Reavivados por Sua Palavra


MATEUS 19 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
17 de maio de 2021, 1:00
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO MATEUS 19Primeiro leia a Bíblia

MATEUS 19 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

MATEUS 19 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

Acesse os comentários em vídeo em nosso canal do Youtube

(pastores Adolfo, Valdeci, Weverton, Ronaldo e Michelson)



MATEUS 19 by Jobson Santos
17 de maio de 2021, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/mt/19

“O que ainda me falta?”

Que pergunta arriscada para fazer a Jesus, o Divino Leitor de corações. Aquele que fez a pergunta não estava preparado para a resposta penetrante de Cristo, o convite restritivo que exigia que ele entregasse o ídolo de seu coração. O preço do céu era muito alto; ele não estava disposto a pagar. Em vez disso, ele escolheu apegar-se a investimentos terrenos em vez de investir no futuro do céu.

Deus sempre nos pede que abramos mão da única coisa a que desejamos nos apegar, a única coisa que nos impede de estarmos comprometidos com a vida sacrificial de todo o coração.

“Senhor, o que me falta ainda?”

Aposto que você já sabe o que Ele quer que você entregue, aquilo que você se recusa a renunciar, aquilo que é doloroso demais de entregar. Talvez seja um vício, um rancor, um comportamento doentio, uma atitude de controle, um relacionamento pecaminoso. Talvez pareça tão inofensivo. No entanto, é a única coisa que impede Cristo de reivindicar 100% do seu coração .

Você se renderá quando Deus apontar seu ídolo de estimação? Ou você se afastará Dele, insistindo em manter seu vício idolatrado, seu pecado acariciado?

Lori Engel
Capelão, Eugene, Oregon, EUA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1194
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



MATEUS 19 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
17 de maio de 2021, 0:50
Filed under: Sem categoria

770 palavras

7-8 Ouvindo o ponto de vista de Jesus a respeito do casamento, os fariseus pensaram que podiam colocá-Lo contra Moisés. Porém Jesus mostra que Moisés, em Dt 24.1-4, não estava dando justificativas para o divórcio, mas oferecendo providências no caso de divórcio. Dr 24.1-4 consiste de uma longa afirmação condicional introdutória (“se acontecer”), terminando com a proibição para um homem casar novamente com uma mulher de quem ele já havia se divorciado anteriormente. Bíblia de Genebra.

9 não sendo por causa de relações sexuais ilícitas. A palavra grega para “relações sexuais ilícitas” é bastante ampla e inclui, além do adultério, vários pecados de natureza sexual. Bíblia de Genebra.

Dos ensinamentos de Jesus aqui, pode-se inferir que a parte inocente está livre para escolher se o relacionamento conjugal deve continuar ou não. A reconciliação é sempre ideal, especialmente se envolve filhos. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 481.

10 Não convém casar. Evidentemente, os discípulos argumentaram que, sendo a natureza humana o que é e havendo tantas circunstâncias em que o marido e mulher se mostram incompatíveis, não seria melhor renunciar à vida de casado por completo? sem dúvida, à primeira vista, o padrão que Jesus proclamou parecia muito elevado até mesmo para os discípulos, como, por vezes, fazem os cristãos de hoje, O que os discípulos esqueciam, e o que os cristãos de hoje são propensos a esquecer, é que Cristo oferece outra solução para a infidelidade conjugal. Se acordo coma  fórmula de Cristo, onde as disposições e personalidades não são adequadas, a solução é mudar as disposições, o coração e a vida (ver com. de Rm 12.2), não o cônjuge. … Não há problema conjugal que não possa ser resolvido para a satisfação de ambos, marido e mulher, em que os dois estejam dispostos a seguir os princípios estabelecidos por Cristo no Sermão do Monte. E, quando um dos cônjuges está disposto a fazê-lo, mesmo que o outro não esteja, é possível atingir um grau verdadeiramente notável de paz conjugal, resultando na conquista daquele que não está disposto. Essa recompensa vale mais do que a paciência e o sacrifício necessários. CBASD, vol. 5, p. 481.

12 que … se fizeram eunucos. O casamento é desejável. A formação do caráter pode ser muito mais eficaz e completa em estreita associação com outro ser humano do que quando a pessoa está solteira. … O celibato não é um estado comum, normal, e é um engano dizer que, por si só, ele pode levar a um estado superior de santidade do que seria possível de outra forma. Entre os judeus, o celibato era desaprovado ou digno de pena, e era praticado somente por grupos ascéticos extremos, como os essênios. CBASD, vol. 5, p. 482.

14 Deixai os pequeninos … vir a mim. Os discípulos consideravam as crianças como um embaraço na obra de Jesus, mas Jesus as acolhe como súditos do reino e as abençoa. Bíblia de Genebra.

16 que farei eu de bom? Essa questão reflete o típico conceito farisaico de justiça pelas obras como passaporte para a “vida eterna”. O jovem rico tinha cumprido conscienciosamente todos os requisitos da lei (PJ, 391), pelo menos de maneira formal, e também todos aqueles impostos pelos rabinos, mas estava consciente que algo faltava em sua vida. Ele admirava Jesus e pensava seriamente em se tornar um de Seus discípulos (DTN, 518). CBASD, vol. 5, p. 483.

23-26 A riqueza era considerada evidência da aprovação de Deus e o rico parecia ser o mais provável candidato ao reino. Jesus inverteu esta ideia e o resultado não passou despercebido aos discípulos: “quem pode ser salvo?” (v. 25). Bíblia de Genebra.

24 Camelo. Jesus trata de uma impossibilidade humana, como afirma claramente (v. 26). A verdade declarada foi precisamente o oposto do que as pessoas, mesmo os discípulos, criam … Os fariseus pensavam e ensinavam que a riqueza constituía uma prova do favor divino (ver com. de Lc 16.14). Quando Jesus discutiu as riquezas nessa ocasião, Ele pode ter tido em mente particularmente Judas Iscariotes, que, por amor ao dinheiro, estava prestes a vendê-Lo (Jo 12:6; 13:29). O problema de Judas era fundamentalmente o mesmo que o do jovem rico (ver com. de Mc 3:19). CBASD, vol. 5, p. 486.

Fundo de uma agulha. Há uma explicação de que o “fundo de uma agulha” se refere a um portão menor aberto em um grande portão da cidade, pelo qual as pessoas poderiam passar quando a grande porta fosse fechada para o tráfego principal. Contudo, essa explicação se originou séculos depois da época de Cristo. Não existe, portanto, base válida para essa explicação, por mais plausível que pareça. Jesus estava lidando com impossibilidades (v. 26), e não há nenhum proveito em maquinar uma explicação pela qual tornar possível o que Jesus apontou especificamente como impossível. CBASD, vol. 5, p. 486



MATEUS 19 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
17 de maio de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Jesus, fitando neles o olhar, disse-lhes: Isto é impossível aos homens, mas para Deus tudo é possível” (v.26).

A jornada terrestre de Jesus incluía constantes viagens em busca das ovelhas perdidas da casa de Israel. Multidões O seguiam e Ele as curava. E entre ensinamentos e curas, Jesus também era experimentado pelos fariseus que frequentemente O interrogavam acerca de questões da Lei. Na verdade, a questão do divórcio era algo muito sério e que lidava com consequências eternas. O repúdio tornou-se algo corriqueiro, como bem disseram os fariseus, “por qualquer motivo” (v.3), sendo que Moisés o permitiu na condição de ter achado o marido “coisa indecente” na mulher (Dt.24:1), justamente na tentativa de evitar a prática do divórcio por causa da dureza de coração do povo (v.8). Ao fazer menção da união entre Adão e sua mulher no Éden, Jesus deixou bem claro o Seu modo de ver o casamento: uma instituição sagrada.

Jesus mesmo disse que “Nem todos são aptos para receber este conceito” (v.11). Hoje, viver uma relação conjugal dentro dos parâmetros divinos tornou-se fora de moda, e falar sobre isso é considerado praticamente um crime. Pessoas têm sido investigadas e processadas pelo simples fato de expor a sua crença no que diz a Palavra de Deus. A vontade do Senhor para o matrimônio e a sexualidade são claramente revelados “desde o princípio” (v.4) e ainda que existam dificuldades pessoais quanto a isto, Jesus assegurou que existe sim oportunidade de escolher o celibato voluntário por amor a Ele, pois muitos “a si mesmos se fizeram eunucos, por causa do reino dos céus” (v.12).

Mas além dos casados e solteiros, Cristo também lidava com outras classes de pessoas. Dentre elas, uma Lhe era muito especial e transmitia leveza à Sua pesada lida: as crianças. A empatia, simplicidade e sinceridade dos pequeninos enchia o coração do Mestre de uma doçura singular. E a fim de que Seus discípulos pudessem desfrutar de semelhante bênção, declarou: “Deixai os pequeninos, não os embaraceis de vir a Mim, porque dos tais é o reino dos céus” (v.14). Entre Seus ouvintes, porém, estava alguém que tentava assimilar todos esses ensinamentos e cujo coração se enterneceu ao ver Jesus recebendo crianças com tanto carinho. O jovem rico havia aprendido em sua infância a guardar os mandamentos, mas nunca tinha associado a obediência com o amor.

À sua pergunta: “Mestre, que farei eu de bom, para alcançar a vida eterna?” (v.16), primeiro Jesus deixou bem claro que “Bom só existe um” (v.17). Portanto, é a bondade de Deus que deve estar em evidência e é ela que nos “conduz ao arrependimento” (Rm.2:4), o primeiro passo na direção do reino dos céus. Em seguida, Jesus apresentou a guarda dos mandamentos como um passaporte para a vida: “Se queres, porém, entrar na vida, guarda os mandamentos” (v.17). Como escreveu o salmista: “Nunca me esquecerei dos Teus preceitos, visto que por eles me tens dado vida” (Sl.119:93). Citando os mandamentos relativos ao amor ao próximo, Jesus falou o que o mancebo com facilidade assegurou observar, mas que nunca havia aprendido a amar.

O perfeito caráter que Deus requer de Seus filhos é a disposição em ouvir e praticar as Suas palavras (Leia Gn.17:1; Mt.5:48; 2Tm.3:17). O pedido que Ele fez ao jovem rico pode ser replicado na vida de qualquer pessoa, ainda que o objeto a ser abandonado seja diferente. Jesus pode estar lhe dizendo, hoje: “Se queres ser perfeito”, abandone a pornografia, “depois, vem e segue-Me”. “Se queres ser perfeita”, exclua esta rede social que em nada lhe edifica, “depois, vem e segue-Me”. “Se queres ser perfeito”, abandone esses jogos, séries e filmes que estão manchando o seu caráter, “depois, vem e segue-Me”. Infelizmente, como o jovem rico, muitos ouvindo “esta palavra” (v.22) vão embora tristes pelo amor às coisas deste mundo, perdendo o privilégio de participar dos tesouros do Céu, “onde traça nem ferrugem corrói, e onde ladrões não escavam, nem roubam” (Mt.6:20). A verdadeira riqueza está em uma vida de santificação no Espírito. A inquietação daquele jovem tem sido a de muitos que, ainda que reconheçam em Jesus um Mestre, Alguém que dispensa uma multidão de ouvintes só para dar atenção a crianças, não estão dispostos a depor dos ídolos do coração a fim de segui-Lo.

Guardar os mandamentos não se trata de uma imposição dada por um Deus arbitrário, mas de uma proteção dada por um Deus amoroso. É como numa ilustração dada em certa lição da escola sabatina, em que uma garotinha nadava com seu pai no mar, quando perceberam que a correnteza os tinha levado para águas mais profundas. O pai então instruiu a garota a boiar e aguardar porque ele nadaria em busca de ajuda e voltaria para buscá-la. Quatro horas depois, seu pai e os socorristas a encontraram tranquila boiando em alto mar. Chegando na praia, estranhando a comoção de amigos e familiares, ela disse mais ou menos assim: “Eu só fiz o que meu pai mandou, pois eu sabia que ele voltaria para me buscar”.

É tão simples, não é mesmo? Que tal experimentarmos esta maneira infantil, mas tão sábia, de aguardarmos o Pai vir nos buscar? Não se trata apenas de obediência, mas de um relacionamento de amor e confiança com Deus. Pode ser que você não tenha que deixar para trás grandes riquezas ou vícios secretos, mas “casas, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe [ou mulher], ou filhos, ou campos”, por causa do nome de Jesus, mas, se assim você tiver de fazer, saiba que “receberá muitas vezes mais e herdará a vida eterna” (v.29). Todo aquele que conhece e prossegue em conhecer Jesus a cada dia não sonha com ruas de ouro ou palácios de cristal, mas com o dia em que “Jesus, fitando neles o olhar” (v.26), lhes dirá: “Vinde, benditos de Meu Pai” (Mt.25:34). Chegou a hora de abandonarmos tudo aquilo que nos impede de nos entregarmos por completo a Cristo. Ele nos diz hoje: “anda na Minha presença e sê perfeito” (Gn.17:1). Vigiemos e oremos!

Bom dia, perfeitos pela graça!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Mateus19 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



MATEUS 19 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
17 de maio de 2021, 0:40
Filed under: Sem categoria

MATEUS 19 – A batalha do bem contra o mal é percebida nitidamente nas histórias de Jesus. Muitas vezes o mal agia através da liderança espiritual da igreja verdadeira.

Neste capítulo, Jesus deixa “a Galileia e percorre a região da Judeia a leste do Jordão. Ali, numerosos enfermos fazem mais solicitações à sua compaixão, e os fariseus se esforçam mais uma vez para encontrar os meios de desacreditá-lo e a seu ensino” (R. V. G. Tasker).

Para uma visão geral do capítulo, veja o esboço a seguir baseado no trabalho de Leon Morris:
1. Viagem de Jesus a Jerusalém:
a) Ensino sobre o divórcio (19:1-12);
b) Jesus e as crianças (19:13-15);
c) Ensinamentos e viagem:
• O perigo das riquezas (19:16-30);
• A parábola dos trabalhadores da vinha (20:1-16);
• Previsão da paixão (20:17-19);
• Cargos para os filhos de Zebedeu (20:20-28);
• Dois cegos de Jericó (20:29-34).

Após obter uma visão mais ampla, volte-se para Mateus 19, o qual possui muitos assuntos profundos. Jesus aborda vários temas importantes e sempre relevantes, que muitas vezes nós não damos o devido valor.

Jesus instruiu sobre…
1. …casamento, divórcio e celibato. Aceitamos Suas orientações ali?
2. …as crianças. Seguimos Seus princípios neste quesito ou deixamos que Satanás leve nossos filhos através de jogos, programas midiáticos e outros meios diabólicos?
3. …as riquezas. Elas jamais devem interferir entre nós e Cristo, elas não são divinas para receber nossa devoção como se fossem deuses. Seguiremos os passos do jovem rico ou o convite de Jesus?
4. …a recompensa terrestre e celestial para aqueles que “abrem mão” de tudo para O seguirem. Acatamos tais ensinamentos?

Como o jovem rico, muitos sacrificam a vida eterna por coisas efêmeras, ao invés de sacrificar coisas efêmeras pela vida eterna.
Como o jovem rico, muitos pensam que sua religião externa, as práticas espirituais corretas e até a obediência, garantirão sua entrada no reino de Deus. Jesus mostra que é preciso segui-lO diariamente, pois sem Ele até a melhor pessoa é impossível salvar-se.

Os fariseus intentaram atrapalhar a multidão de seguir a Jesus e crer em Seus ensinamentos. Hoje muitos líderes eclesiásticos fazem a mesma coisa.
• Seguiremos a Jesus em tudo o que Ele orientar, ou daremos ouvidos a líderes espirituais cegos, orgulhosos e presos em seus emaranhados conceitos?

Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



MATEUS 18 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
16 de maio de 2021, 1:00
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO MATEUS 18Primeiro leia a Bíblia

MATEUS 18 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

MATEUS 18 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

Acesse os comentários em vídeo em nosso canal do Youtube

(pastores Adolfo, Valdeci, Weverton, Ronaldo e Michelson)



MATEUS 18 by Jobson Santos
16 de maio de 2021, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/mt/18

Se pudermos abraçar uma visão descomplicada, organizada e infantil das prioridades da vida, seremos muito mais capazes de abraçar as coisas de Deus. Este não é um chamado à infantilidade, mas um convite a uma simplicidade semelhante à de Cristo frequentemente vista em crianças pequenas. Para muitos de nós, a vida é muito ocupada, uma luta diária apressada. Jesus nos exorta a retornar a uma vida muito mais simples e não afetada de confiança, inocência, obediência e contentamento.

Você está encorajando seu cônjuge, filhos, amigos, outros membros da igreja a misturar lealdade a Deus com os prazeres deste mundo? Que coisa terrível será no dia do julgamento se você contribuiu para a perda espiritual de uma pessoa. Se você está em uma posição de liderança, os riscos e a responsabilidade de enganar os outros são ainda maiores.

Um querido amigo me disse que quando Jesus falou sobre perdoar os outros “setenta vezes sete”, Ele estava falando de uma atitude contínua de disposição para perdoar. Quando consideramos o número de vezes que Deus está disposto a perdoar, devemos apresentar espírito de perdão para com os outros.

Leo Van Dolson, Jr.
Califórnia, EUA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1193
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



MATEUS 18 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
16 de maio de 2021, 0:50
Filed under: Sem categoria

1704 palavras

[Nota: O Comentário Bíblico Adventista deixa muito claro que em todo o capítulo 18, Jesus responde à pergunta: “Quem é o maior?” Em resumo, a resposta é: aquele que é capaz de perdoar de coração, como uma criança…]

1-35 Este capítulo é o quarto dos cinco grandes discursos, em Mateus. Bíblia de Genebra.

1 Naquela hora. Esta instrução foi dada no mesmo dia em que ocorreu o incidente sobre o tributo no templo. … A discussão entre os discípulos … atingiu o clímax no momento em que o grupo entrou em Cafarnaum. A referência de Jesus sobre ir novamente a Jerusalém (ver Mt 16:21), de onde Ele tinha estado ausente por quase um ano e meio (ver com. de Jo 7:2), tinha reavivado no coração dos discípulos esperanças equivocadas … de que havia chegado o tempo de Jesus estabelecer Seu reino. … Todo o discurso [cap 18] pode muito bem ser intitulado: “Como lidar com as diferenças de opinião e conflitos que surgem na igreja”. O grande problema que tornou necessário o discurso foi um grave choque de personalidades entre os doze. Era necessário resolver isso para que a unidade do grupo fosse preservada. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 469.

Quem … é o maior? Os discípulos se consideravam os mais altos oficiais do reino. No reino da própria imaginação, a posição ocupava o primeiro lugar, fazendo-os esquecer o que Jesus lhes dissera sobre o sofrimento e a morte. A opinião preconcebida efetivamente isolava a mente contra a verdade. CBASD, vol. 5, p. 470.

3 Este não é um chamado para ser “infantil”. Era deste modo que os discípulos estavam agindo em sua disputa para ser o maior. O chamado de Jesus é para ser “como uma criança” – desenvolver a humildade, inocência e dependência que é facilmente encontrada nas crianças. Andrews Study Bible.

6 fizer tropeçar. Aqui, Jesus Se refere principalmente a qualquer coisa que possa causar desunião entre os irmãos. Paulo admoesta os cristãos maduros a não fazer nada que leve um cristão imaturo a tropeçar (1Co 8:9-13). CBASD, vol. 5, p. 470.

pedra de moinho. Do gr. mulos onikus, literalmente, “uma pedra de moinho de jumento”, isto é, uma pedra tão grande que era necessário um jumento para movê-la. CBASD, vol. 5, p. 470.

Isto é, pedra de moinho girada por jumento – bem maior e mais pesada que as pequenas (24.41), manipuladas pelas mulheres todas as manhãs em casa [24.41]. Bíblia de Estudo NVI Vida.

8 corta-o. Jesus não está sendo literal aqui. Ele está enfatizando a seriedade de fazer com que um irmão fraco se extravie. Infelizmente, alguns cristãos através dos séculos entenderam literalmente este ensino de Jesus e se mutilaram, no que consideraram ser uma obediência à instrução de Jesus neste verso e em outros similares (5:29; 19:12). O exemplo mais famoso foi Orígenes, o pai da igreja do terceiro século, que se castrou por causa de seus pensamentos lascivos [de forte desejo sexual].  Andrews Study Bible.

10 A referência aos pequeninos pode ser tanto à criança quanto aos neófitos da fé. O escândalo e o desprezo a estes novos teria efeito negativo no exemplo ou ensino, afastando-os da fé. Bíblia Shedd.

12-14 A parábola da ovelha perdida também se acha em Lc 15.3-7. Ali se aplica aos incrédulos, mas aqui aos crentes. Jesus usou a mesma parábola para ensinar verdades diferentes em situações diferentes. Bíblia de Estudo NVI Vida.

12 indo procurar. A salvação consiste não na busca do homem por Deus, mas na busca de Deus pelo homem. O raciocínio humano vê na religião nada mais do que tentativas humanas de encontrar paz e resolver o mistério da existência, encontrar uma solução para as dificuldades e incertezas da vida. É verdade que no fundo do coração humano há um desejo dessas coisas, mas o ser humano, por si só, nunca pode encontrar a Deus. A glória da religião cristã é que ela conhece um Deus que tanto Se preocupa com o ser humano que deixou tudo a fim de “buscar e salvar o perdido” (Lc 19:10). CBASD, vol. 5, p. 472.

a que se extraviou. Do gr. planao, “desviar-se”, “vagar” ou “levar ao erro”. Nossa palavra “planeta” vem da palavra grega relacionada planetes, que significa “errantes” (ver Jd 13). Os planetas do sistema solar receberam esse nome porque parecem vagar sem rumo [em suas órbitas em torno do Sol], entre as estrelas aparentemente “fixas”. CBASD, vol. 5, p. 472.

15 pecar. Evidentemente, o “irmão” que “erra” é o mesmo que a “ovelha” que “se extraviou”. CBASD, vol. 5, p. 472.

mostre-lhe o erro (NVI). Esta é mais do que uma advertência sábia, é um mandamento. “Somos tão responsáveis pelos males que poderíamos haver reprimido, como se fôssemos nós mesmos culpados da ação” (DTN, 441). CBASD, vol. 5, p. 472.

entre ti e ele só. Fazer circular relatos sobre o que “teu irmão” possa ter feito tornará mais difícil, talvez mesmo impossível, chegar até ele. Aqui, talvez mais do que em qualquer outro aspecto das relações interpessoais, é nosso privilégio aplicar a regra de ouro … Quanto menos publicidade for dada a um ato errôneo, melhor. CBASD, vol. 5, p. 472.

ganhaste teu irmão. Alguém já disse que a melhor forma de nos desfazer de nossos inimigos é fazer deles nossos amigos. CBASD, vol. 5, p. 472.

Estes três estágios para tratar com o cristão em pecado constituem o coração de toda disciplina eclesiástica. O objetivo é levar ao arrependimento, enquanto procura reduzir a consciência pública do referido pecado ao mínimo. Em hipótese alguma deve este assunto ser propagado ao mundo em geral. Bíblia de Genebra.

16 uma ou duas pessoas. Estas “mais uma ou duas pessoas” não estão pessoalmente envolvidas, portanto estão em posição melhor para expressar uma opinião imparcial e aconselhar o irmão ofensor. CBASD, vol. 5, p. 472.

17 considera-o como gentio ou publicano. Caso haja desrespeito à igreja, o culpado deve ser excluído da comunhão e tratado como a um pagão (o que não deixa de estar dentro do objetivo do amor). Bíblia Shedd.

pagão (NVI). Para os judeus, significava qualquer tipo de gentio. Bíblia de Estudo NVI Vida.

A sociedade judaica geralmente não se socializava com gentios ou coletores de impostos. A remoção do corpo de membros da igreja é o primeiro passo no processo que visa trazer pessoas ao arrependimento e reconciliação. … Contudo, os termos usados por Jesus nos lembram do Seu exemplo ao tratar com pecadores e coletores de impostos (9:9-11; 11:19). Seu cuidado amoroso e perdão demonstram como a igreja deveria tratar aqueles que estão desligados, buscando a restauração definitiva de todos os pecadores. Andrews Study Bible.

19-20 Estes versículos devem ser tomados no seu contexto mais amplo, como tratando ainda da disciplina na igreja. Bíblia de Genebra.

20 A declaração de Mt 18:20, é claro, é verdadeira em sentido geral, embora, no contexto do capítulo (v. 16-19) se refira principalmente à igreja em sua capacidade oficial de lidar com um membro ofensor. CBASD, vol. 5, p. 473.

A congregação que se reúne em nome de Cristo é a que O tem em seu meio. Bíblia Shedd.

21 até sete vezes? Pedro quis ser generoso, pois as tradições dos rabinos falavam em perdoar até três vezes. A resposta de Jesus, tomando-se em consideração o que Pedro disse, significa que o espírito de perdão vai muito além dos mesquinhos cálculos humanos. Bíblia Shedd.

O perdão, seja da parte de Deus, seja da parte do homem, é muito mais do que um ato judicial, é a restauração da paz onde havia conflito (cf. Rm 5:1). mas o perdão vai além e envolve o esforço de restaurar o próprio irmão que erra. CBASD, vol. 5, p. 474.

22 até setenta vezes sete. Se o espírito de perdão age no coração, a pessoa está tão pronta a perdoar aquele que se arrepende pela oitava vez como na primeira vez, tão pronta a perdoar na 491ª vez como na oitava. O verdadeiro perdão não se limita a números; além disso, não é o ato [do perdão] que importa, mas o espírito que precede o ato. CBASD, vol. 5, p. 474.

23-25 A parábola do credor sem compaixão ensina a Pedro o motivo pelo qual deve-se perdoar sem limites. Deus perdoou-nos tanta coisa ao nos conceder o dom gratuito da Salvação em Cristo, que qualquer ofensa que outro ser humano possa praticar contra nós é irrisória em comparação a isto. Perdoá-lo seria o mínimo que poderíamos fazer, refletindo, assim, algo da bondade divina que tem sido derramada em nossas vidas (6.14, 15). Bíblia Shedd.

24 dez mil talentos. Um talento era a mais alta medida monetária da moeda corrente, e era equivalente a seis mil denários ou dracmas. … Uma tal soma de dinheiro era praticamente incontável e ilustra a enorme dívida do pecado em que todos temos incorrido diante de Deus. Bíblia de Genebra.

Cerca de 215 toneladas de prata, o suficiente para contratar 10 mil trabalhadores por 18 anos. CBASD, vol. 5, p. 474.

Cerca de 60 milhões de vezes o salário de um dia de um trabalhador. Andrews Study Bible.

O verdadeiro perdão: 1) Cristo ensinou-nos a perdoar sempre; 2) Isto refere-se especialmente a ofensas praticadas contra nós mesmos; 3) Pelo fato de também sermos pecadores, não nos compete julgar com demasiado rigor às faltas do nosso próximo; 4) Deus, finalmente, julgará a todos segundo Sua reta justiça: que será de nós se não praticarmos misericórdia? (Tg 2.13). Bíblia Shedd.

28 cem denários. Cerca de 100 vezes o salário de um dia de um trabalhador. Andrews Study Bible.

35 perdoar. O ensino principal da parábola. Bíblia de Estudo NVI Vida.

do íntimo. O problema na pergunta de Pedro … foi que o tipo de perdão a que ele se referia não era do coração, mas, sim, um tipo mecânico e legalista de “perdão”, com base no conceito de obtenção de justiça pelas obras. Como foi difícil para Pedro entender o novo conceito de obediência do coração, motivada pelo amor a Deus e aos seus semelhantes! Isso completa a resposta de Jesus à pergunta de Pedro (v. 21), resposta que também trata indiretamente da pergunta: “Quem é o maior no reino dos céus? (v. 1). O “maior” é simplesmente aquele que, “de coração”, reflete sobre a misericórdia do Pai celestial e que faz “o mesmo” em relação a seus semelhantes. … As palavras de perdão, por mais importantes que sejam, não são de primordial importância aos olhos de Deus. Pelo contrário, é a atitude de coração que dá às palavras a plenitude de sentido que, de outra forma, lhes faltaria. A aparência de perdão, motivada por circunstâncias ou por objetivos escusos, pode enganar aquele a quem é atribuída, mas não Aquele que vê o coração (1Sm 16:7). O perdão sincero é um aspecto importante da perfeição cristã. CBASD, vol. 5, p. 475, 476.



MATEUS 18 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
16 de maio de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus” (v.3).

A pergunta que não calava no coração dos discípulos era esta: “Quem é, porventura, o maior no reino dos céus?” (v.1). O desejo por assumir um lugar de destaque no reino de Cristo, certamente inquietava-os e foi o principal motivo de discussão entre eles durante os três anos e meio em que andaram com Jesus, mesmo diante da resposta que deveria ter sido suficiente para encerrar este assunto. “Chamando uma criança” (v.2), Jesus declarou, em outras palavras, a Sua primeira fala no sermão da montanha: “Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus” (Mt.5:3). Jesus não se referiu à imaturidade de uma criança, mas a humildade em reconhecer que necessita de ajuda, que não consegue andar sozinha.

Cristo foi além, e despertou Seus discípulos à responsabilidade de jamais servirem de pedra de tropeço aos Seus pequeninos. Como crianças de Jesus, Ele espera que vivamos em conformidade com os Seus ensinos e busquemos a comunhão do Espírito. Como pecadores, não estamos livres de falhar, contudo, Ele nos deixou escrito o caminho por onde devemos andar e espera que estejamos sempre dispostos a dEle aprender, com humildade e inteireza de coração. Aquele que nos chamou “das trevas para a Sua maravilhosa luz” (1Pe.2:9), espera que vivamos de forma digna ao nosso chamado.

Os anjos que assistem à presença de Deus face a face, são os que têm cuidado e guardado os pequeninos de Deus para a salvação, como está escrito: “Não são todos eles espíritos ministradores, enviados para serviço a favor dos que hão de herdar a salvação?” (Hb.1:14). Deus não deseja perder um pequenino sequer de Seu redil e vai em busca daquele que porventura tenha se extraviado. Mas Ele também nos chamou à responsabilidade de cuidarmos uns dos outros e de como agir em situações de conflito. Vejamos a ordem estabelecida por Jesus para tentar sanar um conflito entre irmãos:

1. “Vai argui-lo entre ti e ele só” (v.15). Ou seja, não divulgue o pecado do seu irmão, mas vai falar com ele em particular;
2. Se caso ele “não te ouvir, toma ainda contigo uma ou duas pessoas” (v.16) para que fique provado o seu desejo pela paz;
3. “Se ele não os atender, dize-o à igreja” (v.17).

Quando eu era criança, lembro-me do costume que havia em estar “de bem” ou “de mal” de algum coleguinha. Mas também me lembro de como era curto o intervalo entre um “tô de mal” e uma nova brincadeira. As crianças são rápidas para perdoar e resolvem seus atritos com facilidade, enquanto nós adultos, “maduros”, estabelecemos uma linha divisória entre nós e aqueles que não perdoamos. O nosso maior problema não é ter que conviver com eles, mas com os maus sentimentos que permitimos tomar conta de nosso coração. Observem que o verso que todos usamos para afirmar que Jesus está no meio de nós, está dentro do contexto do perdão: “Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em Meu nome, ali estou no meio deles” (v.20).

Muitos há que pensam estar reunidos em nome de Jesus, enquanto conservam um coração governado pelo orgulho e pela soberba. A pergunta de Pedro e sua tentativa de parecer mais misericordioso do que os outros com a “perfeita” quantidade de perdões, foi subjugada pelo Matemático do amor com “setenta vezes sete” (v.22). Não há como ser levado a sério como cristão se o amor e o perdão não fizerem parte de nossa vida. Ambos são dons de Deus que precisamos pedir todos os dias. “Se do íntimo” (v.35), não vivermos o perdão, estamos nós mesmos amarrando ao nosso pescoço “uma grande pedra de moinho” (v.6).

Amados, todos temos uma conta que, por nossos próprios esforços, seria impagável. Mas Jesus assumiu a nossa dívida e decidiu nos perdoar. Qual será, pois, a nossa reação diante de tão grande sacrifício e amor? Sufocar aqueles que nos fizeram mal pelo ódio, ou lançar-lhes um lindo sorriso da criança que permitimos que Jesus nos transformasse? Raiva ou compaixão? Ódio ou amor? A sua reação é o que define para onde você está indo. Lembre-se: aquele que não se tornar como criança, jamais entrará no reino dos céus (v.3). Vigiemos e oremos!

Feliz semana, crianças de Jesus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Mateus18 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



MATEUS 18 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
16 de maio de 2021, 0:40
Filed under: Sem categoria

MATEUS 18 – Este belo capítulo bíblico, de onde o livro supracitado foi baseado, oferece-nos os seguintes pontos:

1. Ninguém deve almejar ser grande no reino dos Céus; quem quiser entrar tem que ser pequeno, humilde, receptível, amável, educado e servo. Quem é briguento, autoritário, mandão, orgulhosos, cheio de si, que humilha, despreza e diminui ao próximo, deveria conscientizar-se que é melhor morto do que vivo (vs. 1-10).

2. A sabedoria de Cristo é incomparável. Todos os seres humanos têm defeitos e falham e se perdem constantemente (vs. 10-14). Talvez o maior defeito de alguns é não ter olhos para seus defeitos porque se perdem observando e divulgando o defeito alheio. Mas, o que fazer quando alguém erra?
• Fale diretamente com quem errou, não de quem errou (v. 15);
• Se não resolver, leve reforço para resolver (v. 16);
• Se ainda não resolver, leve o caso para a igreja para buscar a solução (v. 17);
• Depois de tudo, se o problema persistir, considere o errado como gentio, desligado do reino de Deus (vs. 17-19).
• Conte com a presença de Cristo para toda reconciliação (v. 20).
• Perdoe com a motivação que Deus coloca no coração, pois há certos problemas que só o perdão é solução (vs. 21-22).

É o coração duro, egoísta, cauterizado pelo pecado que não perdoa; quem foi perdoado e restaurado, está convertido, este perdoa como Cristo O perdoou.

Sabendo que haveria dificuldades nos relacionamentos, inclusive na igreja, Deus inventou o perdão para que nenhum problema ficasse sem solução. Só aquele que acha que tem mais sabedoria que Deus usará seus próprios recursos para resolver dilemas dos seus relacionamentos – quanta tolice!

Jesus revela as consequências de não perdoar numa poderosa parábola (vs. 23-35). Leia-a, perdoe, ofereça graciosamente o perdão e reaviva-te!

O pastor Jonas Arrais escreveu um livro que todo cristão deveria ler, mas o líder espiritual deveria devorá-lo. O título do livro é: “Uma igreja positiva em um mundo negativo”.

Um dos pensamentos do livro, que trata de Mateus 18, diz: “A igreja nunca poderia – nem deveria – ser um lugar em que o aspecto negativo pudesse reinar livremente. Ao contrário, a igreja deve ser um lugar em que o adorador abatido possa encontrar descanso e restauração, um oásis positivo num mundo negativo”. Procure-o! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: