Reavivados por Sua Palavra


9 anos lendo a Palavra diariamente by Jobson Santos
27 de abril de 2021, 17:20
Filed under: Sem categoria

Em 17 de abril de 2012 a Igreja Adventista do Sétimo Dia lançou o programa “Reavivados por Sua Palavra” (RPSP). O plano foi encorajar os membros e amigos a lerem um capítulo da Bíblia por dia. Assim, ao redor do mundo, muitos estariam unidos pela Palavra de Deus.

Nove anos depois, estamos agora na terceira edição do projeto e concluindo a leitura do Antigo Testamento.

Para mim esta 3a. leitura do Antigo Testamento através do programa RPSP foi particularmente benéfica. O Espírito Santo trouxe novas revelações. Muitos textos que eu já havia lido ganharam um significado mais profundo.

Tudo isso é cumprimento do que Deus prometeu: “assim será a palavra que sair da minha boca: ela não voltará para mim vazia, antes fará o que me apraz, e prosperará naquilo para que a enviei”  (Isaías 55:11 Versão Almeida Revista e Atualizada)

Você tem sido beneficiado ao ler a Palavra de Deus diariamente com milhares de outras pessoas incentivado por esta página web?  

Reparte nos comentários como você tem se sentido participando da leitura diária da Palavra através do projeto RPSP!



O período intertestamentário by Jeferson Quimelli
27 de abril de 2021, 13:47
Filed under: Sem categoria

Estamos chegando ao fim do estudo do Antigo Testamento. O que aconteceu no período entre o Antigo e o Novo Testamentos?

Entre o último livro escrito do Velho Testamento, Malaquias, e o primeiro escrito no Novo Testamento, Marcos, ocorreram mais de 400 anos. Foram anos em que não houve revelação profética, chamados por muito de “anos de silêncio”. Porém, em termos sociais e políticos, estes anos não foram nada silenciosos.

Historicamente, houve a dominação persa, da qual poucos detalhes se sabe da Palestina neste período. Com a dominação greco-macedônica, primeiro por Alexandre e depois pelos reinos Selêucidas, ao norte, e Ptolemaico, ao sul, houve uma forte tendência de helenização cultural e religiosa, principalmente no reino de Antíoco Epifânio IV (selêucida), que chegou a erigir uma estátua a Zeus e a sacrificar um porco no templo em Jerusalém. A oposição a Antíoco deflagrou a revolta dos macabeus, que durou 24 anos e que resultou na independência de Judá em 142 a.C. (evento que deu origem à festividade judaica Hanukah). Esta independência durou até 63 a.C., quando os romanos assumiram o controle, sob o general Pompeu. Este general tomou Jerusalém após um sítio de três meses, massacrou os sacerdotes e entrou no lugar Santo dos Santos, iniciando um amargo período de dominação romana.

Literariamente, houve a produção da Septuaginta, tradução para o grego dos livros hebraicos que geraram o nosso Antigo Testamento. O objetivo desta tradução era colocar as Escrituras na língua que os judeus da dispersão (iniciada com os exílios assírio e babilônico), que já não falavam hebraico, pudessem compreender. Isso permitiu sua disseminação também a todo o mundo de fala grega de então. A Septuaginta também incluía muitos livros de cunho histórico, porém de teologia duvidosa e contraditória com os demais livros canônicos (reconhecidos como inspirados por Deus). Estes foram chamados de apócrifos. Não aceitos pelos judeus quando da formação do cânon da Bíblia hebraica, foram confirmados na Bíblia católica pelo Concílio de Trento (1546) e confirmados pelo Concílio Vaticano I (1869 – 1870).

Socialmente, ocorreu a Diáspora (ou dispersão) dos judeus por todas as partes conhecidas do mundo de então, começando com as invasões assírias e babilônicas. Aonde moravam, os judeus se reuniam nas sinagogas e concentravam sua vida religiosa no estudo da Torá (Pentateuco). Quando os apóstolos começaram a evangelizar fora da terra de Israel, os primeiros lugares que eles visitavam eram as sinagogas.

Afastados do templo, com o objetivo de conservar a sua identidade, os judeus passaram a congregar em sinagogas, centro de ensino e estudo da Torá. A classe (ou partido) que se reuniu em torno das sinagogas foi a dos fariseus, que se esforçaram por interpretar a Lei de Moisés, colocando assim uma “cerca” para que os judeus se mantivessem vivendo em retidão perante Deus. Estas interpretações estavam compiladas na Mishnah e no Talmude.

Em torno do templo se compôs a classe aristocrata dos saduceus, em menor número, porém com grande poder político. Rejeitavam qualquer doutrina que não estivesse explicitamente citada na Torá, incluindo a da ressurreição.

Significativas, ainda, são as classes dos essênios e dos zelotes. Os essênios se compunham de um grupo separatista, semelhantes aos fariseus, que ressaltavam a rigorosa observância da lei e consideravam o sacerdócio do templo corrupto. Eles reuniam-se em comunidades, como a de Qumran, que preservou os Manuscritos do Mar Morto. Já os zelotes se compunham de judeus que visavam a independência dos romanos pela força. Sendo muito combativos, presume-se que tenham sido os causadores da destruição de Jerusalém, em 70 d.C. Foram exterminados na fortaleza natural de Massada, último reduto da rebelião contra o império romano.

Todas estas mudanças históricas, culturais e sociais compuseram o quadro observado no Novo Testamento. Foi neste ambiente heterogêneo de insatisfação política e social que nasceu, viveu e pregou nosso Redentor e Senhor Jesus Cristo.

 

Fatos históricos entre Malaquias e Jesus

Fatos históricos entre Malaquias e Jesus

Fontes:
Comentários da Bíblia de Estudo NVI Vida. Editora Vida.
Sue Graves. O que é a Bíblia? Uma Introdução ao Livro da Fé Cristã. SBB.



MALAQUIAS 3 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
27 de abril de 2021, 1:10
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO MALAQUIAS 3 – Primeiro leia a Bíblia

MALAQUIAS 3 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

COM. VÍDEO PR. ADOLFO SUÁREZ (link externo)

COM. VÍDEO PR. VALDECI JÚNIOR (link externo)

COM. VÍDEO PR WEVERTON CASTRO E EQUIPE (link externo)

COM. VÍDEO PR RONALDO DE OLIVEIRA (link externo)



MALAQUIAS 3 by Jobson Santos
27 de abril de 2021, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/ml/3

Até agora, este livro não tem sido uma leitura encorajadora. Israel falhou miseravelmente. Os sacerdotes trouxeram sacrifícios defeituosos no lugar dos melhores; abandonaram sua aliança com Deus; e desonraram a Deus com seus lábios e serviço.

As pessoas também não tinham fé. Eles desonraram a Deus casando-se com incrédulos. Abandonaram suas esposas e se divorciaram delas. À medida que as queixas dessas mulheres sofredoras ascendiam ao céu, Israel parece ter conseguido exaurir a paciência de um Deus de infinita misericórdia.

Falta de fé. Corrupção. Infidelidade. Agora adicionamos roubo. É como se tivéssemos entrado em um túnel escuro. Cada versículo nos leva mais fundo na escuridão, de modo que parece que o destino final será a total desesperança.

A leitura atenta demonstra que nem tudo está perdido. A primeira pista é encontrada no versículo 1: “O Senhor a quem buscais”. A segunda pista no versículo 16: “Então os que temiam ao Senhor.” A pregação de Malaquias não foi em vão. Um povo remanescente renovou sua promessa de fidelidade, assinando seus nomes em um livro memorial. A aliança é restabelecida.

“No dia em que eu agir, eles serão o meu tesouro pessoal”, declara o Senhor (v. 17). Renove sua aliança com Deus. Escreva seu nome no Livro Memorial. Brilhe hoje como uma de Suas jóias preciosas.

Merle Poirier
Gerente de Operações, Adventist Review Ministries, Silver Spring, Maryland, EUA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1174
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



MALAQUIAS 3 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
27 de abril de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Eis que Eu envio o Meu mensageiro, que preparará o caminho diante de Mim; de repente, virá ao Seu templo o Senhor, a quem vós buscais, o Anjo da Aliança, a quem vós desejais; eis que Ele vem, diz o Senhor dos Exércitos” (v.1).

De todas as promessas feitas pelo Senhor ao Seu povo Israel, certamente, a chegada do Messias era a mais aguardada. Na verdade, desde o Gênesis, os filhos de Deus aguardavam o Descendente da mulher que esmagaria a cabeça da serpente (Gn.3:15) e viria para estabelecer o Seu reino de justiça (Jd.14). Contudo, o conceito de Deus como o Senhor dos Exércitos, “poderoso nas batalhas” (Sl.24:8) foi confundido com a figura de um grande guerreiro que destruiria as nações da Terra conservando somente Israel como povo salvo. Esta ideia tornou-se bastante difundida e consistente, de forma que “o Anjo da Aliança” (v.1) que diziam tanto buscar e desejar foi desprezado e considerado por muitos como um blasfemo e herege.

Porque era tão importante que a última mensagem profética fosse dirigida, em parte, de uma forma particular, aos líderes espirituais da nação? Porque eles eram os formadores de opinião e mestres da Lei do Senhor. Tudo o que o povo, inclusive as crianças aprendiam, era resultado da interpretação dada pelos rabinos da época. Se eles ensinavam que o Messias viria como um líder militar liderando Israel contra o império romano, os meninos já cresciam com essa expectativa. Com o passar dos anos, o sentimento de vingança contra aqueles que os oprimiam tornou-se mais intenso do que o desejo de ver o Messias. De forma que não puderam reconhecer no amoroso Carpinteiro de Nazaré o seu Libertador, Aquele que veio libertar o mundo do jugo do pecado.

No tempo de Sua primeira visitação, o Senhor tornou “o deserto em açudes de águas e a terra seca, em mananciais” (Is.41:18), através de João Batista, o mensageiro que preparou o caminho diante de Cristo e que soube reconhecê-Lo imediatamente quando O viu: “Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (Jo.1:29). Notem que o livro de Malaquias é repleto de questionamentos por parte de Israel, como quem tenta se justificar diante de Deus: “Em que desprezamos nós o Teu nome? (1:6); Em que Te havemos profanado? (1:7); Em que O enfadamos?” (2:17). E o capítulo de hoje apresenta o questionamento, creio eu, mais conhecido deste livro: “Em que Te roubamos?” (v.8). Não é interessante o último livro do Antigo Testamento, do último profeta antes do Messias, falar sobre dízimos e ofertas?

Na verdade, o livro de Malaquias fala sobre a fidelidade cristã como uma característica essencial na vida daqueles que servem a Deus, diferenciando-os dos perversos: “Então, vereis outra vez a diferença entre o justo e o perverso, entre o que serve a Deus e o que não O serve” (v.18). E de todas as maneiras em que essa diferença pode ser vista, certamente o uso de nossos recursos e se eles são devolvidos ao Senhor como as primícias de nossa renda, revelam onde está o nosso coração. A devolução dos dízimos e das ofertas é também um símbolo do plano da redenção. Podemos comparar o dízimo ao esforço humano aliado ao poder divino. A oferta voluntária representa a maior das ofertas já realizadas: a morte de Jesus na cruz. E assim como dízimos e ofertas devem andar juntos, jamais seríamos salvos se Jesus não tivesse Se dado como oferta por nós.

Portanto, a nossa fidelidade financeira não se trata apenas de uma “ajuda” para a pregação do evangelho. Até porque Deus é o dono do ouro e da prata, lembram (Ag.2:8)? Mas é o meio divino mais eficaz de nos livrar da “raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores” (1Tm.6:10). A nossa fidelidade matrimonial, financeira ou em qualquer aspecto da vida, no entanto, não deve jamais ser a causa, mas a consequência da salvação. Deve ser uma oferta “agradável ao Senhor” (v.4); as “justas ofertas” (v.3) de um coração purificado como a prata e refinado como o ouro (v.3).

Assim como João Batista veio em cumprimento do que a seu respeito estava escrito (Mt.11:10), nós fomos chamados para semelhante missão: “É necessário que ainda profetizes a respeito de muitos povos, nações, línguas e reis” (Ap.10:11). “Vi outro anjo voando pelo meio do céu, tendo um evangelho eterno para pregar aos que se assentam sobre a Terra, e a cada nação, e tribo, e língua, e povo” (Ap.14:6). Amados, uma vida fiel nunca pode ser o resultado do esforço humano, por mais bem intencionado que seja. Se este não estiver aliado ao poder divino e à maravilhosa graça de Cristo, podemos até dar “o dízimo da hortelã, do endro e do cominho”, mas negligenciaremos “os preceitos mais importantes da Lei: a justiça, a misericórdia e a fé; devíeis, porém, fazer estas coisas sem omitir aquelas!” (Mt.23:23). Se perseverarmos em olhar para Jesus a cada dia, o Espírito Santo imprimirá o Seu fiel caráter em nós e seremos para Ele o Seu “particular tesouro” (v.17). Vigiemos e oremos!

Bom dia, particular tesouro do Senhor!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Malaquias3 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



MALAQUIAS 3 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
27 de abril de 2021, 0:40
Filed under: Sem categoria

MALAQUIAS 3 – A decepção tende a levar à acusação a Deus. Estude este capítulo e tire tuas próprias conclusões.

“O templo reconstruído era uma triste imitação da maravilha arquitetônica de Salomão. O altivo futuro de triunfo e paz mundial descrito pelos profetas parecia um sonho distante” (Philip Yancey).

Ao voltar do cativeiro babilônico parece que nada era bom como antes. Tudo parecia deprimente, isso interferia na espiritualidade dos crentes. “Uma melancolia geral tomou conta dos judeus, uma decepção para com Deus visível nas reclamações e também nos atos. Como as pessoas diziam na época: ‘Inútil é servir a Deus; que nos aproveitou termos cuidado em guardar os seus preceitos…?’” (Yancey).

Frente a tal melancolia, com ritmo de apostasia, Malaquias ergue sua voz com ousadia. Qual é sua mensagem?
• Há um juízo em vista: Um mensageiro, João Batista, será o precursor do Messias, o qual trará juízo. Malaquias mescla a primeira com a segunda vinda e a terceira vinda de Cristo (vs. 1-5).
• Em resposta à aparente distância de Deus e frente a Sua silente indiferença indagada em 2:17, o profeta mostra a negligência espiritual do povo que roubava a glória de Deus. O roubo nos dízimos e nas ofertas era apenas uma evidência externa de que Deus não era prioridade na vida do crente já fazia muito tempo (vs. 6-12).
• A vida desprovida de intimidade com Deus tira do coração o que é prioridade para dar lugar ao que é supérfluo, levando os crentes e os líderes espirituais às criticas infundadas contra Deus. Apesar disso, nitidamente Deus mostra que, no juízo, todos verão quem é quem e ali será evidente as vantagens de permanecer fiel a Deus em toda situação (vs. 13-18).

As pessoas podem frequentar à igreja quantas vezes quiserem, devolver fielmente os dízimos e até entregar volumosas ofertas, mas sem um relacionamento intenso e constante com Deus, priorizando-O e glorificando-O acima de tudo, de nada adiantará no dia do juízo.

Crer em um juízo universal ajuda as pessoas a se consagrarem diariamente. Todavia, saber que há um Deus que recompensará a consagração exclusiva a Seu serviço motiva ainda mais a colocar as coisas espirituais acima dos bens materiais.

Cuidado para não cair nas práticas erradas dos judeus da época de Malaquias! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: