Reavivados por Sua Palavra


Efésios 4 by Jobson Santos
16 de julho de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/efesios/ef-capitulo-4/

Efésios 4 começa e termina com apelos tocantes para cuidarmos uns dos outros como membros da igreja (vs. 1-3, 32). Entre esses chamados para amar uns aos outros, Paulo oferece forte apoio à idéia de que devemos valorizar e nutrir a unidade na igreja. Ele começa listando sete “uns”: Há um só corpo, um só Espírito, uma só esperança, um só Senhor (Jesus Cristo), uma só fé, um só batismo, um só Deus e Pai (vv. 4-6). Estamos unidos por estas realidades espirituais. Estamos, de fato, unidos.

Enquanto a unidade é uma certeza teológica, mantê-la requer trabalho árduo. Por isso devemos estar sempre “esforçando-nos para manter a unidade do Espírito” (v. 3). Uma maneira de fazermos isso é sermos “partes” ativas do corpo de Cristo (vv. 7-16). Cada membro é uma parte do corpo com muitos talentos e deve contribuir para a saúde do mesmo (vv. 7, 16).

Este capítulo sobre a unidade é bastante fácil de se ler quando as coisas estão tranquilas. Porém é muito mais desafiador lê-lo quando estamos envolvidos em algum conflito. Mais importante ainda do que ler é praticar estes conselhos. Você está contribuindo para a unidade do corpo de Cristo?

John McVay
Professor Associado de Religião
Universidade de Walla Walla
Estados Unidos

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=1347
Comentário original completo: https://reavivadosporsuapalavra.org/2015/04/22
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli/Jeferson Quimelli
Comentário em áudio: Pr. Valdeci: http://vod.novotempo.org.br/mp3/ReavivadosA/Reavivados16-07-2018.mp3
Comentários em vídeo

Ouça online [Voz Valesca Conty]:



EFÉSIOS 4 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
16 de julho de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



EFÉSIOS 4 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
16 de julho de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

EFÉSIOS 4 – Os cristãos não andam como pagãos. Os crentes têm vida diferente dos incrédulos. Os religiosos piedosos revelam comportamento contrário dos religiosos hipócritas.

A reforma operada pelo poder do Espírito Santo manifesta-se na vida prática e pública.

Baseando em Matthew Henry, destaco os pontos do capítulo:

1. Uma exortação geral para que o cristão ande conforme a fé cristã (v. 1).

2. Uma exortação ao amor, unidade e acordo mútuo, com os meios e motivos para fomentá-los (vs. 2-16):

a) Meios da unidade: Humildade, mansidão e longanimidade.
b) Natureza da unidade: A base da unidade cristã está no coração e no Espírito.
c) Motivos corretos para fomentar a unidade e harmonia cristãs:

• Alegria e glória da profissão cristã;
• Cristo concedeu variedade de dons aos cristãos;
• A grande finalidade e desígnio de Cristo em relação aos dons: Para que não sejamos mais meninos; para que sigamos a verdade em caridade; para que cresçamos em tudo naquele que é o cabeça, Cristo; para auxiliar uns aos outros, como membros do mesmo corpo.

3. Exortação geral de pureza e santidade de coração e vida (vs. 17-24):

a) Cristãos não andam como os ímpios:

• Cristãos regenerados são arrebatados de uma sociedade iníqua como tições do meio do fogo.
• Cristãos devem separar-se do modo de vida dos ímpios, não vivem mais nas trevas e depravações.

b) A velha vida não deve ser carregada no presente, deve ser abandonada no passado: O velho homem deve ser despojado, deve-se vestir do novo homem.

4. Exortações específicas (vs. 25-32):

a) Guardem-se da mentira e cuidem ainda mais para falar a verdade;
b) Guardem-se da ira e das paixões desgovernadas;
c) Exortação contra o roubo, adultério e conselhos referentes à honestidade e à caridade;
d) Exortação contra a comunicação corrompida e observar o que é útil e edificante;
e) Não entristecer o Espírito Santo.

“Não andamos ‘…como é digno da vocação com que fostes chamados’ se não formos amigos fieis de todos os cristãos, e inimigos declarados de todo pecado” (Henry).

A conversão que não gera mudança é falsa. O reavivamento que não produz intimidade com Deus e unidade entre os irmãos deve ser rejeitado.

Devemos buscar o verdadeiro reavivamento que implanta o caráter de Deus no lugar do nosso mau temperamento! – Heber Toth Armí.



EFÉSIOS 4 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
16 de julho de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“E não entristeçais o Espírito de Deus, no qual fostes selados para o dia da redenção” (v.30).


Como corpo de Cristo, a igreja precisava compreender o verdadeiro sentido do serviço, da edificação e da plenitude e, esforçando-se “diligentemente por preservar a unidade do Espírito no vínculo da paz” (v.3). Uma vida de serviço abnegado e altruísta redunda na “edificação do corpo de Cristo” (v.12), que, por sua vez, resulta na “unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo” (v.13). E é justamente esta maturidade espiritual que livra o cristão de ser enganado “por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro” (v.14).

Para que haja unidade, é necessário espírito de cooperação mútuo e ideias que se encaixem perfeitamente a fim de atingir um alvo específico. É aí que entra o serviço, através da prática dos diversos dons espirituais. Apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres (v.11), todos unidos num só propósito, “seguindo a verdade em amor”, crescendo “em tudo nAquele que é a cabeça, Cristo” (v.15). Ora, se Cristo é a cabeça, isto nos diz claramente que Ele está no comando e a nossa parte é simplesmente cooperar para que aconteça a etapa seguinte: o aperfeiçoamento cristão.

Aperfeiçoar significa chegar o mais perto possível da perfeição, melhorar, aprimorar, tornar mais elevado. Não é perfeição no sentido de não errar mais, e sim perseverar em permanecer praticando o que já provou ser a conduta mais eficiente. Um médico que descobre o tratamento para a cura de uma determinada doença, por exemplo, vai aplicá-lo em seus pacientes até que se descubra a cura por intermédio de um método mais eficaz. Assim deve ser na vida espiritual. Precisamos avançar através de uma renovação diária da mente. A experiência pessoal que tive com o Senhor ontem não pode suprir a necessidade que tenho de uma nova experiência hoje. É nesse ponto que muitos têm perdido o primeiro amor e ressuscitado “o velho homem, que se corrompe segundo as concupiscências do engano” (v.22).

Experiências passadas podem e devem ser lembradas como provas do amor e do cuidado de Deus por nós e como testemunho de fé para outros, mas jamais devem substituir aquelas que Jesus deseja nos proporcionar dia após dia, a fim de que nos revistamos diariamente “do novo homem, criado segundo Deus, em justiça e retidão procedentes da verdade” (v.24). Uma vida de santidade só pode ser alcançada através desse relacionamento diário. Se cada membro do corpo de Cristo entendesse que o seu relacionamento pessoal com Jesus deve ser o primeiro passo a ser dado à cada dia, todo o corpo andaria no mesmo compasso; não haveria ninguém adiantado e ninguém atrasado.

Ser santo nada mais é do que ser separado para um propósito específico e, neste caso, para um propósito divino. É estar constantemente submisso à vontade de Deus, reconhecendo a sua total dependência dEle. E ser mentiroso, iracundo, ladrão ou néscio de palavras, definitivamente, não são características daqueles que estão caminhando para encontrar um Deus Santo em uma cidade santa. Jesus foi o perfeito exemplo de santidade, mas também nos deixou o perfeito exemplo de compaixão. Notem que a ira em si não é pecado, mas o que fazemos dela pode tornar-se pecado ou não. A definição de que “somos membros uns dos outros” (v.25) nos diz que, ainda que a sua vida esteja em paz com Deus, ela não é parâmetro para o corpo, mas um membro em potencial para ajudar o que está enfermo a se recuperar.

Eis a “perfeita varonilidade”, a “plenitude de Cristo” (v.13): sermos “uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-[nos] uns aos outros, como também Deus, em Cristo, [nos] perdoou” (v.32). Quando compreendemos, de fato, o que Cristo fez por nós na cruz do Calvário e o que Ele está realizando hoje no Santíssimo do santuário celeste, passamos a odiar o pecado, e não pecadores. Não “deis lugar ao diabo” (v.27), amados, nutrindo sentimentos maus, mas “longe de vós, toda amargura, e cólera, e ira, e gritaria, e blasfêmias, e bem assim toda malícia” (v.31). Que nossas mãos trabalhem para o bem. Que cada palavra nossa “transmita graça aos que ouvem” (v.29). E que o selo do Espírito Santo nos guarde “para o dia da redenção” (v.30).

Avante, igreja do Deus vivo!

Bom dia, membros do corpo de Cristo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Efésios4 #RPSP



EFÉSIOS 4 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
16 de julho de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

737 palavras

1 Rogo-vos, pois. Com este versículo começa o que pode ser denominado de seção prática da epístola, embora o apóstolo Paulo não considerasse a doutrina e a prática como aspectos separados da fé. A teoria e sua aplicação estão entretecidas na apresentação que Paulo faz do grande tema da unidade dos crentes. Porém, nesta seção são dadas exortações especiais sobre os deveres e privilégios cristãos, devido à graça recebida e às responsabilidades mútuas entre os irmãos. A ênfase aqui é colocada mais nos efeitos do que nas causas da vida espiritual. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 6, p. 1132.

2 Suportando-vos. Do gr. apechõ, “sustentar”. CBASD, vol. 6, p. 1133.

Em amor. A paciência somente se manifesta em um coração que ama. CBASD, vol. 6, p. 1133.

9 Regiões inferiores da terra. Pode-se entender este enunciado como se referindo à própria Terra, no qual “Terra” está ligada a “regiões inferiores”, ou a “inferno”, para onde se diz ter ido a alma de Cristo ao morrer. Esta última interpretação requer que a passagem seja referente à morte e ao sepultamento de Cristo. Foi a humilhação de Cristo que O levou à exaltação. Por meio dessa experiência, Ele Se tornou um sumo sacerdote compreensivo e eficaz, familiarizado com todas as vicissitudes da vida humana, inclusive com a morte. CBASD, vol. 6, p. 1134.

14 Agitados de um lado para outro. Literalmente, “atirados pelas ondas”. A falta de firmeza, muitas vezes associada à juventude, não deve ser a característica do crente, mas a paciência, a resistência e a estabilidade. Os que sempre buscam algo novo e são atraídos por ideias sensacionalistas, colocam uma base frágil para a vida da igreja. Da mesma forma, a especulação teológica e filosófica além dos limites legítimos produz instabilidade de crença e de caráter. CBASD, vol. 6, p. 1136.

Vento de doutrina. Paulo não menospreza a doutrina ou a teologia, como uma expressão sistematizada de conhecimentos a respeito de Deus, mas adverte contra a indecisão, incerteza e imprecisão que, com frequência, acompanham a reflexão teológica. Sem dúvida, ele também se refere à especulação ociosa que geralmente marca os debates religiosos. Os dois extremos são elementos perturbadores da vida da igreja. CBASD, vol. 6, p. 1136.

Artimanha. Literalmente, “jogo de dados”. Os “ventos de doutrina” são projetados para enganar, como quando um jogador ingênuo é vítima da astúcia de um trapaceiro. Não é apenas uma questão de acaso, pois os dados estão viciados; o que parece ser ensino de Cristo, em realidade não o é. CBASD, vol. 6, p. 1136.

17 Vaidade. Do gr. mataiotes. A ideia não é de presunção, mas de objetivos frívolos e vazios. O gentio sem Cristo vagueia sem objetivo, sem esperança, e descuidadamente. CBASD, vol. 6, p. 1137.

22 O velho homem. Esta expressão parece significar mais do que simplesmente antigos atos ou hábitos; inclui a própria mente e a natureza humana, de onde se originam os atos. O velho eu morre (Rm 6:6) e não deve reviver. CBASD, vol. 6, p. 1139.

25 Membros uns dos outros. A mentira tende a destruir a unidade da irmandade; o engano opõe um membro ao outro (ICo 12:15). Não pode haver verdadeira união entre as pessoas a não ser na base da absoluta confiança (Zc 8:16). CBASD, vol. 6, p. 1140.

26 Não pequeis. O texto grego indica que se trata de uma ordem. Esta advertência é feita para evitar que ira justificável produza reações de ressentimento pessoal, vingança e perda de domínio próprio. Alguém comentou que “às vezes, fazemos bem em demonstrar ira, mas temos confundido essas vezes”. CBASD, vol. 6, p. 1140.

Não se ponha o sol. Aqui está uma salvaguarda contra o abuso da indignação. Embora deva sempre haver indignação contra o pecado, o ressentimento acalentado é destrutivo. CBASD, vol. 6, p. 1140.

29 A que for boa. Não é suficiente que o cristão se abstenha da linguagem obscena. Suas palavras devem cumprir um propósito útil. Jesus advertiu contra o uso de palavras ociosas ou sem propósito útil (Mt 12:36). CBASD, vol. 6, p. 1141.

32 Perdoando. A bondade e a ternura são de pouco proveito, a menos que se expressem no espírito de perdão. A bondade pode ser meramente uma espécie de cortesia ou polidez, se não estiver disposta a dar o passo do perdão. O espírito de perdão é mais do que um ideal ou mesmo uma virtude, é uma decidida atitude do coração e da mente. O Senhor Jesus é o único modelo que devemos seguir (Mt 6:12; Lc 6:36). O perdão foi comprado a um preço infinito, porém, não custa nada ao pecador, exceto o sacrifício do orgulho pessoal de perdoar os outros. CBASD, vol. 6, p. 1142.

by tatianawernenburg



EFÉSIOS 4 – VIDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
16 de julho de 2018, 0:00
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: