum pela idolatria, que é trocar Deus por qualquer coisa ou pessoa.

Dizem que o amor suporta mais a morte do que a traição. Ser traído é dolorido, a traição fere profundamente o coração. O adultério espiritual fere terrivelmente o coração de Deus, que neste texto é exemplificado como marido ferido, embora fora amoroso, fiel, dedicado, atencioso e responsável.

Por outro lado, Israel é visto como esposa de Deus; mas, seu caráter o condena, sua reputação não é boa. Além de desprezar o único Deus amoroso, Isarel O troca por qualquer coisa insignificante, descamba para a prostituição e adultério espiritual escancarado.

Após dar o título para o capítulo: “A mulher adúltera: Pisoteando a graça de Deus”, Daniel Isaac Block o sintetiza em cinco pontos:
1. Chamado ao comparecimento de Israel – intimação (vs. 1-3a);
2. A acusação de Jerusalém (vs. 3b-34);
3. A sentença de Jerusalém: Suspensão da graça (vs. 35-43);
4. Tal mãe, tal filha: Jerusalém desqualificada para a graça (vs. 44-56);
5. O duplo raio de esperança (vs. 53-63).

Deveríamos ler várias vezes esse capítulo em várias versões bíblicas. Faça isso; e, depois, com oração, medite nestas aplicações espirituais:
• Como Israel, podemos estar vivendo um romance aos trancos e barrancos com Deus, ferindo Seu coração e fazendo-O sofrer por nossa instabilidade emocional.
• Podemos cometer adultério sem nunca ter casado ou nunca ter traído nosso cônjuge; o adultério espiritual é real, pior que qualquer traição, pois significa trair nosso amado Criador e Salvador.
• Embora nossa safadeza espiritual seja evidente, e nossa infidelidade a Deus seja levada a julgamento, Deus está mais do que disposto a nos oferecer perdão para reatar o relacionamento arruinado.
• Da mesma forma que a traição conjugal atrai muitas desgraças, a traição espiritual não é diferente, pode ser pior – Israel caiu da graça e perdeu sua terra e liberdade.
• Apesar das práticas detestáveis dos pecadores, Deus não os abandona; pelo contrário, como um marido perdidamente apaixonado, propõe aceitar de volta os prostitutos, idólatras, ingratos, infiéis, imorais e adúlteros.
• Deus anseia nosso arrependimento; ao buscarmos Seu perdão, Ele restaura nossa condição e livra-nos da desgraça de nosso pecado.

Peça perdão ao Senhor! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: