Reavivados por Sua Palavra


PROVÉRBIOS 29 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
30 de julho de 2020, 1:10
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO PROVÉRBIOS 29 – Primeiro leia a Bíblia

PROVÉRBIOS 29 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

PROVÉRBIOS 29 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO PR. HEBER TOTH ARMÍ

COM. VÍDEO PR ADOLFO SUAREZ (link externo)

COM. VÍDEO PR EVANDRO FÁVERO (link externo)

VÍDEO PR WEVERTON CASTRO E EQUIPE (link externo)

COM. VÍDEO PR VALDECI JÚNIOR(link externo)

COM. VÍDEO PR RONALDO DE OLIVEIRA(link externo)

COM. VÍDEO PR MICHELSON BORGES(link externo)



PROVÉRBIOS 29 by Jobson Santos
30 de julho de 2020, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/pv/29

“O medo da opinião dos homens pode paralisar; a confiança no Eterno o protegerá disso.” (Provérbios 29:25, A Mensagem).

“É perigoso se preocupar com o que os outros pensam de você” (TEV – Today’s English Version).

“Medo e intimidação são uma armadilha que o detém. Mas quando você deposita sua confiança no Senhor, se assentará num alto lugar” (TPT – The Passion Translation).

Colocar a medida de nosso próprio valor nas mãos de outras pessoas, colocar nossa perspectiva à mercê do que os outros pensam de nós é destruir a nossa personalidade dada por Deus e desviar nossa responsabilidade individual. A opinião pública é inconstante. Louva um dia e condena no dia seguinte. Canta “Aleluia!” no Domingo de Ramos e na sexta-feira grita “Crucifica-o!”

“Jesus, porém, não confiava neles, pois conhecia a todos. Ninguém precisava lhe dizer como o ser humano é de fato, pois ele conhecia a natureza humana”. João 2:24,25 NVT

“No coração de Cristo, onde reinava perfeita harmonia com Deus, havia paz perfeita. Nunca Se exaltou por aplauso, nem ficou abatido por censuras ou decepções. Entre as maiores oposições e o mais cruel tratamento, ainda Ele estava de bom ânimo. Mas muitos que professam ser Seus seguidores, têm o coração ansioso e turbado, porque temem confiar-se a Deus. Não Lhe fazem uma entrega completa; pois recuam das conseqüências que essa entrega possa envolver. A menos que o façam, não podem encontrar paz”. {O Desejado de Todas as Nações 229.2}

Quando entregarmos tudo a Ele, confiando nEle, também poderemos encontrar paz e certeza do nosso valor infinito!

Virginia Davidson
Artista – projetista e construtora de vitrais
Spokane Valley, Estado de Washington, EUA.

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=903
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli



PROVÉRBIOS 29 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
30 de julho de 2020, 0:50
Filed under: Sem categoria

1. … A longanimidade de Deus dá aos pecadores um período de graça para se arrependerem de suas maldades. Se continuarem a endurecer a mente e rejeitar o jugo “suave” de Cristo (Mt 11:30), enquanto a misericórdia divina os protege das consequências de seus pecados, a calamidade e a destruição parecerão vir de repente (ver Pv 6:15; 15:10; Jr 19:15; Hb 10:26-30).

2. Quando as pessoas de bem têm a chance de ficar em destaque, todos desfrutam liberdade, sem impedimentos. Isso ocorre em grau ainda maior quando os justos estão no controle (ver Pv 11:10; 28:12, 28).

5. É difícil resistir à bajulação, em especial quando ela vem de alguém próximo (…) muitas pessoas tomam decisões insensatas sob a influência da adulação habilidosa (Pv 26:28; 28:23; Pj, 161, 162).

7. … O justo defende a causa do pobre nos tribunais (ver Jó 29:12, 16), mas o perverso não se importa com quem está certo ou errado no caso.

11. … O sábio espera o temperamento acalmar para só depois apresentar, com calma, seu argumento.

12. O governante que se permite enganar ao favorecer quem tenta agradá-lo com mentiras logo só terá mentirosos o servindo.

14. Para sempre. Caso se refira ao Deus eterno, à nova terra, aos anjos não caídos ou aos redimidos, pode muito bem significar “sem fim”, mas a duração é limitada quando se alude ao ser humano mortal.

15. … A negligência ou o excesso [da vara e da disciplina] de seu uso levam ao fracasso (ver Pv 10:13; 13:24; 23:13).

16. Quando os perversos prosperam, naturalmente relaxam o tom moral de toda a comunidade, mas eles não permanecerão para sempre. Os justos que oram pela restrição da maldade verão a resposta a suas preces (ver Pv 10:13; 13:24; 23:13).

17. O filho disciplinado adequadamente não trará aos pais as ansiedades intermináveis que o filho mimado causa. Em vez disso, proporciona alegria e profunda satisfação, quando eles o veem fazer sozinho as escolhas certas.

18. Lei. Neste caso, a lei compreende toda a vontade revelada de Deus. Em vez da anarquia e da miséria resultantes de todas as ocasiões em que o ser humano faz o que é certo aos próprios olhos (Jz 17:6), há prosperidade e alegria quando a vontade do Senhor é seguida.

21. O escravo. A escravidão doméstica era diferente da escravidão em geral. Às vezes, desenvolviam-se afeição e confiança entre o senhor e o escravo (ver Gn 15:2; Êx 21:5, 6). O servo podia até se transformar em herdeiro. Outro ponto de vista do provérbio é uma advertência contra o favorecimento do servo indigno, que podia envenenar a mente do senhor contra seus próprios filhos. No fim, ele podia conquistar tanta influência sobre o senhor, a ponto de persuadi-lo a deserdar os filhos e deixar a propriedade da família em suas cobiçosas mãos (ver Pv 17:2).

24 Aborrece. O indivíduo que se encontra na companhia de um ladrão corre o risco de ser preso como cúmplice do crime e de perder a vida. Depois de jurar solenemente e revelar o que sabe, o ocultamento da verdade o torna culpado de perjúrio (ver Lv 5:1; Jz 17:2).

25. Teme ao homem. A pessoa que tem tanto medo dos seres humanos a ponto de negligenciar seu dever ou de fazer o que sabe ser errado está colocando em risco a própria salvação. Aquele, porém, que teme ao Senhor está “seguro”, literalmente, “elevado”, portanto, protegido de todos os ataques do inimigo (ver Pv 18:10; Is 51:12; Mt 10:28; Mc 8:38).

27. A antipatia mútua entre o bem e o mal, da qual falou o sábio, se estende a quem pratica maus atos. A pessoa de bem acha impossível permanecer num relacionamento pessoal e íntimo com os perversos, pois seus objetivos, preocupações e padrões são bem diferentes. A menos que rebaixe seus padrões, não conseguirá se sentir confortável na presença deles. O contrário também é verdade (ver Is 53:3; Jo 15:19). A menos que o perverso esteja disposto a deixar o caráter dos justos influenciar sua conduta, ele ficará enfastiado na presença deles. A “abominação” que o justo sente deve ser o ódio à maldade do perverso (ver Sl 139:19-21).

 

Fonte: Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 3, p. 1182-1185.



PROVÉRBIOS 29 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
30 de julho de 2020, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Não havendo profecia, o povo se corrompe; mas o que guarda a lei, esse é feliz” (v.18).

A diversidade dos provérbios atribuídos a Salomão termina com palavras acertadas acerca das escolhas que fazemos. “O homem que ama a sabedoria alegra a seu pai” (v.3) terreno, mas também é motivo de alegria ao seu Pai do Céu. Um caráter íntegro e reto é resultado da humildade de espírito (v.23) e pode gerar duas reações: acolhimento ou rejeição. Da mesma forma as mesmas reações podem ser geradas a partir de um procedimento contrário: “O homem que muitas vezes repreendido endurece a cerviz” (v.1).

Existe uma estratégia maligna atual que tem alcançado milhares de adeptos: o egocentrismo. De forma sorrateira, Satanás iniciou a sua obra no coração de nossos pais a fim de quebrantar a presente geração “sem que haja cura” (v.1). Seu plano de tornar o homem o centro de todas as coisas tem avançado e, apelando à realidade (também provocada por seus meios sórdidos) da fragilidade emocional, a maioria, até mesmo cristã, tem trocado a ajuda do Alto pela autoajuda. Gostar de si mesmo é diferente de tentar encontrar em si mesmo a fonte do contentamento. E por ser impossível achar o que se busca em fonte tão rasa, “não haverá fim” (v.9) nessa procura a menos que aceite o convite do Salvador: “Vinde a Mim” (Mt.11:28).

Os grandes homens do passado tiveram de negar o próprio eu e suas vontades a fim de viver para Deus e de caminhar em Suas veredas. Muitos deles foram perseguidos, oprimidos e até mortos em defesa da verdade que amaram mais do que a própria vida. Isso mesmo. Refiro-me aos profetas, homens e mulheres de Deus que, pelo testemunho das Escrituras, sabemos não terem vivido experiências fáceis. A escolha que fizeram em andar com Deus e fazer disso a razão de sua existência, lhes custou o desprezo da maioria, o descaso dos da própria família e constantes ameaças e perseguições. Foram incompreendidos pelas gerações que deveriam acolhê-los e ouvi-los, “homens dos quais o mundo não era digno” (Hb.11:38); peregrinos que aspiravam “a uma pátria superior, isto é, celestial” (Hb.11:16).

Semelhantemente, pelo infeliz testemunho de seus antepassados, a geração que mais deveria propagar a glória de Deus, foi a mais resistente à divina luz que lhe foi dada. Pois Cristo “veio para o que era Seu, e os Seus não O receberam” (Jo.1:11). “O povo que andava em trevas viu grande luz” (Is.9:2), mas os corações estavam duros demais para aceitá-la. E, despertados pelo mesmo ódio com que seus pais feriram aos profetas de Deus, aborreceram a Jesus e procuraram tirar-Lhe a vida (v.10). Como João Batista foi chamado “para converter o coração dos pais aos filhos, converter os desobedientes à prudência dos justos e habilitar para o Senhor um povo preparado” (Lc.1:17), como adventistas do sétimo dia fomos chamados para a mesma missão nas vésperas do segundo advento de Cristo.

Nossa vida, e não apenas nossas palavras, devem proclamar com intrepidez e santa convicção “as palavras dos profetas, como está escrito” (At.15:15). Assim como Deus enviou os Seus profetas em tempos remotos, podemos confiar de que não fomos deixados sem testemunho. Os escritos de Ellen G. White aliados à sua vida de profunda dedicação à obra de Deus e leal fidelidade ao “assim diz o Senhor”, confirmam o seu chamado profético. Eu lhes peço, meus irmãos, que deixem de lado os preconceitos e as críticas infundadas e provem por si mesmos deste manancial de conhecimento que nos leva para mais perto de Cristo e de Sua Palavra. Lembrem-se: “Não havendo profecia o povo se corrompe; mas o que guarda a lei, esse é feliz” (v.18). Vigiemos e oremos!

Bom dia, felizes em Cristo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Provérbios29 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



PROVÉRBIOS 29 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
30 de julho de 2020, 0:40
Filed under: Sem categoria

PROVÉRBIOS 29 – Nosso cérebro precisa ser desenvolvido a fim de que vivamos com sabedoria neste mundo de loucura. Deus nos deu capacidade e quer que progridamos no caminho da justiça. Não podemos parar nem desviarmo-nos do caminho.

“Um estudante pode consagrar todas as faculdades à aquisição de conhecimento; mas a menos que possua conhecimento de Deus, a menos que obedeça as leis que lhe governam o ser, destruir-se-á. Mediante hábitos errôneos, perde a faculdade de apreciação de si mesmo, perde o domínio próprio […]. Mediante a negligência do cultivo dos princípios justos, arruína-se tanto para este mundo como para o futuro” (Ellen G. White).

Antônio Neves de Mesquita intitula este capítulo de: “Deus e a sociedade humana”; e, logo, o divide em três tópicos:
1. O homem justo é o alvo desta seção (vs. 1-10);
2. Os efeitos de um mau governo (vs. 11-17);
3. Guardar a lei é a certeza da felicidade (vs. 18-27).

Paul R. House observou: “A intenção de Deus ao conceder a revelação é… criar um grupo de indivíduos justos, sábios e fieis. Essas são pessoas corajosas (28.1), vitoriosas (29.6) e pacientes (29.11). Tais traços de caráter criam líderes bons (29.2) que protegem o pobre (29.7), afastam a ira (29.8) e evitam os insensatos (29.9). Deus abençoa sua fidelidade (28.20). Seu caráter obviamente deriva da sua relação com o Senhor e do seu compromisso em obedecer aos padrões claramente revelados de Deus”.

Não é em diplomas das faculdades renomadas, nem na fama ou no dinheiro, nem mesmo nos altos postos políticos que estão as fontes da sabedoria, segurança e esperança. As coisas que realmente importam estão além de qualquer ser humano. “A justiça vem do Senhor” (v. 26).

Deus está acima do mais alto poder humano, Ele julga instituições de julgamento; os grandes juízes do mundo deverão prestar-Lhe contas. Ele é soberano. Sua lei é a que importa, ela é a Lei das leis.
• Qualquer lei diferente da Lei de Deus está fora da lei.
• É impossível viver sabiamente independente de Deus.

Negar a lei de Deus é negar a justiça – que é um ato de loucura. Devemos buscar o favor de Deus, ter como alvo fazer Sua vontade e, pautar nossa vida pelos Seus princípios.

Submeter-nos-emos ao soberano Rei? – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: