Reavivados por Sua Palavra


JONAS 4 by jquimelli
20 de dezembro de 2017, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário Devocional

Não é interessante o fato do grande evangelista Jonas desejar o mal das pessoas que havia chamado ao arrependimento? Ele não somente se retirou para as colinas, mas ele ficou argumentando com Deus de que Ele deveria ser mais implacável. Jonas realmente ficou muito indignado por causa das misericórdias do Senhor!

Jonas estava muito irritado. Ele tinha suas próprias ideias preconcebidas de como Deus deveria agir! Em seguida, ele quis morrer porque as coisas não estavam acontecendo de acordo com o seu plano pessoal.

Mas vejamos o lado bom. Através de todos os quatro capítulos, Jonas continua a falar com Deus. O profeta discute com Deus, fica irritado com Deus, e o livro termina com Deus ainda falando com ele – apesar da raiva, maldade e falta de compaixão de Jonas para com as cento e vinte mil pessoas na cidade.

Que grande lição para você e para mim: mantenhamos sempre abertas as linhas de comunicação com Deus e Ele as manterá abertas conosco!

Jim Ayer
Rádio Mundial Adventista, Presidente

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/jon/4 e https://www.revivalandreformation.org/?id=1139
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/09/26/
Equipe de tradução: Jeferson Quimelli/Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Jonas 4 NVI
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: https://credeemseusprofetas.org/



JONAS 4 – COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
20 de dezembro de 2017, 0:55
Filed under: Sem categoria



JONAS 4 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
20 de dezembro de 2017, 0:45
Filed under: Sem categoria
Desejamos misericórdia quando falhamos; para os outros, justiça. Nossa visão tacanha interpreta a Deus e Seus atos através das lentes do egoísmo e do orgulho; consequentemente, tratamos os outros como entulho.
A inversão de valores acontece quando olhamos apenas para nossos próprios interesses. A falta de compaixão é nítida quando nosso coração é regido pelo eu e não por Deus. O eu busca a acomodação, Deus espera nosso empenho na evangelização.
Assimile pensamentos biblicamente corretos:
1. Estribar-se nos próprios conhecimentos e inverter os valores faz que até profeta prefira a morte antes que a vida (vs. 1-3); portanto,
• “Uma cosmovisão bíblica pode transformar o evangelismo – de um dever cristão negligenciado ou uma marca de espiritualidade de elite – em um privilégio maravilhoso para todos os cristãos” (Jeff Purswell).
2. Indivíduos indignam-se com Deus quando interpretam as ações divinas conforme seu padrão egoísta (vs. 4-9); entretanto, Deus intenta ampliar toda mente tacanha – seja a de um profeta ou de rebelde, (Gênesis 4:6-7), crente ou ateu –, para que entendamos que
• “Longe de ser uma opção da vida cristã, o evangelismo é o cerne da campanha de Deus para restaurar toda sua criação – a reconciliação daqueles que foram criados à sua imagem com ele” (Purswell).
3. Deus anseia que Seus representantes no mundo tenham um coração que reflita Seu coração aos perdidos (vs. 10-11); Jesus trabalhou o mesmo assunto (Lucas 15:25-32), e deseja que nós, cristãos, compreendamos que,
• “Temos uma responsabilidade: fidelidade ao privilégio de levar o evangelho a pessoas que desesperadamente precisam dele” (Purswell).
“Lembrem-se, os que se empenham no ministério de salvar almas, que, conquanto haja muitos que não aceitarão o conselho de Deus em Sua Palavra, o mundo inteiro não se desviará da luz e verdade. Em cada cidade, cheia como possa estar de violência e crime, há muitos que, devidamente ensinados aprendem a se tornar seguidores de Jesus. Milhares podem assim ser alcançados com a verdade salvadora e levados a receber Cristo como um Salvador pessoal. A mensagem de Deus para os habitantes da Terra hoje é: ‘Estai vós apercebidos também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis.’ Mat. 24:44” (Ellen G. White).
Precisamos urgentemente pregar o evangelho aos ninivitas modernos! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.
Compartilhe tua experiência com o livro de Jonas:


JONAS 4, Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
20 de dezembro de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“E disse o SENHOR: É razoável essa tua ira?” (v.4).


Inconformado e irado com a ação dos ninivitas e com a reação de Deus, Jonas fez uma oração que confirma a razão de ter fugido. O maior medo de Jonas não era o de enfrentar a violência dos ninivitas, mas de que eles fossem perdoados. Esta foi a motivação de sua fuga. “Tira-me a vida, porque melhor me é morrer do que viver” (v.3), foi o pedido desesperado e inconsequente do profeta.

Apesar de suas intempéries e senso de justiça própria, Jonas conhecia ao Deus que servia: “és Deus clemente, e misericordioso, e tardio em irar-Se, e grande em benignidade, e que Te arrependes do mal” (v.2). Diferente da versão tirana criada pelo pensamento de que Deus é um ser que tem prazer em destruir os desobedientes, a experiência de Nínive certamente é uma prova contundente de que Ele não tem prazer na morte do perverso. Antes, deseja “que ele se converta dos seus caminhos e viva” (Ez 18:23).

A paciência de Deus para com o profeta foi tão grande quanto o foi com os ninivitas, senão maior. Porque Jonas era conhecedor da Palavra, mas aquele povo não sabia “discernir entre a mão direita e a mão esquerda” (v.11). Eram ignorantes acerca do que era certo e do que era errado. Deus, então, em Sua infinita misericórdia, permite que aquele Seu zeloso servo aprenda uma lição de amor.

Jonas construiu um abrigo provisório para assistir “o que aconteceria à cidade” (v.5). Em seu desconforto, Deus fez crescer sobre ele uma planta que lhe daria um pouco de alívio em meio ao calor do oriente. O fato de ele ter se alegrado “em extremo por causa da planta” (v.6) não foi só pela sombra que ela lhe proporcionou, mas, provavelmente, o profeta pensou em ser a planta um sinal de que Deus o estava abençoando e confirmando a sentença condenativa que logo ele contemplaria.

Contudo, a planta secou, o calor aumentou, pela segunda vez Jonas pediu a morte e pela segunda vez o Senhor lhe perguntou: “É razoável essa tua ira…?” (v.9). Faltava algo para Jonas. A sua vida passou a não fazer mais sentido. A sua resposta diante do ocorrido revelava algo que tem sido a principal causa das enfermidades da mente humana: a ausência do espírito de perdão. E isto não é somente um princípio bíblico, mas um fato cientificamente comprovado. Não perdoar pode causar problemas emocionais, e até físicos, muito graves.

O perdão não é algo automático. Perdoei e está tudo certo. Não. Exige todo um processo que requer paciência e perseverança. Percebam que Deus provocou Jonas a, mesmo sem perceber, passar pela primeira fase do processo que é reconhecer a ira, a mágoa: “É razoável a minha ira até à morte” (v.9). Por mais que a atitude do profeta estivesse “temperada” de raiva, ele reconheceu o seu rancor diante de Deus. Ele deixou bem claro o que estava sentindo. E Deus não nos priva de expressarmos os nossos sentimentos. Muito pelo contrário, Ele nos dá a total liberdade para isso. Se “a oração é o abrir do coração a Deus como a um amigo” (Ellen G. White, Caminho a Cristo, p. 94), então Ele espera que as nossas palavras sejam a exata expressão do que está em nosso coração.

“Robert Enright, cofundador do International Forgiveness Institute… concluiu que o processo de perdão envolve quatro fases. São elas:

  1. Reconhecimento da raiva, considerando a sua influência na nossa forma de viver e sentir.
  2. Decidir perdoar, a partir de dentro e no tempo de cada um.
  3. Trabalhar o perdão desenvolvendo empatia e compaixão.
  4. Descobrir e libertar­-se da prisão emocional.”
    (https://goo.gl/soiBbg).

Portanto, se como Jonas, você tem dificuldade de perdoar, não se desespere. O SENHOR nos tem feito a mesma pergunta: “É razoável essa tua ira?” (v.4). Responda-O com inteireza de coração. Não tente esconder o que Deus já conhece. Não perca a sua saúde física, emocional e espiritual acalentando sentimentos que lhe destroem pouco a pouco e lhe fazem perder o privilégio de ser reconhecido como um discípulo de Jesus: “Nisto conhecerão todos que sois Meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros” (Jo 13:35); e de tornar-se perfeito “como perfeito é o vosso Pai celeste” (Mt 5:48). Se Deus perdoa as nossas ofensas, quanto mais devemos perdoar as ofensas de nossos semelhantes! Permita que o Espírito Santo derrame em seu coração a abundante chuva do amor de Deus (Rm 5:5), e que a sua vida seja uma manifestação do milagre do perdão.

Bom dia, perdoados pelo Pai e perdoadores de seus irmãos!

Desafio do dia: Inicie hoje o passo a passo do perdão. Respeite cada fase, confiando na provisão divina.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Jonas4
#RPSP

Deixe seu comentário:



JONAS 4 – COMENTÁRIO PR. EVANDRO FÁVERO by Maria Eduarda
20 de dezembro de 2017, 0:26
Filed under: Sem categoria

 JONAS 4 – #rpsp #primeiroDeus



JONAS 4 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS – atualizado 07:32 by jquimelli
20 de dezembro de 2017, 0:20
Filed under: Sem categoria

1 desgostou-se Jonas extremamente e ficou irado. A ira de Jonas mostra seu profundo orgulho nacionalista. O Deus missionário tinha um profeta sem coração missionário. Bíblia de Estudo Andrews.

O cap. 4 apresenta um contraste entre a impaciência do coração humano e a longanimidade de Deus. Jonas
ficou mais do que descontente, ele se irou intensamente porque “Deus Se arrependeu do mal” (Jn 3:10). Em vez de alegria porque a graça de Deus alcançara os ninivitas arrependidos, ele permitiu que seu coração egoísta e pecaminoso o tornasse ressentido. Uma vez que o que ele profetizou não aconteceu, sentiu que seria considerado um falso profeta. Sua reputação valia muito mais para si mesmo do que todas as pessoas da capital assíria. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 1111.

Jonas ficou zangado porque Deus se compadeceu de um inimigo de Israel. Queria que a bondade de Deus fosse outorgada somente aos israelitas, não aos gentios. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Não devemos nos esquecer que, na verdade, não merecemos ser perdoados por Deus. Life Application Study Bible Kingsway.

2 sabia. Jonas reconhecia a longanimidade do caráter de Deus, em especial, o desejo divino de perdoar. Deus é cheio de graça e misericórdia, tardio em se irar e repleto de amor da aliança (Êx 34:6; N m 14:18; Ne 9:17; Sl 103:8; Jl 2:13). O Senhor perdoa e deixa de executar o juízo punitivo. Jonas podia apreciar essas características por sua própria experiência. O que o incomodou e destruiu sua paz de espírito foi o fato de Deus estender graça até mesmo aos inimigos. A salvação fora dos limites do povo do Senhor era inconcebível. Entretanto, o Deus da Bíblia é diferente, e o nacionalismo não faz parte de seus planos. Ele se propõe a salvar e a abençoar todas as famílias d a Terra, como disse a Abraão. O Senhor poderia ter destruído os ninivitas sem alertá-los. O próprio fato de enviar Jonas mostra que ele estava aberto à possibilidadede reverter seu veredito contra a cidade. Bíblia de Estudo Andrews.

muito paciente. Jonas , ao contrário, irava-se facilmente (v. 1,9). Bíblia de Estudo NVI Vida.

3. Tira-me a vida. O apelo de Jonas a Deus é bem diferente do de Moisés, que, no verdadeiro espírito de autossacrifício, estava disposto a ter seu nome apagado do livro da vida para que seu povo transgressor pudesse viver (ver Ex 32:31, 32). Jonas deu lugar ao completo desânimo. CBASD, vol. 4, p. 1111.

5. Até ver o que aconteceria. Pode ser que sua reação apenas refletisse sua atitude de teimosia e a insistência de que Deus cumprisse o que havia anunciado. CBASD, vol. 4, p. 1111.

Jonas se assentou do lado de fora da cidade, esperando presenciar sua destruição. Isso mostra a luta do profeta em deixar Deus ser Deus e perdoar. A este ponto, Jonas se recusou a participar de uma conversa. Uma lição prática o ajudaria a entender a situação do ponto de vista divino. Bíblia de Estudo Andrews.

abrigo. Segundo parece, esse abrigo não oferecia sombra suficiente. Bíblia de Estudo NVI Vida.

6-9 Deus mobilizou os agentes de sua criação – a planta, o verme, o sol e o vento quente oriental – para fazer Jonas voltar a falar. A estratégia funcionou. O Senhor pôde expressar sua justificativa para perdoar os ninivitas: o motivo era a compaixão. Se Jonas era capaz de sentir compaixão por uma planta, muito mais justificado estava Deus por sentir compaixão pelos ninivitas e até mesmo pelos animais da cidade. Este livro revela a paixão missionária do Senhor por salvar vidas. Bíblia de Estudo Andrews.

7. Secou. Muitas vezes ocorre que, quando um novo dia de alegria e regozijo parece prestes a começar, algum verme da desgraça ou da tristeza transforma a esperança em desespero. CBASD, vol. 4, p. 1112.

10. Tens compaixão. A LXX traduz a primeira parte do versículo como: “E disse o SENHOR: Tu tiveste compaixão da planta que tu não criaste e pela qual não sofreste.” … Seu sistema de valores estava distorcido. CBASD, vol. 4, p. 1112.

11 não sabem nem distiguir a mão direita da esquerda. Assim com o crianças pequenas (cf. Dt 1.39; Is 7.15,16), os ninivitas precisavam da compaixão paterna de Deus. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Deus poupou os marinheiros quando pediram por piedade. Deus salvou Jonas quando este orou por dentro do peixe. Deus salvou as pessoas de Nínive quando responderam à pregação de Jonas.Deus responde as orações daqueles que o invocam. Deus sempre trabalhe nossa vontade, e deseja que todos venhamos até Ele, confiemos nEle e sejamos salvos. Podemos ser salvos se atendermos as advertências de Deus para nós através de sua Palavra. Se respondemos em obediência, Deus será gracioso, e receberemos sua misericórdia, não o castigo dele. Life Application Study Bible Kingsway.

[Voltaremos a publicar os comentários selecionados em breve.]




%d blogueiros gostam disto: