Reavivados por Sua Palavra


II Coríntios 9 by Jobson Santos
2 de julho de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/2-corintios/2co-capitulo-9/

Como parte dos esforços para levantamento de fundos, Paulo agora adverte os crentes de Corinto a estarem prontos para contribuir generosamente com o fundo de ajuda (vs. 1-2). A advertência implícita é que se os escolhidos para a arrecadação dos fundos chegassem e os encontrassem com má vontade para contribuir, tanto eles como Paulo ficariam envergonhados (vs. 3-5). O apóstolo Paulo lhes desafia a semearem abundantemente, de coração aberto em prol da divulgação da mensagem do evangelho.

Temos de investigar nosso coração a respeito da razão pela qual contribuímos financeiramente. Nunca esquecerei um membro da igreja que me disse que queria muito que a sua igreja local crescesse. Embora fosse o primeiro a dizer que desejava que sua igreja dobrasse de tamanho, ele, ao mesmo tempo, recusava apoiar a todos os pedidos por fundos para fazer evangelismo. Parecia que ele não tinha motivações puras e amorosas ao doar.

Paulo então destaca que é Deus quem faz “crescer os frutos da sua justiça” (v. 10, NVI). Esta frutificação resulta em uma nova fonte de riqueza, a riqueza espiritual. Para que através dela os coríntios possam “ser generosos em qualquer ocasião”, resultando “em ação de graças a Deus” e enchendo os corações dos necessitados socorridos de amor pelos doadores (v 14). E conclui: “Graças a Deus por este dom que palavras não podem descrever!” (v. 15, NTLH).

Michael W. Campbell
Professor Associado de Religião
Southwestern Adventist University
Keene, Texas USA

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=1333
Comentário original completo: https://reavivadosporsuapalavra.org/2015/04/08
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli/Jeferson Quimelli
Comentário em áudio: Pr. Valdeci: http://vod.novotempo.org.br/mp3/ReavivadosA/Reavivados02-07-2018.mp3
Comentários em vídeo

Ouça online [Voz Valesca Conty]:



II CORÍNTIOS 9 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
2 de julho de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



II CORÍNTIOS 9 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
2 de julho de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

II CORÍNTIOS 9 – É muito mais importante dar do que receber. Pois é melhor ter para doar, do que padecer necessidades a tal ponto de precisar de doações para viver.

Desde o capítulo anterior, o ato de doar vem sendo sistematicamente abordado pelo apóstolo Paulo. Segundo Warren W. Wiersbe, o capítulo anterior fornece os princípios da doação, que são:

1. Deve-se trazer doações à igreja (8:1);
2. Deve-se doar de coração (8:2-9);
3. Deve-se doar de acordo com as posses (8:1-15);
4. Deve-se ser honestos com as doações (8:16-24).

Agora, no capítulo em pauta, “Paulo fala sobre promessas que podemos reivindicar quando somos fieis na doação ao Senhor. Esses dois capítulos apresentam a doação como uma graça cristã, uma bênção, não uma obrigação legal que onera a pessoa. Há alguma coisa errada com o coração do cristão que acha difícil doar”.

Após fazer tal declaração intrigante, Wiersbe extrai três promessas do texto inspirado:

1. O doador traz bênção para outros (9:1-5);
2. O doador traz bênção para si mesmo (9:6-11);
3. O doador traz glória para Deus (9:12-15).

Agora, reflita:

• Que tipos seria o cristão que não abençoa os outros com suas ofertas?
• Não estaria prejudicando a si mesmo aquele que se nega a doar para Deus?
• Recusar-se a doar não implicaria em roubar a glória de Deus?

Deus não quer que ninguém seja egoísta, mas convertido. Ellen G. White observou: “O Espírito de liberalidade é o espírito do Céu. O abnegado amor de Cristo é revelado na cruz. Para que o homem pudesse ser salvo, deu Ele tudo quanto possuía, e em seguida Se deu a Si mesmo”.

Tem mais: “A cruz de Cristo apela para a beneficência de todo seguidor do bendito Salvador. O princípio ali ilustrado é dar, dar. Isto levado a efeito em real beneficência e boas obras, é o verdadeiro fruto da vida cristã. O princípio dos mundanos é adquirir, adquirir, e assim esperam conseguir felicidade; mas, levado a efeito em todos os seus adeptos, o fruto é miséria e morte. A luz do evangelho que brilha da cruz de Cristo reprova o egoísmo, e anima a liberalidade e beneficência”.

Reconhecer o quanto recebemos de Deus nos fará generosos. Somente assim refletiremos o caráter de Deus numa sociedade egoísta! – Heber Toth Armí.



II CORÍNTIOS 9 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
2 de julho de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Cada um contribua segundo tiver proposto no coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama a quem dá com alegria” (v.7).

A estratégia de Paulo para não causar constrangimento à igreja de Corinto foi a de trazer à recordação atitudes memoráveis que impactaram as demais igrejas. O seu exemplo de zelo serviu de grande estímulo a muitos outros, de forma que a sua fama se espalhou no meio de toda cristandade primitiva. A preocupação de Paulo, no entanto, demonstrou que aquele primeiro zelo havia se tornado em comodidade. E exortando a fim de que não fossem encontrados “desapercebidos” (v.4), e que cumprissem com fidelidade a “dádiva já anunciada” (v.5), pediu que alguns irmãos precedessem a sua ida a Corinto para assegurar que encontraria a igreja já com sua oferta “pronta como expressão de generosidade e não de avareza” (v.5).

Comparando as doações com os frutos de uma colheita, ilustrou os resultados da graça de Deus na vida de quem a recebe. A exata compreensão acerca do que Deus fez, faz e ainda fará por nós, redunda em superabundância “em toda boa obra” (v.8.). A semeadura do Reino de Deus possui propósitos altruístas que nada tem a ver com vantagens terrenas. Perante Deus, a nossa oferta deve ser a mais pura expressão da alegria de quem foi salvo em Cristo Jesus. Não deve ser algo forçado ou exigido, nem tampouco deve ser dada “com tristeza ou por necessidade” (v.7). Não deve ser um valor imposto, mas cada um deve contribuir “segundo tiver proposto no coração” (v.7).

Quando o cristão compreende que Deus lhe concedeu uma dádiva imensurável, sem fazer caso de nossa condição como culpados, de que não há “maior amor do que este: de dar alguém a própria vida em favor dos Seus amigos” (Jo 15:13), a sua alegria em dar torna-se uma constante expressão de gratidão. Porque não se trata apenas de suprir “a necessidade dos santos”, mas de dar “muitas graças a Deus” (v.12) através da nossa vida. Aquele que tudo entregou não espera menos de nossa parte. Todo aquele que olha para o semelhante com compaixão é alvo do amor de Deus (v.8.) e está cumprindo com fidelidade a confissão de sua fé “quanto ao evangelho de Cristo” (v.13).

Tudo o que temos pertence a Deus, mas Ele é tão misericordioso que nos concede o privilégio de participarmos de Sua graça através das ofertas. Que Ele jamais nos encontre desapercebidos. Que não sejamos motivo de vergonha para o Senhor, mas testemunhas dAquele que tudo nos deu. Que a nossa vida seja um testemunho de quem sempre dá “graças a Deus pelo Seu dom inefável!” (v.15).

Bom dia, testemunhas do Doador da vida!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #2Coríntios9 #RPSP



II CORINTIOS 9 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
2 de julho de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

557 palavras

1 É desnecessário. A linha de pensamento iniciada em 2 Coríntios 8:1 continua ininterrupta. No cap. 9, Paulo acrescenta á exortação concernente à coleta para os pobres em Jerusalém. Para que os coríntios não pensassem que Paulo insistia desnecessariamente no assunto, ele explica o motivo porque escreve amplamente a esse respeito. Os planos deles no ano anterior foram interrompidos pela dissenção e o espírito partidário que se ergueram entre os membros em Corinto. Entretanto, a fim de encorajar as igrejas da Macedônia a responder de um modo similar, Paulo salientou a prontidão original dos coríntios em participar no projeto. A menos que os crentes em Corinto completassem a coleta sem demora adicional, pareceria aos macedônios que a vanglória de Paulo acerca dos coríntios era infundada. Este versículo é uma forma sutil e cortês de expressar confiança na prontidão para continuar a coleta e de inspirá-los a fazer o mesmo, vindicando a confiança de Paulo neles. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 6, p. 986.

4 Confiança. A base para a glória de Paulo estaria plenamente despedaçada, caso os coríntios estivessem despreparados quando ele chegasse. CBASD, vol. 6, p. 987.

6 Aquele que semeia. Na Bíblia, a imagem de semear e colher é bem conhecida. A relação entre semear e colher é natural e justa. Essa imagem está em plena harmonia com os princípios do governo de Deus. Um bom agricultor não semeia de forma relutante ou parcimoniosa, mas com alegria e abundância, conhecendo o relacionamento entre semeadura e colheita. CBASD, vol. 6, p. 988.

7 Proposto no coração. Isto denota uma decisão bem pensada. A benevolência cristã desenvolve escolha deliberada. Uma considerável quantia é doada no impulso do momento, sem o pensamento cuidadoso que acrescenta à doação o coração do doador. Não é assim com o grande dom do amor de Deus. Unicamente o que vem de um espontâneo desejo do coração é aceitável a Deus (Mt 6:2-4). CBASD, vol. 6, p. 988.

10 Dá semente. Paulo novamente cita a LXX (Is 55:10), utilizando uma analogia entre a agricultura e o mundo espiritual. Assim como Deus precisa de agricultores que semeiem abundantemente, assim Ele fará com as pessoas que semeiam sementes de caridade e benevolência. A lei da semeadura e da colheita no mundo natural também é verdadeira para a utilização humana das posses terrenas. Aqueles que são generosos colherão com mais abundância das generosidades de Deus, embora não necessariamente em espécie (Mt 19:29). Deus fornece a semente, ordena as estações e envia o sol e a chuva. Ele faz o mesmo com as sementes de generosidade semeadas no coração das pessoas. CBASD, vol. 6, p. 989.

15 Inefável. Literalmente, “que não pode ser descrito plenamente”. Não pode haver plena exposição do dom do amor divino. Essa atribuição de louvor a Deus fornece um clímax adequado à seção que lida com a coleta de doações para os santos em Jerusalém. A gratidão a Deus prepara o caminho para a obediência a Sua vontade e para a recepção do poder para se envolver em serviço abnegado. Aquele que está repleto de gratidão a Deus buscará cumprir todas as Suas exigências, não porque é forçado, mas porque escolheu fazer dessa forma. A gratidão a Deus é a base de uma experiência cristã eficaz. Até que a pessoa seja submersa pela gratidão a Deus, por Seu dom “inefável”, a religião não alcança as profundezas da alma humana e do seu exterior em serviço altruísta pelos semelhantes. CBASD, vol. 6, p. 991.

by tatianawernenburg



II CORÍNTIOS 9 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
2 de julho de 2018, 0:15
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: