Reavivados por Sua Palavra


CREDE EM SEUS PROFETAS – BLOG DA SEMANA 10/12/2017, sobre Profetas e Reis, cap. 58 by jquimelli
9 de dezembro de 2017, 20:35
Filed under: Sem categoria

Após ser libertada de um sequestro que começou quando tinha 11 anos de idade, a jovem Jaycee Dugard, agora com 29 anos, sentou-se em frente a uma policial. Em outra sala, seus captores estavam sendo questionados por policiais que desconfiavam da situação familiar.

Por algum tempo, Jaycee não disse muito. Na verdade, ela mesma defendia seus sequestradores, que fizeram nela uma lavagem cerebral para que pensasse que sua vida em cativeiro era normal e que o novo nome que eles lhe deram era sua verdadeira identidade. Finalmente, a policial perguntou a Jaycee como era seu nome verdadeiro. Jaycee congelou. Com medo mesmo de pronunciá-lo, escreveu-o em um pedaço de papel: Jaycee Dugard. Jaycee podia agora retomar o relacionamento familiar quebrado por 18 anos.

O vínculo entre aqueles que se amam nunca deveria ser quebrado, seja por sequestro, divórcio ou por morte. A separação entre humanos e Deus começou com duas pessoas se escondendo em um jardim, nus e envergonhados. Ao longo dos anos, essa separação continuaria a se ampliar, mesmo entre os israelitas, as pessoas a quem Deus escolheu para abençoar o mundo.

Mas, então, uma promessa veio através do profeta Daniel: um Ungido (hebraico, “messias”) viria (Dan 9:24-25). Este mesmo Ungido já havia vagado no jardim do paraíso, cheio de animais, chamando por um jovem e sua mulher “Onde vocês estão?”

Agora Ele retorna a este mundo, desta vez para uma estrebaria cheia de animais malcheirosos, com um jovem e mulher. Ele tinha vindo para dar fim à separação, reunir-se à raça humana, pôr fim ao pecado, expiar a maldade, trazer a justiça eterna, fazer tudo novo. Mais uma vez Deus estava conosco.

Andy Nash
Professor and Pastor
Southern Adventist University, USA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/sop/pk/58 e https://www.revivalandreformation.org/?id=1567
Tradução: Jeferson Quimelli e Gisele Quimelli
Capítulo da semana em: https://credeemseusprofetas.org/2017/12/09/profetas-e-reis-cap-58/

 

[Mais sobre Jaycee em: https://en.wikipedia.org/wiki/Kidnapping_of_Jaycee_Dugard]



AMÓS 3 by jquimelli
9 de dezembro de 2017, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário Devocional

Neste capítulo, Amós apela às pessoas negligentes e sem sensibilidade espiritual para que tomem conhecimento da justiça e dos juízos de Deus (vv. 1-8) dirigidos àqueles que continuam a pecar e não se arrependem. Deus é revelado como justo e santo (vv. 9-15).

O castigo divino foi pronunciado por causa da extrema corrupção, cobiça e luxo que os levou a se esquecerem dos mais simples deveres para com os vizinhos e a exercerem uma violenta opressão sobre os pobres. Os grandes e os ricos utilizavam mal sua riqueza e influência, as quais, se bem utilizadas, resolveriam o problema da pobreza existente.

Deus declara que sua relação especial com Israel não poderia continuar assim por mais tempo por se apegarem eles às suas iniquidades, semelhante a duas pessoas que não podem caminhar juntos (v.3), a menos que caminhem na mesma direção (tenham um propósito comum).

Quando Israel, a família de Deus, recusou-se a viver de acordo com seus altos privilégios e aceitar suas responsabilidades, sua posição favorecida lhe foi retirada e concedida à igreja, a família espiritual de Deus. Quanto maior é o conhecimento da vontade de Deus, maior é a responsabilidade e maior a recompensa.

Que possamos aprender com a experiência de Israel e que estas lições nos aproximem de Deus e uns dos outros!

Deepati Vara Prasad
Watchman Publishing House, India

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/amo/3 e https://www.revivalandreformation.org/?id=1128
Também disponível no blog mundial RPSP/BHP da IASD, em: https://www.revivalandreformation.org/bhp/pt/biblia/hos/
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/09/15/
Equipe de tradução: Jeferson Quimelli/Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Amós 3 NVI
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: https://credeemseusprofetas.org/



AMÓS 3 – COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
9 de dezembro de 2017, 0:55
Filed under: Sem categoria



AMÓS 3 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
9 de dezembro de 2017, 0:45
Filed under: Sem categoria
AMÓS 3 – Deus avisa antes de realizar Suas ações, sejam elas positivas (salvação) ou aquelas que parecem negativas (julgamento). Os planos divinos não são executados em segredo, Ele anuncia através de Seus profetas sempre que existir necessidade.
 
Através dos profetas Deus não apenas fala aos habitantes deste mundo carcomido pelo pecado, mas orienta e cuida de Seu povo que vive numa sociedade corrompida moralmente. A presença dos profetas oferece segurança aos fiéis – o problema é quando profetas de Deus são rejeitados.
 
Diante do chamado de Deus, o homem Amós foi compelido “a pregar com tamanha ousadia contra os pecados do rei Jeroboão e contra a classe alta de Samaria, que foi acusado de traição (7.7-8.2)” (John D. Watts).
 
• Os mensageiros de Deus não são apreciados, muitas vezes, nem pelo povo de Deus.
 
E nós, ouviremos a Amós?
 
• Quando Deus chama alguém ou povo para uma missão, tal privilégio não é liberação para pecar; é uma responsabilidade da qual Deus pedirá conta (vs. 1-3).
• Pessoas são salvas para levar a mensagem de salvação aos que estão condenados no pecado, não para permanecerem no pecado, nem justificarem ou ignorarem seus defeitos (v. 10).
• Pessoas privilegiadas que não são dedicadas a viverem conforme seus privilégios, certamente ouvirão a sentença contra seus sacrilégios (vs. 4-9, 11-15).
 
A mensagem exortativa proclamada pelas sete trombetas apocalípticas não surtiram efeito como Deus planejou (Apocalipse 8-9). Por isso, antes do toque da sétima trombeta, que indica o advento de Cristo (Apocalipse 11:15-19), Deus levantaria um povo, o qual passaria por uma titânica decepção (Apocalipse 10:1-10), mas seria reavivado para proclamar uma mensagem específica (Apocalipse 10:11-11-14).
 
O juízo investigativo teve início em 1844, conforme mostra Daniel 8:13-14, quando Cristo passou do lugar santo para o santíssimo no santuário celestial. Desde então, a mensagem do juízo tem sido pregada (Apocalipse 14:6-12).
 
• Esse movimento pré-advento, é um povo privilegiado, mas não é por isso que deve negligenciar suas responsabilidades.
• O remanescente do tempo do fim não deve galgar os caminhos da indiferença e pecado como fez o Israel do passado.
• Antes do fim, Deus avisará à humanidade (Mateus 24:14); pois, além de oferecer oportunidade, Ele mostrará que certamente não fará coisa alguma sem primeiro anunciar Seus planos aos profetas (Amós 3:7).
 
Portanto, animemo-nos na missão! – Heber Toth Armí.


AMÓS 3, Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
9 de dezembro de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Certamente, o SENHOR Deus não fará coisa alguma, sem primeiro revelar o Seu segredo aos Seus servos, os profetas” (v.7).


Continuando sua fala a Israel, Amós profere palavras de juízo “contra toda a família que Ele [Deus] fez subir da terra do Egito” (v.1). A confirmação da eleição não os eximiria de receber o castigo por todas as suas iniquidades (v.2). Então, uma série de perguntas retóricas são feitas, não com o fim de atribuir justiça à ação divina, mas de confirmá-la.

Certamente” (v.7), tudo o que sucederia aos filhos de Israel não deveria surpreendê-los, pois já haviam sido devidamente avisados. A armadilha já estava armada e a trombeta já havia dado o seu sonido. Israel quebrou a aliança com o Senhor e teve de arcar com as consequências de tal conduta. Inflamados pela torpeza e violência, permitiram que o mal lhes cegasse para “o que é reto” (v.10), mas o resultado de tais mazelas não destruiria uma parcela do povo: “assim serão salvos os filhos de Israel que habitam em Samaria com apenas o canto da cama e parte do leito” (v.12).

Em meio à “devastação” (v.10), um remanescente seria poupado do castigo iminente. Deus livraria os Seus fiéis de forma que nem “um pedacinho da orelha” (v.12) deles seria perdida. Notem que o Senhor não diz que os livraria do ataque do leão, mas de serem por ele devorados. Com certeza, a depender da gravidade do ataque, o leão pode deixar cicatrizes bem profundas, mas que, impedido no momento certo, não atingem a vitalidade da vítima.

O apóstolo Pedro já nos advertiu: “Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar“, e nos aconselha: “resisti-lhe firmes na fé, certos de que sofrimentos iguais aos vossos estão se cumprindo na vossa irmandade espalhada pelo mundo” (1Pe 5:8-9). Temos visto que, desde a geração de Noé, não tem sido fácil permanecer fiel em meio à infidelidade. Não é fácil, mas, pela graça de Deus, é possível.

Apesar de não ser considerado um profeta, Pedro, inspirado por Deus, nos deixou revelações que o tempo não invalida. Como nunca antes, o diabo tem cercado o povo de Deus com provações de forma cruel e covarde. Sob suas ordens, os anjos caídos têm oprimido os filhos do Reino com toda sorte de provações. Contudo, para o seu desespero e ira, existe um pequeno povo espalhado pelo mundo cuja fé firme não permite que ele lhe devore “as duas pernas ou um pedacinho da orelha“, mas cujo sofrimento tem lhe aperfeiçoado, firmado, fortificado e fundamentado em Cristo (1Pe 5:10). O sofrimento que o diabo causa visando morte, Deus transforma em um caminho para a vida.

As dificuldades que permeiam a vida dos santos do Altíssimo não lhes serão por tropeço, mas os provará e os purificará como se prova o ouro e se purifica a prata (Zc 13:9). Está sendo retirada toda a impureza para que neles seja notória a impressão do caráter de Cristo. Nenhuma prova, por maior que pareça ser, acontece sem que Deus conceda força suficiente para suportá-la. E, a cada batalha vencida, as cicatrizes não se tornam motivos de revolta, mas de gratidão ao Senhor que, por nós, carregará cicatrizes pela eternidade.

As lutas e sofrimentos daqueles que invocam o nome do Senhor em busca de auxílio deixam de ser pedras de tropeço e passam a ser oportunidades de aperfeiçoamento cristão. Uma vida consagrada é aquela que permite que Jesus a viva em seu lugar. E cada dia surge a necessidade de uma renovação. Cada dia traz o seu mal e se não houver genuína rendição, Satanás aproveita-se da fragilidade espiritual e o que antes era tentação toma forma de pecado. A oferta da graça se renova a cada manhã, mas perto está o Dia da justiça, portanto, hoje, é tempo de aceitá-la como se amanhã já não o fosse possível.

Não importa o quanto o leão maligno tenha lhe machucado ou o quanto de você ele tenha arrebatado. Ainda há tempo de gritar pelo socorro do Bom Pastor e Ele fará de sua vida a declaração de um milagre.

Feliz sábado, remanescente do Deus vivo!

Desafio do dia: Faça uma visita missionária. Leve esperança a quem necessita.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Amós3
#RPSP

Deixe um comentário:



AMÓS 3 – COMENTÁRIO PR EVANDRO FÁVERO by Maria Eduarda
9 de dezembro de 2017, 0:25
Filed under: Sem categoria



AMÓS 3 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
9 de dezembro de 2017, 0:20
Filed under: Sem categoria

1. Ouvi a palavra. Esta frase ocorre no início dos cap. 3, 4 e 5. Estes capítulos apresentam três mensagens distintas que apontam de forma definitiva os pecados de Israel e anunciam a aproximação do julgamento de Deus. Na primeira das três, Deus denuncia Israel diante do tribunal da justiça divina e salienta o distanciamento que então havia entre Ele e Seu povo (ver v. 3, 10; sobre esta mensagem, ver o v. 3). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 1063.

Toda a família. Isto indica que o chamado divino é dado às 12 tribos, a quem o Senhor manifestou Seu grande favor, trazendo-as “da terra do Egito” (ver Am 2:10). CBASD, vol. 4, p. 1063.

2. Punirei. Por causa dos elevados privilégios e da luz abundante que o Senhor fizera brilhar sobre seu caminho, Ele particularmente puniria Israel por suas iniquidades. Quanto mais claramente se conhece o parentesco espiritual com Deus, mais repreensível é rejeitá-Lo e mais merecedor se faz das consequências de tal ação. Não se deve abusar de grandes privilégios senão eles trarão grandes penalidades (ver Lc 12:47, 48). CBASD, vol. 4, p. 1063.

Por todas as vossas iniquidades. Amós condena veementemente os ricos e poderosos por utilizarem mal a riqueza e a influência, bênçãos que deveriam ter sido usadas para remediar a corrupção e a pobreza. CBASD, vol. 4, p. 1063.

3. Acordo. Literalmente, “ter um compromisso”. Assim como duas pessoas não andam juntas se não tiverem um propósito comum, do mesmo modo, o Senhor indica que o relacionamento especial com Israel (v. 2) não pode continuar, pois os israelitas estavam apegados a suas iniquidades. … O caminhar com Deus não significa um ato ocasional, mas um hábito que surge a partir de uma relação estabelecida. Significa uma companhia baseada em harmonia entre espírito e mente. CBASD, vol. 4, p. 1063, 1064.

4. Rugirá o leão … ? Como regra, o leão ruge mais terrivelmente quando está prestes a saltar sobre a sua presa. Da mesma forma, quando Deus fala por meio de um profeta, as pessoas podem ter certeza de que Ele está prestes a punir Seu povo (cf. Am 1:2, 3:8). CBASD, vol. 4, p. 1064.

7. Certamente, o SENHOR Deus. Todas as ameaças de males sobre Israel se cumpririam, mas não antes o povo ser avisado por meio dos profetas ( ver Jo 13:19; 14:29). A misericórdia de Deus é demonstrada pelo fato de Ele não impor Seus juízos sobre as pessoas sem primeiro alertá-las por meio de Seus profetas. Ele anuncia o mal por vir, na esperança de não ter de infligi-lo. … no tempo presente, antes da destruição do mundo, por ocasião da segunda volta de Cristo, Deus claramente adverte as pessoas por meio das profecias registradas em Sua Palavra (ver GC, 594, 598; T7, 14). CBASD, vol. 4, p. 1064.

Mesmo na ira Deus é misericordioso: sempre avisou seu povo através dos profetas antes de puni-los. As advertências sobre o pecado e o julgamento aplicam-se às pessoas hoje assim como fizeram com Israel. E porque fomos avisados sobre o nosso pecado, não temos desculpas quando somos punição. Deus havia avisado seu povo através de seus profetas para que não racionalizassem ou se queixassem quando Deus os punisse por se recusarem a se arrepender. Preste atenção nas advertências da palavra de Deus sobre o julgamento. Suas advertências são uma maneira de mostrar misericórdia a você. Life Application Study Bible Kingsway.

8. Quem não profetizará? Como o rugido de um leão provoca medo em homens e animais, a palavra divina produz seu efeito sobre o profeta, e ele não pode deixar de falar (cf. Jr 1:7; 20:9; At 4:19, 20, 1Co 9:16). CBASD, vol. 4, p. 1064, 1065.

9. Ajuntai-vos. … o profeta faz uma chamada figurativa para que os espectadores se reunirem em volta e observarem os “grandes tumultos” e as opressões em curso na cidade. Em vez de “os grandes tumultos”, a LXX diz “muitas coisas assombrosas”, o que implica que as ações executadas em Samaria eram uma grande surpresa mesmo para os pagãos. CBASD, vol. 4, p. 1065.

10 Não soube fazer. É característico da cegueira moral e espiritual causada pelo pecado que o pecador não só deixe de fazer o bem, mas, por fim, seja incapaz de perceber isso (comparar com Os 4:6). CBASD, vol. 4, p. 1065.

Israel já não sabia como fazer o que era certo. Quanto mais pecaram, mais difícil era lembrar o que Deus queria. O mesmo é verdade para nós. Quanto mais aguardamos para lidar com o pecado, maior será seu poder sobre nós. Finalmente, esquecemos o que significa ser justo. Você está à beira do esquecimento? Life Application Study Bible Kingsway.

12. Como o pastor livra da boca do leão as duas pernas ou um pedacinho da orelha. Tão extenso seria o castigo divino, que todos, exceto um remanescente piedoso de Israel, seriam condenados. Para o pastor Amós (ver com. de Am 1:1, 7:14), esta ilustração era bastante natural. CBASD, vol. 4, p. 1065.

14. As pontas do altar. Eram as projeções nos quatro cantos do altar (ver Êx 27:2; 29:12; Lv 16:18). O profeta prediz que esses pontos de idolatria resultarão na destruição dos idólatras. CBASD, vol. 4, p. 1065.




%d blogueiros gostam disto: