Reavivados por Sua Palavra


SALMO 78 – BUSQUE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
20 de abril de 2020, 1:10
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO SALMO 78 – Leia a Bíblia antes

SALMO 78 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO PR. HEBER TOTH ARMÍ

COM. VÍDEO PR ADOLFO SUAREZ (link externo)

COM. VÍDEO PR RONALDO DE OLIVEIRA(link externo)

COM. VÍDEO PR EVANDRO FÁVERO (link externo)

COM. VÍDEO PR WEVERTON E EQUIPE (link externo)

COM. VÍDEO PR MICHELSON BORGES (link externo)

COM. VÍDEO PR VALDECI JÚNIOR (link externo)



SALMO 78 by Jeferson Quimelli
20 de abril de 2020, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/sl/78

Este capítulo é uma reapresentação da história de Israel, do Egito até Davi.

Você gosta de ser lembrado de sua história? Não seria bom se sempre falassem de você apenas com descrições positivas? Algum de nós gosta de ouvir sobre as escolhas negativas que fizemos? Podemos aprender com nossas experiências e escolhas negativas?

Sim, nós podemos. Aprender com nossos erros, para não repeti-los depois, é o objetivo. Podemos fazer isso sozinhos? Absolutamente não! Nós precisamos da ajuda de Deus. Com Sua ajuda e orientação, podemos fazer melhores escolhas e decidir não repetir o negativo.

Assim como Deus não desistiu dos israelitas, Ele não desistiu de nós! Não importa a nossa história; é como permitimos que Deus nos corrija e nos forme para a eternidade que importa.

Kirsten Machado
Professora da Escola Adventista Americana de Taipei, Taiwan

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=802

 

Texto da rodada anterior:

Os hinos nacionais despertam em nós sentimentos de patriotismo. As palavras de um hino nacional exaltam o país e nos lembram da sua grandeza. Os hinos nacionais normalmente não mencionam os fracassos do país, pois pode ser contra-produtivo. No entanto, é exatamente isso que o Salmo 78 faz. Pior ainda, nele os fracassos de Israel são apresentados contra o pano de fundo dos maravilhosos atos de Deus que vez após vez os socorre.

Após a travessia do Mar Vermelho e da água brotar da rocha, Israel pecou por resmungar acerca do alimento. Quando Deus lhes deu o maná, eles queriam carne. Quando Ele deu-lhes carne de codorna eles comeram tanto a ponto de ficarem doentes. Mas Deus foi misericordioso e os perdoou sempre que se arrependeram.

O Salmo 78 é, na verdade, um hino nacional que relembra a rejeição de Efraim, do Norte de Israel, e a seleção de Judá como a tribo da realeza. O compositor no entanto, não antecipa a futura rejeição de Judá.

Nunca devemos nos orgulhar de sermos os escolhidos de Deus, porque ser a nação escolhida e fazer parte da igreja remanescente depende da nossa fidelidade. Deus não nos abandona, nós é que o abandonamos.

Gordon Christo
India

Texto original: https://reavivadosporsuapalavra.org/2017/01/17/ e http://revivedbyhisword.org/en/bible/Psa/78/
Tradução: Jeferson Quimelli/Pr Jobson Santos



SALMO 78 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
20 de abril de 2020, 0:50
Filed under: Sem categoria

774 palavras

O Salmo 78 é o mais longo dos hinos nacionais de Israel (ver Sl 105, 106). Ele narra a história de Israel desde o Egito até o estabelecimento do reino sob o governo de Davi. O salmista recorda o passado com suas repetidas rebeliões e consequente sofrimento e punição, como propósito de advertir a nação a ser fiel a Deus no presente e no futuro. O salmo é basicamente didático: busca instruir de forma correta. Como tal, não segue o curso histórico com exatidão cronológica. O salmista dispõe dos acontecimentos conforme sejam mais apropriados para seu propósito, para mostrar a bondade de Deus a despeito da rebeldia da Israel. CBASD, vol. 3, p. 916.

Parábolas. Do heb. mashal (ver com. de Sl 49:4; cf. Mt 13:34; 35). Uma parábola requer atenção e raciocínio para que possa ser compreendida. CBASD, vol. 3, p. 916.

Vindoura geração. Indica-se o curso da tradição. É uma responsabilidade sagrada de toda geração transmitir à seguinte o relato da providência divina. CBASD, vol. 3, p. 916.

Efraim. É provável que esta tribo seja nomeada porque foi por um período a mais numerosa e agressiva de todas. Josué era da tribo de Efraim (Nm 13:8, 16). Se, por acaso, refere-se a alguma ocasião específica, não se sabe qual. Nesta passagem, Efraim pode significar todo o reino. CBASD, vol. 3, p. 916.

17 Deserto.Do heb. tsiyyah, que designa uma região seca. CBASD, vol. 3, p. 916.

19 Preparar-nos mesa. Ver Sl 23:5. As perguntas poéticas dos v. 19 e 20, colocadas de forma poética na boca dos murmuradores, tornam mais vívidas a narrativa histórica. Suas queixas eram “contra Deus”, que lhes tinha dado todos os motivos para que confiassem nEle. CBASD, vol. 3, p. 916.

20 Pão também. De  acordo com a narrativa histórica, a ordem desses milagres foi inversa (ver Êx 16:8, 12, 17:6; Nm 11:31, 32; 20:8-11). O salmista não se atém a uma estrita ordem cronológica. CBASD, vol. 3, p. 917.

23 As portas dos céus. Comparar com 2Rs 7:2, 19; Ml 3:10. O Salmo 17:23 a 25 é uma belíssima descrição poética do maná. CBASD, vol. 3, p. 917.

24 Cereal. Do heb. dagam, “grão” ou cereal para fazer pão (ver Êx 16:4; Sl 105:40; cf Jo 6:31). O maná era parecido com “semente de coentro” (Êx 16:31). CBASD, vol. 3, p. 917.

25 Pão dos anjos. Literalmente, “pão de poderosos”. Os poderosos de Deus são os anjos (Sl 103:20). A LXX traz “pão dos anjos”. Com esta declaração, não devemos deduzir que o maná seja o alimento dos anjos. A frase simplesmente significa “alimento que lhes foi provido pelos anjos” (PP, 297). CBASD, vol. 3, p. 917.

36 Mentiam. O arrependimento deles não era aborrecimento do pecado, mas medo do castigo (ver com. de Sl 32:6). CBASD, vol. 3, p. 917.

43 Seus sinais. Retorna-se à narrativa das pragas. O salmista parece mencionar apenas seis das dez pragas. ele começa com a primeira, continua com a quarta, depois com a segunda, a oitava e a sétima, nesta ordem, e termina seu relato com a décima. O salmo não é um tratado científico, mas um poema inspirado em que se escolhe apenas os fatos suficientes do registro histórico para criar a impressão desejada. CBASD, vol. 3, p. 917.

51 Tendas de Cam. Cam era o pai de Misraim, ancestral dos egípcios (ver com. de Gn 10:6; cf. Sl 105; 23, 27). CBASD, vol. 3, p. 918.

57 Um arco enganoso. Um arco que não lança a flecha diretamente ao alvo, e que, portanto, frustra o arqueiro (ve Os 7:16). CBASD, vol. 3, p. 918.

60 Siló. Por cerca de 300 anos, o tabernáculo e a arca ficaram em Siló, um lugar situado a mais ou menos 16 km ao norte de Betel (ver Js 18:10; Jz 18:31; 1Sm 4:3). Depois que foi tomada pelos filisteus (1Sm 4) e recuperada, a arca nunca mais retornou a Siló. em vez disso, foi levada diretamente a Jerusalém (ver PP, 514; cf. Jr 7:12, 14). CBASD, vol. 3, p. 918.

63 O fogo devorou. Um quadro de desolação: jovens mortos na batalha, mulheres sem se casar, sacerdotes assassinados (ver 1Sm 4:11), ninguém para lamentar pelos mortos (ver Jó 27:15). Quão grande é a desolação de um país quando não existem cerimônias de casamento ou funerais dignos! CBASD, vol. 3, p. 918.

65 Despertou como de um sono. Com esta metáfora, o salmista representa Deus como completamente indiferente a Seu povo, até que Se levanta para ajudá-lo. O uso desta metáfora estranha e da figura do valente que grita estimulado pelo vinho parece anormal para o modo de pensar ocidental, mas não é incomum para a mente oriental. CBASD, vol. 3, p. 918.

70 Escolheu a Davi. O salmo termina com um belo quadro de um pastor do rebanho tornando-se o pastor de Israel, por indicação divina (ver 1Sm 16:11-13; 2Sm 3:18; 7:5, 8). CBASD, vol. 3, p. 918.

71 As ovelhas e suas crias. O pastor não só guia as ovelhas, como também segue as fêmeas do rebanho para que possa atender, quando necessário, aos cordeiros recém-nascidos. CBASD, vol. 3, p. 918.

72 Ele os apascentou. Um belo tributo ao pastor-rei de Israel: ele governou com integridade e habilidade (ver 1Rs 9:4). CBASD, vol. 3, p. 918.



SALMO 78 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
20 de abril de 2020, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Escutai, povo Meu, a Minha lei; prestai ouvidos às palavras da Minha boca” (v.1).

Um Salmo que inicia com palavras proferidas pelo próprio Deus merece uma atenção especial, vocês não acham? Ao estudar o livro de Êxodo, percebemos que cada detalhe da história de Israel possui um significado maior. Por exemplo:

– O maná (v.24) representava a Cristo, “o pão vivo que desceu do céu” (Jo.6:51);
– A rocha que jorrava água (v.16), também era uma representação de Cristo, “a pedra angular” (1Pe.2:4) e a água da vida (Jo.4:14);
– O santuário terrestre (v.69) era uma ilustração acerca do plano da salvação em Cristo Jesus e do verdadeiro santuário, o celeste (Hb.8:2).
Portanto, não é de se estranhar que Jesus tenha Se comunicado através de parábolas (v.2; Mt.13:35).

Em nosso estudo da jornada dos hebreus, percebemos também que a ideia de um Deus tirano foi lançada por terra. O cuidado do Senhor para com o Seu povo não era guiado por Sua ira, mas por Sua rica misericórdia (v.38). Vez após outra, o povo O tentava com suas rebeliões e murmurações (v.8). Apesar de terem sido testemunhas oculares de sinais e prodígios jamais vistos (v.11, 12), ainda assim endureciam o coração cada vez que sentiam falta de algo que possuíam no Egito. Não conseguiram avançar para a terra prometida, enquanto não pararam de olhar para trás.

Meus amados, o Senhor não elegeu Israel para ser o único povo a ser salvo, mas como Seu representante da única mensagem de salvação. A primeira declaração de Cristo na tentação do deserto é um chamado de Deus para todos. Ele não disse: “Nem só de pão viverá o judeu…”, e sim: “Nem só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus” (Mt.4:4). Portanto, obedecer às palavras que saem da boca de Deus “é o dever de todo homem” (Ec.12:13).

Mas, infelizmente, Israel não deu ouvidos ao que Deus ordenou (v.5). As novas gerações foram surgindo e os propósitos do Senhor foram sendo esquecidos (v.7). A ordem de Deuteronômio 6:4-9 (Leia este texto!) foi ignorada, e seus filhos “tornaram atrás…desviaram-se como um arco enganoso” (v.57). Notem a preocupação de Deus para com a educação dos filhos. Não era importante apenas o conhecimento da Palavra de Deus, mas a sua vivência. A vida espiritual dos pais deveria ser refletida na dos filhos e assim por diante.

Ao ver toda a história de Israel se cumprir na vida de Jesus, a geração que O contemplou deveria tê-Lo adorado e não O rejeitado. Não corremos nós o mesmo risco? Nunca se falou tanto em Deus como hoje. Nunca houve no mundo tantas igrejas cristãs. Mas também nunca houve uma geração tão ignorante com relação às verdades da Bíblia e inúmeros lares destruídos. E quanto mais o mundo busca a paz e a fraternidade, tanto mais o caos se instala. Porque com a boca lisonjeiam a Deus (v.36), mas o coração não é firme para com Ele e não são “fiéis à Sua aliança” (v.37). O homem busca o próprio infortúnio ao dar as costas para as palavras da vida eterna. Assim como os filhos de Israel “não reprimiram o apetite” (v.30), o apetite deste mundo pelo mal não tem limites. Se, como Daniel, rejeitarmos “as finas iguarias” do príncipe deste mundo (Dn.1:8), o Senhor nos dará o “cereal do Céu” (v.24), “o pão dos anjos” (v.25).

Onde estão vocês, pais e mães que decidem iluminar este mundo com uma descendência que verdadeiramente teme a Deus? A maior herança que podemos deixar aos nossos filhos é uma vida espiritual sólida e fiel. O Senhor nos deu filhos para isto. Eles não são nossos, são a “herança do Senhor” (Sl.127:3). Somos chamados a educar uma geração de verdadeiros adoradores (Jo.4:23), e, para isso, a mudança deve começar em nós. Então, pela graça e misericórdia do Senhor, nossa casa cumprirá o propósito divino: “A primeira obra dos cristãos é manter a unidade da família. Quanto mais intimamente forem unidos os membros da família em sua obra no lar, tanto maior será a influência que pais e mães exercerão fora dele” (Fundamentos do Lar Cristão, p. 20). Vigiemos e oremos!

Bom dia, lares de esperança!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Salmo78 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



SALMO 78 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
20 de abril de 2020, 0:40
Filed under: Sem categoria

SALMO 78 – A história é mais ampla do que podemos ver, analisar ou estudar. O salmo em apreço coloca um aspecto que os livros de histórias ignoram, certamente por desconhecê-lo: A mão soberana e providente de Deus.

Do nosso ponto de vista a história tem muitos pontos inexplicáveis, os quais serão entendidos quando sentarmos aos pés de Cristo lá no Céu e ouvir de Seus lábios de amor a Sua versão de nossa história, de nossa família, de nossa cidade, de nossa nação e de nosso mundo.

No salmo em questão, a nação de Israel está em evidência. Contudo, nele temos a atuação divina no tempo e no espaço que fez de Israel chegar a ser o que é. Deus também pode operar em nossa vida individual e guiar de tal forma que se olharmos para trás só poderemos reconhecer a mão de Deus por trás de nossa vida.

1. Cada geração deve compartilhar as maravilhas poderosas realizadas por Deus através de louvores, de pregações ou testemunhos ousados a quem estiver disposto a ouvir, mas principalmente a nossos filhos (vs. 1-4).

2. A proclamação correta e sistemática da operação de Deus na história aos filhos e a exaltação dos princípios do Deus que age em prol do bem e da felicidade de Seu povo além de tornar conhecido o Deus verdadeiro às nações descrentes, freia a maré da imoralidade no mundo (vs. 5-8).

3. A recapitulação histórica do ponto de vista divino para o povo de Deus é de suma importância tanto quanto o testemunhar os atos de Deus para as nações pagãs, pois:
a) Revela a apostasia gritante do povo que um dia foi fiel (vs. 9-16);
b) Explica atitudes iníquas que o povo de Deus teve contra Ele (vs. 17-20);
c) Expõe a doutrina do juízo juntamente com a imensurável misericórdia de Deus (vs. 21-31);
d) Paciência de Deus frente à rebeldia e ingratidão do povo de Deus (vs. 32-35);
e) Apresenta o limite da paciência de Deus e Sua intolerância real diante do pecado, mas também Sua solução diante desse problema insolúvel aos olhos humanos (vs. 36-72).

A história do ponto de vista divino pode não ser tão interessante quanto gostaríamos, entretanto nos faz perceber o quanto precisamos amadurecer espiritualmente. Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: