Reavivados por Sua Palavra


MIQUEIAS 4 by jquimelli
24 de dezembro de 2017, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário Devocional

Logo após o início da Primeira Guerra Mundial, HG Wells publicou um livro, “A guerra que vai acabar com todas as guerras”. Esta frase se tornou uma das expressões mais comuns da época. Infelizmente, não somente aquela não foi a última guerra, mas parece que hoje vivemos em uma época de guerras sem fim. Muitos se reúnem para fazer guerra contra outros grupos de pessoas por motivos teológicos, políticos e financeiros.

Jesus disse: “Vocês ouvirão falar de guerras e rumores de guerras, mas não tenham medo. É necessário que tais coisas aconteçam, mas ainda não é o fim.”(Mat. 24:6 NVI).

Muitas vezes ouço pessoas dizerem que os terríveis conflitos em nosso mundo significam a que a vinda do Senhor será em breve. Mas Jesus diz que devemos ser pacientes porque o “fim ainda está por vir”. Ele está dizendo que o mundo estará envolvido em guerra até Ele retornar, e isso certamente parece ser o caso.

Ao longo de toda a história humana houve guerras. Mas Miquéias apresenta uma profecia extraordinária acerca de um tempo em que não haverá mais guerras. “Ele será juiz entre muitos povos e decidirá questões entre grandes nações distantes. Os povos transformarão as suas espadas em arados e as suas lanças em foices. Nunca mais as nações farão guerra, nem se prepararão novamente para batalhas.”(Mq 4:3, NTLH).

Que promessa maravilhosa! Oremos para que este dia chegue logo. Maranata! “Vem, Senhor Jesus!” (Ap 22:20 NVI).

Gordon Bietz
Ex-Reitor aposentado da Southern Adventist University

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/mic/4 e https://www.revivalandreformation.org/?id=1143
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/09/30/
Equipe de tradução: Jeferson Quimelli/Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Miquéias 4 NVI
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: https://credeemseusprofetas.org/



MIQUEIAS 4 – COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
24 de dezembro de 2017, 0:55
Filed under: Sem categoria



MIQUEIAS 4 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
24 de dezembro de 2017, 0:45
Filed under: Sem categoria
Arrependimento é o ponto alto que Deus tanto almeja ver nos pecadores. E, o reavivamento e a reforma virão automaticamente após o arrependimento.
 
Sobre Miqueias, Álvaro César Pestana declara que “Seu alvo é o arrependimento do povo, reforma social e santidade prática baseada na justiça e soberania de Deus”. E o esboça assim:
 
1. Declaração de juízo contra Israel e Judá (Miqueias 1-3);
2. Promessa de bênção:
• O reino futuro (Miqueias 4);
• O rei futuro (Miqueias 5).
3. Exortação ao arrependimento (Miqueias 6-7):
• Deus perdoa e esquece (Miqueias 7:18-19).
 
Deus faz promessas, em Miqueias 4, por almejar a conscientização e restauração do povo. Veja que,
 
• O Templo deverá tornar-se central na adoração universal (v. 1);
• As nações aprenderão no melhor Livro didático: A Bíblia (v. 2).
• As guerras serão extintas (vs. 3-5);
• Os remanescentes peregrinos serão fortalecidos (vs. 6-7);
• Israel teria sua terra restaurada (vs. 8-10);
• Os zombadores do povo de Deus serão destruídos (vs. 11-13).
 
Cem anos aproximadamente após ser proferida esta profecia os judeus foram exilados em Babilônia. O cativeiro durou 70 anos. No fim deste período houve o retorno a Sião; estes detalhes proféticos deveriam se cumprir.
 
Contudo, o propósito divino só se cumpriu parcialmente . Nem tudo se cumpriu e o que veio a cumprir-se ficou aquém do que Deus propusera. Então, Deus falhou? Claro que não!
 
Deus queria que o cativeiro fosse uma disciplina para o povo e o reformasse e reavivasse; queria que o castigo levasse o povo a compreender a malignidade do pecado e então buscasse uma mudança de vida; queria que o povo reconhecesse suas negligências e buscasse piedosamente o verdadeiro arrependimento.
 
Com um reavivamento e reforma genuína, Deus queria impactar o mundo inteiro para uma adoração verdadeira. Mas, infelizmente o povo negligenciou o ideal estabelecido por Deus.
 
Contudo, nem tudo está perdido. João, na Ilha de Patmos, recebeu a revelação de que Deus ampliou o que não se cumpriu à falha do Israel antigo.
 
O templo será o próprio Deus (Apocalipse 21:22). Não vai precisar de Bíblia, pois Deus será o professor (Apocalipse 21:6). Guerras e sofrimentos nunca mais existirão (Apocalipse 21:1-5). Os remanescentes não mais serão peregrinos, pois estarão na Terra restaurada, e nenhum dos opositores de Deus entrarão (Apocalipse 21:6-8).
 
Para isso, precisamos arrepender-nos… – Heber Toth Armí.


MIQUEIAS 4, Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
24 de dezembro de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Mas, nos últimos dias, acontecerá que o monte da Casa do SENHOR será estabelecido no cimo dos montes e se elevará sobre os outeiros, e para ele afluirão os povos” (v.1).


A profecia de Miqueias a respeito dos “últimos dias” (v.1), destaca a missão do Israel espiritual de Deus como hospedeiro de todos os povos. Como na parábola do bom samaritano, o Senhor tem um povo peculiar pronto para receber “muitas nações” (v.2) e ensiná-las a andar “pelas Suas veredas” (v.2), sob o firme alicerce de Sua Palavra.

Antes que venha o juízo, Deus acrescentará ao Seu povo todos aqueles que, de coração, trocarão os instrumentos deste mundo pelos instrumentos divinos (v.3). A Bíblia será examinada com seriedade e humildade, e seu teor será tido como fonte suprema da vontade de Deus. Os mandamentos do Senhor estarão no coração (Dt 6:6) de um só povo que, à semelhança dos três amigos de Daniel, permanecerão fiéis ainda que em face da fornalha da aflição.

Os filhos de Israel deveriam ter sido um povo peculiar que despertasse as demais nações para o conhecimento do verdadeiro Deus, mas falharam em sua missão. Esperavam um Messias que os libertasse, mas em sua esperança egoísta, não reconheceram o Autor da salvação da humanidade: “Veio para o que era Seu, e os Seus não O receberam” (Jo 1:11). Após compreenderem que o seu chamado era para o alcance de todas as nações, os apóstolos iniciaram o ministério aos gentios, sendo perseguidos e até mortos pelos seus próprios patrícios. No entanto, nestes últimos dias, Deus levantou um povo que, como detentor de Suas verdades eternas, tem a missão de anunciar o evangelho a todos os povos, sem distinção.

A obra de Cristo como nosso Sumo Sacerdote está prestes a ser concluída. E a Sua grande luta tem sido para que o Seu povo não O adore apenas com os lábios, porque para estes, no Dia do “Senhor de toda a terra” (v.13), com o coração partido, Ele terá de dizer: “Nunca vos conheci” (Mt 7:23). Precisamos buscar o conhecimento de Jesus com o coração de uma criança (Mt 18:3): rápido para amar, rápido para perdoar e totalmente dependente. O conhecimento da Bíblia vai muito além de teoria. É muito mais que teologia. É seguir a voz que sai da boca de Deus.

Não há lugar para o assim diz o Senhor no coração orgulhoso. A arrogância do homem cria um bloqueio para as verdades da Palavra do SENHOR e sua mente torna-se privada de receber o “pleno conhecimento de Deus e de Jesus, nosso Senhor” (2Pe 1:2). As verdades de Deus são negligenciadas e o engano, facilmente admitido: “Satanás bem sabe que todos quantos ele pode levar a negligenciar a oração e o exame das Escrituras, serão vencidos por seus ataques” (EGW, O Grande Conflito, p. 524).

O plano de Deus é o de ajuntar a todos “como feixes na eira” (v.12). “Os pensamentos do SENHOR” (v.12) para nós, são “pensamentos de paz e não de mal, para vos dar o fim que desejais” (Jr 29:11). O segredo está em buscá-Lo de todo o nosso coração: “Buscar-Me-eis e Me achareis quando Me buscardes de todo o vosso coração” (Jr 29:13). Não é tempo de levantar bandeiras religiosas, é tempo de levantar a bandeira ensanguentada do Príncipe Emanuel. Não é tempo de falar, é tempo de viver! Que sejamos testemunhas de Jesus “até aos confins da terra” (At 1:8), anunciando a preciosa promessa: “Eis que venho sem demora” (Ap 22:7).

Bom dia, “casa do Deus de Jacó” (v.2)!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Miqueias4
#RPSP

Deixe um comentário:



MIQUEIAS 4 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
24 de dezembro de 2017, 0:20
Filed under: Sem categoria

1 Nos últimos dias. Miqueias 4:1 a 3 é praticamente idêntico a Isaías 2:2 a 4 … Depois do pronunciamento do juízo sobre Sião (Mq 3:12), Miqueias se volta abruptamente para as promessas de restauração. Essa passagem pertence às declarações do AT que “contém grande encorajamento” (CPPE, 455, 456) para o povo de Deus hoje, como para quem as mensagens foram originalmente dirigidas. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 1127.

4 Debaixo de sua videira … figueira. Uma imagem de abundância e segurança (ver 1Rs 4:25; Is 65:17-25). CBASD, vol. 4, p. 1127.

5 Seu deus. Nesta fase de restauração, os pagãos ainda não se haviam convertido. Mais tarde, de acordo com o plano divino, muitos seriam ganhos para o culto do Deus de Israel (ver p. 16). CBASD, vol. 4, p. 1127.

6 Congregarei os que coxeiam. Os v. 6 e 7 apresentam o plano de Deus para o remanescente de Israel. Esperava-se que um renascimento religioso alcançaria as fileiras dos exilados e que os israelitas, finalmente, aceitariam seu destino divino. Miqueias está prevendo os resultados maravilhosos de tal avivamento. Infelizmente, o fracasso dos judeus tornou impossível a realização desses eventos com respeito ao Israel literal. Os propósitos do Céu seriam então realizados através da semente espiritual, o novo Israel (Gl 3:7, 9, 29). Convertidos de todas as nações serão reunidos no reino espiritual da graça, que, na segunda vinda de Cristo, se tornará o reino da glória (ver p. 15-17). CBASD, vol. 4, p. 1127.

8 Torre do rebanho. Torres de vigia, de onde os pastores guardavam os seus rebanhos, eram comuns (2Rs 18:8, 2Cr 26:10). O profeta podia ter em mente a figura de Jerusalém como a torre de onde o Senhor montava guarda sobre Seu povo (sobre o sentido messiânico, ver Jr 4:7). CBASD, vol. 4, p. 1127.

O primeiro domínio. Ou, “o antigo domínio”, provável alusão à glória sob o reinado de Davi e Salomão. Em um sentido mais amplo e na forma em que esta previsão será cumprida, a passagem se refere à recuperação do “primeiro domínio”, que foi temporariamente perdido como resultado da transgressão de Adão (ver Mq 4:6; Sl 8:6; ver também p. 13-17). CBASD, vol. 4, p. 1127, 1128.

9 Por que tamanho grito? Antes das bênçãos previstas nos v. 1 a 8, viria a angústia do cativeiro. Antes da coroa, haveria a cruz; antes dos sorrisos, lágrimas. CBASD, vol. 4, p. 1128.

Não há rei. Isto se cumpriu quando Jeoaquim e Zedequias foram levados em cativeiro (2Rs 24; 25). CBASD, vol. 4, p. 1128.

Dor. A metáfora das dores de parto é usada nas Escrituras para descrever tristeza, angústia e surpresa (Is 13:8; Jr 6:24; 50:43; Os 13:13; 1Ts 5:3). CBASD, vol. 4, p. 1128.

10 Sofre dores. Por causa do cativeiro então vindouro. CBASD, vol. 4, p. 1128.

Esforça-te … sairás da cidade … habitarás no campo. Um anúncio do cativeiro que se aproximava. Os judeus seriam obrigados a sair de Jerusalém, pousar em um lugar aberto, no “campo”, enquanto viajariam para Babilônia. Isaías, contemporâneo de Miqueias, também previu a conquista de Judá por Babilônia (ver Is 39:3-8). CBASD, vol. 4, p. 1128.

Serás libertada; ali, te remirá o SENHOR das mãos dos teus inimigos. Um cumprimento parcial desta profecia ocorreu, evidentemente, em 536 a.C. sob Ciro (ver Ed 1:1-4; Jr 29:10) e, posteriormente, sob Artaxerxes. No entanto, os que retornaram não eram pessoas espiritualmente reavivadas como se esperava em resultado da disciplina do exílio e da instrução dos profetas. Por isso, a gloriosa perspectiva retratada em Miqueias 4:1 a 8 não se cumpriu naqueles que voltaram para a terra de Judá após o exílio babilônico (ver com. do v. 6). CBASD, vol. 4, p. 1128.

11 Muitas nações. Se a nação que retornou tivesse desfrutado a prosperidade descrita nos v. 1 a 8, a oposição teria se levantado. As nações vizinhas teriam esmagar a nação próspera, mas Deus interviria para livrar Seu povo (ver com. de Ez 38:1; Joel 3:1). CBASD, vol. 4, p. 1128.

12 Quando Deus revela o futuro, o propósito dEle vai além de meramente satisfazer nossa curiosidade. Ele quer que mudemos nosso comportamento atual por causa daquilo que sabemos sobre o futuro. A eternidade começa agora; e um vislumbre do plano de Deus para Seus seguidores deve motivar-nos a servi-Lo, não importa o que o resto do mundo possa fazer. Life Application Study Bible Kingsway.

Levanta-te e debulha. O povo de Deus é representado sob a figura de um boi durante a debulha do trigo (ver Dt 25:4; cf. Is 41:17-20). CBASD, vol. 4, p. 1128.

De ferro o teu chifre. Assim como o boi chifra suas vítimas, do mesmo modo Israel destruiria seus inimigos. CBASD, vol. 4, p. 1128.

Unhas. Os grãos eram trilhados pelos bois enquanto pisavam os molhos em uma eira. Às vezes, um carro pesado era arrastado atrás dos bois. Cascos de metal facilitariam muito o processo de debulha. CBASD, vol. 4, p. 1128.

O seu ganho será dedicado ao SENHOR. Os ganhos de guerra não devam ser utilizados para o engrandecimento pessoal, mas dedicados ao Senhor e usados para o avanço de Seu reino. CBASD, vol. 4, p. 1128.



MIQUEIAS 4 – COMENTÁRIO PR. EVANDRO FÁVERO by Maria Eduarda
24 de dezembro de 2017, 0:15
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: