Reavivados por Sua Palavra


II TESSALONICENSES 3 by jquimelli
3 de agosto de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/2-tessalonicenses/2ts-capitulo-3/

O conselho de Paulo (vs. 6-15) pode ser particularmente aplicável aos escritórios típicos de hoje. Na ausência de trabalho manual duro, as pessoas reunidas em um escritório (mesmo um escritório da igreja) podem rapidamente cair na mesma armadilha que os crentes ociosos de Tessalônica caíram. Eles podem gastar seu tempo falando sobre seus pontos de vista divergentes sobre teologia, as peculiaridades de personalidade de outras pessoas, ou as dificuldades de relacionamento que as pessoas que trabalham em estreita colaboração sempre experimentam.

O resultado final é uma atmosfera tóxica de espírito de críticas e culpa que soa muito parecido com o que estava acontecendo na igreja em Tessalônica. O conselho de Paulo? Cuide da sua própria vida. Mantenha seu foco no Senhor. Não se canse de fazer o bem aos outros. Faça o seu trabalho de maneira discreta (1Ts 4:11; 2Ts 3:12), gerenciando seus próprios problemas. Determine-se a exercer uma diferença positiva em vez de negativa. Siga o exemplo amoroso, perdoador e misericordioso de Jesus e dos apóstolos.

Paulo termina sua epístola em sua forma habitual: “A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja com todos vocês” (v. 18 NVI).

Jon Paulien
Universidade Loma Linda
Estados Unidos

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=1365
Comentário original completo: https://reavivadosporsuapalavra.org/2015/05/10
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli/Jeferson Quimelli
Comentário em áudio: Pr. Valdeci: http://novotempo.com/audios/ii-tessalonicenses-03/

Audio online [voz: Valesca Conty]:




II TESSALONICENSES 3 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
3 de agosto de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



II TESSALONICENSES 3 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
3 de agosto de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

II TESSALONICENSES 3 – O cristianismo não é um chamado para a preguiça. Servos inúteis na Terra não terão parte no serviço do Céu. Precisamos permitir que esse último capítulo de Paulo aos crentes de Tessalônica impacte profundamente nosso coração a tal ponto de injetar diligência espiritual em cada uma de nossas tarefas diárias.

Ser verdadeiramente cristão exige muita dedicação a fim de que a preparação para a vinda de Cristo realmente aconteça. “Não devemos buscar e esperar descanso e facilidades em um mundo onde aquele a quem amamos enfrentou apenas dores e sofrimentos” (Horatius A. Bonar).

Paulo, inspirado pelo Espírito Santo, escreve com maestria. Leia o capítulo supracitado e depois retorne para esta reflexão:

1. O cristão não deve ter preguiça de orar, não é possível ser cristão à altura do que Cristo espera de nós sendo negligentes na oração (vs. 1-5). “Por que será que há tão pouca ansiedade para orar? Reservamos tempo para tudo, menos para orar. Por que é que se fala tanto enquanto há tão pouca oração? Por que tanta pressa nos negócios, e tão pouca oração? Por que tantas reuniões com nossos colegas, e tão poucos encontros com Deus?” (Bonar).

2. Os versos 6-15 a Bíblia de Estudo Andrews intitula de “Conselhos práticos”, e os subdividem assim:

• A disciplina dos desordeiros (vs. 6-10);
• Aos desordeiros em si (vs. 11-12);
• Retirada dos desordeiros da comunhão (vs. 13-15).

3. A carta termina com uma bênção curta (vs. 16-18).

Os ministros precisam da oração perseverante da igreja a fim de proclamar com destreza e ousadia a Palavra de Deus. Além disso, os crentes não devem ser obstáculo à pregação do evangelho. Um testemunho contrário ao poder do evangelho dilui a capacidade do Espírito Santo convencer e converter pecadores. Por isso, Paulo adverte aos crentes para que…

• …não sejam desordeiros; se persistirem, que se afastem/desliguem da igreja;
• …não sejam intrometidos, mas comprometidos em fazer o bem; senão, afastem-se de tais pessoas;
• …não sejam preguiçosos, mas que trabalhem diligente e honestamente; se não trabalha, que fique sem comida;
• …exortem antes de disciplinar os indisciplinados.

Após ser brando em I Tessalonicenses 4:11-12; 5:14-15 e não obter resultados, Paulo precisou ser enérgico no fechamento desta carta. Até quando vamos ser morosos para aprender?

“Senhor, reaviva-nos constantemente!” – Heber Toth Armí.

Três capítulos… conte-nos: como foi estudá-los nestes três últimos dias?



II Tessalonicenses 3 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
3 de agosto de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Todavia, o Senhor é fiel; Ele vos confirmará e guardará do Maligno” (v.3).


Ainda que ciente da fidelidade e do amor dos irmãos tessalonicenses, Paulo ficou sabendo que estava infiltrando-se no meio deles irmãos que viviam desordenadamente, “porque a fé não é de todos” (v.2). A desordem quanto ao labor e ao serviço cristão provoca ociosidade, que é preenchida com preguiça e maledicência. Quando Paulo pediu oração para que o Senhor os livrasse “dos homens perversos e maus” (v.2), não se referia aos incrédulos, mas aos falsos crentes que disseminavam uma forma de vida contrária aos ensinamentos paulinos. Ao dizer: “convém imitar-nos” (v.7), Paulo não usou de soberba, mas da autoridade de quem vivia o evangelho de Cristo.

Notem que Paulo não os exortou, nem os aconselhou, mas lhes deu uma expressa ordem, em nome de Jesus, para que eles se apartassem dos irmãos que não estavam buscando viver o evangelho; não somente com a finalidade de não sofrerem influência, mas também para que os irmãos infiéis, envergonhados, pudessem reconhecer o seu pecado. Paulo não os considerava como inimigos, mas como irmãos que necessitavam ser advertidos acerca de seu mau procedimento (v.15). A genuína conversão dos tessalonicenses os fazia viver piedosamente conforme o exemplo que encontramos no livro de Atos: “Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum” (At 2:44). Isto os unia, mas também era um risco à medida que alguns, aproveitando-se da generosidade dos fiéis, deixavam de trabalhar para viver às custas da liberalidade de outros, e ainda se achavam no direito de intrometer-se “na vida alheia” (v.11).

Precisamos levar em grande consideração o pedido inicial de Paulo, quando disse: “orai por nós, para que a palavra do Senhor se propague e seja glorificada” (v.1), para que não só oremos pelos pastores e obreiros de nossa igreja, como também a nossa vida seja uma manifestação das verdades do evangelho, “por termos em vista” oferecer ao mundo “exemplo em nós mesmos” (v.9) para nos imitarem assim como buscamos imitar a Cristo. Eu sei que este é um padrão no qual nenhum de nós cogita conseguir alcançar, mas é justamente por isso que precisamos que “o Senhor conduza o [nosso] coração ao amor de Deus e à constância de Cristo” (v.5). E esta é uma obra do Espírito Santo. A nossa parte é apenas aceitar esta obra em nossa vida, “porque o amor de Deus é derramado em nosso coração pelo Espírito Santo, que nos foi outorgado” (Rm 5:5). “Quando, porém, vier o Consolador, que Eu vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da verdade, que dEle procede, Esse dará testemunho de Mim”, disse Jesus (Jo 15:26).

Quanto a nós, não nos cansemos “de fazer o bem” (v.13), procurando seguir o incomparável exemplo de Cristo. E, tendo em mente que todos nós somos pecadores e que, igualmente, carecemos da graça de Jesus, nos acheguemos, “portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna” (Hb 4:16). Pois ali, no lugar Santíssimo do santuário celeste, Jesus, o nosso Sumo Sacerdote, intercede por todos nós, de onde está a assinatura de Deus, “de próprio punho” (v.17). “Este é o sinal” (v.17), que o Criador nos deixou nas “tábuas do Testemunho, tábuas de pedra, escritas pelo dedo de Deus” (Êx 31:18). Que quando for revelado “o homem da iniquidade” (2Ts 2:3), nossa fé prática seja um testemunho de nossa aceitação e obediência “a toda a verdade” (Jo 16:16) e, seguindo os passos do Salvador (Jo 15:10), façamos parte do seleto grupo dos “que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus” (Ap 14:12).

Bom dia, imitadores de Cristo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #2Tessalonicenses3 #RPSP



II TESSALONICENSES 3 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
3 de agosto de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

No coração do último capítulo de II Tessalonicenses está a preocupação de Paulo com os “desordeiros” ou pessoas “ociosas” na congregação. Mas a palavra grega aqui (ataktos, vs. 6, 11) não é sinônimo de preguiça. Tem mais a ver com atitude irresponsável. Os membros desordeiros de Tessalônica não estavam apenas ociosos, eles estavam indo de um lugar a outro para criar perturbação. Eles passavam o tempo discutindo teologia ou criticando o comportamento dos outros, em vez de ganhar o seu sustento: “não trabalham, mas andam se intrometendo na vida alheia” (v. 11, NVI). Eles estavam se metendo na vida de todo mundo em vez de cuidar da própria! O fato de Paulo ter abordado este assunto outras vezes (ver tb 1Ts 4:9-12) indica que era um grande problema na igreja em Tessalônica. Jon Paulien, em https://reavivadosporsuapalavra.org/2015/05/10/ii-tessalonicenses-3/ (pesquisa em 01/08/2018).

Orai por nós. O apóstolo acabara de registrar uma oração pelos conversos para que fossem consolados e confirmados (2Ts 2:17). Agora pedem que se lembrem dele e de seus companheiros de ministério (cf. 2Co 1;11; Fp 1:19; 1Ts 5:25). Paulo sempre sentiu sua insuficiência e era consciente da necessidade do poder divino (ver 2Co 2:16; 3:5). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 7, p. 283.

Se propague. Parece que  palavra de Deus na cidade de Corinto não estava “correndo”tão livre como o apóstolo desejava. Possivelmente, houve uma firme oposição dos judeus (ver com. de 1Tm 3:7. … Sob condições normais, a “palavra do Senhor”, ativada pelo Espírito Santo, progride com rapidez. CBASD, vol. 7, p. 283.

Seja glorificada. A palavra do Senhor é glorificada na vida transformada daqueles que são guiados por ela. Diz-se que o evangelho é adornado pela vida piedosa até mesmo dos cristãos mais humildes: escravos convertidos, que não furtavam, mas eram completamente honestos e fiéis no serviço (Tt 2:9, 10; cf. com. de Mt 5:16). CBASD, vol. 7, p. 283.

Sejamos livres. Embora este segundo pedido tenha um sabor pessoal distinto, a preocupação principal do apóstolo não é a segurança pessoal, ms assegurar que sua equipe evangélica ficará livre para realizar a obra divina. CBASD, vol. 7, p. 283.

Maus. O grego contém o artigo definido, indicando que Paulo se refere a classes específicas de oponentes, sem dúvida, aos judeus que o atacaram e o levaram diante de Gálio, o governador romano (ver com. de At 18:9-17). Aqueles judeus eram mais perversos que muitos pagãos. Resistiram obstinadamente aos apelos da Santa Escritura e aos milagres feitos pelo Espírito Santo em demonstração do poder de Deus. Alguns deles foram longe demais e chegaram a ponto de blasfemar. CBASD, vol. 7, p. 283, 284.

A fé não é de todos. Alguns, ao fechar a mente contra a evidência levada ao coração pelo Espírito Santo, colocam-se além do alcance do evangelho. Quando o Senhor, por meio de Suas obras maravilhosas na carne evidenciou Sua divindade de modo inequívoco, houve aqueles que endureceram o coração para não crer na Sua messianidade e para atribuir o poder de operar milagres a Satanás. Deste modo, o Senhor alertou, estavam em perigo de cometer o pecado imperdoável, caso já não o tivessem cometido (ver Mt 12:22-32). CBASD, vol. 7, p. 284.

4 Confiança em vós no Senhor. … embora o apóstolo tenha encorajado crentes humanos, deixou claro que a base de sua confiança estava “no Senhor” e não neles (cf. Gl 5:10). CBASD, vol. 7, p. 284.

As coisas. Não identificadas neste  versículo, mas alistadas nos v. 6 a 15. CBASD, vol. 7, p. 284.

5 Coração. Necessitamos de guia contínua do Senhor quanto aos pensamentos e emoções. Ele prometeu lembrar-nos das verdades a respeito das quais temos sido ensinados, revelar-nos seu significado e a guiar-nos a uma compreensão total de Sua vontade (ver Jo 14:26; 16:13). CBASD, vol. 7, p. 284, 285.

Ao amor de Deus. … que possuam ou compartilhem o amor de Deus. CBASD, vol. 7, p. 285.

6 Nós vos ordenamos. Na primeira epístola, [Paulo] apelou à igreja para se acautelar das facções fanáticas em seu meio (1Ts 5:14). O apelo parece ter tido êxito parcial, porque ele recorre a medidas mais fortes e emite ordens (cf. com. de 1Ts 4:2, 11). CBASD, vol. 7, p. 285.

Desordenadamente (ARA; NVI: “ociosamente”). Do gr. ataktos (ver com. de 1Ts 5:14). CBASD, vol. 7, p. 285.

7 Imitar-nos. Se [os tessalonicenses] considerassem a conduta de Paulo (humilde, cuidadosa, semelhante a Cristo) saberiam o que o Senhor exigia deles. Todo ministro deveria viver para que sua vida fosse consistente com seu ensino. CBASD, vol. 7, p. 285.

Nunca nos portamos desordenadamente. O comportamento desordenado ao qual Paulo faz alusão (v. 6) parece ter sido à ideia fanática de que, como o Senhor estava prestes a vir, era muito tarde para continuar com ocupações mundanas. Aqueles que estavam imbuídos com esse pensamento motivaram o princípio de comunhão de bens na igreja por razões egoístas, para tirar proveito do trabalho dos outros. Paulo denunciou esses agitadores indolentes (v. 11), mas antes lembrou aos irmãos que seu exemplo tinha sido positivo. Estava apto a apelar para a vida ocupada que tinha diante deles. CBASD, vol. 7, p. 285.

9 Direito. O apóstolo desejava deixar claro que não era contrário a um ministério sustentado pela igreja. … No entanto, em Tessalônica ele renunciou seu direito ao sustento da igreja, para dar aos membros um exemplo digno de imitação. CBASD, vol. 7, p. 286.

10 Ordenamos. A abrangência das instruções dadas por Paulo aos tessalonicenses foi surpreendente. No pouco tempo que passou com eles, o apóstolo parece ter abordado todos os assuntos vitais e dirigido seu ensino às necessidades imediatas dos tessalonicenses. CBASD, vol. 7, p. 286.

Não quer trabalhar. Paulo se refere àqueles que, na expectativa do retorno imediato de Cristo, recusavam se desenvolver no trabalho normal, justificando que era desnecessário em vista da segunda vinda. CBASD, vol. 7, p. 286.

Também não coma. O cristão deve fazer tudo que estiver ao seu alcance para evitar ser um peso para os outros. Deve trabalhar para que, além de se sustentar, consiga ajudar os necessitados (Ef 4:28). CBASD, vol. 7, p. 286.

11 Antes, se intrometem. No grego há um jogo de palavras evidente, que pode ser comunicado como “não ocupados, mas ocupados com a vida alheia” (Wodsworth). Os bisbilhoteiros estão ocupados com coisas sem importância, que não lhes dizem respeito, nas questões alheias e não nas questões pessoais. O labor honesto é a melhor cura para esse tipo de gente, pois aqueles que são meticulosos no cumprimento de suas tarefas não encontrarão tempo sem se intrometerão nas questões alheias (cf. com. de 1Ts 4:11; 1Tm 5:13, 14; 1Pe 4:15). Tagarelar e falar mal são passatempos dos bisbilhoteiros. CBASD, vol. 7, p. 286.



II TESSALONICENSES 3 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
3 de agosto de 2018, 0:05
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: