Reavivados por Sua Palavra


PROVÉRBIOS 7 by jquimelli
6 de abril de 2017, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário devocional:

Neste capítulo, Salomão aborda a questão do sexo e da imoralidade. Sexo é amplamente reconhecido por pesquisadores contemporâneos como sendo um dos mais poderosos – se não o mais poderoso – desejo humano. Ele está no topo da lista dos motivadores que nos impulsionam como seres humanos, juntamente com a alimentação e o medo. Os profissionais de marketing sabem há muito tempo que eles podem nos convencer a comprar o seu produto ou serviço através da integração de sexo, comida ou medo em sua publicidade.

Poucos argumentariam contra a noção de que a comida e o medo podem destruir vidas. Mas a ameaça potencial do sexo é muitas vezes ignorada em uma geração cujo lema é: “Se dá prazer, faça!”

Salomão mostra que a imoralidade sexual é um pecado difícil de ser superado. Ele sabia que um simples passo abaixo no caminho da imoralidade sexual traz consequências eternas. Paulo viu o mesmo perigo quando escreveu: “Fuja da imoralidade sexual. Qualquer outro pecado que o homem comete é fora do corpo, mas aquele que comete pecados sexuais peca contra o próprio corpo” (1 Coríntios 6:18 NVI).

Em Provérbios 7, Salomão diz que viu um jovem entrar na casa de uma mulher tentadora e sensual. Talvez o jovem tenha pensado que seria uma visita de apenas uma noite. Talvez, após ter sido vencido pelo desejo, tenha prometido a si mesmo que isso nunca mais iria acontecer novamente. Mas ele nunca mais seria o mesmo depois da experiência proibida e do conhecimento que ele vivenciou. Salomão diz que o jovem inocentemente cometeu suicídio moral: “…como o pássaro que salta para dentro do alçapão, sem saber que isso lhe custará a vida” (v. 23 NVI).

Sexo fora dos limites do casamento custa às pessoas suas vidas morais. É por isso que o Senhor diz: “Não cometa adultério” (Ex. 20:14 NTLH).

Andrew McChesney
Jornalista na Rússia

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/pro/7 e https://www.revivalandreformation.org/?id=881 e http://revivedbyhisword.org/en/bible/pro/7/
Texto anterior expandido: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/01/11
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Provérbios 7 NVI
Comentário em áudio Pr Valdeci
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas – “No Espírito e Poder de Elias”: https://credeemseusprofetas.org/



PROVÉRBIOS 7 – COMENTÁRIO PR EVANDRO FÁVERO by Maria Eduarda
6 de abril de 2017, 0:55
Filed under: Sem categoria



PROVÉRBIOS 7 – AS CONSEQUÊNCIAS DA INFIDELIDADE by jquimelli
6 de abril de 2017, 0:50
Filed under: Sem categoria

Provérbios 7 nos traz o relato de um rapaz sem juízo que caiu na armadilha de uma mulher adúltera e imoral. Ele se entregou a ela “como um boi que vai ao matadouro, como um animal que corre para a armadilha” (v. 22).

As pessoas precisam se proteger das armadilhas do adultério. Existem algumas precauções que tanto o homem como a mulher devem ter, como desconsiderar qualquer relacionamento profundo que não seja com sua própria esposa ou esposo, além de evitar ficar a sós por muito tempo e desenvolver intimidade com alguém do sexo oposto.

A infidelidade traz consequências terríveis. Ela:
– entristece a Deus;
– desonra o nome do Senhor;
– torna a pessoa inadequada para o ministério;
– causa uma ferida dolorosa;
– machuca os filhos e lhes causa vergonha e dor;
– desqualifica a pessoa a ensinar os preceitos de Deus aos filhos;
– abala seriamente o respeito próprio;
– provoca um terrível sentimento de culpa: Deus perdoa o pecado, mas muitas vezes a própria pessoa não consegue se perdoar;
– gera marcas, sequelas que podem prejudicar o relacionamento com o cônjuge e filhos;

Além disso, a pessoa que adulterou corre o risco de não receber o perdão da esposa ou marido, porque ele ou ela não consegue perdoar.

Será que vale a pena pagar esse preço? Proteja a si mesmo e ao seu casamento.

Esteja atento às armadilhas que Satanás espalha pelo seu caminho. Invista em seu casamento e seja fiel. A fidelidade e a confiança fortalecerão sua vida conjugal e, esteja certo, podem tornar seu casamento muito feliz.

Jaime Kemp
Comentário da Bíblia da Família (NTLH) sobre Provérbios 7, Sociedade Bíblica do Brasil.

 

Publicado originalmente em: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/01/11



PROVÉRBIOS 7 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
6 de abril de 2017, 0:45
Filed under: Sem categoria

PROVÉRBIOS 7 – A sabedoria prática em ação faz bem ao coração, promove a paz e a harmonia familiar e garante um futuro salutar. Em contrapartida, a loucura leva indivíduos, famílias e futuro para condições infernais, desesperadores e deprimente.

Quando escolher o cônjuge jamais se deve dar atenção à voz da paixão desenfreada, nem mesmo à voz do prazer degenerado, nem mesmo aos gritos dos desejos carnais. Fazer isso é loucura, resulta em tragédias!

Considere estes pontos:

1. Convocação para que o filho atente às instruções do pai sábio (vs. 1-5);
2. Filhos sábios aprendem a dar atenção às palavras do pai sábio em detrimento da mulher sedutora, imoral e de fala sensual (vs. 6-20);
3. Aqueles que dão crédito à mulher perversa se tornam escravos da perversidade (vs. 21-23);
4. A mulher adúltera é pior que veneno mortal – cuidado! (vs. 26-27).

“A religião verdadeira oferece o poder para a pureza moral e ética”, declara Virgínia Everett Davidson; porém “no mundo de hoje os ensinos da Bíblia sobre questões morais são comumente considerados antiquados e incompatíveis com as necessidades da existência moderna”, consequentemente, “quando se condescende com a união sexual fora do casamento, como nos casos pré-maritais ou extraconjugais (ou nas perversões), a relação é prejudicial à saúde espiritual e emocional, sendo portanto contrária à vontade de Deus. E também pode ser prejudicial à saúde física. As pessoas envolvidas sentem-se traídas, ficam traumatizadas e nunca serão as mesmas que antes, nesta vida”.

• Brincar com fogo parecer ser legal, mas pode chegar a sofrer queimadura fatal. Flertar com a sensualidade e a imoralidade em breve se verá que seu fim resultou em terrível fatalidade.
• O prazer desconectado dos princípios bíblicos leva o inocente para as piores desgraças da vida. Mulheres provocantes e descaradas, andando quase nuas pelas ruas, inquietas, buscam jovens inexperientes para caírem em suas armadilhas.
• Muitas mulheres casadas aproveitam a ausência do marido para seduzir os jovens desnorteados. Oferecem todo tipo de encanto, só não mostram que o feitiço é uma isca, uma emboscada para o sofrimento.
• O jovem que quiser uma vida decente, deve procurar uma mulher decente para casar!

Precisamos dar atenção total à voz de Deus, caso queiramos alcançar a paz, a harmonia e a felicidade em nosso dia a dia! – Heber Toth Armí.



PROVÉRBIOS 7  #RPSP  Comentário Rosana Barros  by Ivan Barros
6 de abril de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Não se desvie o teu coração para os caminhos dela, e não andes perdido nas suas veredas” (v. 25).

De uma maneira assinalada e insistente, o sábio faz menção do perigo do adultério e da lascívia. As palavras de apelo que introduzem este capítulo (v. 1-4) são conselhos tão preciosos em sabedoria, que, se seguidos, evitariam a queda de muitos lares que hoje se encontram em ruínas. Notem que o discurso da mulher adúltera é disfarçado com romance (v. 11 e 13), com religiosidade (v. 14) e com a promessa de que o jovem insensato (v. 7) não será descoberto (v. 19). Apesar da tentação não ser pecado, ela é como um ímã que atrai para o mau caminho. Quando há resistência à tentação, não há consumação do pecado. O inimigo é o tentador, por isso que a Bíblia nos diz: “… resisti ao diabo, e ele fugirá de vós” (Tiago 4:7).

Não poderia haver exemplo mais apropriado de um jovem que resistiu a este tipo de tentação do que o exemplo de José. Levado para o Egito como escravo, logo se destacou na casa de seu senhor, e sob os olhares da esposa de Potifar, José procurava ser fiel aos princípios adquiridos na casa de seu pai. Percebe a importância da educação do lar? Então, “a esposa de seu senhor esforçou-se por seduzir o jovem a transgredir a lei de Deus… José bem sabia qual seria a consequência da resistência. De um lado estavam o encobrimento, os favores e as recompensas; do outro a desgraça, a prisão, a morte talvez… A resposta de José revela o poder do princípio religioso. Ele não trairia a confiança de seu senhor na Terra, e, quaisquer que fossem as consequências, seria fiel ao seu SENHOR no Céu” (Patriarcas e Profetas, p. 148-149).

Com a firmeza de um jovem submisso a Deus, José declarou: “Como pois faria eu este tamanho mal, e pecaria contra Deus?” (Gênesis 39:9). Lembrando que José estava longe da vista dos pais, Potifar estava viajando e ele poderia ganhar muitos privilégios se tão-somente cedesse aos encantos daquela vil mulher. Ele escolheu andar perante Deus e perante os homens na luz do dia. Rejeitou os prazeres da “escuridão da noite, nas trevas” (v. 9). O que é realizado às ocultas pode ser encoberto diante das pessoas, mas jamais o é diante do Deus que tudo vê. Mas a motivação de José não teve que ver com o medo de ser descoberto, mas com o amor que devotava ao SENHOR. Potifar bem sabia que José não tinha culpa naquela situação, por isso não o entregou à morte, e sim à prisão.

Amados, fomos chamados para ser nada menos do que santos (I Pedro 1:16), separados para um propósito específico, que é o de mostrar ao mundo que há sim a possibilidade de ser fiel em meio à infidelidade, ainda que as consequências aqui nos sejam desfavoráveis. Estamos vivendo em um tempo onde o que era imoral tornou-se relativo. E onde o que era praticado às escuras, já pode ser visto em plena luz do dia. E o único meio de nos mantermos incólumes é escrevendo a Palavra do SENHOR e os Seus mandamentos na tábua do nosso coração (v. 3). Não permita que a maldita “flecha lhe atravesse o coração” (v. 23). Que as tuas vestes não sejam vestes de prostituição (v. 10) e nem o teu espírito inquieto (v. 11), mas que estejas, à cada dia, revestido de um “incorruptível trajo de um espírito manso e tranquilo, que é de grande valor diante de Deus” (I Pedro 3:4). E assim como José foi da prisão ao palácio, em breve, o SENHOR nos transportará de uma vez por todas do império das trevas para “o Reino do Filho do Seu amor” (Colossenses 1:13).

Bom dia, fiéis servos do SENHOR!

Desafio do dia: Leia o capítulo “José no Egito”, do livro “Patriarcas e Profetas”.

Rosana Garcia Barros
#PrimeiroDeus  #Provérbios7




%d blogueiros gostam disto: