Reavivados por Sua Palavra


GÊNESIS 1 A 8 – COMENTÁRIOS ADICIONAIS by jquimelli
20 de outubro de 2018, 19:31
Filed under: Sem categoria

Amados,

Caso queiram consultar comentários adicionais sobre Gênesis 1 a 8, sugerimos os postados quando de nossa primeira leitura, em abril de 2012:

Gênesis 1: http://reavivadopelapalavra.blogspot.com/2012/04/genesis-cap-1.html

Gênesis 2: http://reavivadopelapalavra.blogspot.com/2012/04/genesis-2.html

Gênesis 3: http://reavivadopelapalavra.blogspot.com/2012/04/genesis-3.html

Gênesis 4: http://reavivadopelapalavra.blogspot.com/2012/04/genesis-4.html

Gênesis 5: http://reavivadopelapalavra.blogspot.com/2012/04/genesis-5.html

Gênesis 6: http://reavivadopelapalavra.blogspot.com/2012/04/genesis-6.html

Gênesis 7: http://reavivadopelapalavra.blogspot.com/2012/04/genesis-7-segunda-23042012.html

Gênesis 8: http://reavivadopelapalavra.blogspot.com/2012/04/genesis-8-terca-24042012.html



GÊNESIS 8 by jquimelli
20 de outubro de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/genesis/gn-capitulo-8/

Pense no que deve ter sido estar na arca durante os tempestuosos quarenta dias e quarenta noites. Quando a tormenta se abateu, relâmpagos brilharam e ondas enormes esmurraram a arca. Noé e sua família devem ter sentido o coração bater forte e o estômago doer de medo. No entanto, apesar de sua ansiedade, descansaram pela fé na mão protetora de Deus. Com calma segurança, confiaram em meio à tempestade. Eles sabiam que Deus não se esquecera deles. Eles estavam confiantes de que o Seu olhar atento estava sobre eles, enquanto a arca era lançada acima das ondas de tempestade.
As quatro primeiras palavras do Gênesis 8 soam com segurança: “Então Deus lembrou-se de Noé…” (v. 1 NVI). Nas tempestades da vida, Deus não se esquece de nós. Nas provações da vida não somos deixados sozinhos. Nos maiores desafios da vida, não somos órfãos cósmicos. Nas dificuldades da vida, Ele está lá.
O mesmo Deus que levou Noé e sua família para a arca, os protegeu enquanto permaneceram lá e os levou para fora para um novo futuro brilhante. Quando aceitamos a Palavra de Deus pela fé, obedecemos aos Seus mandamentos e fazemos a Sua vontade, Ele também nos leva a um futuro cheio de esperança.

Mark Finley
Evangelista

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=278
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Isabela Brossi, Jeferson e Gisele Quimelli

Ouça este comentário em áudio:



GÊNESIS 8 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
20 de outubro de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



COMENTÁRIO GÊNESIS 8 – PR. HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
20 de outubro de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

GÊNESIS 8 – O interesse de Deus pelo ser humano é bem maior do que imaginamos. Examine o texto!

Warren W. Wiersbe comenta: “…da próxima vez que você se vir em meio a uma tempestade, o texto de Gênesis 8 pode lhe dar nova esperança e ânimo. Isso porque o tema desse capítulo é restauração e o descanso depois da tribulação. O capítulo relata o final de uma tempestade e o começo de uma nova vida e esperança para o povo e a criação de Deus. Reflita sobre o que Deus faz em Gênesis 8 e tenha bom ânimo!”

Os tópicos extraídos do texto por Wiersbe são os seguintes:

1. Deus se lembra dos Seus (v. 1);
2. Deus renova Seu mundo (vs. 1-14);
3. Deus recompensa a fé (vs. 15-19);
4. Deus recebe adoração (v. 20);
5. Deus reafirma a ordem natural (vs. 20-21), prometendo que…
• A terra não será mais amaldiçoada (v. 21);
• Não haverá mais dilúvios universais (v. 21);
• O ciclo da natureza não será interrompido (v. 22).

Observe que Deus não poupou espaço. Uma embarcação para oito pessoas seria bem mais fácil fazer do que para as inúmeras espécies de animais. Deus Se preocupa e usa Suas criaturas, isso não significa que devam ser explorados ou abusados pelos seres humanos; pelo contrário, eles devem ser protegidos e cuidados, assim como Deus fez na arca.

Há vários textos que apresentam informações em relação aos animais. Eles são criaturas de Deus (Gênesis 1; Jeremias 27:5). Eles foram criados para servir ao ser humano, porém estes não devem maltratá-los (Provérbios 12:10; Deuteronômio 25:4). O Criador preza pelos animais e conhece quando são afligidos (Números 22:21-34; Salmo 36:6; 104:10-18; Joel 1:18-20; 2:22; Jonas 4:11). O soberano do Universo cuida até mesmo das pequenas aves e observa como as tratamos, e isso será tema de juízo divino no dia de nosso acerto de contas (Apocalipse 11:18).

• Se seres humanos estiverem sofrendo por causa do pecado, certamente Ele irá intervir; pois, vale mais um ser humano que um animal (Mateus 6:26; 12:11-12).

• Se Deus tem tanto interesse até pelos animais, muito mais Ele Se importa com seres humanos (Êxodo 3:7-8).

• Se quem maltrata animais responderá perante Deus, quanto mais exploradores de pessoas!

Clamemos: “Senhor, reaviva-nos…; livra-nos…; restaura-nos…” – Heber Toth Armí.



GÊNESIS 8 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
20 de outubro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Lembrou-se Deus de Noé […]; Deus fez soprar um vento sobre a terra, e baixaram as águas.” (v.1).


Os concursos e vestibulares estão cheios de casos de pessoas que chegam após o horário limite. Segundo cada edital, há um horário estabelecido para a abertura e para o fechamento dos portões dos locais de prova. E apesar das lágrimas, das desculpas e de qualquer imprevisto que tenha ocorrido, nenhum candidato consegue convencer os fiscais a abrir algum tipo de exceção. Todo o conhecimento adquirido para a realização daquela avaliação foi frustrado por uma porta fechada. Noé tinha ouvintes bem atentos que todos os dias adquiriam mais conhecimento acerca do amor de Deus e de Seu breve juízo. O velho professor não se cansava de lecionar a matéria *Graça*, apontando com veemência para a porta que representava a única chance que tinham de experimentá-la.

Deus concedeu àquele povo um método lúdico de ensino. E, à beira da grandiosa construção, todos tiveram a oportunidade de estudar em numa mesma escola, preparando-se para uma mesma prova. A diferença é que não tinham que competir uns com os outros. Bastava entrar pela porta no tempo determinado pelo “edital” de Deus. A respeito disso, vejamos o que registra Ellen White: “Seu período de graça estava se aproximando do fim… E agora o servo de Deus fez o seu último e solene apelo ao povo. Com um desejo angustioso, que as palavras não podem exprimir, solicitou buscassem refúgio enquanto ainda se poderia achar. De novo rejeitaram as suas palavras, e levantaram a voz em zombaria e escárnio(Patriarcas e Profetas, p. 58, 59).

Não obstante a corrupção que lhes governava o coração e todas as afrontas e palavras de grosseria que proferiam contra o pregador, as palavras de Noé sempre eram plenas de misericórdia e de amor, ao mesmo tempo em que eram poderosas e cheias de convicção. Não havia um único sinal de chuva. Cada dia amanhecia e terminava como sempre havia sido. Seus negócios prosperavam. “Comiam e bebiam, casavam e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca e não o perceberam” (Mt.24:38-39). “O Senhor fechou a porta” (Gn.7:16), e selados estavam todos para a condenação das águas.

Aquela porta representa a obra de intercessão de Jesus no santuário celeste. De igual forma, Deus tem chamado os Seus filhos para aprender mediante o estudo de Sua Palavra, o caminho da aprovação divina. Enquanto a graça de Cristo estiver à nossa disposição, a porta continuará aberta e todos continuarão sendo chamados a entrar por ela. Mas está chegando o tempo em que a porta que só Deus pode fechar ou abrir, selará o destino eterno de cada ser humano. E assim como Noé e sua família ficaram confinados na arca durante sete dias antes que viesse o dilúvio, o povo de Deus passará por um momento de grande expectativa e de grande prova de fé. Os ímpios afrontarão os filhos de Deus, dizendo: “Onde está a promessa da Sua vinda?” (2Pe.3:4). Contudo, apesar da ardente provação e da dureza de coração daqueles que rejeitaram a salvação, o Senhor susterá os Seus à sombra de Seu abrigo, e, com arrebatadora alegria declararão: “Nós, porém, segundo a Sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, nos quais habita justiça” (2Pe.3:13).

Eram oito pessoas contra um mundo inteiro e, ao contrário do que se pensa, não é a maioria que define a vitória, e sim o lado que conhece a verdadeira linha de chegada. Noé e sua família foram insultados e a mensagem de Deus de todo rejeitada. Pensavam: “Como podemos todos nós estar errados e somente esta família com a verdade? Impossível!”. E mediante tal pensamento afogaram-se todos nas “águas” de suas próprias teorias. Assim como Noé não levou em conta a controvérsia humana, mas perseverou em andar com Deus, a mesma oportunidade nos é dada hoje. Assim como ele confiou no Senhor, observando o passo a passo da cartilha do Céu, aguardando com paciência a ordem de sair da arca, precisamos clamar a Deus por este fruto do Espírito. “Levantou Noé um altar ao Senhor” (v.20). Seja a minha e a sua vida um sacrifício de amor ao Deus que nos salvou!

Bom dia, verdadeiros adoradores!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Gênesis8 #RPSP



GÊNESIS 8 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
20 de outubro de 2018, 0:10
Filed under: Sem categoria

1017 palavras

1. Lembrou-se Deus de Noé. Este verso não implica que Deus houvesse esquecido Noé durante um tempo. Esta é uma expressão que indica divina solicitude e graça. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p. 248.

4. Ararate. Todos os expositores bíblicos concordam que a referência aqui é à região montanhosa da Armênia, embora não se saiba exatamente qual a parte das montanhas do Ararate. Nada tem sido comprovado sobre a descoberta de restos da arca de Noé. A localização tradicional, o moderno monte Ararate, tem dois picos, um com 5.137 m, outro com 3.896 m de altura. Entre os persas esses picos gêmeos são conhecidos como Koh-i-nuh, “a montanha de Noé”. Este seria um lugar ideal para a arca repousar enquanto as águas baixavam. A partir dele, os sobreviventes do dilúvio podiam se espalhar por todas as terras. CBASD, vol. 1, p. 248.

5 As águas foram minguando. As águas baixaram gradualmente por dois meses e meio após a arca ter repousado sobre as montanhas do Ararate. CBASD, vol. 1, p. 248.

8 Soltou uma pomba. Embora não seja declarado quanto tempo Noé esperou antes de fazer outra tentativa, a expressão “esperou ainda outros sete dias”(v. 10) indica que o primeiro dia de espera tinha tido a mesma duração. Uma semana mais tarde a pomba permaneceu fora o dia todo, mas voltou à noite com uma folha de oliveira, aparentemente de uma árvore que havia sobrevivido ao dilúvio. Em hebraico, a expressão “nova”, literalmente “colhida fresca”, indica claramente que a folha não tinha sido achada flutuando na superfície da água. Noé reconheceu folha de oliveira como evidência de que a terra estava quase seca e que ele logo poderia sair da arca. Uma semana mais tarde a pomba já não voltou mais, o que foi uma evidência de que as condições eram suficientemente normais para que ela permanecesse fora da arca. CBASD, vol. 1, p. 248.

13 A cobertura da arca. Há indicação de que houve um período adicional de espera após o qual Noé achou que era hora de investigar por si mesmo. Uma vez que pouca coisa se podia ver pelas abertura da treliça que ficava abaixo do teto da arca, ele removeu uma parte do teto. A palavra “cobertura”, mikseh, é usada no AT para designar o teto do tabernáculo (Êx 26:14). CBASD, vol. 1, p. 248.

14 Do segundo mês. A arca é prova da bondade de Deus e da é obediente de Noé. A arca foi um refúgio em tempo de perigo, um lar para os desabrigados e um templo onde a família de No;e adorava a Deus. Conduziu-os em segurança do velho mundo para o novo, de um ambiente de vício e pecado para uma Terra purificada do pecado. A arca era o lugar de salvação apontado por Deus, e fora dela não havia segurança. E como foi nos dias de Noé, assim será quando a presente era chegar a um abrupto fim por ocasião da vinda do Filho do homem (ver Mt 24:37). Aqueles que desejam ser salvos precisam se valer da provisão que Deus fez para a salvação. CBASD, vol. 1, p. 249.

16 Sai. Noé havia aprendido a confiar em Deus e a esperar pacientemente durante os 120 anos de pregação e construção da arca. Esse longo período ativo foi seguido por mais de um ano na arca. Durante as primeiras semanas e meses ele havia experimentado incessante chuva, uma turbulenta tempestade e tremendas convulsões da Terra, que pareciam estar prestes a destruir a frágil embarcação. Mais tarde, quando a arca repousou sobre as montanhas do Ararate, começou um tedioso tempo de espera,que durou mais de sete meses. Noé pode ter pensado algumas vezes que Deus tivesse esquecido a solitária arca e seus ocupantes no topo daquela montanha. Ele, no entanto, teve as duas virtudes gêmeas: fé, e paciência. Com que alegria Noé deve ter ouvido uma vez mais a voz de Deus ordenando que saísse da arca. CBASD, vol. 1, p. 248, 249.

17 E povoem abundantemente a Terra (ARC). Esta declaração tem sido considerada por alguns comentaristas como uma indicação de que Deus havia restringido a capacidade reprodutora dos animais durante o ano que eles permaneceram nas apinhadas repartições da arca. Então, a bênção original sobre os animais, para que se multiplicassem e enchessem a Terra (Gn 1:22) foi repetida. CBASD, vol. 1, p. 250.

18 Saiu, pois, Noé. Quando um anjo desceu do Céu e abriu a porta que havia sido fechada um ano antes de maneira semelhante, Noé e sua família saíram. Os animais seguiram Noé, saindo da arca de maneira ordenada, cada um segundo a sua espécie. Esse instinto de se associar com outros de sua própria espécie é geralmente característico do mundo animal. CBASD, vol. 1, p. 250.

20 Levantou Noé um altar. O primeiro ato de Noé ao sair da arca foi adorar a Deus. Os sacrifícios oferecidos por Noé não eram apenas expressão de gratidão por haver sido preservado, mas também um testemunho de sua fé no Salvador – que era tipificado pelos sacrifícios de animais. CBASD, vol. 1, p. 250.

21 E o SENHOR aspirou o suave cheiro. A satisfação de Deus com a conduta de Noé e a aceitação da oferta são apresentadas em linguagem bastante humana. A resposta divina à adoração de Noé foi uma decisão de que a aTerra não seria destruída por outro dilúvio. Essa promessa só foi comunicada um pouco mais tarde (ver Gn 9:8-17). As palavras “Não tornarei a amaldiçoar a terra” não removeram a maldição original (3:17). Referem-se simplesmente ao fato de que não sobreviria novamente à raça humana uma catástrofe universal como o dilúvio. Enchentes localizadas não estavam incluídas nessa promessa. CBASD, vol. 1, p. 250.

22 Enquanto durar a Terra. O relato mais notável do dilúvio fora da Bíblia ocorre no antigo épico de Gilgamés, escrito pelos babilônicos. Embora a seção do épico que trata do dilúvio exiba muitas semelhanças com o relato do Gênesis, há diferenças entre os dois relatos que evidenciam a inspiração e exatidão do relato bíblico. O politeísmo e outras ideias religiosas pagãs dão ao épico de Gilgamés um tom distintamente pagão. Embora histórias semelhantes à do dilúvio persistam em diferentes culturas, é natural que o relato babilônico seja um pouco mais acurado que outros, devido à proximidade entre Babilônia e as montanhas do Ararate. CBASD, vol. 1, p. 251.



GÊNESIS 8 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
20 de outubro de 2018, 0:05
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: