Reavivados por Sua Palavra


MATEUS 2 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
30 de abril de 2021, 1:10
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO MATEUS 2 – Primeiro leia a Bíblia

MATEUS 2 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

MATEUS 2 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

COM. VÍDEO PR. ADOLFO SUÁREZ (link externo)

COM. VÍDEO PR. VALDECI JÚNIOR (link externo)

COM. VÍDEO PR WEVERTON CASTRO E EQUIPE (link externo)

COM. VÍDEO PR RONALDO DE OLIVEIRA (link externo)

COM. VÍDEO PR MICHELSON BORGES (link externo)



MATEUS 2 by Jobson Santos
30 de abril de 2021, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/mt/2

Imagine o que José deve ter sentido ao saber que sua noiva estava grávida e que ele não era o pai! Mas então, o anjo do Senhor lhe aparece em sonho e ele ouviu, acreditou e obedeceu. Mas Deus não parou por aí. Ele enviou José e Maria depois do nascimento de Jesus para o Egito. José continuou a obedecer a vontade de Deus, porque sentiu que lhe havia sido confiada a enorme tarefa de proteger a vida do Messias.

É interessante ver como pessoas simples como José e Maria foram obedientes e é triste ver como meticulosos estudantes da Bíblia, como os sacerdotes, fecharam os olhos para a mais importante profecia, a profecia que indicava a chegada do Messias.

Assim como Deus confiou a José uma responsabilidade, hoje também Ele confia ao Seu povo uma importante tarefa: levar a mensagem de Jesus ao mundo inteiro. Para cumprirmos esta missão necessitamos ouvir a voz de Deus e sermos obedientes. Deus nos guiará passo a passo. Precisamos apenas estar dispostos a obedecê-Lo por amor.

Oleg Kostyuk
Docente, Advent Health University, Orlando, Flórida, EUA

Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



MATEUS 2 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
30 de abril de 2021, 0:50
Filed under: Sem categoria

1452 palavras

1 Belém da Judéia. Aldeia a uns 8 km ao sul de Jerusalém. … É chamada “Belém da Judéia” não para distingui-la da cidade de mesmo nome, uns 12 km a noroeste de Nazaré, mas para ressaltar que Jesus provinha da tribo e do território que deram origem à linhagem dos reis davídicos. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Belém. Literalmente, “casa do pão”. Seu nome anterior, Efrata (Gn 48:7), significa “fertilidade” (ver com. de Gn 53:19). A região de Belém, com suas colinas e seus vales cobertos de vides, figueiras, oliveiras e campos de cereais, provavelmente era, em parte, o celeiro da Judeia. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 292, 293.

rei Herodes. Herodes, o Grande (37 – 4 a.C.), que deve ser distinguido dos outros Herodes da Bíblia. … Assim como a maioria dos governantes daqueles dias, era implacável: assassinou a esposa, os três filhos, a sogra, o cunhado, o tio e muitos outros – sem mencionar os meninos de Belém (v. 16). Seu reinado também ficou célebre pelo esplendor, conforme se vê nos muitos teatros, anfiteatros, monumentos, altares pagãos, fortalezas e outros edifícios que erigiu ou reformou – incluindo a maior de todas as obras, a reconstrução do templo de Jerusalém, iniciada em 14 a.C. e terminada 68 anos depois de sua morte. Bíblia de Estudo NVI Vida.

uns magos do oriente. As lendas populares atribuíram nomes a estes magos, fazendo deles três reis orientais; talvez o número de presentes (v. 11) e uma aplicação do Sl 72.10-11 levaram a estas conjeturas, porém o evangelho não se detém nestes assuntos. Bíblia Shedd.

Do Gr. magoi, que designava homens de diferentes classes cultas. A palavra “magos” vem dessa raiz. Entretanto, esses “magos” não eram magos no sentido como hoje se entende essa palavra. Eles eram nobres de nascimento, educados, ricos e influentes. Eram os filósofos, os conselheiros do reino, instruídos em toda sabedoria do antigo Oriente. Os “sábios” que foram em busca do Cristo recém-nascido não eram idólatras; eram homens retos e íntegros. Eles estudavam as Escrituras hebraicas e ali encontraram uma clara exposição da verdade. Em particular, as profecias messiânicas do AT chamaram sua atenção e, entre elas, as palavras de Balaão: “uma estrela procederá de Jacó” (Nm 24:17). É provável que também conhecessem e entendessem a profecia de tempo de Daniel (Dn 9:25, 26), e chegaram à conclusão de que a vinda do Messias estava próxima. CBASD, vol. 5, p. 293.

Jerusalém. O fato de os magos terem sido guiados a Jerusalém em vez de a Belém (DTN, 61) é um indício do propósito divino de que a sua visita fosse um meio de chamar a atenção dos líderes da nação para o nascimento do Messias (ver v. 3-6). A atenção e o interesse do povo foram despertados ao saberem da missão dos magos, e então buscaram estudar as profecias. Os líderes judeus se ofenderam com o fato de os magos serem gentios e se recusaram a crer que Deus passaria por alto os hebreus e Se comunicaria com pagãos (ver DTN, 62, 63). CBASD, vol. 5, p. 293.

Rei dos judeus. Uma indicação de que os magos eram gentios e que Mateus desejava também adorá-Lo com seu evangelho. Andrews Study Bible.

Sua estrela. Essa estrela não era uma conjunção de planetas, como imaginaram alguns, nem uma nova (fenômeno astronômico), como sugeriram outros. A “estrela” que apareceu na noite do nascimento de Cristo era um “longínquo grupo de anjos resplendentes” (DTN, 60; v. 7). CBASD, vol. 5, p. 294.

alarmou-se o rei Herodes. A aparente relutância dos sacerdotes em divulgar informações sobre as profecias messiânicas, mencionadas sem dúvida pelos magos, fez Herodes suspeitar de que os sacerdotes conspiravam com os magos a fim de destroná-lo, talvez por meio de uma revolta popular. CBASD, vol. 5, p. 294.

alarmou-se … toda a Jerusalém. Não é de se surpreender que toda a cidade se alarmasse, pois seus habitantes sabiam do que Herodes era capaz. Temendo uma revolta popular, ele bem poderia decretar a matança de centenas ou milhares do povo. CBASD, vol. 5, p. 294.

chefes dos sacerdotes. Os saduceus responsáveis pelo culto no templo em Jerusalém.

Mestres da lei. Os estudiosos judaicos daquela época, instruídos para profissionalmente desenvolver, ensinar e aplicar a lei do AT. A autoridade deles era rigorosamente humana e tradicional. Bíblia de Estudo NVI Vida.

indagava. A forma do verbo, em grego, indica que Herodes indagou com persistência. Aparentemente os sacerdotes tentavam se evadir de uma resposta direta. Herodes teve que arrancá-la deles. CBASD, vol. 5, p. 295.

assim está escrito. Em João 7:42 fica claro que o significado de Miqueias 5:2 era conhecido mesmo do povo. CBASD, vol. 5, p. 295.

com precisão. Herodes exigiu informação específica. CBASD, vol. 5, p. 295.

11 o menino com Maria, Sua mãe. Todas as vezes que Jesus e Sua mãe são mencionados juntos, Ele é mencionado primeiro. Bíblia de Estudo NVI Vida.

O adoraram ..ouro, incenso e mirra. A adoração incluía presentes significativos: ouro, simbolizando a realeza; incenso, a divindade; mirra, o sacrifício. Bíblia Shedd.

Alguns dos mais valiosos e transportáveis presentes disponíveis, eles foram, sem dúvida, essenciais para a sobrevivência financeira da família de José na viagem ao Egito. Andrews Study Bible.

11 na casa. Jesus então tinha pelo menos 40 dias. CBASD, vol. 5, p. 295.

A lei levítica estipulava que o tempo de “impureza” da mãe se tivesse um menino era de 40 dias, se tivesse uma menina, era de 80 dias. … Durante esse período ela deveria permanecer em casa e não deveria participar das práticas religiosas públicas. Era a mãe, e não a criança, que precisava de “purificação”. A mãe e a criança precisavam comparecer ao templo para a “purificação” de um e apresentação do outro. Houve uma finalidade dupla que levou José, Maria e Jesus a Jerusalém nessa ocasião [Lc 2:22], numa distância de oito quilômetros. A ida ao templo ocorreu antes da visita dos magos, porque, depois disso, José e Maria não se atreveriam a visitar Jerusalém. Além disso, deixaram Belém e foram ao Egito quase que imediatamente após a visita dos magos. CBASD, vol. 5, p. 770 [com. sobre Lc. 2:22].

13 tendo eles partido. Tanto os magos como José e Maria foram desviados do caminho de Herodes pela mensagem mandada por Deus. Bíblia Shedd.

foge para o Egito. O Egito era outra província romana e estava além da jurisdição de Herodes. … Nessa época, muitos judeus viviam no Egito. Portanto, José não estaria completamente entre estranhos. Havia sinagogas nas cidades, e até mesmo templos judeus. Heliópolis (Om, cf. Gn 41:45, 50; 46:20) é o lugar para o qual, segundo a tradição, José e Maria figuram em busca de segurança. CBASD, vol. 5, p. 296.

15 Do Egito chamei Meu Filho. Essa citação de Os 11.1 referia-se aos tempos de Moisés, quando Deus chamou a nação para sair do Egito. Mateus, porém, sob a inspiração do Espírito, também a aplica a Jesus. Bíblia de Estudo NVI Vida.

16 matar todos os meninos. …estimou-se que numa aldeia cuja população provavelmente não excedesse 2 mil habitantes, incluindo arredores, teriam existido apenas cerca de 50 ou 60 crianças da idade indicada, e que somente metade delas seriam meninos [justificando um dos possíveis porquês do historiador Josefo não ter citado a matança dos meninos de Belém]. CBASD, vol. 5, p. 297.

18 Ramá. Há diferença considerável de opinião quanto a identificação de Ramá. CBASD, vol. 5, p. 297.

Raquel chorando. As palavras de Jeremias [Jr 31:15] ser referem às amargas experiências dos cativos hebreus levados a Babilônia, em 586 a.C. [provavelmente passando por Ramallah, de Efraim, a 15 km a noroeste de Jerusalém]… A morte de Raquel, em algum lugar próximo dali, no nascimento de Benjamin (ver Gn 35:18-20), torna a metáfora bem apropriada. Ela chamou seu filho de Benoni (ver Gn 35:18), que significa “filho da minha tristeza”. Inspirado, Mateus aplica as palavras de Jeremias à matança das crianças de Belém ordenada por Herodes. CBASD, vol. 5, p. 297.

22 Arquelau. Esse filho de Herodes, o Grande, reinou sobre a Judeia e sobre Samaria durante dez anos apenas (4 a.C. – 6 a.C.). Foi excepcionalmente cruel e tirânico, sendo deposto por isso. Bíblia de Estudo NVI Vida.

22 Galileia. Sua população era uma mistura de judeus e gentios, e os preconceitos religiosos da maioria judia eram menos evidentes ali. … Seus habitantes era desprezados pelos residentes da província da Judeia, mais próspera (Jo 7:52; cf. Mt 26:69; Jo 1:46). CBASD, vol. 5, p. 298.

23 Nazaré. Um pequeno vilarejo cerca de 100 km ao norte de Jerusalém, entre o extremo sul do mar da Galileia e o mar Mediterrâneo. … Era uma vila proverbial por sua impiedade, mesmo entre o povo da Galileia. CBASD, vol. 5, p. 298.

Ele será chamado Nazareno. Essas palavras exatamente não se acham no AT e provavelmente se referem a várias prefigurações e/ou predições do AT (observe o plural “profetas”) de que o Messias seria desprezado (e.g., Sl 22.6; Is 53.3), pois nos dias de Jesus, “Nazareno” era quase sinônimo de “desprezado” (v. Jo 1.45,46). Alguns sustentam que Mateus, ao chamar “Nazareno”, refere-se em primeiro lugar à palavra “renovo” (heb netser) de Is 11.1. Bíblia de Estudo NVI Vida.

A raiz mais provável [para o nome de Nazaré] é nasar, da qual deriva netser, um “ramo”, “rebento” ou “renovo”. CBASD, vol. 5, p. 299.



MATEUS 02 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
30 de abril de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“E perguntavam: Onde está o recém-nascido Rei dos judeus? Porque vimos a Sua estrela no Oriente e viemos para adorá-Lo” (v.2).

Ainda que Israel não tenha cumprido com fidelidade a sua missão como luz do mundo, os magos do Oriente representam a colheita daqueles que foram fiéis em divulgar e praticar as palavras do Senhor. Aqueles homens importantes poderiam não ter todo o conhecimento que Israel e seus líderes possuíam, contudo, certamente usaram a luz que tinham, e reconheceram naquela Criança o Rei que Sua própria nação não reconheceu. Esperando encontrar o menino no palácio, em Jerusalém, acabaram se deparando com um povo alheio às boas-novas e líderes religiosos que, apesar de conhecer o lugar “onde o Cristo deveria nascer” (v.4), não se uniram à sagrada caravana. Para Herodes aquela criança era uma ameaça à sua coroa. Para os judeus, a frustração de seus planos político-militares.

Mas aqueles gentios “alegraram-se com grande e intenso júbilo” (v.10) ao chegarem à casa onde estava o Menino. Ao prostrarem-se e adorarem Jesus antes de entregar-Lhe suas ofertas, aqueles homens manifestaram o espírito dos verdadeiros adoradores: a fé precede as obras. A mudança de rota após o encontro com Jesus não foi simplesmente uma fuga, mas um importante símbolo de uma vida transformada. Ninguém que vá em busca de Jesus permanece no mesmo caminho. Em nossa busca podemos até chegar em lugares errados, mas Deus usa a Sua Palavra e os Seus anjos até que O encontremos. E quando O encontramos, há grande júbilo e alegria. E ainda que surjam provações e ameaças, o Senhor está sempre orientando Seus humildes servos: “Este é o caminho, andai por ele” (Is.30:21).

José foi privilegiado na ocorrência de sonhos. Por quatro vezes (1:20; 2:13, 19 e 22), o anjo do Senhor o preveniu acerca do que deveria fazer, e em todas as vezes obedeceu sem questionar, assim como Maria se colocou a serviço do Senhor (Lc.1:38). Em Seus pais terrestres, o caráter de Jesus foi forjado nos ditames da estrita obediência. Na morte dos inocentes, Satanás não conseguiu seu intento, assim como a vida de Moisés foi preservada no massacre do Egito (Êx.1:22). E, cercado de anjos e de pessoas tementes a Deus, Jesus cresceu em Nazaré, na cidade desprezada pelo povo. Ali, Ele aprendeu as preciosas lições da simplicidade, da humildade e de fazer diferença entre o santo e o profano, sem, contudo, fazer acepção de pessoas.

Nem sempre seguir a Deus e fazer a Sua vontade significa estar onde gostaríamos de estar ou fazer o que gostaríamos de fazer. Geralmente requer o exercício da fé através da renúncia e do sofrimento. Não foi fácil a jornada dos homens do Oriente, como também não deve ter sido fácil perseverar em seu propósito diante da letargia daqueles que se denominavam depositários das verdades de Deus. Mas sua fé não desfaleceu e teve grande recompensa. Jesus também encontrou dificuldades desde o Seu nascimento em um estábulo, levado como fugitivo para o Egito, criado em uma família pobre, habitando em uma cidade que dificultaria a Sua aceitação pelo povo; com certeza Ele experimentou as dificuldades deste mundo com a intensidade máxima de um inimigo ansioso para destruí-Lo. Mas a cada passo dado, uma profecia se cumpria e Sua motivação era renovada pela fidelidade “de toda palavra que procede da boca de Deus” (Mt.4:4).

Diante da iminência do segundo advento de Cristo, e da “estrela” que incide sobre nós através do brilho do evangelho eterno, a quem podemos ser comparados hoje? Aos fiéis “magos do Oriente” (v.1) ou aos indiferentes “sacerdotes e escribas do povo” (v.4)? Precisamos refletir atentamente nas palavras: “alarmou-se o rei Herodes, e, com ele, toda a Jerusalém” (v.3). O retorno do nosso Senhor e Salvador não deve nos alarmar, e sim nos alegrar: “E, vendo eles a estrela, alegraram-se com grande e intenso júbilo” (v.10). Como a estrela foi um sinal que conduziu os magos ao encontro de Cristo, os sinais e profecias que apontam para o grande Dia do Senhor nos foram revelados para nos alegrar e não para nos assustar: “Ora, ao começarem estas coisas a suceder, exultai e erguei a vossa cabeça; porque a vossa redenção se aproxima” (Lc.21:28). “Quem é sábio atente para essas coisas e considere as misericórdias do Senhor” (Sl.107:43). Vigiemos e oremos!

Bom dia, fiéis adoradores de Cristo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Mateus2 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



MATEUS 2 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
30 de abril de 2021, 0:40
Filed under: Sem categoria

MATEUS 2 – O fato de Jesus ter vindo ao mundo só terá resultado se Ele tiver lugar na estrebaria de nosso coração.

Três grupos existirão até o fim da história do pecado:
1. Algumas pessoas, como Herodes, sempre odiarão a Jesus (vs. 2, 12-23). Perseguidores, críticos, ateus, incrédulos, etc., possuem ódio mortal contra Ele, mesmo que no fundo saibam que deveriam aceitá-lO!
2. Muitas pessoas, como os sacerdotes e escribas, negligenciarão sempre a Jesus (vs. 3-6). Professar ser cristão não é a mesma coisa que ser cristão. Aqueles que vivem relaxada, superficial e negligentemente as orientações de Cristo não O amam de verdade.
3. Alguns sempre adorarão a Jesus, como os magos (vs. 2, 11). Esses presentes valiosos revelam o quanto devemos valorizar Jesus.

Curioso é que os sábios vieram do Oriente, com presentes caros, até Jerusalém; guiados sobrenaturalmente por uma estrela, sem serem judeus; entretanto, nada disso atiçou a curiosidade dos líderes religiosos, conhecedores de Bíblia, a investigarem se realmente o Messias, prometido em todo o Antigo Testamento, estaria nascendo em seus dias.

Indagados por Herodes, os principais líderes religiosos citaram de memória Miqueias 5:2 (v. 6). Consequentemente, o texto mostra que, conhecer a Bíblia não é o mesmo que conhecer Jesus. Ser Dr. em teologia, pastor, padre, bispo, presbítero, diácono, professor de classe bíblica, etc. não é garantia de ser verdadeiramente religioso.

O que precisa ser feito? Submeter-se a Deus como demonstraram os sábios:
• É necessário buscar a Jesus com fé sincera: viajando em camelos, enfrentando o deserto arenoso, frio à noite e calor de dia, eles viajaram com fé.
• É necessário procurar Jesus séria e diligentemente: sem perceber vestígios do nascimento do Messias em Jerusalém, os sábios perguntaram diligentemente por Ele até chegar a Herodes, o governador. Eles não desistiram enquanto não O encontraram.
• É necessário seguir à revelação inspirada: possivelmente os sábios tiveram apenas a profecia de Números 24:17; contudo, eles atentaram para o que tinham.
• Enfim, cuidado com a religiosidade teórica, superficial e formal. Apenas quem segue os passos dos magos aos procurarem por Jesus encontrarão e adorarão ao verdadeiro Salvador

Se Jesus não hesitou em nascer numa estrebaria fétida Ele não terá problema em nascer num coração apodrecido de dúvidas e pecados. Ele quer transformar nossa vida! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



MATEUS 1 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
29 de abril de 2021, 1:10
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO MATEUS 1 – Primeiro leia a Bíblia

MATEUS 1 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

MATEUS 1 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

COM. VÍDEO PR. ADOLFO SUÁREZ (link externo)

COM. VÍDEO PR. VALDECI JÚNIOR (link externo)

COM. VÍDEO PR WEVERTON CASTRO E EQUIPE (link externo)

COM. VÍDEO PR RONALDO DE OLIVEIRA (link externo)

COM. VÍDEO PR MICHELSON BORGES (link externo)



MATEUS 1 by Jobson Santos
29 de abril de 2021, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/mt/1

Os primeiros dezessete versículos do Evangelho de Mateus geralmente são ignorados rapidamente por causa da lista de nomes. Mas o conhecido reformador Ulrich Zwingli disse: “A Genealogia de Jesus, se entendida corretamente, contém a teologia essencial ou a mensagem principal da Reforma.”

Na verdade, o primeiro sermão de Zwínglio no primeiro domingo de janeiro de 1519 na Catedral de Zurique foi sobre a “Genealogia de Jesus”. Até hoje, a porta principal da Catedral contém a imagem esculpida de quatro mulheres mencionadas na linhagem de Jesus: Raabe, Rute, Bate-Seba e Maria. A genealogia de Jesus é tão surpreendente quanto a Reforma Protestante!

Por que Mateus menciona deliberadamente essas mulheres na genealogia de Jesus? Não é difícil notar duas características principais compartilhadas por essas mulheres: (1) eram gentias ou eram casadas com gentios e (2) tinham reputação escandalosa. No entanto, elas são listadas na genealogia dos reis e, por fim, na genealogia do Rei dos Reis.

Mateus termina a genealogia contando-nos que Maria deu à luz a Jesus, o Rei, que é tão perdoador que gentios ou  pessoas com reputação escandalosa são listadas entre os Seus antepassados.

Oleg Kostyuk
Docente, Advent Health University, Orlando, Flórida, EUA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1176
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



MATEUS 1 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
29 de abril de 2021, 0:50
Filed under: Sem categoria

2282 palavras

1-17 A genealogia de Mateus (diferentemente à de Lucas, que a traça desde Adão com foco de mostrar que Jesus é o Salvador universal) busca mostrar que Jesus está na linha direta de Abraão e Davi e, portanto, é o Messias Judeu. Andrews Study Bible.

Jesus é aquele em quem se cumprem as promessas feitas ao rei Davi e a Abraão, o pai do povo escolhido. Bíblia da Família, SBB.

Ao escrever um relato da vida de Jesus dirigido primeiramente a leitores judeus de nascimento (ver p. 272, 275), Mateus começa em estilo judaico típico ao dar a linhagem familiar de Jesus. Pelo fato de que a vinda do Messias era tema de muitas profecias, ele mostra que Jesus de Nazaré é de fato aquele a respeito de quem Moisés e os profetas testemunharam. Visto que o Messias nasceria da linhagem de Abraão (Gn 22:18; Gl 3:16), o pai da nação judaica, e de Davi, fundador da linhagem real (Is 9:6, 7; 11:1; At 2:29, 30), Mateus apresenta evidência de que Jesus satisfaz as condições de descendente desses dois homens ilustres. Sem essa evidência, as afirmações de Jesus ser o Messias de nada valeriam, e todas as provas adicionais poderiam ser descartadas sem serem examinadas (cf Ed 2:62; Ne 7:64). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 278.

A genealogia, como é o costume oriental, se demora apenas nos nomes conhecidos, mencionando 42 gerações num período de cerca de 2000 anos. A divisão em três seções de 14 gerações, seria uma ajuda à memória… . Não se deve, aqui, procurar uma lista completa dos antepassados de Jesus; Esdras, por exemplo, omitiu seis gerações no seu relatório (cf Ed 7.1-5 com 1Cr 6.3-15). Bíblia Shedd.

Entre Davi e Jesus, um período de cerca de mil anos, Lucas alista 15 gerações a mais do que Mateus, o que indica mais omissões da parte do último. CBASD, vol. 5, p. 282.

1 Jesus. Do grego Iesous, equivalente ao heb. Yehoshua’, “Josué” (ver At 7:45; Hb 4:8, em que Lucas e Paulo se referem a Josué como Iesous, “Jesus”). Em geral se entende que este nome significa “Yahweh é salvação” (ver Mt 1:21). … Hoje os nomes servem apenas como identificação, mas nos tempos bíblicos o nome de um filho era escolhido com todo cuidado porque representava a fé e a esperança dos pais (ver Profetas e Reis, p. 481), as circunstâncias do nascimento da criança, suas características pessoais ou estava relacionado a sua missão na vida: principalmente quando o nome era designado por Deus. O nome Jesus está repleto de lembranças históricas e vislumbres proféticos. Assim como Josué tinha conduzido Israel à vitória na terra prometida, assim também Jesus, o capitão de nossa salvação, veio para abrir os portões da Canaã celestial. Contudo, Jesus não é só o autor de nossa salvação (Hb 2:10), Ele também é “Apóstolo e Sumo Sacerdote da nossa confissão” (Hb 3:1). O sumo sacerdote que voltou do cativeiro babilônico (ver com. de Ed 2:2) se chamava Josué (Zc 3:8; 6:11-15). Assim como Oseias (nome idêntico no hebraico ao Oseias de Nm 13:16), que amou uma esposa indigna e buscou em vão ganhar suas afeições e finalmente a comprou de volta no mercado de escravos (Os 1:2; 3:1, 2), Jesus veio para libertar a raça humana da escravidão do pecado (Lc 4:18; Jo 8:36). CBASD, vol. 5, p. 278.

Cristo. Do Gr. Christos, tradução do heb. Mashiach (ver com. de Sl 2:2), “Messias”, que significa “Ungido” ou “o Ungido”. Antes da ressurreição, nos quatro evangelhos, em geral, Jesus é chamado de “o Cristo”, o que torna o termo um título, em vez de um nome próprio. Após a ressurreição, o artigo definido geralmente desaparece e “Cristo” se torna tanto nome como título. … Usados juntos, (como em Mt 1:18; 16:20; Mc 1:1, etc.), os dois nomes “Jesus” e “Cristo” constituem uma confissão de fé na união das naturezas divina e humana em uma pessoa, na crença de que Jesus de Nazaré, Filho de Maria, Filho do homem, é de fato Cristo, o Messias, o Filho de Deus. CBASD, vol. 5, p. 278, 279.

filho de Davi. Título messiânico que aparece várias vezes nesse evangelho (em 1.20 não é titulo messiânico). Filho de Abraão. Como Mateus escrevia aos judeus, era importante identificar Jesus dessa maneira. Bíblia de Estudo NVI Vida.

2 a Judá e seus irmãos. Mateus faz referência aos outros filhos de Jacó, talvez com a intenção de relembrar aos judeus de outras tribos que Jesus, da tribo de Judá, era salvador deles também. CBASD, vol. 5, p. 279.

8 Jorão gerou. Mateus apresenta Jorão como pai de Uzias, mas fica claro, em conformidade com 2Cr 21.4-26.23, que também aqui várias gerações foram subentendidas (Acazias, Joás, Amazias); subentende-se também que “gerou” é usado no sentido de “foi antepassado de”. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Essa omissão dificilmente foi acidental, pois a genealogia original, apresentada repetidas vezes no AT, era bem conhecida. CBASD, vol. 5, p. 281.

11 Josias gerou. Josias é classificado como pai de Jeconias (i.e., Joaquim), ao passo que era, na realidade, pai de Jeoiaquim e avô de Joaquim. Bíblia de Estudo NVI Vida.

16 José, marido de. Com cuidado, Mateus evita afirmar que José “gerou” a Jesus. A relação entre José e Jesus não era de pai e filho, mas de padrasto e filho de sua esposa. O termo “gerou” que une todas as gerações até esse ponto desaparece, e com isso Mateus enfatiza o nascimento virginal. CBASD, vol. 5, p. 283.

Nessa genealogia, Mateus demonstra que, embora Jesus não fosse filho físico de José, é juridicamente filho, e, portanto, descendente de Davi. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Maria. Do Gr. Maria, Mariam na LXX, do heb Miryam. Como José, Maria era da casa de Davi (DTN, 44; cf At 2:30; 3:23; Rm 1:3; 2Tm 2:8), pois só por meio dela Jesus podia ser descendente, segunda a carne, da linhagem de Davi (Rm 1:3; cf Sl 132:11). … Sem dúvida Maria foi escolhida em primeiro lugar porque, no tempo apontado (Dn 9:24-27; Mc 1:15; Gl 4:4), seu caráter refletia com mais perfeição os ideais divinos de maternidade do que a que qualquer outra filha de Davi. Ela pertencia à seleta minoria que “esperava a consolação de Israel” (Lc 2:25, 38; Mc 15:43; cf Hb 9:28). Foi essa esperança que purificou sua vida (cf 1Jo 3:3) e a qualificou para seu papel sagrado (PP, 308; PR, 245; DTN, 69). Toda mãe entre o povo de Deus hoje pode cooperar com o Céu como fez Maria (DTN 512), e pode, em certo sentido, consagrar seus filhos a Deus. CBASD, vol. 5, p. 283.

da qual. Como em português, no original grego essa expressão está no feminino singular, tornando “Maria” o antecedente e excluindo José como o pai natural de Jesus. Mas, ao se casar com Maria, José se tornou o pai legal, embora não literal, de Jesus (ver Mt 13:55). CBASD, vol. 5, p. 283.

17 catorze gerações […] catorze […] catorze. Essas divisões refletem duas características de Mateus: 1) predileção indisfarçada por números e 2) preocupação com uma disposição sistemática. O número 14 pode ter sido escolhido por representar duas vezes 7 (o número da perfeição) e/ou por ser o valor numérico do nome de Davi. Bíblia de Estudo NVI Vida.

No AT, há listas abreviadas como, por exemplo, as de Esdras (ver com. de Ed 7:1, 5). Mas é evidente que essa genealogia abreviada foi considerada prova suficiente de que Esdras era descendente de Arão, num tempo em que foi negado a outros entrar para o sacerdócio porque não poderiam dar prova aceitável de sua linhagem (Ed 2:62; Ne 7:64). … A divisão da genealogia de Jesus em três no livro de Mateus é historicamente sólida, pois cada divisão constitui um período distinto na história judaica. No primeiro, de Abraão a Davi, a nação hebraica era essencialmente patriarcal; durante o segundo, era monárquica; e no terceiro, os judeus passaram pelo domínio de nações estrangeiras. CBASD, vol. 5, p. 283, 284.

Mateus usa diferentes técnicas para convencer seus leitores (que somente as perceberiam se fossem judeus) que Jesus é o Messias-Rei na linha de Davi. Ele faz isso genealogicamente e teologicamente. Andrews Study Bible.

18 o nascimento. Mateus menciona apenas algumas circunstâncias que envolveram o nascimento de Jesus, o necessário para mostrar que Sua primeira vinda era o cumprimento das profecias do AT (ver v. 22). Em harmonia com o propósito de seu evangelho, Mateus, em contraste com Marcos e Lucas, omitiu muito do que poderia nos interessar sobre a vida de Jesus, a fim de que pudesse se concentrar nos ensinos do Mestre (ver p. 178, 179). CBASD, vol. 5, p. 284.

Maria, Sua mãe. Jesus nasceu “em semelhança de carne pecaminosa” (Rm 8:3). Maria necessitava tanto da salvação de seus pecados como qualquer outro filho ou filha de Adão (Rm 3:10, 223). Há “um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem” (1Tm 2:5). CBASD, vol. 5, p. 284.

Desposada (ARA; prometida em casamento, NVI). Isto é, noiva ou comprometida com ele. … Parece que José era viúvo quando se casou com Maria. Ele tinha pelo menos outros seis filhos (Mt 12:46; 13:55, 56; Mc 6:3; DTN 90, 321; são mencionados quatro irmãos e um número não especificado de irmãs), todos provavelmente mais velhos que Jesus (DTN, 86, 87; ver com. de Mt. 1:25). CBASD, vol. 5, p. 284.

Não havia relações sexuais durante o noivado judaico, mas era um relacionamento muito mais definitivo do que um noivado de hoje, só podendo ser rompido mediante o divórcio (cf. v. 19). Bíblia de Estudo NVI Vida.

grávida pelo Espírito Santo. O Espírito Santo é representado como o agente por meio do qual o poder divino criador e doador da vida é exercido (cf. Gn 1:2; Jó 33:4; Jo 3:3-8; Rm 8:11; etc.). O papel do Espírito Santo no nascimento de Jesus está mais claro no evangelho de Lucas do que no de Mateus (Lc 1:35). Foi por meio do Espírito Santo que “o Verbo se fez carne” (Jo 1:14) e que o Filho de Maria pôde ser chamado de “Filho de Deus” (ver com. de Lc 1:35). Numa tentativa de não aceitar Jesus como o Messias, os judeus diziam que Ele era um filho ilegítimo (Jo 8:41; 9:29). Mas é digno de nota que os maiores eruditos judeus hoje reconhecem isso como pura invenção. Joseph Klausner, por exemplo, diz que “não há fundamento histórico para a tradição de que Jesus era filho ilegítimo” (Jesus of Nazareth, 36). A encarnação de Jesus é um milagre insondável. … Porém, o mistério da encarnação não é maior que o mistério do amor que a originou (Jo 3:16; Rm 5:8; Gl 2:20; 1Jo 4:9). O “mistério da piedade” é o grande mistério de todos os tempos (1Tm 3:16; ver com. de Fp 2:7, 8; ver Nota Adicional a João 1). CBASD, vol. 5, p. 285.

19 De acordo com o costume dos judeus daquele tempo, os que iam casar firmavam primeiro um contrato de casamento, que só podia ser desmanchado pelo divórcio. Bíblia da Família. SBB.

justo. Para os judeus, significava ser zeloso na guarda da lei. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Do gr. dikaios, que pode descrever alguém correto, como observador de regras e costumes, ou justo, em harmonia com o que é certo. No NT, dikaios é usado no sentido amplo de harmonia com o padrão divino. … Do ponto de vista judaico, um homem “justo” era um observador rigoroso das leis de Moisés e das tradições rabínicas. Como resultado, José pode ter questionado se seria moralmente correto se casar com alguém que aparentava ser adúltera. CBASD, vol. 5, p. 285.

anular o casamento secretamente (NVI. ARA: deixá-la secretamente). Assinaria os documentos jurídicos necessários, mas não a submeteria ao julgamento público e ao apedrejamento (v. Dt 22.23,24). Bíblia de Estudo NVI Vida.

20 não temas. Ele não devia hesitar ou questionar a virtude de Maria. Como um homem “justo” (v. 19), José não precisava temer que ao tomar para si Maria ele estivesse se desviando do que era correto. Na verdade, Deus requeria esse ato de fé. CBASD, vol. 5, p. 286.

receber Maria como sua esposa. Tinham mútua obrigação segundo a lei, mas ainda não conviviam como marido e mulher. Bíblia de Estudo NVI Vida.

e lhe porás o nome. José teria o privilégio de dar o nome a seu “Filho”, ato que em geral se considerava prerrogativa do pai (ver Lc 1:59-63). Maria também participaria (Lc 1:31). Os nomes das crianças judias eram oficialmente dados uma semana após o nascimento, no oitavo dia, quando se realizava o rito da circuncisão (Lc 2:21). CBASD, vol. 5, p. 286.

dos pecados deles. Ele veio para nos salvar de nossos pecados, não nos nossos pecados. Ele veio não só para nos salvar de pecados realmente cometidos, mas de nossas tendências em potencial que conduzem ao pecado (Rm 7:5-23; 1Jo 1:7-9). … Cristo não veio para salvar Seu povo do poder de Roma, como os judeus ansiavam, mas do poder de um inimigo muito maior. Ele não veio para restaurar o reino a Israel (At 1:6), mas para restaurar o domínio de Deus no coração humano (Lc 17:20, 21). Cristo não veio em primeiro lugar para salvar as pessoas da pobreza e injustiça social (Lc 12:13-15), como muito defensores do evangelho social afirmam, mas do pecado, a causa fundamental da pobreza e da injustiça. CBASD, vol. 5, p. 286.

22 para que se cumprisse. Doze vezes Mateus refere-se ao cumprimento do AT, i.e., de fatos dos tempos do NT profetizados no AT – testemunho poderoso da origem divina das Escrituras e da exatidão delas nos mínimos detalhes. Nos cumprimentos vemos, ainda, a intenção do autor de vincular o seu evangelho ao AT.

23 a virgem. Mateus e Lucas, ao escreverem inspiradamente, não teriam relatado a história do nascimento virginal se isso não tivesse sido verdade. Eles sabiam bem como os líderes judeus tinham zombado de Jesus por causa das circunstâncias misteriosas que envolviam Seu nascimento, e que, repetindo esta história, estavam dando aos críticos mais oportunidades para ridicularizar o fato (DTN, 715). CBASD, vol. 5, p. 287.

A primeira de no mínimo 47 citações – na maioria messiânicas – que Mateus extrai do AT. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Emanuel … Deus conosco. A transliteração grega do heb. ‘Immanu ‘El, literalmente, “Deus conosco”. O Filho de Deus não só veio para habitar entre nós, mas também para Se identificar com a família humana … “Emanuel” era mais um título que descrevia a missão de Cristo do que um nome pessoal (cf. Is 9:6, 7; 1Co 10:4). CBASD, vol. 5, p. 288

O Cristo encarnado possuía duas naturezas: Ele era tanto divino (Is 9:6; Mat 28:19; Jo 1:1,14; 8:58; 10:30; Tt 2:13,14; Hb 1:8) quanto humano (Jo 1:14; Fp 2:5-8; Hb 4:14-17). Andrews Study Bible.



MATEUS 01 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
29 de abril de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Ela dará à luz um filho e Lhe porás o nome de Jesus, porque Ele salvará o Seu povo dos pecados deles” (v.21).

A começar da genealogia, o livro de Mateus revela a perfeita conexão das profecias messiânicas do Antigo Testamento com a vida de Jesus desde o Seu nascimento. De Abraão a José, 42 gerações se passaram até a chegada do Messias. Uma série de informações foram buscadas a fim de revelar, principalmente ao povo judeu, o cumprimento das antigas profecias em Jesus Cristo. Desde a Sua árvore genealógica até o Seu nascimento virginal, Jesus era a resposta ao clamor de um povo não para libertá-los do exílio e opróbrio das nações, mas de algo bem maior: “porque Ele salvará o Seu povo dos pecados deles” (v.21).

A análise da ascendência de Cristo, por si só, já nos revela o poder de Sua graça. Raabe havia sido uma prostituta cananeia, que além de ter se convertido ao judaísmo e ter seu nome na genealogia de Jesus, também foi elencada na galeria dos heróis da fé (Hb.11:31). Rute era moabita que se tornou devota a Deus; seu povo era extremamente idólatra e um dos piores inimigos de Israel. Davi gerou a Salomão de seu casamento com Bate-Seba, que havia sido mulher do homem que mandou matar. Como podemos notar, se fosse conosco, não seria exatamente a genealogia que gostaríamos de expor. Mas ela ali está registrada como poderoso argumento da graça e da misericórdia divinas, que são estendidas a todo pecador que se arrepende.

Maria e José ainda estavam em um período de noivado quando ela “achou-se grávida pelo Espírito Santo” (v.18). Muitos acreditam que Maria fosse ainda uma adolescente quando engravidou e José fosse um homem viúvo mais experiente. Ao guardá-la em secreto, José provou ser um homem justo, mesmo ainda não compreendendo a magnitude do que estava acontecendo. Ao lhe ser apresentada a origem da criança e como nela se cumpriria “o que fora dito por intermédio do profeta” (v.22), José assumiu a responsabilidade de receber Maria como sua mulher e a preservou pura até que ela desse à luz ao menino. Apesar de toda a revelação, José e Maria tinham apenas uma pálida ideia do que aquela criança representava, pois carregaram no colo o “Deus conosco” (v.23).

Em Sua origem terrena, Jesus nos revela a Sua graça. Em Sua origem celestial, Ele nos revela o Seu poder. Totalmente homem, mas totalmente Deus; o que Paulo denominou de o grande “mistério da piedade”, descrito nos seguintes termos: “Aquele que foi manifestado na carne foi justificado em espírito, contemplado por anjos, pregado entre os gentios, crido no mundo, recebido na glória” (1Tm.3:16). O que o evangelista Mateus buscou expressar em palavras humanas será o principal tema do estudo dos salvos na eternidade: o Amor encarnado.

Prepare o seu coração para perceber a beleza do evangelho eterno através de uma perfeita combinação entre o antes e o depois de Cristo. Clame ao Pai pelo Espírito Santo, para que o conhecimento de Jesus Cristo alcance cada partícula da alma com a intensidade com que Mateus escreveu este livro! Aquele que veio cumprir tudo o que a Seu respeito estava escrito, é O mesmo que prometeu enviar o Espírito da verdade para nos guiar “a toda a verdade” (Jo.16:13), e ser “Deus conosco” (v.23) “todos os dias até à consumação do século” (Mt.28:20). Se dEle somos, também somos feitos “descendentes de Abraão e herdeiros segundo a promessa” (Gl.3:29). Aleluia! Vigiemos e oremos!

Bom dia, filhos da promessa!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Mateus1 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



MATEUS 1 – COMENTÁRIO PASTOR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
29 de abril de 2021, 0:40
Filed under: Sem categoria

MATEUS 1 – A genealogia bíblica é tão inspirada como qualquer outra parte sagrada da Bíblia. É tão palavra de Deus e importante quanto quaisquer inspiração divina.

• O que podemos aprender da genealogia de Jesus?

“Um milênio antes, Deus tinha feito um acordo incondicional com Davi, prometendo-lhe um reino que duraria para sempre e uma linhagem perpétua (Sl 89:4, 36-37). Esse acordo agora é cumprido em Cristo: Ele é o herdeiro legítimo do trono de Davi por meio de José e a semente nobre de Davi por intermédio de Maria. Pelo fato de viver para sempre, seu reino não terá fim, e ele reinará pela eternidade como o maior filho de Davi” (William MacDonald).

Note que o primeiro capítulo do livro de Mateus…
• …Tem a finalidade de apresentar o Messias Salvador que deixou o Céu para nascer na Terra.
• …Esclarece a natureza única, peculiar e exclusiva do menino que nasceu numa humilde estrebaria.
• …Apresenta um Rei eterno, Divino e Majestoso Universalmente sendo motivado pelo amor a fim de salvar o pecador.

Consequentemente, deste capítulo inaugural do Novo Testamento, é possível destacar os seguintes verdades impactantes:
• Jesus adquiriu natureza humana (vs. 1-17): A genealogia apresenta Jesus como filho de Davi, com direito ao trono; como filho de Abraão, o descendente que abençoaria toda a Terra; e, revela o Messias, o Salvador do pecador.
• Jesus sempre possuiu natureza divina (vs. 18-25): Jesus é Deus conosco porque é tão divino quanto Deus, o Pai (Jeová). O relato da concepção virginal pelo poder do Espírito Santo apresenta Jesus como o Filho de Deus, o Emanuel (Deus conosco).

Diante disso, extraímos as seguintes aplicações:
1. JESUS é o homem-Deus, que teve um começo como humano, mas nunca como divino.
2. JESUS é o descendente da mulher, o Libertador divino-humano, que veio para resgatar a humanidade do pecado.
3. JESUS é o único ser que legalmente tem condições de salvar o pecador, pois Ele é totalmente homem e totalmente Deus conosco.

Jesus é o Messias que cumpre cabalmente as profecias do Antigo Testamento! Mateus é o elo que liga os dois Testamentos!

Precisamos valorizar mais a Jesus. Portanto, Conheça-O. Entenda melhor Quem Ele realmente é. Deixe que Ele seja teu Salvador, te liberte do pecado e te restaure com Seu perdão… – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: