Reavivados por Sua Palavra


CONVITE À LEITURA DO LIVRO DE JÓ – Prof. Edgard Luz by Jeferson Quimelli
22 de dezembro de 2019, 11:47
Filed under: Sem categoria



ESTER 10 by Jeferson Quimelli
22 de dezembro de 2019, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/RA/et/10

Embora este livro tenha o nome de Ester, a jovem e corajosa rainha, Mordecai é seu ator coadjuvante. Sem a orientação e inspiração da fé, integridade e coragem de Mordecai, Ester provavelmente não teria desenvolvido a força do caráter e da fé em Deus que lhe permitiram falar e salvar seu povo.

Mordecai é um herói humilde, trabalhando silenciosamente nos bastidores, servindo um rei persa, longe de sua amada terra natal. Até o poderoso, egoísta e extravagante rei Xerxes reconhece o valor de Mordecai, seu humilde, sábio e obediente servo.

Quando Mordecai se torna o segundo homem mais poderoso do país, ele ainda se lembra de seus companheiros judeus e trabalha duro para garantir seu bem-estar e proteção. Ele aprendeu o que significa amar a Deus e amar os outros, sejam primos órfãos, seus compatriotas e crentes, ou o rei pagão de um vasto império.

Como sua fé em Deus o inspira a buscar a bênção, o bem-estar e a proteção de outras pessoas, em sua casa, entre os necessitados em sua família mais ampla, em seu local de trabalho, em sua comunidade e em sua igreja? E até o bem-estar de pessoas como o rei Xerxes, que ainda não acreditam em Deus?

Karen Holford
Diretora do Ministério de Família
Divisão Trans-Européia da Igreja Adventista do Sétimo Dia

Texto mundial: https://www.revivalandreformation.org/?id=682
Equipe de tradução: Pr. Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli

 

Texto devocional da rodada anterior de leitura bíblica:

O curto último capítulo do livro de Ester começa com um claro sinal de que, apesar da crise e da guerra posterior, algumas coisas na Pérsia continuavam as mesmas. O rei Assuero impôs aumentos de impostos sobre a terra e sobre as ilhas. Teria sido este um esforço para compensar os fundos que Hamã havia proposto ao planejar o decreto de morte dos judeus e expoliação de seus bens? Talvez, mas o mais provável é que isto mostrasse o rei simplesmente olhando para o seu personagem favorito: ele mesmo.

Mordecai é confirmado como primeiro ministro [ou grão vizir] e somos lembrados de que tudo foi registrado nas crônicas oficiais dos medos e persas. Mordecai não buscou poder e não permitiu que o poder ou posição envenenassem sua mente com orgulho, como aconteceu com Hamã, seu antecessor. Deus colocou um homem bom em uma posição de influência e abençoou não só o povo judeu através deste ato, mas também todo o Império Persa.

O capítulo final não menciona o nome de Ester. Só nos resta supor que o resto de seu tempo como rainha foi muito parecido com os primeiros cinco anos. Após evitar uma crise terrível, ela continuava casada com o mesmo homem. Mordecai ainda cuidava dela, protegendo-a. Só que agora, ele poderia fazer isso de dentro da corte, em vez de a partir do pátio do palácio. Não sabemos se Ester teve filhos, envelheceu ou morreu feliz. Só conhecemos um momento de sua vida, talvez o de maior bravura e mais difícil e, quem sabe, o seu momento mais brilhante.

Que a nossa vida, também, possa ser reconhecida pela nossa fé. Que a nossa superação dos momentos de dificuldade possam revelar a atuação soberana de Deus em nossa vida, mesmo que o nome dele não seja mencionado, como no livro de Ester.

Jean Boonstra
Voz da Profecia

Fonte: https://reavivadosporsuapalavra.org/2016/09/19/



ESTER 10 – COMENTÁRIO PR. ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
22 de dezembro de 2019, 0:55
Filed under: Sem categoria



ESTER 10 – COMENTARIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
22 de dezembro de 2019, 0:45
Filed under: Sem categoria

ESTER 10 – Fim do túnel, beco sem saída, desgraça iminente, suspense, e, por fim emoção, satisfação e alegria. A história bíblica do livro de Ester é fantástica, extraordinária.

“Enquanto a trama dá reviravoltas, o autor desenvolve uma história subjacente sobre o caráter de Deus. A narrativa demonstra a providência e a soberania divinas em uma situação que parecia sem saída. Os israelitas estavam vivendo entre estrangeiros que não se importavam com eles […]. Mas numa época em que Deus parecia estar distante, Ele na verdade se preparava para libertar Seu o povo […]. Na capital persa, Deus demonstrou Sua lealdade ao pacto com os israelitas. Muito tempo antes, Ele prometera a Abraão que amaldiçoaria qualquer pessoa que amaldiçoasse os israelitas (Gn 12.2,3). A queda de Hamã ilustrou de forma dramática a fidelidade de Deus a essa promessa. Até com relação aos israelitas que permaneceram em terras estranhas Ele manteve Sua palavra, pois, apesar disso, considerou-os Seu povo. Assim, o autor de Ester ilustra claramente o que os israelitas estavam festejando no Purim: a fiel proteção que Deus provê a Seu povo” (Earl D. Radmacher, Ronald B. Allen e H. Wayne House).

O último capítulo de Ester é bem curtinho, contém somente três versículos. Ester não é mencionada na conclusão de seu livro como não foi mencionada no primeiro capítulo. Mordecai tornou-se o segundo maior do reino persa, teve o prestígio do povo; isso tudo, porém, foi pela reviravolta que Deus fez na Pérsia em seus dias.

O Comentário Bíblico Adventista destaca o caráter religioso e o ensino moral do livro de Ester:

• Embora o nome de Deus não seja mencionado, Sua providência é manifestada no livro todo.

• O livro de Ester fornece um relato da origem de um importante festival nacional judaico, a Festa de Purim, que ainda é observada com alegria a cada ano.

• Uma lição moral vital permeia a narrativa. Com o decorrer do breve dia de popularidade de Hamã, a natureza transitória da prosperidade e do poder terrestre se torna dolorosamente evidente. Deus humilha os soberbos e exalta aqueles que confiam nEle.

• A providência de Deus é impressionantemente apresentada. O poder divino está unido ao esforço humano. Os meios utilizados são humanos, mas a libertação, em si, é divina.

Portanto, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.

Atenção! Escreva tua reação ao livro de Ester:



Ester 10 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
22 de dezembro de 2019, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Pois o judeu Mordecai foi o segundo depois do rei Assuero, e grande para com os judeus, e estimado pela multidão de seus irmãos, tendo procurado o bem-estar do seu povo e trabalhado pela prosperidade de todo o povo da sua raça” (v.3).

A despeito de ser um dos menores capítulos da Bíblia, Ester dez tem uma das mais belas lições de superação, fidelidade, fé e altruísmo. A “grandeza de Mordecai, a quem o rei exaltou” (v.2), alcançou o patamar de Daniel e de José. Como esses homens de Deus, Mordecai também chegou à posição mais nobre do reino após o rei. Em nenhum momento percebemos no texto sagrado que Mordecai alcançou favor pela cobiça, nem tampouco por falsas gentilezas ou por motivos egoístas. Muito pelo contrário, ele era estimado entre seus irmãos e procurava o bem-estar e a prosperidade de seu povo (v.3). Ou seja, a vida de Mordecai e os propósitos que Deus colocou em seu coração foram tão nobres que as últimas palavras do livro de Ester não foram dedicadas à rainha, mas a ele.

Assim como Daniel e como José, Mordecai confiou no Senhor e Lhe foi fiel. Ele pisou nas pegadas que Deus havia traçado para ele e cuidou de conduzir Ester pelo mesmo caminho. Se ambos não tivessem sonhado os sonhos de Deus, quão diferente teria sido a história não somente deles, mas de todo o povo judeu. Quando o Egito tinha o poder nas mãos de matar ou deixar viver, Deus suscitou José. Quando o mesmo se deu com Babilônia, Deus levantou Daniel. Não seria diferente no reino persa, então, Deus suscitou Mordecai, mostrando que, em nenhum momento, Ele permite que Seus filhos fiquem a mercê da impiedade. Mesmo em meio à perversidade, o Senhor não permitiu que o Seu povo perecesse.

A sobrevivência de um povo que estava condenado à morte, já foi uma prova inequívoca de que Deus tem o controle de tudo e que Ele conhece bem o coração humano. Ainda havia uma “multidão” (v.3) de judeus que não regressara a Jerusalém, mas, no meio da multidão, Deus enxergou dois corações; dois corações dispostos a fazer a Sua vontade. Ester e Mordecai arriscaram suas vidas em favor da vontade de Deus. Quanto vale a sua vida? Você daria a sua vida por alguém? Aquele que não poupou a Sua vida, nos deixou o que deve ser a nossa resposta a esses questionamentos: “Quem quiser, pois, salvar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a vida por causa de Mim e do evangelho salvá-la-á” (Mc.8:35).

Jesus não estava falando de uma escolha qualquer, mas de algo que envolve vida ou morte, eternidade ou perdição. Buscar o bem-estar do próximo em detrimento do nosso é andar sobre as pegadas que Jesus nos deixou. Imagine se Ester desse de ombros ao decreto de morte de seu povo; ou se Mordecai simplesmente tivesse se prostrado diante de Hamã. A coragem da rainha e a fidelidade de Mordecai, antes que alcançassem êxito aos olhos humanos, tiveram que alcançar êxito aos olhos de Deus. Percebam que a Bíblia não diz que Mordecai se exaltou, mas que o rei o exaltou (v.2). Ester não se valeu de nada para alcançar o favor do rei, mas o rei a amou (Et.2:15 e 17).

Os verdadeiros filhos de Deus não conquistam destaque neste mundo por méritos próprios, mas pela vivência da verdadeira grandeza. A grandeza de Mordecai, assim como a de José e a de Daniel, não foi para favorecimento próprio, mas de seus irmãos na fé. Mordecai não considerou preciosa a própria vida, se não fosse para viver para a glória do Senhor. De que valeria dizer que era um judeu, que adorava o Deus dos céus e da terra, se curvando diante da perversidade? Mordecai sabia a Quem servia. E nós, a quem servimos? Cristo disse que quem desse a vida por Ele a encontraria. Ele é o Dono da vida. E não somente essa vida que agora existe e daqui a pouco pode acabar, mas a vida eterna.

O desejo do Senhor é de engrandecer o Seu povo. A genuína grandeza, porém, não está em conquistas pessoais, mas em conquistas dadas por Deus. O livro de Ester nos trouxe muitas lições, mas creio que a maior delas tenha sido a fidelidade. Pois assim como dela dependeu a coroa de Ester e a posição privilegiada de Mordecai; da fidelidade, depende a nossa futura coroação: “Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida” (Ap.2:10). Não ame a sua vida e nem os seus traços de personalidade, mas ame o que a vida de Cristo pode ser em você. Só experimentaremos a verdadeira grandeza quando todos os que nos cercam possam ver Jesus em nós. Busquemos ao Senhor em fidelidade, amados, e Ele nos exaltará. Vigiemos e oremos!

Feliz semana, fiéis ao Senhor!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Ester10 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



ESTER 10 – COMENTÁRIO PR. RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
22 de dezembro de 2019, 0:10
Filed under: Sem categoria



ESTER 10 – Comentários Selecionados by Jeferson Quimelli
22 de dezembro de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria

735 palavras

1 tributo sobre a terra. Dario Histaspes foi o primeiro monarca a cobrar impostos universais, mas Xerxes (Assuero) se distinguiu como um grande arrecadador de tributos (ver Dan 11:2). O tributo teria que ser ajustado ao longo do tempo, e Xerxes estaria em extrema necessidade de aumentar os impostos depois de retornar da desastrosa campanha contra a Grécia (CBASD, vol. 3, p. 544).

A guerra contra os gregos prolongou-se na Ásia Menor durante muitos anos depois da batalha de Salamina. Havia necessidade desses tributos, para que o império arcasse com as enormes despesas havidas (Bíblia Shedd).

A referência a esses impostos talvez diga respeito a um material presente na fonte utilizada pelo autor, a qual ele recomenda aos leitores que quiserem mais informações e confirmação (Bíblia de Estudo NVI Vida).

as ilhas (ARC). Ou “terras do mar” (ARA), neste caso, as províncias marítimas na fronteira com o Mediterrâneo e o mar Egeu. Estas foram ocupadas por um tempo considerável por guarnições persas, mesmo após a derrota na Grécia, e estariam incluídas em qualquer tributações feitas por Xerxes (CBASD, vol. 3, p. 544 e 545)

Note que o rei e Mordecai são mencionados duas vezes nos últimos três versos do livro. Este não é um livro sobre um imprevisível rei persa, mas sobre um povo cuja sobrevivência se articulou na coragem no comprometimento de duas pessoas (Andrews Study Bible).

2 estão escritos. Esta frase usa as mesmas forma e linguagem utilizadas pelo(s) editor(es) dos livros de Reis e Crônicas para concluir os registros dos reis de Judá e Israel (1Rs 14:29; ver tb 1Rs 15:23; 16:14; 2Cr 25:26). O propósito é claro: apesar de Israel estar disperso por toda a terra, seus líderes compartilham status similar aos reis dos séculos passados (Andrews Study Bible).

livro da história. As Crônicas do império persa, cf 2.23; 6.1. Essas Crônicas devem ter sido estudadas na composição do Livro de Ester (Bíblia Shedd).

3 segundo depois do rei Assuero. Mordecai tinha galgado à posição oficial de Hamã (3.2 e 8.15). Os registros históricos mostram que no ano 465 a.C., aquela posição pertencia a Artabano, que naquele ano assassinou o rei Assuero (Xerxes I). Se os acontecimentos narrados nestes capítulos pertencem ao ano 474 a.C., então é provável que entre 474 e 465 a.c., tanto Ester como Mordecai teriam morrido ou caído do poder; naquele intervalo Vasti recuperou sua posição, apesar dos esforços dos nobres para isso evitar. No caso de Ester ter caído do poder, podemos frisar a expressão de 4.14 “Quem sabe se para tal conjuntura como essa é que foste elevada a rainha?”. A mensagem da sua vida é “Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o Seu propósito”, (Rm 8.28) (Bíblia Shedd).

Não foram descobertos registros arqueológicos de Mordecai sendo o segundo em comando, mas durante este tempo existe uma estranha falha nos registros persas. […] Foi descoberto um tablete com o nome Mardukaya como sendo um oficial nos primeiros anos do reinado de Assuero; alguns acreditam que este seja Mordecai (Life Application Study Bible Kingsway NIV).

Mordecai é avaliado como um estadista judeu ideal. A importância dele como modelo para os judeus e no estabelecimento da Festa de Purim foi reconhecida no livro apócrifo dos Macabeus, em que a Festa de Purim é chamada de “o dia de Mordecai” (2Macabeus 15.35) (Bíblia de Genebra).

Percebe-se claramente a providência divina em todos os incidentes aqui registrados. Em todos os governos humanos e todos os acontecimentos há sempre um propósito divino; e, assim como Deus exaltou Mordecai com honra e glória, de igual modo poderá agir em favor dos que O amam, e, desse modo, por fim, porá todos os inimigos sob os pés (Comentário Bíblico Devocional-VT, FBMeyer).

No livro de Ester podemos ver claramente Deus trabalhando na vida de indivíduos e nos assuntos de uma nação. Mesmo quando parece que todo o mundo está nas mãos de pessoas perversas, Deus ainda está no controle protegendo aqueles que são Seus. Apesar de não entendermos tudo o que acontece ao nosso redor, devemos confiar na proteção de Deus e manter nossa integridade, fazendo o que sabemos que é correto. Ester, que arriscou sua vida ao comparecer diante do rei, tornou-se heroína. Mordecai, que estava efetivamente condenado à morte, não só sobreviveu, como chegou a se tornar a segunda mais alta autoridade na nação. Não importa quão sem esperança é a nossa condição ou o quanto queiramos desistir, não precisamos nos desesperar. Deus está no controle de nosso mundo (Life Application Study Bible Kingsway NIV).




%d blogueiros gostam disto: