Reavivados por Sua Palavra


JUÍZES 20 by jquimelli
31 de maio de 2019, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/juizes/jz-capitulo-20/

Juízes se inicia com a morte de Josué e a subsequente apostasia de Israel. Desde então, os filhos de Israel foram oprimidos por causa da sua infidelidade e também se dividiram e chegaram, às vezes, até mesmo a lutar e matar uns aos outros. Neste capítulo, finalmente vemos o que não havia mais acontecido desde os dias de Josué: a nação inteira de Israel – exceto os benjamitas – se ajuntando “como um homem” (v. 8). Reuniram-se para tratar da “maldade” que havia ocorrido entre eles.

Deus intencionalmente permitiu que Israel fosse derrotado duas vezes antes de conceder-lhes a vitória. Havia uma importante lição a ser aprendida sobre como obter a bênção de Deus. Mesmo sendo justa a causa – remover a iniquidade de Israel -, o Senhor exige arrependimento e humildade, especialmente considerando que toda a nação era merecedora da ira de Deus.

Há um grande contraste entre o ultraje moral exibido em Gibeá e a completa falta de preocupação de Israel com todos os anos de aberta idolatria que eles praticaram. A punição pretendida aos gibeonitas era a completa destruição de toda a vida e propriedade, mas tal julgamento havia sido prescrito apenas para o pecado de idolatria (Dt 13:12-18)! Na sua hipocrisia, eles não perceberam que haviam sido mais diligentes na destruição de seus irmãos pelos pecados deles, do que o foram em buscar expiação pelos seus próprios pecados e extirpá-los do seu meio.

Que isso sirva de lição para nós! Antes de corrigirmos a outros devemos corrigir a nós mesmos.

Justo Morales
Southern Adventist University

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=477
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



JUÍZES 20 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
31 de maio de 2019, 0:55
Filed under: Sem categoria



JUÍZES 20 – COMENTÁRIO PR. HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
31 de maio de 2019, 0:45
Filed under: Sem categoria

Se Israel tivesse sido fiel a Deus… Se os levitas tivessem se comprometido com sua função sacerdotal… Se a busca pelos princípios espirituais fossem levados mais a sério… o livro de Juízes não existiria!

Após o levita espalhar os pedaços de sua esposa-prostitua às doze tribos de Israel, a situação ficou complicada. Observe o esboço deste capítulo extraído do Comentário Bíblico Adventista:

1. O levita declara sua afronta em uma assembleia geral (vs. 1-7);

2. A declaração da assembleia (vs. 8-11);

3. Os benjamitas resistem contra os israelitas (vs. 12-17);

4. Os israelitas perdem quarenta mil soldados em duas batalhas (vs. 16-25);

5. Por meio de uma tragédia, destroem todos os benjamitas, exceto seiscentos (vs. 26-48).

A depravação da religião resulta em depravação da sociedade. A depravação da sociedade gera um ambiente perigoso. Uma corruptela da moralidade torna as pessoas cruéis, agressivas e corrompidas. Não há outra explicação para uma nação em conflito e rebelião, confusão e exacerbada corrupção.

Pequenas concessões aos pecados resultam em grandes confusões. Uma guerra civil no povo de Deus nos dias dos juízes deixou claro como o pecado é vil. Desgraças e caos social promovem reavivamentos, mas não verdadeiros. Observe:

“Uma vez arrefecida a fúria, as onze tribos deram-se conta que haviam praticamente exterminado uma tribo de Israel e caíram em pranto […]. Ofereceram sacrifícios ao Senhor, mas não há registro algum de que o povo tenha se humilhado, confessado seus pecados e buscado ajuda do Senhor” (Warren W. Wiersbe).

Enfim,

· Nem toda contrição, tristeza e arrependimento resulta em humilhação, restauração e perdão divino.

· Nem todo movimento coletivo em prol da justiça é um reavivamento justo perante Deus.

· Reavivamento que não resulta em reforma de vida, de coração e que leve a um compromisso com Deus e Seus sagrados princípios não passa de uma fraude do verdadeiro reavivamento.

· Compromisso insuficiente com Deus gera espiritualidade deficiente, fé decadente e fervor deprimente.

Os últimos capítulos de Juízes são como apêndice apresentando as condições religiosas, políticas e sociais do povo de Deus nos dias dos doze juízes apresentados nos capítulos 3 a 16, imediatamente à conquista da Terra Prometida. Após Deus ter feito tanto e cumprido o que havia prometido a eles, é assim que eles reagiram. E quanto a nós? – Heber Toth Armí.



JUÍZES 20 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
31 de maio de 2019, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Tornaremos a sair ainda a pelejar contra os filhos de Benjamim, nosso irmão, ou desistiremos? Respondeu o Senhor: Subi, que amanhã Eu os entregarei nas vossas mãos” (v.28).


Ao espalhar entre as tribos de Israel as partes do corpo de sua concubina, o levita provocou grande revolta. De maneira que “todo o povo se levantou como um só homem” (v.8). De início, foi pedido que os filhos de Benjamim entregassem apenas os “filhos de Belial”, para que estes fossem mortos, mas “Benjamim não quis ouvir a voz de seus irmãos, os filhos de Israel” (v.13). Pronto! Estava instalado o cenário de guerra entre irmãos! Tudo por causa de um levita que foi conivente com a brutalidade cometida contra a sua concubina e que omitiu de seus irmãos tudo que não lhe fosse favorável. Como chefe de família e líder espiritual, seria sua obrigação defender a mulher com a própria vida (Ef.5:25), o que não aconteceu.

A sequência foi a seguinte: primeiro Israel se reuniu como um só homem, ou seja, com um só propósito: vingar a atrocidade cometida pelos benjamitas, confiando apenas na palavra do levita. Antes de consultarem a Deus, consultaram ao homem. Logo após, novamente sem consultar a Deus, enviaram mensageiros à Benjamim. Prosseguindo em seus desígnios, declararam guerra. E adivinhem só? De novo, Deus não foi consultado. Apenas quando prontos para a batalha, é que decidiram ir à presença de Deus. Era como se dissessem mais ou menos assim: “Senhor, já decidimos que vamos para a guerra, só queremos que nos diga quem vai na frente”. Era só isso que eles queriam saber. Então Deus deu exatamente a resposta que eles desejavam.

Ao voltarem com menos vinte e dois mil homens, choraram perante Deus e a pergunta então mudou: “Então, Senhor, podemos voltar à guerra?” “Vão”, respondeu o Senhor. Resultado: mais dezoito mil mortos de Israel. Só na terceira vez, Israel fez o que deveria ter feito desde o início: todo o povo, como um só homem, reunido, chorando e jejuando, e oferecendo ofertas pacíficas perante Deus. E pela terceira vez consultaram ao Senhor: “Voltaremos a pelejar contra nosso irmão, ou desistiremos?” Finalmente fizeram a pergunta certa. E para uma pergunta certa, Deus tem a resposta certa: “Subi, que amanhã Eu os entregarei nas vossas mãos” (v.28).

O mesmo orgulho e espírito competitivo que percebemos naquelas doze tribos, também foi perceptível na vida dos doze discípulos de Cristo. Por vezes indagavam entre si quem seria o maior no Reino dos Céus. Não haviam compreendido a real missão de Jesus na Terra. Foi quando os discípulos entenderam o verdadeiro amor, que tomaram o caminho certo: “Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão de casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus e contando com a simpatia de todo o povo. Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos” (At.2:46-47).

Unanimidade na oração, eis o segredo da vitória! Foi quando Israel compreendeu isso, que o Senhor venceu por eles. Não permita que seus impulsos o dominem. A vingança, o orgulho e o rancor são armas que matam o próprio agressor. O amor, a paz e a bondade proporcionam cura e libertação. Mas tanto o livramento do que é mau quanto a recepção do que é bom, deve ser resultado de uma vida consagrada à oração. Foi quando o povo orou que veio a vitória. Foi quando os discípulos oraram que veio o Espírito Santo. Os benjamitas olharam para Israel e viram a face da vitória. As pessoas olharam para os discípulos e viram neles o poder do Espírito Santo. Se estivermos unidos a Deus, num mesmo propósito, Ele trará a nossa justiça à luz (Jr.51:10) e seremos Suas testemunhas (At.1:8), anunciando entre as nações a Sua glória (Is.66:19). Vigiemos e oremos!

Bom dia, corpo de Cristo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Juízes 20 #RPSP

Comentário em áudio:
youtube.com/user/nanayuri100



JUÍZES 20 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
31 de maio de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria

885 palavras

Se ajuntou perante o SENHOR em Mispa, como se fora um só homem. O ultraje foi tão terrível que conseguiu unir Israel mesmo em uma época tão sem lei. O povo se dirigiu a Missa porque o santuário estava lá (v. 26-28). Bíblia de Estudo Andrews.

Mispa. Cidade da fronteira ao norte de Benjamim, uns 13 km ao norte de Jerusalém. Bíblia Shedd.

Desde Dã a Berseba. Desde Dã, a colônia de hebreus que estava no extremo norte (ver Jz 18) até Berseba, a colônia no extremo sul, à margem do Neguebe, ao sul de Judá. CBASD, vol. 2, p. 433.

Terra de Gileade. Esta expressão parece incluir a todos os hebreus que viviam a leste do Jordão. CBASD, vol. 2, p. 433.

Cidadãos de Gibeá. Tal foi a impressão da maldade feita por aqueles homens, e seu julgamento, que permaneceu na lembrança do povo até os dias de Oséias. Bíblia Shedd.

Vergonha e loucura. Veja 19.23n*. O erudito M. Noth acha que “vieram loucura em Israel”era frase técnica apropriada para certas violações da lei divina, rigorosa especialmente em casos de pecado sexual. Bíblia Shedd.

[* Loucura. O heb. nebalah tem significado ainda mais forte. “Impiedade”, “devassidão”(cf 1 Sm 25.25) talvez represente melhor seu sentido. Bíblia Shedd.]

13 Não quis ouvir. A tribo de Benjamim preferiu guerra civil a entregar seus criminosos. Nesse caso, o orgulho tribal e a solidariedade serviram para apoiar e defender homens da pior espécie. … Os Benjamitas demonstraram tremenda coragem, mas numa causa indigna. CBASD, vol. 2, p. 434.

16 Atiravam com a funda uma pedra num cabelo. Esta expressão indica precisão extrema. … Na História secular, os homens da Antiguidade são descritos como especialistas na arte de arremessar pedras com tanta força como se fossem atiradas de uma catapulta, perfurando escudos e capacetes. CBASD, vol. 2, p. 434.

18 Betel. No heb., Beth-‘el. A KJV preferiu traduzir a palavra e diz “Casa de Deus”. … realmente, era em Siló, no tabernáculo, que eles iam pedir o conselho de Deus (ver Jz 21:2, 4, 12). CBASD, vol. 2, p. 435.

Quem dentre nós … ? Um exército tão grande não conseguiria se posicionar com facilidade ao redor da pequena montanha na qual Gibeá estava sitiada. Decidiram que apenas uma tribo atacaria de cada vez. CBASD, vol. 2, p. 435.

23 Choraram perante o Senhor. É possível, neste caso, que Deus não concedeu vitória a Israel pelo fato deste não ter afastado o pecado de seu meio. … Confiando na sua grande superioridade numérica, talvez não tivesse confiado devidamente em Deus. Bíblia Shedd.

26 Jejuaram. Esta é. primeira vez na Bíblia em que ocorre a palavra “jejum”, apesar de a prática ter se iniciado muito antes. CBASD, vol. 2, p. 436.

28 Fineias. De acordo com Josué 22:12 e 13, Fineias foi o sacerdote do tabernáculo em Siló durante os dias de Josué. A menção de seu nome neste verso, coloca o incidente do levita e da concubina durante o tempo de vida da primeira geração de israelitas na Palestina. O que apoia o ponto de vista… de que os últimos cinco capítulos de Juízes ocorreram vários anos antes dos demais eventos descritos no livro. CBASD, vol. 2, p. 436.

O povo havia caído tão baixo dentro do período de vida de um homem! Bíblia de Estudo Andrews.

Amanhã Eu os entregarei. Aos israelitas não foi permitido obter a vitória até que passassem por um período preparatório. Os contratempos os levaram a jejuar, orar e indagar com fervor qual teria sido a causa de seu fracasso. Deus aproveitou essa demora para lhes apontar os próprios defeitos de caráter que necessitavam de correção… Os israelitas estavam excessivamente prontos para assumir a tarefa de corrigir os irmãos, sem estar conscientes de suas próprias deficiências. Foi para corrigir esse mesmo tipo de deficiências que Jesus deu Sua instrução sobre a trave e o argueiro (ver Mt 7:5). CBASD, vol. 2, p. 436.

34 Não imaginavam. Ao estar cada um deles ocupado em sua própria frente de combate, não perceberam que seu exército estava completamente cercado e, assim, condenado à destruição. CBASD, vol. 2, p. 437.

47 À penha Rimon. De todo o exército benjamim, os únicos soldados que escaparam foram os 600 homens que se esconderam nas cavernas de calcário na montanha de Rimon. CBASD, vol. 2, p. 437, 438.

48 Tudo o que restou da cidade. A matança indiscriminada de não combatentes, para não mencionar o exército quebrado e em fuga, era totalmente desnecessária. O pecado dos homens de Gibeá era grande e precisava ser punido. No entanto, quando a resistência do exército de Benjamim foi minada, a missão do exército israelita havia terminado. Os indivíduos responsáveis pela ação poderiam ser pegos e punidos. A cidade deles, Gibeá, já estava em ruínas. Deveria ser suficiente. Não havia desculpa para o implacável extermínio de toda a tribo, nem para a queima das cidades deles. No entanto, o frenesi da batalha deve ter despertado nos homens paixões irracionais, o que os levou a praticar o que eles não cometeriam em são juízo. Nessas ocasiões, os homens já não são seus próprios mestres; a razão não é mais o guia, e a voz da consciência não é ouvida. Nesse caso, isso ocorreu devido especialmente ao fato de eles não terem um líder proeminente de quem o exército pudesse receber orientações e que exercesse controle sobre eles. O orgulho ferido do exército israelita, inflamado pelas duas derrotas anteriores por um adversário muito menor, levou os guerreiros a cometer um mal muito maior em sua extensão do que o pecado que eles estavam tentando punir. CBASD, vol. 2, p. 438.



JUÍZES 20 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
31 de maio de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: