Reavivados por Sua Palavra


Êxodo 11 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
12 de dezembro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria


“Moisés disse: Assim diz o Senhor: Cerca da meia noite passarei pelo meio do Egito” (v.4).


Antes mesmo de derramar a primeira praga sobre o Egito, o Senhor havia declarado a Faraó: “Digo-te, pois: deixa ir Meu filho, para que Me sirva, mas, se recusares deixá-lo ir, eis que Eu matarei teu filho, teu primogênito” (Êx.4:23). Desconsiderando as palavras do Senhor, Faraó revelou o que um ser humano que não conhece a Deus é capaz de fazer. A supremacia de seu trono era o seu deus e o seu orgulho a fonte de todo o mal que lhe endurecia o coração cada vez mais. Mesmo diante de tanta resistência, o Senhor postergou o luto de Faraó nove vezes até que finalmente chegada era a hora do fatídico dia: “Haverá grande clamor em toda a terra do Egito, qual nunca houve, nem haverá jamais” (v.6).

Pela primeira vez, a Bíblia diz que Moisés saiu da presença de Faraó “ardendo em ira” (v.8). Não foi tarefa fácil para ele ver a sua terra natal sendo arrasada pelas pragas, resultado da teimosia do rei. Para um homem que vivera quarenta anos na pacata ocupação de pastor de rebanhos, foi um extremo desgaste testemunhar as trágicas consequências de um coração delinquente. Enquanto a sua liderança era pensando no benefício de seu povo, a liderança de Faraó revelava o egoísmo de quem não se importava com seus liderados, desde que seus desejos egoístas fossem satisfeitos.

Seca, insalubridade, doenças, fome, medo. Grande fora a ruína do país que dantes se destacara por sua fartura e inigualável arquitetura. Restara apenas uma nação fragilizada e marcada pela insanidade de um rei tolo. A tolerância e a paciência de Deus não possuem precedentes, mas também não podem ultrapassar o limite estabelecido por Ele. Este limite tem a ver com libertação e salvação. Deus jamais negará um só segundo de Sua paciência se estiver em jogo nem que seja uma vida apenas. É a Sua longanimidade que ainda sustenta este mundo caótico na esperança de salvar a todos (2Pe.3:9).

O Senhor concedeu a Moisés alguém que o apoiasse e encorajasse na difícil missão de libertar os filhos de Israel. Sem dúvida alguma, a companhia de Arão foi para ele como um oásis no deserto. Precisamos estar em constante comunhão com Deus e com nossos irmãos a fim de sermos fortalecidos em nossa árdua jornada. Precisamos estabelecer vínculos fraternos com pessoas que nos ajudem a crescer e avançar. No caminho à Terra prometida, encontraremos muitos corações endurecidos, incapazes de amar.

Seja a nossa vida um testemunho do amor e da misericórdia de Deus. Assim como Moisés revelava a Faraó a Palavra do Senhor e se retirava de sua presença, que sejamos sábios e prudentes em nossos relacionamentos, revelando a vontade de Deus e fazendo o bem sem permitir que a dureza de coração de alguns abale as nossas emoções e a nossa fé. Que nos momentos finais da história desta Terra façamos parte do “Israel de Deus” (Gl.6:16), que, composto por irmãos que se amam mutuamente, caminha a passos firmes “para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus” (Fp.3:14).

Bom dia, alvos da misericordiosa paciência de Deus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Êxodo11 #RPSP

Comentários em áudio:
https://www.youtube.com/user/nanayuri100
https://www.youtube.com/channel/UCzzqtmGdF4UqBopc6CRiqLA


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: