Reavivados por Sua Palavra


ISAÍAS 66 – Comentários selecionados by jquimelli
25 de julho de 2017, 0:25
Filed under: Sem categoria

Imola um boi. Sem a devida experiência espiritual, o que oferece um boi não seria mais aceitável à vista de Deus do que um assassino. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 359. [Nota explicativa adicional da equipe Reavivados: “A religião desprovida da essência (amor) é vã. O destino daqueles que a praticam será igual ao dos ímpios. Precisamos da renovação de nossa mente para podermos experimentar a boa, perfeita e agradável vontade de Deus” (Ivan Barros). Segundo o CBASD, existe outra tradução possível para este texto, que no hebraico está sem conjunções: “O que imola um boi é [também] um assassino”. Entretanto, nós a omitimos por que, na essência, ambas revelam uma religião de aparência, sem a entrega da vida a Deus, pela e para a atuação do Espírito Santo. (Jeferson)]

5 Vós, os que a temeis. Isaías deixa de falar aos ímpios hipócritas para se dirigir ao remanescente justo. Ele era desprezado e perseguido por falsos irmãos. Os arrogantes hipócritas cheios de justiça própria zombavam dele por sua piedade e devoção. Mas o profeta diz que os papéis se inverteriam, que a destruição seria a sorte dos escarnecedores, e alegria e livramento, a dos justos. CBASD, vol. 4, p. 359.

Voz de grande tumulto. A mente do profeta se projeta ao tempo da restauração. Isaías vislumbra a cidade e o templo restaurado e o Senhor Se levantando para retribuir os inimigos do novo estado (ver com. de Is 59:16-18). CBASD, vol. 4, p. 359.

Antes que estivesse de parto. Sião é personificada como uma mulher prestes a dar à luz. A terra de Israel, que havia muito estava desolada (Ez 38:8), estaria repentinamente, com o retorno da multidão de exilados, cheia de vida nova. CBASD, vol. 4, p. 359.

Num só dia. Era algo inaudito e incrível que uma nação pudesse voltar a existir tão depressa. Se os judeus no exílio tivessem atentado para a mensagem dos profetas, a restauração teria sido tão espetacular e gloriosa como a descrita aqui. CBASD, vol. 4, p. 359.

11 Mameis. Os v. 11 e 12 seguem descrevendo Jerusalém como a mãe de uma nação recém-nascida. Sem reservas, ela dá a seu filho todas as atenções habituais de uma mãe devota. CBASD, vol. 4, p. 359, 360.

14 Vossos ossos revigorarão. Em tempos de dificuldade, diz-se que os ossos se consomem (Sl 31:10; cf. Lm 1:13). CBASD, vol. 4, p. 360.

16 Entrará o SENHOR em juízo. A descrição do cap. 65 bem como do 65 (ver com. de Is 65:17) corresponde ao que teria acontecido se os judeus tivessem escolhido cumprir o propósito divino. Por isso as abominações mencionadas aqui são especificamente aquelas das quais os judeus apóstatas eram culpados. CBASD, vol. 4, p. 360.

17 Os que se santificam. Estes apóstatas misturavam ritos pagãos com a adoração a Yahweh, então, assumiam a atitude do “sou mais santo do que tu” (Is 65:5) em relação a seus irmãos. Os reinados de Acaz e Manassés se caracterizavam por esse tipo de culto (2Rs 16:10-16; 21:2-7). CBASD, vol. 4, p. 360.

Nos jardins. Estes jardins e bosques eram com frequência cenário de cerimônias religiosas cruéis e imorais. Os hebreus, muitas vezes, seguiam os pagãos adorando em tais lugares (Is 1:29; 65:3, 4; cf. 1Rs 14:23; 15:13; 2Rs 16:3, 4; 17:9-11; 18:4), embora tivessem recebido de Deus ordens para destruí-los. CBASD, vol. 4, p. 360.

Após a deusa. [heb. ‘achad] A referência deve ser a algum objeto de adoração abominável e ofensivo. CBASD, vol. 4, p. 360.

Que comem carne de porco. Ver com. de Is 65:4. Este povo desafiava a Deus abertamente ao participar do que era abominável. Tanto o porco como o rato são alistados entre os animais impuros que os hebreus foram proibidos de comer (Lv 11:2, 7, 29, 44). Os judeus apóstatas exultavam em quebrar todas as restrições e pretendiam se santificar por meio daquilo que Deus disse que os contaminaria e os tornaria impróprios para comunhão com Ele. Ao pretenderem uma santidade superior, tinham alcançado os níveis mais baixos de degradação. CBASD, vol. 4, p. 360.

23 De uma Festa da Lua Nova à outra. O ritual da Lua Nova durante a dispensação mosaica (ver Nm 10:10; 28:11-14; cf. Am 8:5; … Ez 46:1-3). CBASD, vol. 4, p. 361.

Um sábado a outro. O sábado é uma instituição eterna. Ele seria honrado apropriadamente no estado judeu restaurado e, na nova Terra porvir, será observado por todos (ver DTN, 283). Todos observarão o sábado em reconhecimento eterno de Cristo como o criador do Éden e o recriador dos novos céus e da nova Terra de justiça e santidade. CBASD, vol. 4, p. 361.

24 Verão os cadáveres. Este versículo deve ser compreendido à luz dos princípios esboçados nos comentários de Isaías 65:17. A linguagem é mais uma evidência de que Isaías estava descrevendo o que seriam os novos céus e a nova Terra se a nação judaica tivesse aceitado seu destino divino. Antes de a nova Terra, da qual fala João (Ap 21; 22), se tornar a morada dos justos, e antes que os adoradores viajem à nova Jerusalém, para render culto, todo vestígio de pecado terá sido removido e nenhum cadáver permanecerá para manchar a perfeição do Éden restaurado (ver 2Pe 3:10). Portanto, não se devem aplicar as palavras de Isaías de forma direta à nova Terra futura. A aplicação é secundária, em harmonia com as declarações de escritores inspirados posteriores que mostram como o propósito eterno de Deus se cumprirá por meio do Israel da nova aliança (ver p. 24, 25). Os que aplicam este versículo à punição eterna das almas num inferno que queima constantemente fariam bem em observar que ele trata de cadáveres e não almas conscientes separadas do corpo, sendo atormentadas. Essa aplicação errônea da profecia também ignora os princípios de interpretação já mencionados. CBASD, vol. 4, p. 361.

Verme. A descrição é de larvas que se alimentam dos cadáveres. CBASD, vol. 4, p. 361, 362.

Nunca morrerá. Por meio da mesma aplicação errônea já mencionada, alguns entendem que esta expressão indica vida eterna para os ímpios. Contudo, a expressão no hebraico é um imperfeito simples, um tempo verbal que indica ação incompleta e significa simplesmente que, no tempo considerado, a ação do verbo ainda não está incompleta. O tempo verbal não implica necessariamente que a ação jamais será completada. Por exemplo, em Gênesis 2:25 se emprega o imperfeito na declaração de que Adão e Eva “não se envergonhavam”. Isso não eera uma previsão de que jamais se envergonhariam. Gênesis 3:7 diz que, mais tarde, se envergonharam. A seguinte tradução expressa com mais clareza a ideia do texto hebraico: “seu verme ainda não tinha morrido”. CBASD, vol. 4, p. 362.

Nem seu fogo se apagaráCBASD, vol. 4, p. 362. A frase pode ser traduzida “o seu fogo ainda não se apagou” (ver com. sobre “nunca morrerá”). Em Jeremias 17:27, em que Jerusalém é ameaçada com este fogo, deixa-se evidente que a expressão “não se apagará” não indica um fogo que queimará para sempre. Esse fogo foi aceso (2Cr 36:19), mas se apagou há muito tempo. O fogo que não se apaga é simplesmente o que ser humano algum é capaz de apagar. Contudo, quanto tiver consumido o que deve ser consumido, naturalmente se apagará. CBASD, vol. 4, p. 362.

Anúncios

Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: