Reavivados por Sua Palavra


II TIMÓTEO 1 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
10 de agosto de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

Tuas lágrimas. Os anciãos de Éfeso verteram “lágrimas” quando se separaram de Paulo em Mileto, acreditando “que não mais veriam o seu rosto”(ver At 2):17, 36-38). Esse terno compadecimento entre missionários jovens com os mais idosos é um modelo que todos os pastores e aspirantes ao ministério devem procurar imitar. CBASD  – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 7, p. 342.

Por esta razão. Ou seja, enquanto estava deitado na masmorra romana, o apóstolo mantinha sua certeza de que as igrejas da Ásia estavam em mãos competentes e que a fé demonstrada por Timóteo constituía uma base sólida para as exigências rigorosas do futuro. CBASD, vol. 7, p. 342.

Covardia. Do gr. deilia, “covardia”, “timidez”. O fato de que o cristianismo genuíno não produzia covardes  se comprova perfeitamente em Cristo e em Paulo. Nenhum covarde teria escrito semelhante epístola sob a ameaça da espada do carrasco. CBASD, vol. 7, p. 343.

Amor. Ver com. de 1Co 13:1. Qualidade que deve acompanhar o “poder”para que este último não seja empregado de forma dura, sem piedade e pouco fraternal. O Senhor Jesus é um exemplo notável do poder usado com amor. CBASD, vol. 7, p. 343.

Não te envergonhes. O teto grego implica que, até então, Timóteo não tinha sido envergonhado. Paulo exorta seu fiel colaborador a que nunca se envergonhe. Expressões de confiança como esta, inspiram os obreiros mais jovens a conquistas ainda mais elevadas. CBASD, vol. 7, p. 343.

Encarcerado. Uma evidência adicional de que Paulo escreveu esta epístola enquanto estava na prisão romana (ver p. 339). CBASD, vol. 7, p. 343.

Do evangelho. Paulo estava sendo humilhado por causa do evangelho, e qualquer coisa menos que plena comunhão com Paulo, em público e e particular, teria sido covardia. CBASD, vol. 7, p. 343.

10 Destruiu. Do gr. katargeo (ver com. de Rm 3:3). Quando Cristo ressuscitou, um poder mais forte do que a morte se manifestou. Cristo oferece o mesmo poder sobre a “morte” a todos os que aceitam o plano de salvação. Não se deve, pois, temer a “morte”. CBASD, vol. 7, p. 344.

12 Crido. A flexão do verbo destaca que Paulo tinha começado a confiar anos atrás, e a confiança continuava. Ele mantinha sua fé, mesmo em meio a diferentes experiências nas quais era tratado como um criminoso comum. CBASD, vol. 7, p. 345.

14 Guarda o bom depósito. Paulo se refere à escolha de Timóteo como fiel ministro do evangelho, confiada a ele tanto por homens quanto por Deus. … O período e serviço de Paulo estava prestes a terminar, o apóstolo havia guardado o depósito da verdade livre de erro doutrinário ou de mácula moral. Entretanto, a obra confiada a Paulo, seu depósito, estava colocada sobre os ombros de Timóteo e de outros. A partir de então, deveriam ser guardiões do tesouro inestimável do evangelho e, por sua vez, transmiti-lo fielmente a outros responsáveis. CBASD, vol. 7, p. 346.

15 Todos … me abandonaram. Nada se sabe das circunstâncias específicas desta experiência. No entanto, deve ter sido algum evento que requereu uma demonstração de coragem e honra daqueles que professavam lealdade ao cristianismo. Paulo sentia esse desapontamento e sabia que, se todos os seus cooperadores fugissem da perseguição, a estrutura que tanto havia trabalhado para construir entraria em colapso. No entanto, a confiança na devoção de Timóteo animava o apóstolo e era o motivo para sua exortação para que o jovem líder se erguesse ousadamente em favor do evangelho. CBASD, vol. 7, p. 346.

Figelo e Hermógenes. As Escrituras não fornecem mais informações a respeito desses homens ou de sua deserção. É trágico ser lembrado unicamente por vergonha ou covardia. Esses homens não haviam guardado o depósito da verdade a eles confiado. CBASD, vol. 7, p. 347.

16 [Onesíforo] me deu ânimo. Onesíforo foi como uma brisa das montanhas para Paulo, que respirava o ar viciado da prisão romana. Em vez de lamentar com o apóstolo, inspirava-lhe coragem, alegria de viver e companheirismo. CBASD, vol. 7, p. 347.

17 Tendo ele [Onesíforo]… chegado a Roma me procurou. Tentar encontrar Paulo era um empreendimento arriscado, porque depois do incêndio de Roma todos os cristãos eram suspeitos. CBASD, vol. 7, p. 347.


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: