Reavivados por Sua Palavra


DEUTERONÔMIO 22 by jquimelli
5 de abril de 2019, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/deuteronomio/dt-capitulo-22/

Uma das leis encontradas em Deut. 22 refere-se especificamente ao casamento e aos relacionamentos entre homens e mulheres. O adultério é cometido, de acordo com a Bíblia, quando um homem ou mulher casado tem relações sexuais com outra pessoa que não é o seu cônjuge. O adultério é um mal que surge como um intruso que está ciente de todas as dificuldades existentes num casal. O intruso está pronto para entrar no coração cansado, fraco, despedaçado ou desencorajado de qualquer dos cônjuges. Assim, os conflitos no casamento constituem uma oportunidade, um terreno fértil, para a infidelidade.

O princípio bíblico do adultério vai além das relações sexuais cometidas por um dos cônjuges. A raiz do problema consiste no pensamento que constitui a raiz do pecado. Portanto, temos a responsabilidade pessoal de  proteger cuidadosamente nossos pensamentos e o ambiente que nos rodeia, especialmente quando confrontados com dificuldades conjugais.

Nossa única segurança está em Cristo. Devemos depender dEle todos os dias, para que Ele possa habitar em nossa mente e coração.

Samuel Chávez

Professor de História
Faculdade de Teologia
Universidade Adventista da Bolivia

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=421
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



DEUTERONÔMIO 22 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
5 de abril de 2019, 0:55
Filed under: Sem categoria



DEUTERONÔMIO 22 – COMENTÁRIO PR. HEBER TOTH ARMÍ  by Maria Eduarda
5 de abril de 2019, 0:45
Filed under: Sem categoria

As estatísticas sobre divórcio seriam outras na sociedade caso as pessoas se preparassem para o casamento como se preparam para um vestibular ou um concurso público. Não digo preparar-se para a festa/cerimônia, mas para o casamento em si.

O capítulo apresenta os seguintes tópicos:

· Conduta em relação à propriedade alheia (vs. 1-4);

· Lei proibindo o travestismo (v. 5);

· Conduta para com as aves em seu ninho (vs. 6-7);

· Responsabilidade na prevenção de acidentes (v. 8);

· Lei contra as misturas (vs. 9-11);

· Lei acerca das borlas (v. 12);

· Prevenção da impureza sexual pré-marital e o abuso sexual (vs. 13-21);

· Castigo em relação ao adultério (vs. 22);

· Prevenção em relação à violação sexual de uma mulher comprometida (vs. 23-27);

· Prevenção em relação à violação sexual de uma virgem comprometida (vs. 28-29);

· Proibição da prática do incesto (v. 30).

Ao invés de olhar o catálogo sexual oferecido pelo Diabo, que tal assimilar as leis e refletir nos princípios do catálogo sexual de Deus? Ao invés de olhar sites, revistas e filmes que promovem a depravação e o mal, por que não fixar na Palavra de Deus que eleva nosso padrão moral?

Se a virgindade fosse preservada com seriedade até a cerimônia de casamento, os problemas de muitos casais existentes no presente nunca existiriam. A virgindade cria expectativa, curiosidade e uma certa ansiedade que seriam superados no casamento; mas, ludibriá-la e corrompê-la destroem muitas coisas lindas existentes ao respeitar a cada etapa da vida.

A sentença para estupro é a morte do estuprador. A mesma sentença é dada para o adultério, ambos deveriam ser apedrejados. A fornicação devia gerar responsabilidade no homem de tomar a moça como esposa. Desta forma, Deus inibia a perversão sexual e a imoralidade entre Seu povo.

1. O “alicerce da sociedade humana é a família, uma dádiva de Deus para a qual não foi encontrado nenhum substituto adequado” (W. W. Wiersbe).

2. Difamar a esposa nunca foi plano de Quem projetou o casamento, é estratégia do diabo.

3. O casamento deve ser protegido pela pureza pré-nupcial a fim de promover o prazer pela qual foi projetado.

Fuja da promiscuidade sexual. Deus leva muito a sério a pureza sexual antes e depois do casamento.

Lute pela família que Deus te deu. Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



DEUTERONÔMIO 22 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
5 de abril de 2019, 0:30
Filed under: Sem categoria

“A mulher não usará roupa de homem, nem o homem, veste peculiar à mulher; porque qualquer que faz tais coisas é abominável ao Senhor, teu Deus” (v.5).


Uma série de leis são relatadas neste capítulo com base em princípios que não se perdem com o tempo. Algumas leis e tradições passam, mas os princípios da Palavra de Deus são imutáveis e revelam o caráter de seu Autor. A honestidade deve ser observada em todos os aspectos da vida do povo de Deus, e, mais especificamente, quanto ao zelo dos bens materiais uns dos outros. O ditado “Achado não é roubado” nunca terá harmonia com a vida cristã.

O princípio estabelecido no versículo cinco, caracteriza o cuidado do Criador em estabelecer as diferenças quanto ao modo de vestir entre o homem e a mulher para que, de modo algum, houvesse confusão para distinguir os sexos. Isso deixa claro que as roupas feitas por Deus para vestir nossos primeiros pais tinham esta distintiva definição. O pecado e a rejeição de Deus como Criador, no entanto, afetou “o modo natural” das relações humanas, introduzindo no mundo as “paixões infames” que têm pisoteado abertamente o princípio imutável de que o Senhor criou o homem e a mulher (Rm.1:26).

Como Criador, o cuidado de Deus também é estendido para a natureza e a preservação das espécies. Através do exemplo de um ninho de passarinhos, estabeleceu o Seu povo como guardião da natureza e cooperador com Ele em sua conservação. Ao contemplar a criação, Israel deveria enxergar o amor de um Deus que cuida até mesmo dos passarinhos. Jesus reforçou esse amor ao declarar: “Observai as aves do céu: não semeiam, não colhem, nem ajuntam em celeiros; contudo, vosso Pai celeste as sustenta. Porventura, não valeis vós muito mais do que as aves?” (Mt.6:26).

A lei seguinte é muito interessante, pois trata do cuidado com a segurança doméstica. Podemos dizer que o “parapeito” (v.8) representa as regras de segurança que devem ser obedecidas em nossa casa, tanto para preservar a integridade física dos membros da família quanto a integridade mental e espiritual. Em todos os aspectos da vida, Deus nos chama a edificarmos a nossa casa sobre a Rocha, que é Cristo. Nisto consiste a segurança eterna de nossa família.

Virgindade, pureza, casamento, adultério e estupro são temas de vasto estudo, mas os princípios contidos nas leis concernentes a eles também contêm um peso imutável. Deus criou o homem e a mulher para viverem em um relacionamento heterosexual, monogâmico e dentro do casamento. Os relacionamentos fora deste contexto são reprovados pelo Senhor.

Seja a nossa vida e a nossa casa dirigida pelos princípios da Palavra de Deus, e ainda que por algum motivo nos desviemos do caminho, ouviremos o Espírito Santo a nos dizer: “Este é o caminho, andai por ele” (Is.30:21).

Bom dia, guiados pelo Espírito Santo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Deuteronômio22 #RPSP

Comentário em áudio:
https://www.youtube.com/user/nanayuri100



DEUTERONÔMIO 22 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
5 de abril de 2019, 0:06
Filed under: Sem categoria

1185 palavras

o boi ou a ovelha de teu irmão. A responsabilidade pelo bem-estar de um amigo ou vizinho era estritamente imposta a todos e estendida até mesmo ao inimigo (Êx 23:4). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p. 1131.

Restituí-los-ás. Informar o dono não era o suficiente; esforço devia ser empregado para restituir a propriedade. CBASD, vol. 1, p. 1132.

 não usará roupa de homem. Portanto, é proibido desfocar ou apagar a fronteira entre sexos por qualquer razão dentro do contexto e uma dada cultura. Travestismo era uma forma imprópria de comportamento sexual associado com o culto de certos deuses não israelitas. Nos dias de hoje, se calças compridas são comumente vestidas por ambos os sexos, elas não são um problema. Contudo, se somente mulheres usam vestidos, um homem não deveria usar um vestido. Andrews Study Bible.

Deus criou o homem e a mulher com naturezas e funções distintas. O homem não deve procurar obscurecer essa distinção, como era feito entre as religiões pagãs. Bíblia Shedd.

O desejo de minimizar a diferença é resultante de baixos ideais e contribui para a imoralidade. CBASD, vol. 1, p. 1132.

As diferenças que Deus criou entre os homens e as mulheres não devem ser desrespeitadas (v. Lv 18.22; 20:13). Bíblia de Estudo NVI Vida.

6,7 Os pássaros são úteis para controlar as numerosas pestes de insetos, e além disso esta lei evita a perversidade de aproveitar-se da dedicação da mãe. Bíblia Shedd.

um parapeito. O teto plano de uma casa devia ter um parapeito para impedir que alguém, por descuido, caísse dali. Com frequência o teto era usado para as crianças brincarem e para se refrescarem ao entardecer (ver Js 2:6; 2Sm 11:2; 18:24; Ne 8:16; Mt 10:27; At 10:9). CBASD, vol. 1, p. 1132.

9-11 Combinações incomuns podem levar a dificuldades. Aplicadas espiritualmente, esta lei proíbe a transigência com o mundo. Bíblia Shedd.

10 boi e jumento. …esta ordem pode ter sido dada por misericórdia, porquanto o tamanho e a força destes animais são bastante diferentes. CBASD, vol. 1, p. 1132.

11 Dois diferentes tipos de tecido seriam difíceis de serem ajustados e teriam comportamento diferente na lavagem. Não pense que as leis de Deus como restrições arbitrárias. Olhe para as razões por detrás das leis. Elas não foram feitas somente para ensinar ou restringir, mas também para proteger. Life Application Study Bible.

13-10 Porque Deus incluiu todas essas leis a respeito de pecados sexuais? … Paulo, em Colossenses 3:5-8, reconhece a importância de regras rígidas sobre sexo para os crentes porque pecados sexuais tem o poder de corromper e destruir a igreja. Pecados envolvendo sexo não são interesses superficiais e passageiros inocentes em prazeres proibidos, como frequentemente alardeado, mas poderosos destruidores de relacionamentos. Eles confundem e rompem o clima de respeito, confiança e credibilidade tão essenciais a casamentos sólidos e crianças seguras. Life Application Study Bible.

13 a aborrecer. Isto é, ter aversão a ela. O homem poderia casar-se apenas por causa da atração física e não por amor verdadeiro. A atração física é uma base precária para se fundar um lar. A unidade de espírito é o único laço permanente e seguro entre marido e mulher. CBASD, vol. 1, p. 1133.

15, 17 as provas da virgindade da moça. Uma roupa exterior utilizada para dormir (v. 17; comparar com Êx 22:27), manchada com sangue do rompimento do hímen da garota na noite de núpcias. Andrews Study Bible.

Pano ou peça de roupa com mancha de sangue (cf. v. 15, 17, 20). Bíblia de Estudo NVI Vida.

Era costumeiro, após a consumação do casamento, guardar o pedaço de fazenda marcado com as manchas de sangue correspondentes. Bíblia Shedd.

Desde a Antiguidade, a evidência da virgindade de uma jovem era entesourada como prova de sua juventude imaculada. Imediatamente após a consumação do casamento, essa evidência física (ver com. [CBASD] do v. 17) era mostrada aos parentes mais próximos, que poderiam servir como testemunhas materiais de sua virgindade. CBASD, vol. 1, p. 1133.

17 a roupa. A palavra traduzida como “roupa” é comum para “vestimenta” ou “manto”, uma veste comprida, em geral de linho, usada como manto exterior tanto por homens como por mulheres (Gn 35:2; Êx 22:26; 2Sm 12:20; Rt 3:3), e ainda como cobertor á noite (Êx 22:27). CBASD, vol. 1, p. 1133.

19 e o condenarão a cem siclos [shekelsde prata. A multa imposta [por quem difamasse a sua esposa de não chegar virgem ao casamento] era o dobro da quantia que habitualmente o noivo pagava pela noiva. CBASD, vol. 1, p. 1133.

21 loucura. A palavra traduzida como “loucura” é difícil de expressar em português. Traz a ideia de desgraça, crueldade, absurdo. CBASD, vol. 1, p. 1133.

prostituindo-se [ARA; NVI: “cometeu ato vergonhoso”]. Ou “sendo promíscua” ou “cometendo fornicação”. Seu crime não se enquadrava como prostituição por dinheiro (sexo alugado). Andrews Study Bible.

23-19 Essas leis abordam a sedução de virgens solteiras, quer noivas (23-27) quer não (28, 29). Bíblia Shedd.

23 moça virgem, desposada [ARA; NVI: “moça prometida”; NKJV: “noiva”].  O noivado era um contrato legal com a família da noiva, envolvendo pagamento de um valor pela noiva (comparar v. 29; Gn 34.12; Êx 22.16-17). Portanto, ele envolvia uma ligação maior [was more binding] do que no noivado moderno, onde a noiva já pertencia ao noivo (Dt 22:23-24 [Ver tb Mt 1:20, 24]). Consentir em fazer sexo com outro homem era tratado como adultério. Andrews Study Bible.

25-27 A mulher só podia ser condenada à morte se tivesse podido clamar por auxílio, mas não o fizesse. Estando, por outro lado, a mulher, incapacitada de pedir socorro, supunha-se que fora vítima contra a sua vontade. Bíblia Shedd.

28, 29 O sedutor de uma virgem solteira era obrigado a casar-se com ela. Tinha de pagar o dote costumeiro (Êx 22.16, 17) e perdia o direito ao divórcio. Bíblia Shedd.

29 lhe será por mulher … durante a vida. Esta lei pode soar aos ouvidos modernos como se punisse a mulher vítima, forçando-a a se casar com o homem que a estuprou. Contudo, seu intento era tornar o homem responsável por sustenta-la pelo resto de sua vida. Uma vez que ela não era mais virgem, seria difícil que sua família encontrasse um marido para ela. Uma comparação com Êx 22:16-17 indica que enquanto uma garota poderia exigir o direito de casamento ao homem e ele seria obrigado a pagar o “valor da noiva” em qualquer caso, sua família não era obrigada a dá-la ao homem em casamento se não aprovasse (comparar com Gn 34). Andrews Study Bible. [É importante observar que as prescrições legais eram diretivas a serem aplicadas pelos tribunais locais e nacionais em casos de disputas judiciais interpartes, como meio de estabelecer a ordem e a justiça entre o povo.]

30 Nenhum homem tomará sua madrasta. Aqui “tomar” significa “casar”. Isto é, após o pai haver falecido ou se divorciado desta mulher (comparar com 1Co 5:1). Este é um tipo de incesto (Lv 18:8; 20:11). Andrews Study Bible.

não profanará o leito de seu pai. Literalmente, “e não removerá a dobra do manto de seu pai”. Isto se refere a um costume oriental de que um homem recém-casado cobria sua esposa com seu manto, para demonstrar que ela lhe pertencia e que apenas ele tinha poder sobre ela (Rt 3:9-14; 4:10; Ez 16:8). CBASD, vol. 1, p. 1134.

Lit. “descobriria o canto da roupa do seu pai” (v. notas em Rt 3.9 [“Estenda a sua capa sobre a sua serva” – pedido de casamento de Rute para Boaz]; Ez 16.8 [“estendi a Minha capa” – pedido de casamento do Senhor a Jerusalém). Bíblia de Estudo NVI Vida.



DEUTERONÔMIO 22 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
5 de abril de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: