Reavivados por Sua Palavra


Efésios 6 by Jobson Santos
18 de julho de 2018, 11:50
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/efesios/ef-capitulo-6/

Em Efésios Paulo descreve a igreja como o corpo de Cristo (1:22-23; 4:11-16), como o templo de Deus (2:19-22), e como a noiva/esposa de Cristo (5:21-33). Em Efésios 6:10-20, Paulo retrata a igreja como o exército de Deus e oferece um vigoroso convite às armas. É uma passagem que oferece muitos benefícios e corre o risco de ser mal interpretada.

Através desta vívida metáfora militar, a igreja não é chamada à guerra no sentido tradicional. Paulo está pensando no campo de batalha do grande conflito e nos chama para nos alistarmos no exército de Deus.

Nós não apenas enfrentamos inimigos humanos, mas “as forças espirituais do mal nas regiões celestiais” (v. 12, NVI), liderados por um general astuto, o diabo (v. 11). No entanto, não precisamos ser intimidados por nossos inimigos, pois Deus está presente conosco na batalha (v. 10) e forneceu-nos a melhor das armas, a Sua própria armadura, a “armadura de Deus” (v 11; cf. Is. 59:15b-17). Ele colocou à nossa disposição a verdade, a justiça, a paz, a fé, a salvação e o Espírito (vs. 13-17). Deus vai adiante de nós e equipados da cabeça aos pés com a armadura que Ele forneceu, não podemos falhar. A vitória está garantida.

Que Deus abençoe a você, membro do Seu exército, que luta pela paz no poder do Seu nome!

John McVay
Professor Associado de Religião
Universidade de Walla Walla
Estados Unidos

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=1349
Comentário original completo: https://reavivadosporsuapalavra.org/2015/04/24
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli/Jeferson Quimelli
Comentário em áudio: Pr. Valdeci: http://vod.novotempo.org.br/mp3/ReavivadosA/Reavivados18-07-2018.mp3
Comentários em vídeo

Ouça online [Voz Valesca Conty]:

 



EFÉSIOS 6 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
18 de julho de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



EFÉSIOS 6 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
18 de julho de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

EFÉSIOS 6 – A batalha entre o bem e o mal é real, e não há meio termo: Ou tomamos o partido do bem ou nos posicionamos ao lado do mal.

O bem está no evangelho, o qual afeta profundamente todos os relacionamentos. A primeira parte do capítulo, baseando-me em Warren Wiersbe, obtemos os seguintes pontos:

1. Filhos cristãos (vs. 1-3):

• São cristãos (“no Senhor”);
• A obediência correta;
• A obediência é ordenada;
• A obediência traz bênçãos.

2. Pais cristãos (v. 4):

• Não deve provocar seus filhos;
• Deve nutri-los;
• Deve discipliná-los;
• Deve instrui-los e incentivá-los.

3. Servos cristãos (vs. 5-8):

• Devem trabalhar como se estivesse servindo a Cristo;
• Fazer um bom trabalho é a vontade de Deus;
• Serão recompensados pelo Senhor.

4. Senhores cristãos (v. 9):

• Deve-se preocupar com o bem-estar de seus funcionários;
• Não deve ameaçá-los;
• Deve sujeitar-se ao Senhor;
• Não deve ter favoritismo.

A batalha espiritual é intensa, quanto mais nos identificamos com Deus. A última parte do último capítulo de Efésios, conforme Hernandes Dias Lopes, oferece-nos os seguintes pontos:

1. O inimigo (vs. 11-13) contra quem lutamos na mais terrível batalha mundial é…

• …invisível;
• …maligno;
• …astuto;
• …persistente;
• …numeroso;
• …oportunista.

2. O equipamento que precisamos para essa batalha (vs. 14-17):

• Cinturão da verdade;
• Couraça da justiça;
• Calçado do evangelho;
• Escudo da fé;
• Capacete da salvação;
• Espada do Espírito.

3. O poder para vencer essa guerra (vs. 10-13): Precisamos…

• …do revestimento do poder de Deus;
• …do revestimento de toda a armadura de Deus;
• …de vigilância constante;
• …estar a postos e não ceder às pressões;
• …continuar atentos mesmo depois de uma vitória consagrada.

4. A energia com a qual devemos lutar essa guerra (vs. 18-20): A oração é o poder para a vitória:

• O tempo da oração: “Orando em todo o tempo”;
• A natureza da oração: “Com toda oração e súplica”;
• A esfera da oração: “No Espírito”;
• A vigilância da oração: “E, para isso mesmo, vigiando”;
• A perseverança da oração: “Com toda perseverança”;
• O alcance da oração: “E súplica por todos os santos, e…”.

5. O encorajamento para lutar essa guerra (vs. 21-24):

• Não estamos sozinhos na batalha;
• Mesmo em guerra, somos o povo mais abençoado do mundo.

Encontramos em Efésios os propósitos de Deus para os cristãos e para a igreja, vamos vivê-los. Lutemos, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

O que você achou interessante ao estudar a carta de Efésios?



EFÉSIOS 6 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
18 de julho de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Revesti-vos de toda a armadura de Deus para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo” (v.11).


De todos os enganos de Satanás, creio que o mais eficaz tem sido a ideia de que ele não existe, que é apenas uma lenda cômica de um diabinho com um par de chifres e um tridente na mão. Ignorar a sua existência é ignorar a origem do pecado e, consequentemente, o próprio pecado. Ora, se não há pecado não há mal, e se não há mal, tudo se torna relativo. E não havendo pecado e nem mal, qual a necessidade de um Salvador? Compreendem o perigo deste engano? É como estar numa guerra diante do ataque do exército inimigo e simplesmente ignorá-lo. Nenhum ser humano está alheio ao grande conflito cósmico. E ignorar ou negligenciar os ensinos da Bíblia não nos torna neutros na guerra que definirá o nosso destino eterno.

Após destacar o casamento como um símbolo da união entre Cristo e Sua igreja, Paulo reforça também a importância de um lar cristão bem estruturado. Filhos e pais cumprindo seu papel para que a família seja uma bênção para o mundo. E como servos de Cristo, somos chamados a fazer, “de coração, a vontade de Deus” (v.6), ainda que ninguém esteja vendo, “servindo de boa vontade, como ao Senhor e não como a homens” (v.7). O nosso lar, além de ser um centro de convivência, deve ser também a melhor escola para a vida. A Bíblia nos ensina a seguinte escala de prioridades:

  1. Deus;
  2. Família;
  3. Trabalho e as demais coisas.

A primeira prioridade podemos encontrar em Deuteronômio 6:5 e em Mateus 6:33. A segunda prioridade, está implícita na firme decisão de Josué, ao dizer: “Eu e a minha casa serviremos ao Senhor” (Js 24:15). Como também nas palavras do próprio Paulo, quando afirmou: “Ora, se alguém não tem cuidado dos seus, especialmente dos da própria casa, tem negado a fé e é pior do que o descrente” (1Tm 5:8). A terceira prioridade, creio que nem podemos denominá-la assim. Creio que o trabalho e as demais coisas devam ser meios pelos quais Deus seja louvado e a família, beneficiada.

Quando seguimos esta sequência, cientes do conflito no qual estamos todos inseridos, somos “fortalecidos no Senhor e na força do Seu poder” (v.10), tomando toda a Sua armadura, para podermos “resistir no dia mau”, e depois de termos vencido tudo, permanecermos inabaláveis (v.13). Percebam que Paulo não disse para tomarmos metade da armadura de Deus ou uma parte dela, mas toda, e ele reforçou isso duas vezes (v.11 e 13). Cada parte desta indestrutível armadura é indispensável à vida cristã. Analisemos, resumidamente, cada uma delas:

  1. Cinto da verdade (v.14): é o que mantém segura a veste do soldado em seu devido lugar. Retire a verdade e você terá uma fé vacilante;
  2. Couraça da justiça (v.14): é a proteção de praticamente todo o corpo. É a justiça de Cristo imputada a nós. Utilize a sua justiça própria e você ficará tão frágil quanto um soldado desarmado;
  3. Calçado da “preparação do evangelho da paz (v.15): os soldados devem possuir um calçado adequado e resistente às diversas situações de risco. Nossos pés representam o serviço missionário e o fato de estar calçado, a prontidão em aceitar este chamado. O cristão que recusa esta parte da armadura descobrirá, tarde demais, que não se chega ao Céu sozinho;
  4. Escudo da fé (v.16): o escudo protege o soldado contra os ataques inimigos. Da mesma sorte, a fé é o escudo que blinda o cristão não do sofrimento e dos pesares, mas de ser vencido por eles. “Sem fé é impossível agradar a Deus” (Hb 11:6);
  5. Capacete da salvação (v.17): assim como o capacete protege o soldado na guerra, a salvação em Cristo Jesus blinda a nossa mente contra as estratégias do Maligno. Não podemos, de forma alguma, permitir que a nossa mente vagueie sem propósito pelas sendas do mal. “E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente” (Rm 12:2);
  6. Espada do Espírito (v.17): a espada é a única arma ofensiva desta armadura. Como também escreveu Paulo: “Porque a palavra de Deus é viva, e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes” (Hb 4:12). Ela faz separação entre santo e profano, limpo e imundo, justo e ímpio. Um crente sem o conhecimento das Escrituras é um crente indefeso e presa fácil do inimigo.

Paulo acrescentou algo a mais que deve ser constante em nossa labuta contra o mal: a oração. E o verso dezoito reforça a ordem de Cristo, quando declarou: “Vigiai e orai” (Mt 26:41). Deus está, à cada dia, nos oferecendo a Sua armadura como um privilégio gratuito. Qual tem sido a sua decisão? Não saia para a guerra hoje sem esta santa e eficaz proteção! Ao contrário do que dizem, há sim um inimigo feroz e astuto querendo nos destruir. Portanto, “sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar” (1Pe 5:8). Que no retorno de nosso Senhor, façamos parte de Seu exército triunfante, “os seguidores do Cordeiro por onde quer que vá… os que foram redimidos dentre os homens, primícias para Deus e para o Cordeiro” (Ap 14:4).

A graça seja com todos que amam sinceramente a nosso Senhor Jesus Cristo” (v.24).

Bom dia, exército do Deus vivo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Efésios6 #RPSP



EFESIOS 6 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
18 de julho de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

768 palavras

1 Filhos. O apóstolo faz uma transição natural de maridos e esposas para filhos. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 6, p. 1154.

Obedecei. Isto é mais forte do que a palavra “sujeitai-vos”, que é usada para expressar a relação da mulher para com o marido (Ef 5:22), e indica uma relação diferente. Em toda a Escritura, a desobediência aos pais é tratada como um dos piores males (Rm 1:30; 2Tm 3:2). A obediência por parte dos filhos é razoável e justa. O bebê, ao nascer, é o mais indefeso de todos os seres e, durante anos, depende completamente do amor e ternura dos pais. Não pode haver vida em uma família sem a obediência dos filhos, pois a criança não é competente para julgar o motivo de certas formas de ação. Ainda mais importante, a criança desobediente aos pais certamente será desobediente a Deus, pois não conhece as disciplinas e restrições essenciais ao crescimento cristão. A palavra “obediência” não soa agradável aos ouvidos modernos, mas os que se ressentem dela como uma “imposição” devem assumir sua parcela de culpa pelo alarmante aumento da delinquência juvenil nos últimos tempos. CBASD, vol. 6, p. 1154.

4 Pais. O termo pode ser usado,genericamente para incluir pais e mães. No entanto, a primeira responsabilidade para a disciplina geralmente recai sobre o pai e, além disso, os pais com frequência precisam seguir esse conselho mais do que as mães. Às vezes, as mães tendem a ser indulgentes, e os pais, à severidade. CBASD, vol. 6, p. 1155.

Não provoqueis. Este conselho negativo é essencial para que a necessária obediência dos filhos se apoie em uma base moral. A passagem paralela de Colossenses dá o motivo para esta exortação: “Para que não fiquem desanimados” (Cl 3:21). A presente condição de baixa autoridade paterna, por vezes, se origina de posturas injustas e irritantes, até mesmo brutais cometidas pelos pais sobre os filhos, especialmente os indesejáveis. Muitas vezes, os filhos são considerados “perturbadores da paz” do lar, um aborrecimento. Outra causa comum de ressentimentos entre os filhos são as exigências caprichosas e incoerentes de alguns pais. Até mesmo obediência exterior é obtida por meios violentos, à custa da honra e do respeito. CBASD, vol. 6, p. 1155.

Admoestação. Do gr. nouthesia, “colocar na mente”. Esta palavra implica instrução ou disciplina que se transmite por meio da palavra, em forma de advertência. A admoestação ou conselho incentiva a criança quando está correta e avisa quando procede de forma errada. Tem sido seriamente sugerido por alguns educadores que a criança deve ser deixada para formar suas próprias ideias e convicções religiosas, uma vez que é injusto impor a religião a ela quando está despreparada para pensar por si mesma. Este raciocínio é enganoso, pois é impossível a uma criança crescer sem nenhum tipo de convicção religiosa. Se os pais ou responsáveis não instruírem seus filhos na verdade, alguém vai instruí-los no erro. Não há neutralidade nessa questão. CBASD, vol. 6, p. 1156.

8 Certos. O escravo pode ter a certeza de que sua vida e seus atos são observados pela Providência, e que as recompensas que sobrevêm a outros também serão suas. As grandes promessas de ordem espiritual são para todos os crentes. CBASD, vol. 6, p. 1157.

11 Revesti-vos. Paulo usa frequentemente a figura de “revestir-se”. Aqui, refere-se a colocar a armadura que protege o cristão. CBASD, vol. 6, p. 1159.

Toda a armadura. Do gr. panóplia, “armadura completa”. A armadura é de Deus, porque Ele é o único que fornece cada equipamento em particular (Ef 6:14-17). O cristão é convidado a se revestir dela e lutar bravamente na batalha. Aquele que fez a armadura garante sua eficácia. CBASD, vol. 6, p. 1159.

Do diabo. Do gr. diabolos. Se o conflito fosse apenas com seres humanos, a necessidade da armadura não seria tão evidente, mas é preciso enfrentar as artimanhas e astúcias do diabo. As tentações que Cristo sofreu revelam as sutilezas dos métodos do diabo, sempre dirigidos para os pontos mais frágeis da pessoa. É muito mais fácil lidar com a hostilidade aberta do que com a fraude. A armadura de Deus é planejada para defender contra os ataques cheios de astúcia que, de outra maneira, destruiriam o guerreiro cristão. CBASD, vol. 6, p. 1159.

12 Dominadores deste mundo. Literalmente, “governantes do mundo das trevas deste século”. É evidente que Paulo se refere aos espíritos malignos, que exercem certo grau de autoridade sobre o mundo. CBASD, vol. 6, p. 1159.

22 Console. Paulo sabia o quanto seus leitores estavam preocupados com seu bem-estar e desejava aliviá-los de toda preocupação desnecessária, bem como mostrar-lhes como um cristão pode suportar os sofrimentos com alegria. CBASD, vol. 6, p. 1162.

24 Sinceramente. Literalmente, “em incorruptibilidade”. Em suas palavras finais, Paulo dirige a atenção dos leitores às realidades eternas. CBASD, vol. 6, p. 1163.

by tatianawernenburg



EFÉSIOS 6 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
18 de julho de 2018, 0:05
Filed under: Sem categoria

 




%d blogueiros gostam disto: