Reavivados por Sua Palavra


ZACARIAS 11 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
21 de abril de 2021, 1:10
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO ZACARIAS 11 – Primeiro leia a Bíblia

ZACARIAS 11 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

ZACARIAS 11 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

COM. VÍDEO PR. ADOLFO SUÁREZ (link externo)

COM. VÍDEO PR. VALDECI JÚNIOR (link externo)

COM. VÍDEO PR WEVERTON CASTRO E EQUIPE (link externo)

COM. VÍDEO PR RONALDO DE OLIVEIRA (link externo)

COM. VÍDEO PR MICHELSON BORGES (link externo)



ZACARIAS 11 by Jobson Santos
21 de abril de 2021, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/zc/11

Este capítulo é uma descrição profética da frustração que Deus tem com Seu povo. Apesar do fato de Deus tê-los resgatado da escravidão no Egito, eles O ignoravam e desrespeitavam repetidamente. No entanto, embora abusem de Sua paciência, Ele não desiste.

As ovelhas se afastaram de Deus, por isso Ele as entregou às nações vizinhas, que as exploraram como uma fonte de riquezas. Deus tenta guiá-los com dois cajados chamados Favor e União, mas o rebanho não quer ser pastoreado. Até que finalmente, Deus os entrega às consequências de suas ações e interrompe o Favor.

Deus lhes pede que pelo menos paguem algo pelo que Ele lhes fez mas, inacreditavelmente, eles tratam a Deus como se estivesse abaixo deles e pagam a quantia ofensiva de trinta moedas de prata – o preço de um escravo. Deus rejeita a quantia e ordena que a destinem ao oleiro, o que foi uma figura da traição de Cristo e da compra de um terreno, inútil para qualquer coisa senão um lugar para enterrar os mortos indigentes.

Depois disso, chega um pastor cruel que não ajuda as ovelhas em nada, mas sadicamente mutila e come as ovelhas e, no final do capítulo, Deus amaldiçoa tal pastor e dele retira o poder. Apesar da rejeição, Deus ainda está lá,  interessado no bem estar do seu povo!

Michael Peabody
Advogado e blogueiro de Religiouslibertytv.org
Los Angeles, Califórnia, EUA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1168
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



ZACARIAS 11 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
21 de abril de 2021, 0:50
Filed under: Sem categoria

717 palavras

1 Abre … as tuas portas. Dois pontos de vista principais têm sido sustentados: (1) A passagem é uma profecia do castigo que cairia sobre os judeus por causa da rejeição da liderança de Deus, especialmente do Messias. (2) A passagem é uma revisão da história passada de Israel, colocada em forma e parábola para alertá-lo sobre o que a transgressão futura lhe traria. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 1221.

Cedros. As invasões geralmente eram acompanhadas da destruição arbitrária de madeira valiosa. CBASD, vol. 4, p. 1221.

2 Neste versículo, o cedro, o abeto (cipreste) e o carvalho são possivelmente usados metaforicamente para líderes proeminentes ou para as próprias nações. CBASD, vol. 4, p. 1221.

4-17 Em uma parábola muito difícil de se interpretar, o profeta se envolve em uma alegoria sobre a liderança do povo. As ovelhas (o povo de Israel) são julgadas por Deus, maltratadas por seus líderes e umas pelas outras (v. 4-6). em seguida, elas rejeitam o bom pastor (v. 7-14), que é substituído por um pastor insensato (v. 15-17). Bíblia de Estudo Andrews.

4 Apascenta. Deus ordena o profeta, como Seu representante, a cuidar de Seu povo. CBASD, vol. 4, p. 1221.

5 Aqueles que as compram. Isto é, os maus pastores do v. 3, que traficavam as ovelhas e ainda tinham a audácia de bendizer ao Senhor pela fortuna adquirida dessa forma (v. 5). Cegados pelo próprio interesse, eles não se consideravam culpados quando pecaminosamente maltratavam o rebanho. CBASD, vol. 4, p. 1221.

7 Graça. Visto que a quebra da vara representa a quebra da aliança (Zc 11:10), a vara pode ser considerada um símbolo da aliança. CBASD, vol. 4, p. 1221.

A graça representa o cuidado gracioso de Deus por seu povo. Bíblia de Estudo Andrews.

União. Ou, “laços” (ARC). Do heb. chovelim, relacionada à palavra chevel, que significa “cabo” ou “corda”, e adequadamente representa a “união”. De acordo com o v. 14, esta vara representava a fraternidade entre Judá e Israel. … As duas varas simbolizavam os graciosos propósitos de Deus com relação ao Seu povo. CBASD, vol. 4, p. 1222.

Esta vara representa a união do reino do norte, Israel, com o reino do sul, Judá (Ez 37:15-23). Bíblia de Estudo Andrews.

8 Três pastores. Não é possível, com segurança, aplicar a frase a funções ou indivíduos específicos. Parece melhor entender o texto no ensino geral: a saber, que Deus livrou Seu povo de toda a oposição e da liderança opressora. Ele fez todo o possível para que Seus planos com relação a Israel tivessem êxito (ver com. de Is 5:4; Zc 10:3). CBASD, vol. 4, p. 1222.

Já foram oferecidas mais de 40 interpretações para os “três pastores”, muitas delas identificando-os com três figuras históricas específicas. O que se pode dizer com toda certeza é que representam líderes maus. Bíblia de Estudo Andrews.

9 Não vos apascentarei. Deus tomou esta atitude quando o povo recusou Sua liderança de forma persistente (ver 2Rs 18:12; 2Cr 36:14-16). CBASD, vol. 4, p. 1222.

10 Tomei a vara chamada Graça e a quebrei. Este ato simbólico representa a quebra da aliança. CBASD, vol. 4, p. 1222.

12 Dai-me o meu salário. Falando pela pessoa do Pastor principal, Zacarias dirigiu-se a todo o povo israelita, solicitando seu salário. A pergunta destacava a grande ingratidão do povo. O profeta deixou o pagamento de seu salário ao senso de justiça deles. CBASD, vol. 4, p. 1222.

Trinta moedas de prata. Isto é, o siclo [shekel] … ou 342 g … Esta ínfima quantia refletia a ingratidão dos israelitas pelo que Deus tinha feito por eles. Trinta siclos era o preço de um escravo (Êx 21:32). … ( … acerca do cumprimento dos v. 12 e 13 na experiência do Senhor, ver com. de Mt 27:3-10). CBASD, vol. 4, p. 1222.

14 Quebrei. … acerca do rompimento do reino, ver 1Rs 11:26-37; 12:13-20. CBASD, vol. 4, p. 1222.

15-17 Na última parte da alegoria, o profeta assume o papel de um “pastor insensato”, representando um líder moralmente endurecido e perverso, que maltrata o povo. Quando as pessoas rejeitam a liderança escolhida por Deus, recebem o líder que merecem. Bíblia de Estudo Andrews.

15 Toma ainda. Uma vez que o povo rejeitara o Bom pastor, Zacarias é ordenado (ver v. 4) a assumir a função e a tomar os “instrumentos” (ARC) de um pastor insensato (do heb. ‘ewili, “inadequado”, “inútil”). CBASD, vol. 4, p. 1222.

16 Comerá a carne. Uma ilustração simbólica da experiência que sobreveio a Israel quando, por rejeitar a liderança de Deus, se tornou presa de nações hostis.

17 A espada. Uma advertência solene àqueles que assumem a liderança do rebanho, para que não sejam achados infiéis à verdade. CBASD, vol. 4, p. 1222.



ZACARIAS 11 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
21 de abril de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Apascentai, pois, as ovelhas destinadas para a matança, as pobres ovelhas do rebanho. Tomei para mim duas varas: a uma chamei Graça, e à outra, União; e apascentei as ovelhas” (v.7).

Considerada uma das ocupações mais antigas da humanidade, o pastoreio de animais requer certas características necessárias para a segurança e bem-estar do rebanho, principalmente quando se trata de um rebanho de ovelhas. A mansidão e a tranquilidade acalmam as ovelhas e criam um vínculo de confiança entre estas e o pastor. Ao mesmo tempo em que a firmeza e a autoridade do pastor refreiam as mais difíceis de lidar e estabelecem limites ao rebanho. Também se requer coragem e força a fim de defendê-las dos predadores, e da imprescindível característica: a vigilância. Um bom pastor está sempre atento, tanto às necessidades do seu rebanho quanto à preservação da sua segurança.

A parábola do bom pastor foi tão bem compreendida pelo profeta que sua linguagem passou de “Assim diz o Senhor dos Exércitos”, para “Assim diz o Senhor, meu Deus” (v.4). Zacarias experimentou a doce comunhão pessoal com o bom Pastor e nEle encontrou tudo de que precisava. Como Davi, esta era a canção de seu coração: “O Senhor é o meu pastor; nada me faltará” (Sl.23:1). Em seu ministério profético, buscou cumprir sua missão por preceito e por exemplo, conduzindo o povo com as varas da Graça e da União (v.7). A vara tinha o objetivo principal de disciplina. Foi com a experiência de sua primeira ocupação que Davi descreveu a finalidade desta disciplina: “a Tua vara e o Teu cajado me consolam” (Sl.23:4). A correção, portanto, tem o viés não de punição, mas de trazer de volta para si, livrando “as pobres ovelhas do rebanho” (v.7) dos perigos e da morte.

Foi nesse contexto de “ovelhas destinadas para a matança” (v.4, 7), que Zacarias assumiu a função pastoral dada por Deus de conduzir o povo de volta para Ele. Foi com uma vara de pastor na mão que Moisés liderou Israel do Egito para o deserto. Quando recebeu das mãos do Senhor as tábuas da Lei e desceu do monte com esse segundo instrumento de ordem, vendo a impiedade do povo, quebrou as tábuas em sinal da quebra da aliança por parte de Israel (Êx.32:19). Ao rejeitarem a boa liderança de Zacarias a fim de viverem como quisessem, Judá e Israel endureceram o coração sob a liderança insensata de homens alheios ao seu bem-estar e segurança, de forma que algo parecido à experiência do Sinai aconteceu: “Tomei a vara chamada Graça e a quebrei, para anular a Minha aliança […] Então, quebrei a segunda vara, chamada União” (v.10, 14).

Jesus veio primeira vez a fim de apascentar “as ovelhas destinadas para a matança, as pobres ovelhas do rebanho” (v.7). Com as varas da Graça e da União, Sua vida arrebanhava multidões ao Seu encontro; pessoas que reconheciam nEle o que faltava nos mestres da Lei, “porque Ele as ensinava como quem tem autoridade e não como os escribas” (Mt.7:29). Essa autoridade representava o discurso de Sua própria vida. Seu olhar, Suas palavras e Seu toque eram típicos de um pastor que ama as suas ovelhas. Zacarias foi um dos últimos profetas no meio do povo antes de um silêncio de praticamente 400 anos até o nascimento do Messias. E ele sabia que aquela geração representava uma das últimas oportunidades dadas à nação eleita de se arrepender e buscar transmitir às gerações seguintes as palavras do Senhor, que faria da chegada do Messias um dia de celebração para todo o Israel e até mesmo para todo o mundo.

Infelizmente, o povo desprezou a palavra profética e, de todos, apenas uns poucos pastores foram testemunhas oculares do cumprimento da profecia do Rei menino (Lc.2:16). Trinta moedas de prata (v.12) foi o valor dado pela vida dAquele que veio para dar vida eterna aos que estavam destinados “para a matança” (v.4). Em um rompante de remorso, Judas lançou aquelas moedas “na Casa do Senhor” (v.13), cumprindo com precisão a Escritura, segundo as profecias de Jeremias e de Zacarias: “Então, Judas, atirando para o santuário as moedas de prata, retirou-se e foi enforcar-se […] e as deram pelo campo do oleiro” (Mt.27:5, 10). Com as varas da Graça e da União, Jesus nos deixou registradas palavras que precisam nos guiar enquanto ainda estamos andando “no vale da sombra da morte” que é este mundo tenebroso (Sl.23:4). Leia João 10:1-18 e, como Zacarias e Davi, perceba ali as palavras do Senhor, seu Deus, o seu bom Pastor.

Como Jesus interrogou a Pedro, Ele nos faz a mesma pergunta, hoje: “[…] tu Me amas?”. Ele não espera de nós simplesmente uma resposta em palavras, mas em atitudes: “Apascenta as Minhas ovelhas” (Jo.21:17). Não foi fácil para Zacarias e para os demais profetas lidar com um povo duro de coração, mas a recompensa deles era a constante companhia e aprovação de Deus e a certeza de que nem a morte poderia separá-los do amor de seu bom Pastor (Rm.8:38, 39). Da mesma forma, Ele nos convida a segui-Lo e, em Suas pisaduras, encontrarmos tudo de que necessitamos para viver nesta Terra conforme a Sua vontade, enquanto conduzimos outros pelo mesmo reto Caminho (Jo.14:6).

Oh, amados, como ovelhas destinadas à morte recebemos do Céu Aquele que Se fez ovelha e foi levado ao matadouro em nosso lugar (Is.53:7)! Que pela graça de Jesus e pela união do Espírito Santo, façamos parte do rebanho que, muito em breve, reconhecerá a voz do bom Pastor a nos chamar: “Vinde, benditos de Meu Pai!” (Mt.25:34). Vigiemos e oremos!

Bom dia, ovelhas do bom Pastor!

* Oremos para que sejamos ovelhas de Jesus ajudando umas às outras na jornada para o eterno aprisco.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Zacarias11 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



ZACARIAS 11 – COMENTARIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
21 de abril de 2021, 0:40
Filed under: Sem categoria

ZACARIAS 11 – Você sabia que muitos líderes religiosos de muitas denominações proíbem os membros de sua igreja de conhecerem verdadeiramente a Bíblia?

Sabe por quê? Quem estuda a Bíblia descobre a verdade e abandona as religiões falsas e líderes enganadores. Em contrapartida, Deus quer que você conheça bem Sua Palavra.

Deus chama a atenção do pastor com uma mensagem de exortação. Ser pastor é um grande privilégio, contudo a responsabilidade é grande também. Muitos possuem uma visão deturpada do pastorear devido aos falsos pastores que mais exploram do que pastoreiam a congregação.
• Estes terão de prestar contas a Deus.

O pastor fiel a Deus não se preocupa com aquilo que os outros pensam, mas com aquilo que Deus quer. Deus quer encorajar, cuidar, guiar, orientar, examinar, corrigir, amparar, proteger, prover, disciplinar, consolar e amar as ovelhas do rebanho do Senhor através de Seus pastores.
• Estes são Seus representantes, guiados pelo Espírito.

Sabe qual é o problema disso tudo? (vs. 1-17)
1. Da mesma forma que Israel rejeitou o bom pastor como profetizado por Zacarias, muitos religiosos rejeitam aos verdadeiros pastores enviados por Deus.
2. As pessoas que se dizem religiosas rejeitam a Jesus ao rejeitarem aos pastores enviados por Ele.
3. Assim como Judas vendeu Jesus por trinta moedas de pratas – preço de um escravo –, tem muitos que não dão a mínima para os servos de Cristo que cumprem cabalmente Seu ministério.

O resultado? O Deus que quebrou os três falsos pastores revelará o verdadeiro caráter dos falsos religiosos que rejeitam aos verdadeiros pastores.

Zacarias deixou-nos uma poderosa mensagem: Todos nós como servos do Bom Pastor Jesus devemos representar bem Seu caráter ao mundo.
• Devemos aprender com Zacarias!

Zacarias “tornou-se um tipo do Messias, o qual foi maltratado e rejeitado por aqueles a quem veio salvar. A ação de Zacarias simbolizava a tentativa final de Deus para restaurar Seu povo desobediente” (Philip G. Samaan).

Deus sente tristeza quando alguém rejeita um pastor que Ele enviou da mesma forma como fosse a rejeição de Seu próprio Filho. Certamente que aquele que rejeita mensageiros de Deus revelará atitude repulsiva de rejeição ao Salvador.

O contrário também é verdade. Aceitar os mensageiros de Deus é um preparo para aceitar o Messias de Deus! Reflita e reaviva-te! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: