Reavivados por Sua Palavra


DEUTERONÔMIO 26 by Jobson Santos
9 de abril de 2019, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/deuteronomio/dt-capitulo-26/

Em Deuteronômio 26 encontramos dois temas gerais com os quais Deus quis impressionar os Israelitas, após eles entrarem na terra de Canaã. O primeiro tem a ver com o que Deus fez pelo povo de Israel; o verdadeiro Deus é o Deus que cumpre as promessas a Seus filhos, Ele é o Deus que provê (v.1-3). O segundo tem a ver com a importância de atender às necessidades dos mais desfavorecidos.

A lição é a mesma para nós que vivemos no século XXI. Deus continuamente nos fornece muitas coisas e de maneiras diferentes, não para o propósito de as acumularmos para nós egoisticamente, mas para mostrarmos a mesma misericórdia para com aqueles que tem menos. Essa preocupação pelos outros é tão importante para Deus que é o que fará a diferença entre “as ovelhas” e “os bodes” no último dia (Mt 25: 31-46).

Contudo, a maior bênção que recebemos para compartilhar é o conhecimento do evangelho de Jesus Cristo (1 Coríntios 9:16)!

Cristhian Jonh Álvarez
Professor de Teologia Sistemática
Universidade Adventista da Bolívia

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=425
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



DEUTERONÔMIO 26 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
9 de abril de 2019, 0:55
Filed under: Sem categoria



DEUTERONÔMIO 26 – COMENTÁRIO PR. HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
9 de abril de 2019, 0:45
Filed under: Sem categoria

Existem cristãos de diversos tipos. Se usássemos uma classificação tipo A, B e C… que tipo de cristão seria você?

• Cristão tipo A, seria aquele que aceita a Bíblia inteira como soberana regra de fé e prática, valoriza toda a revelação de Deus e busca poder para viver a altura do padrão por Ele estabelecido.

• Cristão tipo B, nunca leu a Bíblia inteira e não crê que seja relevante no presente toda a revelação de Deus, congrega na igreja esporadicamente e ora de vez em quando.

• Cristão tipo C, passa uma semana sem orar, sem ler a Bíblia e alega estar cansado para ir à igreja, mas continua crendo que é cristão – GRANDE ilusão!

Moisés, exemplo de excelente líder espiritual, desejava implantar no coração de seu povo o mais alto nível de padrão moral. Ele queria que Deus estivesse em primeiro lugar, estivesse sempre acima das…

1. …bênçãos, da prosperidade e da produção das plantações (vs. 1-11);
2. …finanças, dos recursos e dos bens materiais – dinheiro (vs. 12-15);
3. …filosofias que regem a vida humana neste mundo (vs. 16-19).

Neste capítulo, Moisés apresenta ao povo uma ideia do que dizer a Deus ao oferecer-Lhe as primícias das colheitas; além disso, mostra também a declaração e a oração a ser proferida após a entrega do dízimo trienal (O dízimo prescrito neste capítulo refere-se ao dizimo do terceiro ano. Existiam três dízimos no período Teocrático de governo israelita. Não confunda um com outro); e, conclui apelando ao povo a ser íntegro no compromisso com Deus; por duas razões:

• Primeira, porque Deus é Deus, poderoso libertador, gracioso salvador;
• Segunda, pelo compromisso entre o povo e Deus.

A questão financeira é a que mais compromete nosso relacionamento com Deus; precisamos prestar atenção para que nossa religião não seja mera hipocrisia.

Amigo(a)… se Deus não for o primeiro em nosso coração, não restará nenhum espaço para Ele em nossa vida. Se Ele não for o primeiro em tudo, qualquer coisa ocupará o lugar do Autor da vida tornando-se ídolo que nos levará à morte.

Se não somos exclusivamente do Senhor, não somos nada dEle. Assim como ninguém quer um cônjuge que se entrega pela metade – um compromisso superficial –, Deus também anseia por relacionamento especial.

“Senhor, reaviva-nos!” – Heber Toth Armí



DEUTERONÔMIO 26 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
9 de abril de 2019, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Hoje, o Senhor, teu Deus, te manda cumprir estes estatutos e juízos; guarda-os, pois, e cumpre-os de todo o teu coração e de toda a tua alma” (v.16).


O tema dos dízimos e ofertas conforme a Palavra de Deus, traz consigo uma abordagem muito diferente das inúmeras que têm surgido no meio evangélico. Apesar da promessa do Senhor em levar o Seu povo para uma terra próspera, Seu real objetivo visava protegê-lo da apostasia e torná-lo uma nação santa. A devolução dos dízimos e das ofertas deveria ser um ato de adoração e de gratidão, reconhecendo que fora o Senhor que os levara para aquela terra.

Desde a construção do santuário, Deus fora enfático em declarar que deveria ofertar “cada um, de coração disposto, voluntariamente” (Êx.35:5). Este é o princípio que deve mover o coração do adorador: “Alegrar-te-ás por todo o bem que o Senhor, teu Deus, te tem dado a ti e a tua casa” (v.11). Assim como Israel levara a Moisés e Arão muito mais do que o necessário para construir o tabernáculo, quando levamos ao Senhor parte de nossa renda, ela deve corresponder à oferta de um coração grato e feliz em fazer parte da família de Deus.

Quantas vezes não ignoramos ou negligenciamos este tema pelo preconceito formado a partir das impressões erradas que líderes religiosos têm causado. Mas quando o compreendemos conforme a ótica divina, percebemos que as bênçãos prometidas para todo aquele que é fiel nem sempre redundará em riqueza, mas sempre em contentamento: “não me dês nem a pobreza nem a riqueza; dá-me o pão que me for necessário; para não suceder que, estando eu farto, te negue e diga: Quem é o Senhor? Ou que, empobrecido, venha a furtar e profane o nome de Deus” (Pv.30:8-9).

As últimas palavras do segundo discurso de Moisés exortaram os filhos de Israel a serem obedientes em tudo o que o Senhor os havia instruído, e isso, de todo o coração e de toda a alma (v.16). Quando a base da obediência é o amor, o cristão revela o inconfundível caráter de Cristo; aquele que nos foi revelado por Sua vida e entrega, como a insuperável oferta de amor. Que o meu e o seu coração sejam entregues à vontade do Espírito Santo mais este dia, e, certamente, “Aquele que começou a boa obra em [nós] há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus” (Fp.1:6). Vigiemos e oremos!

Bom dia, fiéis servos do Senhor!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Deuteronômio26 #RPSP

Comentário em áudio:
https://www.youtube.com/user/nanayuri100



DEUTERONÔMIO 26 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
9 de abril de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria



DEUTERONÔMIO 26 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
9 de abril de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria

468 palavras

Ao entrares. Isto é, se estabelecer na terra santa. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p. 1148.

ao lugar. Uma porção das primícias dos frutos devia ser colocada num cesto, levada ao santuário e dada ao sacerdote. CBASD, vol. 1, p. 1148.

arameu prestes a perecer foi meu pai (ARA; NKJV: “Meu pai era sírio”). A referência é a Jacó, cuja mãe e parentela vinham de Arã. Bíblia Shedd.

Literalmente, “um arameu errante” (NVI). Esta é uma referência à origem humilde da nação, a Rebeca [, Raquel] e Lia, que eram de Padã-Arã (Gn 25:20), e a Jacó, que passou vários anos ali (Gn 29 a 31). Labão, tio de Jacó, foi designado como “o sírio”, literalmente, “o arameu” (Gn 25:20; 28:5, 6; 31:20, 24). A expressão traduzida por “prestes a perecer” era usada para se referir a animais que se extraviavam e se perdiam (Dt 22:3; 1Sm 9:3, 20) e também a pessoas perdidas (Sl 119:76), correndo o risco de morrer (Jó 6:18).  CBASD, vol. 1, p. 1148.

11 Alegrar-te-ás. A época de se devolver os primeiros frutos devia ser de alegria e regozijo. CBASD, vol. 1, p. 1148.

Nada recomenda melhor nossa religião do que a satisfação que o mundo não pode dar nem tirar. Comentário Bíblico Devocional – Velho Testamento. F. B. Meyer (Ed. Betânia).

12 no ano terceiro. Durante os dois primeiros anos, o dízimo anual deveria ser levado ao santuário central (14.22-27). No terceiro ano, entretanto, o dízimo seria armazenado para distribuição entre os pobre. Bíblia Shedd.

13 Tirei de minha casa o que é consagrado. Esta confissão de dever cumprido devia ser um privilégio anual … O ofertante afirmava que havia cumprido por completo os requisitos feitos por Deus, que o “dízimo” tinha sido devolvido conforme designado por Ele, para ser aplicado em harmonia com Suas instruções. CBASD, vol. 1, p. 1149.

14 não comi no meu luto … imundo … nem dei para a casa de algum morto. O adorador devia confessar que sua oferta não fora exposta a contaminação cerimonial, especialmente aquela associada com a lamentação pelos mortos. Bíblia Shedd.

15 como juraste. Um reconhecimento agradecido à sólida lealdade de Deus à Sua aliança e fidelidade a todas as Suas promessas. Yahweh não apenas é capaz de cumprir Suas promessas como é impossível que alguma vez deixe de cumpri-las. CBASD, vol. 1, p. 1149.

17 A terminologia é a de um documento de aliança, que implica a renovação do voto de Israel de que o Senhor era seu Deus e que obedeceriam a Ele. Bíblia de Estudo NVI Vida.

18 guardarás todos os Seus mandamentos. Moisés disse que porque os israelitas eram agora povo de Deus, eles precisavam começar a obedecer Seus mandamentos. Life Application Study Bible.

19 glória. A palavra assim traduzida provém do verbo “embelezar”, “glorificar”. … O significado mais profundo dela é expresso por Cristo (Jo 17:10); é também aplicado à igreja, segundo o apóstolo Pedro (1Pe 2:9, 10). Assim termina o chamado livro da Aliança, e com ele o segundo discurso de Moisés. CBASD, vol. 1, p. 1150.




%d blogueiros gostam disto: