Reavivados por Sua Palavra


I TIMOTEO 6 by jquimelli
9 de agosto de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/1-timoteo/1tm-capitulo-6/

A maioria de nós não vive em uma sociedade de senhores e escravos. Então como podemos aplicar o conselho dos versos 1-5? Bem, nós vivemos em uma sociedade de empregador e empregado, de professor e aluno, de ricos e pobres, de marido e mulher, pais e filhos. Como posso me relacionar com meu empregador ou com quem trabalha para mim, assim como todas as outras pessoas com quem estou em contato diariamente?

Lembro-me de visitar uma pessoa que trabalhava em um escritório onde Mable, uma de nossos membros da igreja também trabalhava. A pessoa disse: “Mable é a melhor cristã que eu já conheci.” Apesar de irregular em sua presença aos cultos, ela mostrava Cristo brilhando de dentro para fora, influenciando aqueles com quem ela trabalhava, assim como seu marido incrédulo.

Ser fiel a Cristo e Sua doutrina é a mensagem desta carta a Timóteo, e o tema de Reavivamento e Reforma.

Como o meu amor por Jesus cresceu nestes últimos dois anos? Pode o Mundo ver Jesus em mim?

David Manzano
Pastor aposentado
Collegedale, Tennessee, EUA

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=1371
Comentário original completo: https://reavivadosporsuapalavra.org/2015/05/16
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli/Jeferson Quimelli
Comentário em áudio: Pr. Valdeci:http://vod.novotempo.org.br/mp3/ReavivadosB/Reavivados09-08-2018.mp3

Áudio online [voz Valesca Conty]:



I TIMÓTEO 6 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
9 de agosto de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



I TIMÓTEO 6 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
9 de agosto de 2018, 0:40
Filed under: Sem categoria

I TIMÓTEO 6 – O líder da igreja deve ter como alvo a espiritualidade bíblica dos membros, não ambições pessoais.

Teologias espúrias, doutrinas adulteradas, conceitos teológicos contaminados com paganismo e filosofias contraditórias à Palavra de Deus, heresias, devem ser combatidas e banidas da igreja cristã.

As práticas e éticas evangélicas são diferentes das práticas e éticas desprovidas dos princípios bíblicos. A teologia correta certamente gera práticas corretas. Portanto, é preciso empenho e dedicação para estudar e aplicar as doutrinas bíblicas à vida diária.

Este último capítulo desta carta trata de temas interessantes, tais como: Princípios…

• …que os SERVOS devem assimilar a sua vida (vs. 1-2);
• …que os POBRES devem praticar no dia a dia (vs. 3-5);
• …para um MINISTRO de Cristo lidar com falsos mestres (vs. 6-10);
• …aplicáveis ao MINISTÉRIO PASTORAL no cuidado ao povo de Deus (vs. 11-16, 20-21);
• …que os RICOS devem praticar no dia a dia (vs. 17-19).

Ser pastor é um ministério complexo e desafiador. Entretanto, Deus concede um manual detalhado objetivando um ministério relevante aos Seus olhos divinos. A ganância, orgulho e vaidade devem ser erradicados de um ministro cristão.

Os membros da igreja precisam conhecer essa carta a Timóteo tanto quanto os pastores. Pois, como os membros vão…

• …avaliar, se um pastor está indo bem, desconhecendo as diretrizes divinas?
• …saber que o pastor está fazendo a vontade de Deus, se não sabem o que Deus espera dos pastores?

Alguém escreveu: “O pastor ensina, embora tenha também de receber instruções… Às vezes é um advogado, e, amiúde, um assistente social, editor, filósofo e anfitrião… Ele visita os doentes, une pessoas em casamento, sepulta os mortos, procura consolar os que estão tristes, admoestar os que pecam e permanecer bem humorado ao ser repreendido por não cumprir seu dever. O pastor elabora programas, [ministra] comissões…; passa muito tempo tentando fazer com que as pessoas mantenham a calma; enquanto isso, prepara e prega um sermão aos que não têm algum outro compromisso. Então, na segunda-feira, ele sorri quando uma pessoa jovial exclama: ‘Isso que é emprego: Só trabalhar um dia por semana!’”

Pastores são os líderes instituídos por Deus para o desenvolvimento de Sua igreja. Pastores e membros devem cooperar uns com os outros a fim de promover o evangelho no mundo.

Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



I TIMÓTEO 6 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
9 de agosto de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores” (v.10).


Nenhum ser humano está imune à cobiça e à inveja, porque são obras da carne (Gl 5:19). A menos que se apeguem à forte destra da Onipotência, mente alguma pode manter-se livre da corrupção que há no mundo. E todos os males existentes derivam de um amor maltrapilho pelas riquezas. O “amor do dinheiro” (v.10), ou cobiça material, tornou-se a primazia no coração daqueles que não conhecem a Deus. Até mesmo sobre aqueles que repousa a sagrada missão de ensinar ao mundo as verdades eternas, têm se privado de conhecê-las a fim de garantir que seu raso conhecimento da Palavra se resuma em sermões que rendam grande lucro. Igreja cheia, bons negócios.

Muitos têm se enveredado por caminho sobremodo tortuoso, sustentando uma triste “mania por questões e contendas de palavras, de que nascem inveja, provocação, difamações, suspeitas malignas, altercações sem fim” (v.4-5), que em nada edificam a própria vida e nem a de outros, a fim de lucrarem com isso. Deus pedirá contas de cada palavra dita “por homens cuja mente é pervertida e privados da verdade, supondo que a piedade é fonte de lucro” (v.5). Mas recompensará todo aquele que considera “a piedade com o contentamento” a sua “grande fonte de lucro” (v.6) e vive feliz com o que tem. O problema não está na prosperidade, mas em fazer dela o objetivo da fé.

Paulo exortou Timóteo a fugir “destas coisas” e a seguir “a justiça, a piedade, a fé, o amor, a constância, a mansidão” (v.11). A maioria não se interessa por conhecer o plano da salvação, mas deseja usufruir de seus benefícios. A religião cristã tornou-se a mais eclética. Tem igrejas para todos os gostos. A vontade humana é colocada acima da vontade divina e muita confusão se estabelece. Literalmente, o homem fica sem saber para onde ir ou em quê acreditar. Todas sustentam a posição de que a Bíblia é a sua única regra de fé e prática, mas nem todas ensinam seus membros a combater “o bom combate da fé” mediante uma vida livre de avareza e instruída em “toda a Escritura”  (2Tm 3:16).

Na era das redes sociais, está mais do que comprovado que o ser humano sente um prazer doentio em mostrar aos outros o que possui. A fim de ostentar uma imagem criada pelo ego, compartilhar a vida tornou-se praticamente um labor diário. Sendo assim, o “bom combate da fé” (v.12) é trocado pela competição transitória por “likes” e comentários que afagam a vaidade e despertam a inveja. O “amor do dinheiro” é muito mais do que possuir riquezas ou desejá-las. Pois existem muitos ricos “generosos em dar e prontos a repartir” (v.18), e muitos pobres cheios de si e avarentos. O que define esse amor exacerbado é a ganância de possuir a fim de exibir-se perante o mundo.

O fato de Paulo ter destacado a confissão de Cristo “diante de Pôncio Pilatos” (v.13), possui uma finalidade na qual todo cristão deve estar firmado. Ao ser questionado pelo governador romano se Ele era um rei, Jesus lhe respondeu da seguinte forma: “Tu dizes que sou rei. Eu para isso nasci e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade ouve a Minha voz” (Jo 18:37). Paulo advertiu e exortou Timóteo a não dar ouvidos a “falatórios inúteis e profanos e as contradições do saber, como falsamente lhe chamam (v.20), a fim de que permanecesse na verdade. Pois “alguns, professando-o, se desviaram da fé” (v.21). Quando ocupamos nossa atenção com o que não edifica, paulatinamente petrificamos o nosso coração e deixamos de dar ouvidos à voz divina.

O “bendito e único Soberano, o Rei dos reis e Senhor dos senhores; o único que possui imortalidade” (v.15-16), nos concedeu o privilégio de sermos Seus embaixadores na Terra. Como representantes de uma pátria superior, nossa missão consiste em seguir os passos de Jesus, dando testemunho da verdade; em acumular para nós “mesmos tesouros, sólido fundamento para o futuro, a fim de” nos apoderarmos “da verdadeira vida” (v.19). E a maior riqueza que podemos adquirir aqui é um caráter semelhante ao de Cristo, a única aquisição que levaremos para o Céu.

A graça seja convosco” (v.21).

Bom dia, embaixadores de Cristo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #1Timóteo6 #RPSP



I TIMÓTEO 6 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
9 de agosto de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

Ensina outra doutrina. Certos mestres em Éfeso afirmavam que, como o escravo convertido estava liberto do pecado por meio de Cristo, ele também estava liberto de suas obrigações para com o um senhor terrestre. Esse ensinamento, assim como outros conceitos pervertidos, trouxe consequências para a igreja nascente (ver 1T:3-7) e despertou a firme condenação do apóstolo. CBASD  – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 7, p. 328.

Piedade. Ver com. de 1Tm 2:2. Se o ensino religioso não produz vidas piedosas, condena-se a si mesmo. O valor de toda instrução espiritual é medido pelo grau de saúde espiritual que seus seguidores desfrutam. CBASD, vol. 7, p. 328.

Fonte de lucro. Sempre tem havido pessoas que relacionam os bens materiais à saúde espiritual. No entanto, o exemplo de nosso Senhor e dos discípulos deve eliminar toda ideia de que os justos sõ também necessariamente os mais prósperos em bens materiais. CBASD, vol. 7, p. 329.

9 Ricos. Aqueles que se esforçam para enriquecer alimentam dentro de si um fogo de paixões que acabará por destruir as qualidades mais elevadas do coração. É impossível servir simultaneamente a Deus e às riquezas (ver com. de Mt 6:4). CBASD, vol. 7, p. 330.

Caem. A paixão pelas riquezas apresenta uma diversidade ilimitada de tentações para comprometer os princípios (ver com. de Tg 1:12-15). CBASD, vol. 7, p. 330.

Insensatas. Ou, “imprudentes”, “irrazoáveis”. Apesar das razões que as pessoas dão para sua corrida desenfreada pelas riquezas, poucas se provam razoáveis quando a saúde falha ou quando a morte se aproxima. Para se adquirir riqueza, há o perigo de negligenciar assuntos prioritários. Os deveres cristãos diários, que requerem tempo e atenção pessoal, inevitavelmente serão reduzidos a um mínimo. CBASD, vol. 7, p. 330.

Afogam. O desejo de riquezas, por sua própria natureza, é uma ameaça à vida e à saúde do espírito. CBASD, vol. 7, p. 330.

10 Amor. Paulo faz distinção entre o amor às riquezas e a simples aquisição delas, que podem ser dons de Deus para os cristãos dignos de confiança. CBASD, vol. 7, p. 331.

Raiz de todos os males. Paulo afasta a cortina que com frequência oculta as motivações humanas, pois muitos, pelas riquezas, sacrificam a honra, a amizade e a saúde. A raiz principal do amor ao dinheiro é a causa de muitas desgraças deste mudo. CBASD, vol. 7, p. 331.

14 Mandato. Na análise final, o testemunho cristão dos méritos supremos do modo de vida indicado por Deus constitui a exortação de Paulo. CBASD, vol. 7, p. 332.

16 Imortalidade. Ou seja, só Deus possui vida eterna inerente. Todos os seres criados são mortais e devem cumprir certas condições, para que sua vida continue (ver com. de 1Co 15:54). Alguns comentaristas creem que o apóstolo pode ter usado a palavra “único”como uma reprovação implícita à tendência oriental de divinizar o imperador, mesmo antes de sua morte (ver p. 792). CBASD, vol. 7, p. 333.

17 Ricos. Nos v. 5 a 10, Paulo adverte acerca dos mortais perigos espirituais que têm que enfrentar os que desejam enriquecer, ou procuram uma segurança exclusivamente material. CBASD, vol. 7, p. 333.

20 Contradições. Paulo sabia que a pureza da mensagem evangélica dependeria da fidelidade da geração seguinte de obreiros, representada pelo jovem Timóteo. CBASD, vol. 7, p. 334.

Evitando os falatórios inúteis. Isto é, deixando de lado as conversas levianas e fúteis. Uma maneira de preservar a pureza e o poder do evangelho consiste em evitar os temas triviais e usar o tempo para ensinar a verdade sem discutir irrelevâncias. CBASD, vol. 7, p. 334.

Saber. Do gr. gnosis, “conhecimento”. Acredita-se que Paulo alude aos ensinamentos similares aos que mais tarde surgiram e adquiriram um desenvolvimento mis pleno entre os gnósticos (ver vol. 6, p. 40-45). CBASD, vol. 7, p. 335.



I TIMÓTEO 6 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by jquimelli
9 de agosto de 2018, 0:10
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: