Reavivados por Sua Palavra


AMÓS 1 by jquimelli
7 de dezembro de 2017, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário Devocional

Amós, cujo nome significa “um portador de carga” era um humilde pastor de ovelhas em Tecoa, na Judéia, no século VIII aC. Ele não era nem filho de profeta, nem havia sido treinado para ser profeta (7:14). No entanto, ele foi chamado por Deus para profetizar contra Israel a respeito do comportamento de seus líderes religiosos e políticos que faziam mal aos olhos do Senhor.

Amós sentiu-se incomodado com o luxo e os pecados existentes, descritos em vívidos detalhes por ele. Ele repreende os pecados que floresceram após a prosperidade material: as extravagâncias, as orgias, a libertinagem dos ricos, que podiam desfrutar disso pela opressão aos pobres e perversão do juízo, através de suborno e extorsão.

Amós utiliza uma linguagem bastante vívida, própria de um pastor atento aos barulhos dos animais selvagens. Para expressar o desagrado do Senhor ele disse que “O Senhor ruge” e que as pastagens e o monte Carmelo iriam chorar (v. 2). Nos versos 3-15, o profeta apresenta o julgamento de Deus sobre Damasco, Gaza, Tiro, Edom e Amon.

Em seguida, Então Amós denuncia as três nações aparentadas de Israel por sangue — Edom, Amon e Moabe. A atitude pouco fraterna dos Edomitas, os descendentes de Esaú, em relação aos descendentes de Jacó, e a hostilidade dos Amonitas para com os Israelitas, foi condenada por Amós. É ruim odiar a um inimigo, pior do que isso odiar a um amigo e ainda pior odiar a um irmão.

Que o Senhor nos ajude a amar a todos.

Deepati Vara Prasad
Watchman Publishing House, India

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/amo/3 e https://www.revivalandreformation.org/?id=1126
Também disponível no blog mundial RPSP/BHP da IASD, em: https://www.revivalandreformation.org/bhp/pt/biblia/hos/
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/09/13/
Equipe de tradução: Jeferson Quimelli/Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Amós 1 14 NVI
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: https://credeemseusprofetas.org/



AMÓS 1 – COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
7 de dezembro de 2017, 0:55
Filed under: Sem categoria



AMÓS 1 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
7 de dezembro de 2017, 0:45
Filed under: Sem categoria
Sociedades decadentes buscam luzes, grandeza e poder. Deus, por outro lado, procura gente humilde. Pessoas degradadas pelo pecado prezam pelo berço de ouro, poder social, realeza, glória, sucesso material, fama. Deus preza pelos sinceros e simples.
 
Pessoas mergulhadas no pecado valorizam o que tem a ver com o ego pervertido, Deus, valoriza o que tem a ver com o ego convertido. Por isso, desafiando a lógica e a inteligência carnal que tem mania de grandeza, Deus escolhe “as coisas humildes do mundo, as desprezadas, e aquelas que não são, para reduzir a nada as que são” (I Coríntios 1:28).
 
Amós, cujo nome significa “aquele que carrega fardos” ou “penoso” foi boieiro e cultivava sicômoros antes do chamado de Deus. Ele “não era profeta profissional do quadro de funcionários do rei (7:14). Era apenas um ‘entre os pastores de Tecoa’, uma vila cerca de dezenove quilômetros ao sul de Jerusalém (1:1) e ‘colhedor de sicômoros’ (7:14)” (John D. W. Watts).
 
Apesar de sua origem nada nobre do ponto de vista humano, Amós foi chamado por Deus e fez um excelente trabalho. No início, ele revelou que a graça, misericórdia e oportunidades dadas divinas têm limites. Sobre a expressão “Por três transgressões […] e por quatro” J. Sidlow Baxter explica que “não deve ser interpretada em sentido aritmético literal de três ocorrências seguidas de uma quarta, mas de modo metafórico, indicando uma medida cheia, seguida de uma transbordante; em outras palavras, o pecado do povo tinha ido longe demais. Em termos coloquiais, eles haviam ‘passado dos limites’”.
 
• Antes de executar Seu juízo, Deus se comunica com o condenado. Damasco, representando a Síria (vs. 1-5), Gaza (vs. 6-8), Tiro (vs. 9-10), Edom (vs. 11-12) e Amom (vs. 13-15) recebem advertências e avisos antes de receberem a sentença de suas atitudes corruptas.
• Deus explica as razões do julgamento e apresenta o resultado dos pecados, revelando assim Sua bondade com o pecador, e também Sua intolerância com o pecado.
• Nossa sociedade está atraindo o mesmo juízo divino. Analise se as razões pela condenação de nações do passado não estão presentes ao nosso redor:
a) Arrogância;
b) Exploração;
c) Irresponsabilidade;
d) Estupidez;
e) Indiferença;
f) Indisciplina;
g) Infidelidade;
h) Atrevimentos…
 
Veja como o apóstolo Paulo descreveu nossa triste realidade em 2 Timóteo 3:1-5. Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.


AMÓS 1, Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
7 de dezembro de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Ele disse: O SENHOR rugirá de Sião e de Jerusalém fará ouvir a Sua voz…” (v.2).

Mais um profeta menor surge nas páginas finais do Antigo Testamento. Amós foi chamado para a missão específica de advertir não só Israel, mas as nações vizinhas de que seus pecados haviam, literalmente, passado dos limites. “Por três transgressões… e por quatro, não sustarei o castigo” (v.3) é uma expressão que indica um juízo inevitável.

A disciplina de Deus possui etapas tal qual a disciplina de um pai para com um filho. Funciona na seguinte ordem: orientação, advertência, disciplina corretiva, castigo definitivo. A orientação está contida na Bíblia. Tudo o que precisamos saber para ter uma vida de acordo com a vontade de Deus está escrito na Palavra Inspirada. Mas, diante da rebeldia do povo, Deus enviava os Seus profetas para advertir quanto às consequências da desobediência. Fosse a rebeldia persistente, a disciplina corretiva era aplicada por meio dos povos aos quais se misturavam. E, não obstante, fosse a correção um meio de trazer de volta os filhos rebeldes, aqueles que endurecessem o coração caminhavam, por escolha própria, para o castigo definitivo.

Ainda hoje esta é a ciência da educação divina. De uma maneira insistente e misericordiosa, o Espírito Santo nos aponta a Palavra de Deus como o nosso manual de sobrevivência. Mediante uma busca sincera e desprovida de sentimentos egoístas, o estudante das Escrituras torna-se mais e mais semelhante à imagem outrora maculada, como está escrito: “E todos nós, com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na Sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito” (1Co 3:18).

Infelizmente, apesar de ser o livro mais vendido no mundo, a Bíblia tem sido usada não como fonte de vida, mas como um meio de justificar escolhas equivocadas ou até mesmo distorções de sua verdadeira interpretação assim como o diabo usou as Escrituras no deserto quando tentou a Jesus (Mt 4). A pior mentira que existe é um coração malicioso que usa a Bíblia para aparentar ser o que não é. E por mais que engane pessoas, jamais conseguirá enganar Aquele que esquadrinha as intenções humanas (Sl 139:2).

Percebam que cada castigo não sustado (confirmado) possuía um único motivo: a quebra “da aliança de irmãos” (v.9). Deus não admite ações que sejam realizadas com o fim de prejudicar pessoas, ainda que revestidas com o “véu” da sutileza. Cada povo citado “perseguiu o seu irmão à espada e baniu toda a misericórdia” (v.11), rompendo assim os limites da longanimidade divina por seus atos de desamor. A espada não significa apenas a violência física, mas algo que pode ser ainda pior: “Alguém há cuja tagarelice é como pontas de espada” (Pv 12:18). Ou seja, falar com o objetivo de ferir, diante de Deus, equivale a uma tentativa de homicídio.

Uma das maiores necessidades que temos de aplicar diariamente à nossa vida é o exame do nosso coração; clamar para que o Espírito Santo nos aponte nossos pecados e invocar o nome do Senhor por socorro. Por mais que a nossa vida represente, diante dos homens, algum tipo de exemplo a ser seguido, enquanto não entendermos que a nossa débil condição e a opinião pública não garantem a nossa salvação, a santificação fica estagnada e retrocedemos iludidos com os aplausos errados.

Você e eu temos um débito com o Céu, débito este que foi perfeitamente pago por Jesus. Todo aquele que compreende este princípio e deseja viver em harmonia com a natureza de Cristo, não precisa de subterfúgios para mostrar que está vivendo uma nova vida, mas a aprovação do Céu já lhe é o bastante. Foi assim com os maiores nomes da Bíblia, que foram rejeitados, perseguidos, mal compreendidos e humilhados por seus contemporâneos, mas que serão glorificados por Jesus no grande Dia de Sua volta. Portanto, que possamos dar ouvidos às orientações de Deus, aceitar as Suas advertências e, quando necessário, ser moldados por Sua disciplina, para que não participemos do castigo que foi “preparado para o diabo e seus anjos” (Mt 25:41).

Bom dia, filhos do Pai de amor!

Jornada de oração, dia 21/21: Rasgue o seu coração diante de Deus e humilhe-se perante Aquele que, hoje, deseja lhe salvar.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Amós1 #RPSP

Deixe seu comentário:



AMÓS 1 – COMENTÁRIO PR EVANDRO FÁVERO by Maria Eduarda
7 de dezembro de 2017, 0:25
Filed under: Sem categoria



AMÓS 1 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
7 de dezembro de 2017, 0:20
Filed under: Sem categoria

1. Título — Semelhantemente aos outros livros que compõem a coleção Profetas Menores, o título do livro é o nome do autor, Amos. O nome em hebraico é ‘Amos, derivado do verbo amas, “carregar” ou “levar [um fardo]”. O nome, portanto, significa “portador de um fardo, cujo significado concorda adequadamente com as mensagens pesadas e solenes que o profeta foi chamado a transmitir. O nome não ocorre em outras partes do AT. 2. Autoria — A partir do resumo de sua vida (Am 7:14, 15), sabe-se que Amós era um boiadeiro e um coletor de frutos de sicômoro. A impressão que se tem é de que embora fosse pobre, ele era independente, o que explica o fato de ele ter deixado seu rebanho por um tempo. Amos não era um homem culto, segundo a presente compreensão do termo, nem foi preparado para sua missão nas escolas dos profetas. Como no caso de Amos. quando pessoas relativamente incultas ou de poucos recursos são escolhidas para fazer uma grande obra para Deus, “a excelência do poder” é vista como” de Deus e não de nós” (2Co 4:7). É o que a pessoa e, e não necessariamente o que tem, que a torna capacitada para o serviço de Deus. Ao receber o chamado divino, Amos deixou Judá para ir a Israel, provavelmente, para concentrar seu trabalho em Betel, local do principal templo do bezerro e do palácio de verão do rei. Ali, ele denunciou a adoração ao bezerro e foi contestado por Amazias, o sumo sacerdote idolatra que o acusou perante o rei de ser um conspirador perigoso (ver Am 7:10-13). Não se sabe sobre os últimos dias de sua vida. Amós deve ser classificado entre os mais importantes profetas por causa da eloquência simples e clara, do vigor e da grandeza de seu pensamento. Poucos profetas são mais penetrantes em compreender os fundamentos do mundo natural e moral, ou apresentam mais conhecimento sobre o poder, sabedoria e santidade de Deus. CBASD, vol. 1053.

1. Pastores. Literalmente, “criadores de ovelhas”. Amós 7:14 e 15 indica que o profeta era um pequeno criador de ovelhas ou um trabalhador pobre, pertencendo, portanto, a uma baixa classe social. CBASD, vol. 1055.

Amós pastoreava ovelhas – não um trabalho particularmente espiritual – no entanto, ele se tornou um canal da mensagem de Deus para os outros. Seu trabalho pode fazer com que você não se sinta espiritual ou bem-sucedido, mas é um trabalho vital se você está no lugar que Deus quer que você esteja. Deus pode fazer através de você coisas extraordinárias, independentemente da sua ocupação. Life Application Study Bible Kingsway.

Tecoa. Pequena cidade de Judá, em área pastoril arenosa … oito quilômetros ao sul de Belém (ver 2Sm 14:2; 2Cr 11:6; 20:20; Jr 6:1). CBASD, vol. 1055.

Muito antes de Amós nascer, uma mulher de Tecoa auxiliou Davi a a se reconciliar com seu filho, Absalão. Life Application Study Bible Kingsway.

A respeito de Israel. O ministério de Amós, como o de Oseias, foi especialmente em favor de Israel, o reino do norte. CBASD, vol. 1055.

Antes do terremoto. A história secular ainda não lançou luz sobre este evento. No entanto, muito tempo depois, o profeta Zacarias mencionou o terremoto (ver Zc 14:5). Evidentemente, foi grave o suficiente para deixar uma forte impressão sobre as gerações seguintes. Josefo declara que este terremoto aconteceu quando o rei Uzias presunçosamente entrou no templo para queimar incenso (Antiguidades, ix. 10.4; ver 2Cr 26:16-21). CBASD, vol. 1055, 1056.

2. Jerusalém. Esta referência a Jerusalém como a morada do Senhor é. evidentemente, para enfatizar o fato de Deus não habitar em Dã e Betei, cenários do culto idolatra ao bezerro (ver lRs 12:25-33). CBASD, vol. 1055.

Carmelo. Trata-se do monte Carmelo, na realidade uma cadeia montanhosa e não um pico. Era conhecido por sua abundante fertilidade (ver Is 33:9; 35:2; Jr 50:19). CBASD, vol. 1056.

12 Carmelo quer dizer “campo fértil”. … Uma seca capaz de secar esta área teria de ser muito severa. Life Application Study Bible Kingsway.

3. Assim diz o SENHOR. Antes de mencionar Israel, Amós pronuncia o julgamento sobre as nações pagãs vizinhas, por causa de perseguição ao povo de Deus. Se os pagãos mereciam o castigo, possuindo mais luz, Israel não podia ficar impune. CBASD, vol. 1056.

Três transgressões … e por quatro. Ver v 6, 9, 11, 13; 2:1, 4, 6. Os números não devem ser tomados literalmente, como denotando determinado número de infrações em cada caso. Eles são usados para indicar um grande número, o quatro é usado para uma boa medida (ver com. de Jó 5:19; 33:29; Ec 11:2). … Presumivelmente, “três transgressões” eram suficientes para constatar um pecado intencional e incurável. Mas os povos mencionados em Amos 1 e 2 tinham ultrapassado até esse limite. O pecado persistente resulta em culpa cumulativa. Deus suporta longamente os ímpios até que, finalmente, ele
cruzam a linha de Sua paciência. CBASD, vol. 1056.

A acusação “Por três pecados … mesmo por quatro” significa que essas nações pecaram repetidas vezes. Esta frase ecoa através desses versículos à medida que Deus avalia a nação após a nação. Cada nação se recusara persistentemente a seguir os mandamentos de Deus. Uma prática pecaminosa pode se tornar um modo de vida. Ignorar ou negar o problema não nos ajudará. Devemos iniciar o processo de correção confessando nossos pecados a Deus e pedindo-lhe que nos perdoe. Caso contrário, não temos esperança senão continuar nosso padrão de pecado. Life Application Study Bible Kingsway.

Damasco.  Desde que Rezim se levantou contra Salomão (1Rs 11:23-25) e conquistou Damasco, que tinha sido tributária a Davi (2Sm 8:5, 6), esta cidade estava periodicamente em inimizade com Israel. Isso resultou em violenta guerra entre os dois (ver 1Rs 15:16-20,20,22; 2Rs 7; 10:32, 12:17, 18; 13:3-5). Jeroboão II, de Israel, em cujo reinado Amós cumpriu seu ministério, havia derrotado Damasco novamente, colocando-a sob tributo (2Rs 14:28). CBASD, vol. 1056.

Damasco (vv. 3-5), a bela, próspera e bem fortificada capital e representante de toda a Síria, experimentaria os juízos de Deus por suas más ações intencionais e incuráveis, particularmente por “moer” gente como o grão é moído por artefatos de ferro (v. 3, NLT). Deus adverte que enviará fogo e destruirá Hazael e seu filho (Heb. Ben) Hadad, toda a sua dinastia e a cidade de Damasco, com todos os seus magníficos palácios reais. As barras transversais da porta da cidade seriam quebradas para o inimigo entrar e as pessoas abatidas no Vale de Áven. E, finalmente, o povo da Síria seria levado em cativeiro. Tudo isso se cumpriu quando o rei da Assíria subiu contra Damasco e a tomou. Deepati Vara Prasad, em: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/09/13/.

Gileade. As pastagens no altiplano a leste do Jordão. O nome aqui denota toda a região leste do Jordão dada a Gade, Rúben e à meia tribo de Manassés (ver Js 22:1-4,9). CBASD, vol. 1056.

Trilhos de ferro. Trenós ou carros feitos de pesadas pranchas amarradas em conjunto, debaixo das quais pedras afiadas ou pontas de ferro eram inseridas. Sobrecarregados com uma pesada pedra ou com um condutor, esses instrumentos eram puxados por bois sobre o grão (ver Is 28:27; 41:15). Na LXX, a última frase de Amos 1:3 diz: “Porque trilharam a Gileade com trilhos de ferro” (ver 2Rs 8:12). CBASD, vol. 1056.

5. Quebrarei o ferrolho. Barras de ferro eram usadas para trancar a porta da cidade (ver 1Rs 4:13; Jr 51:30; Nm 3:13). Portanto, quebrar as barras ou ferrolhos abria a cidade ao inimigo.CBASD, vol. 1057.

6, 8 Gaza, a cidade dos filisteus, recebe acusação por impor a migração e a escravidão. Deus decidiu lançar fogo sobre os muros de Gaza a fim de devorar seus palácios. Os habitantes de Asdod, Asquelon e Ecron seriam abatidos. Gaza foi conquistada pelo rei do Egito, e por Alexandre, o Grande. Asdod foi capturada por Uzias, e depois por Sargão II. Deus destruiria aqueles que tentam destruir o seu povo. Deepati Vara Prasad, em: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/09/13/.

9, 10 O julgamento também é pronunciado sobre Tiro (vv. 9-10), a principal cidade dos fenícios, por entregar prisioneiros israelitas aos edomitas. Sendo assim, eles também foram responsabilizados pelas crueldades que os judeus sofreram. A parte continental de Tiro foi tomada por Senaqueribe. Mais tarde, a ilha que pertence a Tiro foi conquistada por Asaradão e, finalmente, Tiro foi destruída por Alexandre, o Grande. Aos olhos de Deus uma pessoa é tão culpado do crime que ela ajuda a cometer quanto do crime que ela própria comete. Deepati Vara Prasad, em: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/09/13/.

11. Seu irmão. Amos passa então a denunciar as três nações ligadas por laços de sangue com Israel: Edom, Amom e Moabe. Edom, descendente de Esaú, era o mais próximo e mais hostil. E a atitude não fraternal de Edom para com os descendentes de Jacó, desde o tempo de Esaú até o de Amos, que o profeta condena mais do que qualquer ato (Nm 20:14-21; cf. Dt 2:2-8; 23:7, 2Rs 8:20-22; 2Cr 28:16, 17). A profecia é contra Edom (ver também Ez 25:12-14; 35; Jl 3:19). Odiar um inimigo é ruim, pior é odiar um amigo, e pior ainda odiar um irmão.CBASD, vol. 1058.

Rasgaram. Era grande a hostilidade dos amonitas para com Israel (ver ISm 11:1-3; 2Sm 10:1-5; 2Cr 20; Ne 2:10, 19; 4:1-3). Inveja, ciúme e medo uniram os amonitas aos moabitas para contratar Balaão a fim de amaldiçoar Israel (ver Dt 23:3, 4). Embora não haja outro registro da vileza dos amonitas contra os gileaditas aqui mencionada, Hazael, da Síria, usou este método, e é bem possível que os amonitas se juntassem a ele nessa barbárie (ver 2Rs 8:12; Os 13:16).CBASD, vol. 1058.

Dilatarem seus próprios limites. Os amonitas reivindicaram o território que os israelitas tiraram de Siom e tentaram recuperá-lo no tempo de Jefté (ver Jz 11). Mais tarde, eles conquistaram o território de Gade, que atraiu sobre eles duras denúncias do profeta Jeremias (cf. Jr 49:1-6).

14. Rabá. Literalmente, “grande’, isto é, “a capital”. Rabá, ou Rabá-Amom, era a capital de Amom, situada a leste do Jordão, no braço sul do rio Jaboque, e era a única cidade importante na região. Ela foi conquistada por Davi (ver 2Sm 11:1; 12:26-31). … O nome atual de Rabá é ‘Ammân (note a semelhança com “Ammon”), a capital do reino da Jordânia. CBASD, vol. 1058.

Com alarido. Uma referência ao grito de guerra do exército adversário, o que intensificava o horror da cena de carnificina (ver com. de Jó 39:25). CBASD, vol. 1058.

15 Para o cativeiro. No caso de Israel, o cativeiro foi concebido para realizar uma reforma. Para as nações pagas julgadas por Deus, o cativeiro marcaria o fim da graça. CBASD, vol. 1058.




%d blogueiros gostam disto: