Reavivados por Sua Palavra


Isaías 35 by Jobson Santos
31 de março de 2014, 0:18
Filed under: profecias | Tags: , ,

Comentário devocional:

No capítulo anterior, aprendemos o que acontecerá com os ímpios e que desprezam o seu direito de primogenitura espiritual: sua terra aparentemente próspera será transformada em desolação. Em Isaías 35, encontramos o oposto.

Apesar de anteriormente mortos em pecado, com a vida como um deserto ressequido, sem Deus, os justos que, como Jacó, se agarraram ao seu direito de primogenitura e ao seu Deus, dizendo, como Jacó: “Não Te deixarei ir, a não ser que me abençoes” (Gn 32:26 NVI), recebem uma promessa incrível. A eles é dito que seu deserto se alegrará como as flores (v. 1), e que verão, com regozijo, a “glória” e o “esplendor do nosso Deus” (v. 2 NVI).

A nós, que não tínhamos nem “glória” nem “resplendor”, porque vivíamos no pecado, agora nos serão dadas ambas, pois nos tornamos mortos para o pecado. No entanto, os méritos são atribuídos ao Senhor, não a nós. Mateus 5:16 diz: “Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens, para que vejam as suas boas obras, e glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus” (NVI).

Em Isaías 35, as promessas continuam. Os que estão cansados, vacilantes, desanimados, recebem encorajamento: “Sejam fortes, não temam!” (v. 4 NVI). O cego verá, os surdos ouvirão, os coxos saltarão e os mudos cantarão (v. 5 e 6a). Onde antes havia deserto, em breve haverão correntes de águas vivas (v. 6b).

 

Muitos não reconhecem o valor que tem para Deus. Também não reconhecem o que Ele deseja fazer com o deserto de suas vidas.

O Desejado de Todas as Nações nos diz: “O Senhor fica decepcionado quando Seu povo se estima a si mesmo como de pouco valor. Deseja que Sua escolhida herança se avalie segundo o preço que Ele lhe deu. Deus a queria, do contrário não enviaria Seu Filho em tão dispendiosa missão de a redimir. Tem para eles uma utilidade, e agrada-Se muito quando Lhe fazem os maiores pedidos, a fim de que Lhe glorifiquem o nome. Podem esperar grandes coisas, se têm fé em Suas promessas.” p. 668.

Entreguemos o deserto de nossa vida para Deus hoje, reconhecendo que aquEle que nos redimiu tem os melhores planos para nós. A seguinte promessa nos pertence: “… e os que o Senhor resgatou voltarão. Entrarão em Sião com cantos de alegria; duradoura alegria coroará sua cabeça. Júbilo e alegria se apoderarão deles, e a tristeza e o suspiro fugirão “(v. 10 NVI). Que maravilhoso dia esse será!

Melodious Echo Mason

ARME Bible Camp Ministries

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/isa/32/

Traduzido por JDS/JAQ

 Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/isaias/is-capitulo-35/

 



Isaías 34 by Jeferson Quimelli
30 de março de 2014, 0:00
Filed under: escolhas, salvação | Tags:

Comentário devocional:

Podemos ver reproduzido ao longo de toda a Bíblia, na vida do povo de Deus, o tema do Grande Conflito: luz contra as trevas, bem contra o mal, carne contra espírito. Isaías 34, uma profecia contra Edom, também se insere neste contexto e, para melhor compreender seu significado, é útil rever um pouco de história.

Em Gênesis 25, encontramos a história de Isaque (filho de Abraão) e sua esposa Rebeca dando à luz a dois filhos gêmeos: Esaú e Jacó. A luta entre os dois irmãos começou no ventre da mãe e teve continuidade futura entre eles e suas descendências, que vieram a compor nações distintas.

Esaú desprezou o direito da primogenitura ao vendê-lo a Jacó por nada mais do que um prato de guisado vermelho. Edom, que significa vermelho, passou a denominar uma das nações dos filhos de Esaú (provavelmente ele era também ruivo) (ver Gên 25:30). Jacó levou a sério o direito de primogenitura e, mesmo não agindo de maneira nobre, fez de tudo para consegui-lo, com um alto custo: fuga, separação dos pais (provavelmente nunca mais viu a mãe), exploração na casa do tio. 

Jacó tornou-se o pai de Israel, o povo escolhido de Deus, enquanto Esaú tornou-se o pai dos edomitas e de várias nações pagãs que tentaram destruir Israel.

Na época do Êxodo, Israel pediu ao rei de Edom a permissão para passar pacificamente por sua terra. Esta permissão foi recusada (ver Núm 20:14-21). Não muito tempo depois, os amalequitas (também descendentes de Esaú – ver Gên 36:12) foram os primeiros a fazer guerra contra os israelitas em sua jornada em direção a Canaã (Êx. 17:8).

Os edomitas foram por um tempo conquistados por Davi (2Sam 8:14) e mais tarde por Amazias (2Cr 25:11,12). Mas recuperaram a sua independência, anos mais tarde, durante o declínio do reino judeu (2Rs 8:20 e 16:6, NVI), fazendo, a partir daí, contínua oposição a Israel. Eles uniram armas com os caldeus quando Nabucodonosor capturou Jerusalém e, mais tarde, invadiram e dominaram o sul da Palestina, até Hebrom.

Edom prosperou por um tempo, mas sua destruição como nação foi selada, no entanto, por causa de sua contínua batalha contra o povo de Deus ao longo da história. Assim, rejeitaram a Deus e a Sua salvação e deveriam finalmente enfrentar um fim terrível. Em Isaías 34, encontramos a austera profecia de sua destruição (ver tb Ez 25:12,13).

Esta profecia cumpriu-se exatamente como predita. No entanto, ela possui um sentido mais amplo e terá o seu cumprimento futuro com a destruição no fim do mundo de todos aqueles que escolheram desprezar seu patrimônio espiritual e caminhar na direção contrária às leis de Deus. Naquele tempo, não haverá mais misericórdia e nem segunda chance.

Escolhamos hoje abraçar o dom da primogenitura espiritual, para que um dia, em breve, possamos desfrutar do novo céu e da nova terra.

Melodious Echo Mason
EUA 

 

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/isa/34/

Traduzido por JDS/JAQ/GASQ

Texto bíblico: Isaías 34



Isaías 33 by Jeferson Quimelli
29 de março de 2014, 0:00
Filed under: salvação | Tags: ,

Comentário devocional:

Em toda a Bíblia encontramos uma série de “ais” do Senhor para nós. A maioria desses “ais” são encontrados no livro de Isaías. Esses “ais” repreendem tudo, desde os pecados pessoais dos ímpios, ao orgulho dos justos e por estes chamarem o mal por bem. Isaías ainda diz “ai” para si mesmo quando reconhece que ele é um  homem de lábios impuros. O estudo dos “ais” pode nos ajudar a não nos incluirmos em algum deles.

Nos capítulos anteriores imediatos, de Isaías 28 ao capítulo 31, Isaías profetizou “ais” contra Israel e Judá por sua rebeldia e orgulho. Agora encontramos Isaías proferindo um sério “ai” contra o rei Senaqueribe e o exército assírio que vieram saquear Jerusalém. Apesar do capítulo 33 parecer começar com uma nota negativa, é realmente um capítulo de esperança e misericórdia para Jerusalém. Embora Israel tantas vezes tenha caminhado em seu próprio conselho, e procurado pela ajuda de outras pessoas em vez de Deus, quando eles clamam por misericórdia, esta profecia lembra a eles (e a nós hoje) que Deus ainda ouve e responde a oração. De fato, somos informados neste capítulo que o reino que veio para saquear Jerusalém seria saqueado (v. 4). (Ver história detalhada em Isaías 36 e 37.)

Há uma mina de ouro neste capítulo, mas vamos nos concentrar no verso 14 e no que vem depois. Vendo como o Senhor resgata Israel da Assíria, os pecadores e hipócritas em Israel (incluindo os falsos professores de religião) clamam em angústia: “Quem de nós pode conviver com o fogo consumidor? Quem de nós pode conviver com a chama eterna?” (NVI). No Salmo 24:3 encontramos um grito semelhante: “Quem poderá subir o monte do Senhor? Quem poderá entrar no seu Santo Lugar?” (NVI).

A resposta vem nos versos seguintes às duas passagens: “Aquele que tem as mãos limpas e o coração puro, que não recorre aos ídolos nem jura por deuses falsos” (Sl 24:4 NVI). “Aquele que anda corretamente e fala o que é reto, que recusa o lucro injusto, cuja mão não aceita suborno, que tapa os ouvidos para as tramas de assassinatos e fecha os olhos para não contemplar o mal”(Isaías 33:15 NVI).

Como é que nós, seres humanos pecadores, podemos ter um coração puro? Como podemos nós, injustos desde o nascimento, andar retamente? Não podemos; Não sem Cristo. “Sem Cristo não podemos subjugar um único pecado nem resistir à menor tentação. É a conexão com um poder que é todo-poderoso que nos fará vencedores. Que todos que vem a Jesus andem em humildade e sintam diariamente que precisam de um poder fora e acima de si mesmo para amolecer seu coração de pedra; que ele precisa ser derretido como um metal para que a escória da autosuficiência possa ser consumida.” Signs of the Times, 10 de agosto de 1891, par. 2.

Louvado seja nosso todo-poderoso Senhor! Que Deus glorioso nós servimos! Arrependamo-nos e nos voltemos a Ele hoje para que Ele perdoe nossas iniqüidades e subjugue todos os nossos inimigos. Ao reconhecermos quem somos em comparação ao que nosso Deus é, torna-se cada vez mais evidente a nossa total incapacidade para cumprir as exigências divinas. Contudo, Isaías 33:22 resume tudo muito bem: ” Pois o Senhor é o nosso juiz, o Senhor é o nosso legislador, o Senhor é o nosso rei; é Ele que nos vai salvar.” (NVI).

Melodious Echo Mason
EUA

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/isa/33/

Traduzido por JAQ/JDS

Texto bíblico: Isaías 33 



Isaías 32 by Jeferson Quimelli
28 de março de 2014, 0:00
Filed under: restauração, vitória | Tags:

Comentário devocional:

Isaías começa sua descrição messiânica de Cristo como Rei que reinará com justiça (v. 1a). 

“Isaías desvia a atenção do iminente ataque assírio a Jerusalém (Is 31:8,9) para se referir ao tempo de paz que viria a seguir. Depois da retirada de Senaqueribe, em 701 a.C., seguiu-se um tempo de paz sob o justo reinado de Ezequias… . De forma similar a derrota de todas as forças de Satanás será seguida do eterno reinado de Cristo em justiça e glória. Como de costume, o quadro profético de paz e segurança une a descrição das glórias do mundo porvir com a era messiânica. Nesse contexto messiânico, o “rei” é Cristo”. CBASD, vol. 4, p. 231.

Os fiéis são vistos como “príncipes que governarão com justiça” (v1b NVI)  Paulo diz que os justos irão julgar o mundo e até os anjos (ver 1 Cor. 6:2,3).

Nesta época pós-advento glorioso, onde cada homem terá a firmeza de uma fortaleza (v. 2), os cegos verão, os surdos ouvirão (v. 3). A “mente do precipitado saberá julgar”, pois discernirá a verdade (v. 4a), e os gagos falarão “com facilidade e clareza (v. 4b NVI). Isaías viu a perfeição total.

No final do tempo as coisas receberão o devido valor. Nunca mais o tolo será chamado nobre (v.5a) e os violentos serão chamados generosos (v.5b). 

Isaías define como insensato (NVI) aquele que loucamente “só pensa no mal; … pratica a maldade e espalha mentiras sobre o Senhor” (v. 6 NVI). O insensato  está constantemente a fazer planos para retirar proveito daquele que não tem como defender seu direito (v. 7). Em contraste, Isaías mostra que o homem nobre planeja o que é nobre e será apreciado por causa disso (v. 8). 

No final desta descrição Laodiceana da igreja, há um duplo chamado ao despertamento àqueles que dormem como as dez virgens da parábola de Jesus (v. 9). Isaías fala a seguir do momento em que o remanescente será convidado a se retirar do meio do erro: “saiam dela, povo meu … para que as pragas que vão cair sobre ela não os atinjam!” (Apoc. 18:4 NVI). Então, em um alívio, Isaías fala no verso 15 como o derramamento do Espírito tornará frutíferos os campos.

Em Joel 2:28, o Senhor diz: “derramarei do meu Espírito sobre todos os povos” e, então, quem quer que invocar o nome do Senhor será salvo. É o momento da chamada final em que muitos se unirão ao Remanescente. A justiça e a retidão serão encontradas onde antes era apenas deserto, mas que se tornou em campo fértil (v. 16).

Agora Isaías retorna ao tema inicial do capítulo, o reino Messiânico: “o fruto da justiça será paz” (v. 17a). A paz em Sião é fruto da justiça de Jesus e de seu justo reinado.  O justo “viverá em locais pacíficos, em casas seguras” (v. 18 NVI).

No versículo 19 Isaías vai voltar a mencionar como as cidades ficaram desoladas e destruídas. João em Apocalipse fala de grandes pedras de granizo e cidades arrasadas (Apocalipse 16:21). Em contraste, os justos estarão no céu onde eles e os animais poderão andar livremente porque lá não haverá guerras ou ladrões (v. 20).

Querido Deus,
Queremos viver em segurança espiritual e desejamos crescer na Sua graça. E quando a última chuva do Espírito for derramada, queremos ser banhados por ela.  Amém.

Koot van Wyk
Coreia do Sul

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/isa/32/

Traduzido por JDS/JAQ

Texto bíblico: Isaías 32 



Isaías 31 by Jeferson Quimelli
27 de março de 2014, 0:00
Filed under: confiança em Deus | Tags:

Comentário devocional:

Nos dias de Isaías, os interesses do Egito na Palestina eram as rotas comerciais e a madeira. Já os Judeus encontravam no Egito cavalos velozes (v. 1b), carros de batalha (v. 1c) e fortes soldados mercenários (v. 1d). Ao invés de buscarem ajuda no “Santo de Israel”, eles estavam confiando na ajuda humana contra a Assíria.

Isaías lembra que os egípcios são apenas seres humanos, mas Deus é divino; os cavalos são apenas carne, mas Deus é Espírito (v. 3a-b).

Em seguida, o Senhor usou, através de Isaías, a ilustração de um grande leão atacando uma ovelha. E pastores tentando em vão assustar este leão correndo em sua direção, gritando e fazendo barulho. Do mesmo modo, a batalha de Deus contra o mal não pode ser interrompida por ninguém (v. 4). Ao dizer que “o Senhor dos Exércitos protegerá Jerusalém”, Isaías  se refere tanto à Jerusalém literal, salva pelo anjo do Senhor do exército de Senaqueribe (Is. 37:36,37) quanto à Jerusalém celeste e a seus fiéis dentro dela. 

João descreve no Apocalipse a batalha final após o milênio (Apoc. 20:1-6), quando a Nova Jerusalém será cercada pelos exércitos ressuscitados de Satanás (Apoc. 20:7-10). João não apresentou um conceito novo, pois Isaías foi o primeiro a falar acerca do milênio em Isaías 24:22, quando os ímpios e seus líderes serão “castigados depois de muitos dias” (NVI). Deus consumirá os Seus adversários (Is. 26:11), mas não tem prazer nisso. Por isso, Ele suplica aos rebeldes: “voltem para aquEle contra quem vocês se revoltaram” (v. 6).

Naqueles dias, diz Isaías, cada ímpio “rejeitará os ídolos” (v,7 NVI) fabricado para o pecado e que agora lhe são inúteis para lhe suster a vida perante o fogo consumidor do Senhor. Os ímpios cairão não por uma espada humana, mas pela Palavra de Deus (v. 8), assim como o exército de Senaqueribe não escapou (Is. 37). Sua força, sua confiança, “sua fortaleza” caiu “por causa do pavor” (v. 9a NVI).

O assunto mais importante enfocado aqui por Isaías não é o Egito ou Judéia, mas Deus, que é sábio e trará desastre sobre aqueles que escolheram permanecer desconectados dEle.

Em quem iremos colocar nossa confiança? No “Santo de Israel” (v. 1 NVI) ou nos ídolos que criamos para nós mesmos, idolos tecnológicos ou ideológicos que nos levam a pecar? Nossa escolha hoje determinará se estaremos protegidos por Deus no dia do acerto de contas final ou se seremos consumidos pelo fogo do Senhor (v. 9).

Querido Deus,

Conceda Senhor que nossa confiança esteja sempre centrada em Ti e não em maquinações e poder humanos. Mantenha-nos bem junto a Ti, pedimos. Amém.

 

Koot van Wyk

Coreia do Sul

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/isa/31/

Traduzido por JAQ/JDS

Texto bíblico: Isaías 31



Isaías 30 by Jeferson Quimelli
26 de março de 2014, 0:00
Filed under: acontecimentos finais | Tags: , , ,

Comentário devocional:

Isaías começa o capítulo descrevendo um problema de rebelião pela grande maioria do povo de Deus, que os levou a procurar refúgio no lugar errado (v. 1). Judá procurou refúgio no Egito sem consultar a Deus (v. 2a-c). 

Quando fazemos alguma coisa sem consultar a Deus certamente entraremos em dificuldades. Isaías adverte o povo acerca da inutilidade de confiar no Egito a fim de obter segurança no futuro (v. 5-7).

Isaías descreve vividamente a situação espiritual de Judá. “Esse povo é rebelde; são filhos mentirosos, filhos que não querem saber da instrução do Senhor. Eles dizem aos videntes: ‘Não tenham mais visões!’ e aos profetas: ‘Não nos revelem o que é certo! Falem-nos coisas agradáveis, profetizem ilusões’ ” (v. 9-10, NVI). Há uma rejeição geral da Palavra de Deus (v. 12b).

Quando não se confia no Senhor, se está confiando automaticamente no mestre da opressão e o resultado é a instabilidade (v. 13). O colapso vem de repente (v. 13c). O fim dos ímpio é o mesmo de Satanás (v. 14): total e definitiva destruição. 

Então Isaías apresenta a solução: “Em vos converterdes e em sossegardes está a vossa salvação” (v. 15b ARA). Se o povo se voltasse arrependido para o Senhor, confiando em Sua bondade e obedecendo às Suas instruções, a nação poderia ser poupada. O problema é que eles não estavam dispostos em assim proceder (15d). 

Quando um ser moral livre escolhe fazer o que é errado, Deus se entristece, mas respeita a decisão tomada. Mas, de acordo com Isaías, Deus espera ansiosamente a oportunidade de ser benigno para com seus filhos. “O Senhor espera o momento de ser bondoso com vocês; ele ainda se levantará para mostrar-lhes compaixão. Pois o Senhor é Deus de justiça. Como são felizes todos os que nele esperam!” (v. 18, NVI).

Isaías mostra, então, o que está reservado àqueles que se refugiam em Deus e nEle depositam sua confiança (versos 19-26). Eles serão guiados pelo Espírito de Deus, que lhes dirá: “Este é o caminho, andai por ele” (v. 21 ARA). Isso indica que muitos abandonarão seus ídolos e retornarão à obediência aos mandamentos de Deus (v. 22).

Apesar das dificuldades enfrentadas por todos nós, um dia o Senhor curará todas as feridas do Seu povo. Isso ocorrerá por ocasião da Segunda Vinda, quando os corpos dos fiéis serão transformados e tornados incorruptíveis. O Senhor será para eles o sol da justiça, sete vezes mais brilhante do que o sol (v. 26). 

Isaías mostra no final do capítulo a situação do mal quando Deus se levantar. Cristo, o Messias Guerreiro, virá com poder e fogo destruidor contra o mal.  Neste dia, enquanto os ímpios serão abalados, Isaías vê o remanescente em segurança e cantando cheios de alegria (v. 29).

Querido Deus,
Nosso maior anseio é sermos ressuscitados e renovados na Segunda Vinda. Permita-nos estar no Monte do Senhor para celebrarmos com músicas e canções o final da história do mal e o começo de uma nova criação. Amém.

Koot van Wyk
Coreia do Sul

 

Traduzido por JAQ/JDS

Texto original em: http://revivedbyhisword.org/en/bible/isa/30/

Texto bíblico: Isaías 30



Isaías 29 by Jobson Santos
25 de março de 2014, 0:15
Filed under: profecias | Tags: , ,
Comentário devocional:
Neste capítulo Isaías refere-se a Jerusalém com o simbólico nome de “Ariel” que significa “leão de Deus”. Jerusalém será cercada por exércitos e artefatos de cerco (v. 3b- c). A cidade será humilhada até o pó (v. 4).
Na Segunda Vinda, a multidão de inimigos do remanescente, se tornarão como a poeira (v. 5a). Os mais cruéis se tornarão como a palha que o vento leva (v. 5b). Satanás e seus aliados serão punidos pelo “Senhor dos Exércitos” “com tempestade e furacão e chamas de um fogo devorador” (v. 6, NVI).Depois do milênio, a tentativa de atacar a Nova Jerusalém celestial que desceu do céu não terá sucesso. Cristo, o Messias guerreiro, lidará com os inimigos do seu povo (v. 7-8).

Isaías fala então contra as pessoas que se aproximam do Senhor com palavras, mas não com o coração (v. 13). Eles pretendem possuir um estilo de vida que agrada a Deus e adorar a Deus, mas continuam em pecado (v. 15). Isto é algo tão absurdo como a argila voltar-se para o oleiro e dizer “Ele nada sabe” (v. 16, NVI).

Após a Segunda Vinda e o Milênio, haverá uma nova criação e todos os males serão erradicados. A terra vai se transformar num campo fértil (v. 17b ). Satanás, o cruel, será eliminado. “O zombador desaparecerá e todos os de olhos inclinados para o mal serão eliminados” (v. 20).

Então o Senhor diz do seu remanescente, que como Abraão estão cheios de fé “Jacó não será mais humilhado; e o seu rosto não tornará a empalidecer.” (v. 22, NVI). O remanescente verá  a obra do Senhor no meio deles e permanecerá no temor do Deus de Israel (v. 23).

Querido Deus,
Enche-nos com o Espírito Santo a fim de que estejamos preparados para os eventos finais. Abra a nossa compreensão dos Teus caminhos e torna-nos receptivos à Tua verdade. Amém.

 

Koot van Wyk
Coreia do Sul

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/isa/29/

Traduzido por JDS/JAQ

Texto bíblico – Isaías 29: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/isaias/is-capitulo-29/



Isaías 28 by Jobson Santos
24 de março de 2014, 0:15
Filed under: salvação | Tags: , ,
Comentário devocional:

Neste capítulo Isaías fala a respeito de Efraim, mas na verdade há uma sombra sobre Efraim que precisamos considerar. Existe um rei orgulhoso e existem bêbados em Efraim que são vencidos pelo álcool. Efraim é como uma flor de gloriosa beleza que está murchando (v. 1).

Quando Isaías disse isso, ele também tinha Lúcifer em mente o qual,  apesar de sua beleza, tornou-se orgulhoso e foi expulso do céu juntamente com seus apoiadores. Isaías viu que o Senhor como uma tempestade poderosa os lançou para a terra com mão forte (v. 2d). O Messias expulsou a Lúcifer do céu, devido a sua maldade e no Juízo Executivo lidará de modo final e conclusivo com todo o mal. Sim, a coroa orgulhosa e os bêbados de Efraim murcharão e desaparecerão (v. 4) .

Na Era Messiânica o Senhor “será uma coroa gloriosa… para o remanescente do seu povo” (v. 5b, NVI). Cristo recuperará o que Adão e Eva perderam por meio das ações de Satanás. E no Juízo Final Ele julgará com “um espírito de justiça ” (v. 6, NVI). Infelizmente, pastores e sacerdotes, em flagrante contraste, acham-se “desorientados devido ao vinho… tropeçam quando devem dar um veredito” (v. 7, NVI).

Isaías pergunta então a quem o Messias ensinaria o conhecimento,a quem Ele explicaria a sua mensagem?  (v. 9). Ele teria gostado de falar com pessoas bem informadas, mas teve que falar  a “crianças desmamadas e a bebês recém-tirados do seio materno” (v. 9c, NVI). Cristo chamou discípulos incultos e os ensinou passo a passo. O método de ensino bíblico utilizado por Cristo é “regra e mais regra, um pouco aqui, um pouco ali” (v. 13, NVI).

Algumas pessoas tropeçariam na Rocha que é Cristo. O Messias, como atestado por Paulo em Romanos 9:33 e Pedro em 1 Pedro 2:6, é “uma pedra já experimentada, uma preciosa pedra angular para alicerce seguro” (v. 16, NVI). E agora Isaías fala sobre a salvação: “Aquele que confia jamais será abalado” (v. 16d, NVI). Este versículo é o centro do capítulo!

Cristo fará da justiça e do juízo a linha de medir do Juízo Investigativo (v. 17) . Deus não enviou o Seu Filho para se comprometer com o mal. Todas as mentiras serão varridas (v. 17).

Então Isaías usa uma ilustração da agricultura para reforçar o seu ponto. “É preciso moer o cereal para fazer pão; por isso ninguém o fica trilhando para sempre” (v. 28. NVI). Existe o tempo de semear e o tempo de colher.  Da mesma forma, Deus não vai continuar semeando a Sua graça para sempre sem efetuar a colheita. Um dia o mal terá o seu fim e os bons terão a recompensa. Isaías louva o Senhor por Sua sabedoria e essas revelações (v. 29).

Querido Deus,

Faça com que acreditemos de todo o coração em tudo o que Tu nos tens dado e louvemos o Teu nome por Tuas providências a favor de nossa salvação. Amém.

 

Koot van Wyk
Coréia do Sul

 

www.reavivadosporsuapalavra.org
Traduzido por JDS/JAQ

Texto original em:
www.revivedbyhisword.org/en/bible/isa/28
www.biblia.com.br/novaversaointernacional/isaias/is-capitulo-28


Isaías 27 by Jeferson Quimelli
22 de março de 2014, 0:00
Filed under: acontecimentos finais | Tags: ,

Comentário devocional:

Isaías ainda está focando o fim dos tempos e a batalha divina de Cristo. “Naquele dia” o Senhor “castigará o Leviatã, a serpente veloz” (v.1b NVI). Lúcifer, ou Satanás, é a serpente veloz. Isto acontecerá no final do Milênio.” Deus o matará com “Sua espada severa, longa e forte” (v.1a NVI). Esta expressão parece demonstrar uma espada muito poderosa. Mas, na verdade, o Messias Guerreiro só precisa falar. Sua Palavra é Sua espada. O Leviatã é uma serpente torcida (v.1d ARA), porque ele torceu a Palavra de Deus para Eva no Jardim do Éden. A serpente na época era um animal voador e a mais bela das criaturas e Satanás a escolheu para abordar Eva.

No dia do julgamento executivo, Cristo tomará os espinheiros e roseiras bravas e as queimará completamente (v. 4). Neste capítulo, Cristo explica a Isaías que Ele tem uma vinha (v. 2) da qual Ele é o agricultor. “Eu, o Senhor, sou o seu Vigia” (v. 3a NVI). Ele é o protetor dela, a rega, e durante o tempo de angústia a protegerá “de dia e de noite para impedir que lhe façam dano” (v. 3b-c) .

O Senhor busca incessantemente os espinhos e abrolhos espirituais – enquanto há tempo – para que façam amizade com Ele (v. 5). Ele cuidará deles de tal maneira que eles se tornarão parte da vinha de Deus: “Que façam as pazes comigo” (v. 5c NVI), deseja o Senhor. O tempo de salvação antes do tempo do fim será um tempo em que Deus fará com que aqueles que vêm a Ele floresçam e deem frutos. O Israel espiritual encherá o mundo de frutos (v. 6). Mas antes que Cristo volte, um juízo investigativo acontece no céu para examinar cada vida para ver se é seguro mantê-la na terra restaurada.

Isaías então olha por cima do ombro para a platéia atrás dele e diz-lhes que as suas imagens de madeira e altares de incenso não ficarão inteiras e em pé. A cidade de adoração dos deuses será “abandonada, desabitada e esquecida como o deserto” (v. 10a NVI). Quanto aos adoradores destes deuses, o Senhor diz que são “um povo sem discernimento” e entendimento espiritual (v. 11c). 

Isso é sério. Sempre foi a intenção de Deus de que todos tivessem acesso a ele, bem como um relacionamento. Como Ele diz em Oséias: “No lugar onde se dizia a eles:’Vocês não são meu povo’, eles serão chamados ‘filhos do Deus vivo’” (Os 1:10 NVI) (ver tb Rom. 9:6, 24-25).

João, o Revelador, escreveu: “Depois disso olhei, e diante de mim estava uma grande multidão que ninguém podia contar, de todas as nações, tribos, povos e línguas, em pé, diante do trono e do Cordeiro, com vestes brancas e segurando palmas. E clamavam em alta voz: “A salvação pertence ao nosso Deus, que se assenta no trono, e ao Cordeiro”(Apoc 7:9,10 NVI).

Querido Deus,
Que nenhum de nós, que somos parte de sua vinha, seja encontrado seco e inútil. Amém.

Koot van Wyk
Coreia do Sul

Texto original: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/isaias/is-capitulo-27/

Traduzido por JAQ/GASQ

Texto original: Isaías 27 



Isaías 26 by Jeferson Quimelli
22 de março de 2014, 0:00
Filed under: acontecimentos finais | Tags: ,

Comentário devocional:

Neste capítulo, Isaías retrata o coro dos justos com sua atenção dirigida à Sião Celestial (v. 1a-b). Eles cantam uma canção que diz que a salvação é o seu fundamento e suas defesas (v. 1c). Como num canto de romagem, ou de peregrinação, os salvos prestes a entrar na cidade pedem que se abram as portas para a entrada dos salvos, a nação dos justos, que se manteve fiel e da qual fazem parte (v.2). 

A canção reflete as características de confiança daqueles que compõem a multidão de salvos: mantiveram paz espiritual porque guardaram um propósito firme de confiar em Deus somente (v.3). Confiaram no Senhor mesmo em condições extremas. 

A razão para essa confiança “no Senhor” é que Ele é a Rocha eterna (v.4). Cristo é a Rocha-reino que, no sonho de Daniel 2 atinge todos os reinos e enche o mundo inteiro, por ocasião de Sua Segunda Vinda. Todos os reinos são, então, lançados ao pó (v. 5b). O justo, antes desamparado, agora andará sobre eles (v. 6). O Senhor é quem aplaina o caminho dos justos (v. 7). Eles andam nos caminhos da vontade do Senhor e confiam em Suas decisões (v. 8a). O nome e a lembrança do Senhor são o desejo de sua alma (v. 8b). 

Isaías se inclui neste grupo a viajar para a Sião Celestial. Ele expõe que nos momentos escuros (à noite) sua alma anseia por Deus (v. 9a) e quando a luz se faz em sua vida (de manhã) ele deseja que Deus o acompanhe (por todo o dia) (v. 9b). Assim, seu espírito busca a Deus diligentemente porque sabe que é conhecendo a vontade de Deus e reconhecendo os Seus juízos que se aprende a justiça. (v. 9c-d). 

Ao contrário do justo que reconhece os caminhos de Deus, os ímpios não aprendem a justiça (v. 10a ) e não reconhece a majestade do Senhor “(v. 10d ). Cegueira espiritual! Isaías diz que um dia o ímpio verá o zelo do Senhor pelo Seu povo e sentirá vergonha pela sua cegueira/por não ter visto o óbvio (v. 11b). 

Isaías viu isso na visão e sentiu saudades do céu. Ele deseja profundamente a paz que Deus planeja para os Seus (v.12) e reconhece que já estivemos sob domínio de outros senhores, que ainda desejam voltar a nos dominar. Por isso dá graças a Deus pela liberdade (v. 13). 

Nos versos restantes do capítulo, Isaías fala da angústia que virá aos justos (v. 16) antes que todas as coisas sejam restauradas, à semelhança do sofrimento da mulher em trabalho de parto (v. 17). 

Lamenta que séculos de recebimento de bênçãos por parte de Israel não produziram resultados dignos, apenas o fracasso em cumprir o plano divino –  não mais que vento (v. 18). E anseia por uma ressurreição espiritual de seu povo como também Ezequiel profetizou (Ez. 37:1-14) e como no futuro “os mortos em Cristo ressuscitarão” (1 Ts 4:16,17).

Ao final, Isaías fala ao seu povo que se esconda por um momento (v. 20) até que se passe a ira de Deus “para castigar os moradores da terra por suas iniqüidades”(v. 21 NVI). “Enquanto os primogênitos no Egito eram mortos, o povo de Deus devia permanecer nos seus lares (Ex. 12:22, 23). Durante as sete pragas, Deus convida Seu povo a fazer dEle seu esconderijo, que Ele seja para eles ‘refúgio e fortaleza, socorro bem presente nas tribulações’(Sl 46:1). Assim protegido, Seu povo não deve temer ‘ainda que a terra se transtorne e os montes se abalem no seio dos mares’(Sl 46:2; cf. 25:5; 91:1-10). A ira de Deus dura ’por um momento’ (Is 54:8; cf. Sl 30:5). O juízo é, para o Senhor, ‘obra estranha’ (Is 28:21); mas o momento da ira divina contra os ímpios é também o de livramento e triunfo do povo de Deus”. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 207.

Querido Deus,
Como Isaías, também estamos de joelhos. Nós oramos por nosso povo e entes queridos. Salva-nos, Senhor, em vosso reino quando vieres. Amém.

Koot van Wyk
Coreia do Sul

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/isa/26/

Traduzido e adaptado por JAQ

Texto bíblico: Isaías 26 




%d blogueiros gostam disto: