Reavivados por Sua Palavra


SALMO 75 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
17 de abril de 2020, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Pois disseste: Hei de aproveitar o tempo determinado; hei de julgar retamente” (v.2).

Já ouviram essa frase: “Deus é amor, mas também é justiça”? Na verdade, ela não faz jus ao que a Bíblia nos ensina. O correto, seria dizer: “Deus é amor e também é justiça”. Esses dois atributos divinos não podem separar-se, mas ligados um ao outro revelam a natureza do caráter de Deus. Foi na força deste dueto indivisível que Jesus viveu nesta Terra e deu à humanidade prova suficiente de Seu amor leal e justiça salvífica.

O amor de Deus tem sido banalizado por ensinamentos com fundamento arenoso. Baseados em suas próprias convicções e visando seus próprios interesses, muitos ministros do engano têm arrebanhado multidões ao apresentar ao mundo um Deus que é somente amor, omitindo o fato de que “Deus é o juiz” (v.7). Desconsiderando a exortação e a repreensão, suas mensagens visam dizer o que as pessoas querem ouvir, e não o que elas precisam ouvir. Há, porém, nesses lugares, muitos fiéis que hão de obedecer ao último chamado de Deus.

Quando estudamos o amor de Deus revelado em Jesus Cristo é como se em nossa cegueira fôssemos recuperando a visão aos poucos, à medida que prosseguimos em conhecê-Lo. O mistério da piedade, até então oculto, foi revelado na cruz, onde o amor prevaleceu, e no túmulo vazio, onde a justiça teve o seu triunfo. “Porquanto Deus enviou o Seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por Ele” (Jo.3:17). E porque o Seu amor foi o perfeito cumprimento da Lei, que Ele voltará para “julgar vivos e mortos” (2Tm.4:1).

O mesmo Deus que ama o pecador e deseja justificá-lo, é Aquele que lhe diz: “vai e não peques mais” (Jo.8:11). Jesus veio como o nosso modelo de fidelidade e obediência. Sua vida estava em completa harmonia com as Escrituras. As acusações dos escribas e fariseus não passavam de uma reação ao conflito que tinham de enfrentar consigo mesmos todas as vezes que se deparavam com o “Maravilhoso Conselheiro” (Is.9:6). Pois “foi do agrado do Senhor, por amor da Sua própria justiça, engrandecer a lei e fazê-la gloriosa” (Is.42:21), a “lei da liberdade” (Tg.2:12), pela qual haveremos de ser julgados.

Também é por amor da Sua própria justiça, que Jesus virá segunda vez. Não mais para beber do cálice que, com rogos, clamou para não beber (Mt.26:39), mas para buscar aqueles pelos quais suportou tamanho mal. Contudo, aos que rejeitaram os apelos divinos e a validade de Sua Lei, beberão “do vinho da cólera de Deus, preparado, sem mistura, do cálice da Sua ira” (Ap.14:10). Este mundo de pecado está quase chegando ao seu “tempo determinado” (v.2), e os ímpios terão de sofrer os resultados de suas más escolhas, “mas a força do justo será exaltada” (v.10). Que, pela graça de Deus, possamos declarar a cada dia até aquele Grande Dia: “Quanto a mim, exultarei para sempre; salmodiarei louvores ao Deus de Jacó” (v.9). Vigiemos e oremos!

Bom dia, justificados pelo amor de Cristo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Salmo75 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: