Reavivados por Sua Palavra


ZACARIAS 10 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
20 de abril de 2021, 1:10
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO ZACARIAS 10 – Primeiro leia a Bíblia

ZACARIAS 10 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

ZACARIAS 10 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

COM. VÍDEO PR. ADOLFO SUÁREZ (link externo)

COM. VÍDEO PR. VALDECI JÚNIOR (link externo)

COM. VÍDEO PR WEVERTON CASTRO E EQUIPE (link externo)

COM. VÍDEO PR RONALDO DE OLIVEIRA (link externo)

COM. VÍDEO PR MICHELSON BORGES (link externo)



ZACARIAS 10 by Jobson Santos
20 de abril de 2021, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/zc/10

A chuva temporã representa a obra do Espírito Santo semeando a semente do evangelho na primeira vinda de Cristo. A chuva serôdia acontece no final da história da terra, antes de Sua segunda vinda para fazer a colheita. O Espírito Santo tem duas funções principais: amadurecer o caráter dos crentes para a colheita; e permitir a pregação mundial final do evangelho a fim de preparar um povo para a Sua vinda. Zacarias nos diz para pedir ao Senhor a chuva serôdia na estação apropriada.

A chuva serôdia irá equipar os fiéis para o verdadeiro reavivamento e reforma; no entanto, isso será precedido pela experiência da falsa chuva serôdia, a qual será caracterizada por emocionalismo e excitação descontrolada. A percepção silenciosa da verdade e a decisão intelectual a favor do Senhor não estarão presentes. Haverá falsas doutrinas. Muitos serão enganados, a menos que entendam profundamente a verdade e a vivam diariamente.

Oração:
“Querido Senhor, abre nossos olhos para ver o tempo em que todo o Teu povo remanescente retornará a Ti pela pregação da última mensagem. Conceda-nos o anseio genuíno pela chuva da primavera, e pela chuva serôdia a qual nos preparará para a Tua vinda. Amém!”

Sook-Young Kim
Universidade Nacional de Kyungpook
Sangju, Coreia do Sul

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1167
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



ZACARIAS 10 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
20 de abril de 2021, 0:50
Filed under: Sem categoria

438 palavras

1 Ao SENHOR. Zacarias mostra que, se o povo de deve receber as bênçãos prometidas, deveria buscá-las no Senhor, e não nos ídolos (v. 2). A certeza da abundância (Zc 9:17) incita o profeta que [a] apelar ao povo para confiar apenas em Deus em busca de bens materiais e espirituais.

Chuvas serôdias. Esta chuva ocorria na primavera, no final da estação chuvosa, e era necessária para amadurecer o grão antes da colheita (ver Dt 11:14). A primeira chuva inicia a estação, no outono, para promover o crescimento da semente recém-plantada (ver vol. 2, p. 92). Chuvas copiosas no início e no final da estação eram símbolo do cuidado e do favor divino e das bênçãos temporais e espirituais (ver Is 30:2; Jr 5:24; Jl 2:23).

Nuvens de chuva. Do heb. chazizim, “nuvens tempestuosas”. A imagem da chuva serôdia é utilizada para descrever o derramamento abundante do Espírito Santo nos últimos dias (ver com. de Jl 2:23). Este é o “tempo das chuvas serôdias”, quando as pessoas devem fazer sinceras orações para que a graça espiritual que prepara a igreja para a vinda do Filho do homem possa ser derramada rapidamente (ver AA, 55; TM, 506).

2 Ídolos. Do heb. terafim, deuses do lar, que normalmente tinham a forma de pequenas estatuetas humanas (ver com. de Gn 31:19).

Vãs. Fúteis, respostas completamente sem valor.

Adivinhos. Aqueles que pretendiam revelar a vontade dos deuses (ver Jr 29:8).

Anda o povo como ovelhas. A confiança desses enganadores levou os israelitas para o cativeiro.

Não há pastor. Uma referência à falta de rei para liderá-los e protegê-los (ver Os 3:4).

3 Bodes-guia. usado metaforicamente para os líderes.

4 Pedra angular. Ou, “pedra de esquina”. As variadas imagens enfatizam a firmeza e segurança de Judá. Os judeus consideravam este versículo como uma profecia messiânica.

6 Casa de Judá. O reino do sul (ver 1Rs 11:31, 32).

Casa de José. As dez tribos que compunham o reino do norte de Israel porque Efraim, um filho de José, era a mais numerosa e proeminente tribo do norte (Gn 41:50-52).

7 Os de Efraim. Isto é, os do reino do norte. Devido ao pecado, às dez tribos “não foi dada nenhuma promessa de completa restauração de seu domínio anterior na Palestina” (PR, 298).

10 Egito. Ver Jeremias 43 e 44 a respeito dos judeus que habitavam no Egito.

De Gileade e do Líbano. Estes países nas fronteiras ao leste e ao norte de Israel foram os primeiros a serem despovoados (2Rs 15:29; ver com. de 1Cr 5:26).

11 Passarão o mar. Uma referência ao milagre do Mar Vermelho (Êx 14). Novamente, Deus faria milagres na libertação de Seu povo.

Derribada. O castigo visitaria as nações que mantinham cativo o povo de Deus (ver Is 1o:12; 13:1-22; Ez 29-32; etc.).

 

Referência: Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 1218-1220.



ZACARIAS 10 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
20 de abril de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Pedi ao Senhor chuva no tempo das chuvas serôdias, ao Senhor, que faz as nuvens de chuva, dá aos homens aguaceiro e a cada um, erva no campo” (v.1).

Em Seu infinito amor, Deus criou o mundo em perfeita harmonia. Tudo na criação seguia as leis instituídas para o seu pleno funcionamento e desenvolvimento. Com a entrada do pecado, porém, iniciou-se um processo de desequilíbrio e gradual destruição. A começar pela corrupção do coração humano, houve uma resposta sequencial da natureza, que passou a revelar traços do mal que fizeram nossos primeiros pais chorar. A queda das folhas secas, a selvageria entre os animais e o murchar das flores foram os primeiros indícios de que até as coisas inanimadas estavam destituídas da glória que outrora fazia do mundo recém-criado uma tela sem defeitos do Soberano artista.

A cada centenário, Adão contemplava o envelhecimento da Terra e, como ninguém, sofria pelo contraste com o lugar de onde fora expulso com sua mulher. Então, chegou a geração de Noé, tão degradada em princípios e tão destituída de valores, que lançou sobre o mundo todo uma maldição sem precedentes, necessitando de uma intervenção divina. A Terra antes regada somente pelo orvalho foi completamente inundada e devastada pela força das águas do firmamento e das profundidades. A partir daí, os elementos do planeta deixaram de funcionar como no princípio e passaram a necessitar de algo mais, como as chuvas, a fim de manter a vida.

Como no princípio Deus deixou a natureza como uma evidência de “Seu eterno poder, como também [da] Sua própria divindade” (Rm.1:20), assim também os fenômenos naturais têm sido usados como símbolos de Suas fiéis promessas, da aliança dEle com o Seu povo (Gn.9:13), bem como formas de revelar à humanidade provas inequívocas de Seu controle sobre tais manifestações da natureza (1Rs.18:45; Mt.8:26). A chuva temporã e a chuva serôdia são eventos imprescindíveis para que haja o crescimento da planta e uma boa colheita. Através da analogia com o tempo das chuvas serôdias, o profeta anunciou que estava próximo o tempo da colheita. Não a colheita dos frutos da terra, e sim aquela espiritual de um povo que passaria “o mar de angústia” (v.11), mas que seria fortalecido e amparado pelo seu Deus.

A aliança do Senhor apresentada primeira vez a Adão e Eva (Gn.3:15), reafirmada em Noé (Gn.9:12), replicada a Abraão (Gn.17:7) e confirmada em Israel (Gn.28:14), foi cumprida em Jesus Cristo (Jo.19:30), “a pedra angular” (v.4), o Senhor da aliança eterna. Desde a Sua ascensão aos Céus, Ele não nos deixou sem auxílio à mercê das dificuldades deste mundo, mas Sua obra precedeu a obra do Consolador, “o Espírito da verdade” (Jo.15:26). Comparada à chuva, a vinda do Espírito Santo começou a derramar suas primeiras gotas na igreja cristã primitiva e está aumentando de intensidade nesses últimos dias, quando se aproxima o “tempo das chuvas serôdias” (v.1), quando o trigo precioso será colhido para os depósitos celestiais e o joio lançado “na lama das ruas” (v.5).

Está chegando o tempo, amados, e ouso afirmar que já começamos a vislumbrar suas primeiras evidências, em que o aguaceiro da chuva do Espírito será derramado sobre “cada um” (v.1) que por ele aguardava e clamava. Tempo em que “o Senhor dos Exércitos tomará a Seu cuidado o rebanho” (v.3), e fará dele “o Seu cavalo de glória na batalha” (v.3). Tempo das mais severas lutas, mas das mais poderosas vitórias, “porque o Senhor está com eles” (v.5). Tempo que dos “lugares remotos” (v.9) da Terra, Deus unirá aqueles que espalhou “por entre os povos” (v.9) em uma só fé, um só coração, a fim de reuni-los na celebração final.

Estamos vivenciando o cumprimento profético em que “os ídolos do lar falam coisas vãs” e mesmo os considerados mais sábios “oferecem consolações vazias”, deixando “o povo como ovelhas, aflito, porque não há pastor” (v.2). Necessitamos retornar ao Éden, e contemplar nos indícios da criação a poderosa e fiel promessa do breve retorno de Jesus. Somente pelo poder do Espírito viveremos aqui como peregrinos que “manifestam estar procurando uma pátria […] uma pátria superior, isto é, celestial” (Hb.11:14, 16). Quando o planeta ainda era uma criança, Enoque já vislumbrava e ansiava a nossa bendita esperança: “Eis que veio o Senhor entre Suas santas miríades” (Jd.14). Clamemos pelo Espírito Santo como chuva serôdia! Só assim, plenos do poder do alto, a aliança eterna nos alcançará, e a nossos filhos, fazendo-os se alegrar e se regozijar ao ver o Senhor retornar “com poder e muita glória” (Mt.24:30).

Entregue-se, agora, aos cuidados do Consolador que faz cair a Sua última chuva, e, ao raiar da manhã gloriosa, “a vossa tristeza se converterá em alegria […] o vosso coração se alegrará, e a vossa alegria ninguém poderá tirar” (Jo.16:20, 22). Pois o conhecimento da verdade redundará em alegria eterna. “Quem sai andando e chorando, enquanto semeia, voltará com júbilo, trazendo os seus feixes” (Sl.126:6). Vigiemos e oremos!

Bom dia, criados para a eternidade!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Zacarias10 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



ZACARIAS 10 – COMENTARIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
20 de abril de 2021, 0:40
Filed under: Sem categoria

ZACARIAS 10 – Deus promete um final mais feliz que os finais de novelas, filmes e histórias infantis. Então, o maravilhoso final feliz terá, obviamente, aquele que, no presente, priorizar em sua vida ao Deus que desvenda o futuro.

Estudar a Bíblia e assimilar suas verdades à vida rendem indescritíveis vantagens; então, mãos à Bíblia. Analise estes pontos:

1. Por acreditar num futuro melhor – que, na verdade será um novo começo – quem assimila as promessas divinas, aceita o apelo profético de clamar pelo profuso derramamento da chuva serôdia (v. 1).

2. Atualmente, a realidade é decadente; muita gente está iludida, aceitando qualquer pessoa como guia, governo e até falsos líderes religiosos, que deixam seus liderados vagueando como ovelhas aflitas. Entretanto, estes líderes experimentarão o ardor da ira de Deus quando manifestar Seu poder (vs. 2-3).

3. Em face à realidade, as pessoas perdidas, maltratadas, fracas e sem pastor genuíno, Deus as tornará fortes e invencíveis em tempos de chuva serôdia; Jesus é a solução (vs. 4-5). Ele é…
• …a Pedra Angular (Príncipe da tibo de Judá);
• …a Estaca da Tenda (Mantenedor, Protetor);
• …o Arco da Guerra (Guerreiro, Defesa) do Seu povo;
• …maior de todos os exatores (Supremo);
• …o responsável pela restauração total.

4. Quando Deus age ninguém atrapalha: É disso que trata a chuva serôdia, um divino e sobrenatural poder restaurador. Deus mesmo age. Ele diz: “Eu fortalecerei”, “e salvarei”; “replantarei, porque me compadeci”; “lhes assobiarei, e os ajuntarei. Certamente os remirei”. “Eu os farei voltar”, “e os congregarei”. “Eu os trarei”. “Eu os fortalecerei” (vs. 6-12).

No processo de salvação Deus faz tudo; nossa parte é humildemente render-se a Ele integralmente. O perdão de Deus é tão completo que, ao perdoar-nos, considera-nos como sem pecado. Só não se salvará quem decididamente não quiser, porque Deus quer (v. 6).

Foi visando salvação que Deus deu Jesus para morrer por pecadores condenados. Ele tudo fez objetivando restaurar-nos do pecado e suas consequências.

O próprio Deus garantiu: “Mas meu povo, ah! Vou torná-lo forte, muito forte! E eles viverão nos meus caminhos” (v. 12). Que futuro fantástico!

Portanto, encharque-se com a chuva serôdia e saia imediatamente da letargia religiosa. Viva na expectativa real de um futuro excepcional! (ver I Coríntios 2:9).

Temos razões bíblicas suficientes para reavivar-nos! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: