Reavivados por Sua Palavra


Porque o Senhor é bom e Sua misericórdia dura para sempre – 2Cr 5:13 by jquimelli
19 de outubro de 2019, 17:15
Filed under: Sem categoria

Há muitos ensinamentos descuidados que sugerem que o Antigo Testamento é um livro de severidade e lei, e que o Novo Testamento é um livro de ternura e graça. Mas você sabe que, embora o Antigo Testamento quanto o Novo declarem a misericórdia de Deus, a palavra misericórdia aparece no Antigo Testamento quatro vezes maior que no Novo? É um pouco difícil de crer, mas é verdade.

Esta ideia popular é um erro, porque o Deus do Antigo Testamento e o Deus do Novo é um único Deus. Ele não mudou. Ele é o mesmo Deus e, sendo o mesmo Deus, e não mudando, Ele deve, necessariamente, ser no Antigo testamento o mesmo que é no Novo. Ele é imutável, e como é perfeito, não há nada a acrescentar a Ele. A misericórdia de Deus era tão grande no Antigo Testamento quanto no Novo. A. W. Tozer, em The Attributes of God, cf. citado na Bíblia com Anotações A. W. Tozer.



II CRÔNICAS 5 by jquimelli
19 de outubro de 2019, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/2cr/5

O edifício do templo está terminado. Agora é hora de trazer o mais sagrado dos tesouros de Israel – a arca da aliança.

Com cuidado os sacerdotes conduzem a arca passando ao lado do altar de sacrifício, então através do Lugar Santo, até alcançarem o Santo dos Santos. Tudo é feito de acordo com o padrão celeste.

Agora, a arca é colocada em seu lugar, perfeitamente centrada no meio de um quadrado perfeito. A arca é um símbolo do lugar onde Deus Se assenta no Seu trono de domínio universal. Esse domínio se baseia no amor e justiça perfeitos, resumidos nos Dez Mandamentos. E é por isso que os Dez Mandamentos e somente eles estão de forma especial guardados na arca do concerto.

Quando os sacerdotes saem do Lugar Santo, cantos e louvores enchem o ar. Tudo o que temos registrado das belas canções está resumido no versículo 13: “Porque Ele é bom, porque a sua misericórdia dura para sempre.” Esta simples frase resume a verdade que necessitamos desesperadamente. Na presença de um Deus perfeito com uma lei perfeita, precisamos de Sua misericórdia perfeita.

Pastor Scott Griswold
Recrutador de Missionários
Apoio a Projetos para o Sudeste da Ásia

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=618
Equipe de tradução: Pr. Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



II CRÔNICAS 5 – VÍDEO COMENTÁRIO PR. ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
19 de outubro de 2019, 0:55
Filed under: Sem categoria



II CRÔNICAS 05 – Comentário Pr Heber by jquimelli
19 de outubro de 2019, 0:45
Filed under: Sem categoria

As pessoas que perdem o senso do sagrado perdem a reverência. Reverência é mais do que mero e simples respeito – como geralmente se vê -; é comparada a um “respeito profundo”. Esse respeito profundo, essa reverência para com as coisas de Deus, deve nos reger como regeu Salomão e os levitas ao transportarem a arca sagrada para o templo construído para Deus (II Crônicas 5). Haja vista que, mesmo que a reverência fosse notada, o clima entre as pessoas não era de velório (funeral), mas também não era de gritos descontrolados e agitações como se vê em centenas de igrejas que se autodenominam evangélicas pentecostais ou carismáticas. Ao lidar com as coisas sagradas é preciso respeito, reverência e deferência, mas não deve ser antiquado e nem “chato”, sem graça. Talvez seja por certas atitudes erradas tanto num extremo quanto em outro de algumas pessoas ou líderes religiosos que fizeram outras perderem completamente a reverência para com as coisas sagradas. As bênçãos e as obras de Deus, a certeza de Sua direção e cuidado, etc. devem ser celebradas com cânticos de alegria, com o coração cheio de vibração, entusiasmo e emoção. As músicas verdadeiramente sacras e espirituais devem expressar a satisfação, o prazer e a alegria de estar na presença de Deus; sem, porém, as trágicas marcas do emocionalismo artificial e exagerado que evidenciam irreverência e desrespeito. Estude a Bíblia e louve e adore corretamente a Deus. ♪♫

Os instrumentos musicais são essenciais para adorar a Deus. Eles são descrito com detalhes devido a sua importância em celebrar Àquele que é o único digno de adoração. Nota-se em II Crônicas 5 que, além dos levitas e sacerdotes que levavam a arca ao Santo dos Santos localizado no interior do Templo, outro grupo de levitas tocavam músicas e cantavam louvores ao Deus do Templo. Diz o experiente teólogo Marcos De Benedicto que “Os autores bíblicos não estavam preocupados em criar listas de instrumentos ‘santos’ e ‘profanos’. A questão é como usar os instrumentos”. Há muitas discussões na igreja sobre a questão da música, estilo, gosto pessoal, cultura e instrumentos, etc., mas é muito mais importante a atitude reverente, alegre e solene diante de Deus; obviamente isso exclui quaisquer características seculares e mundanas ou mesmo qualquer coisa oriunda da vontade carnal e pervertida do ser humano. Desta forma, a adoração deve ser regida pelo poder do Espírito Santo em nós. Então, prepare-se espiritualmente, permita que o Espírito Santo seja teu regente no louvor a fim de que tua adoração seja como Deus quer e não como você deseja. Deus não merece qualquer louvor, Ele merece o melhor louvor; o “qualquer” vem de baixo, do homem, o melhor louvor vem do alto, do Espírito Santo em nós e volta para lá ♪♫

Quando a adoração é correta na igreja, a presença de Deus enche o espaço do templo e inunda de paz, alegria e satisfação o coração do adorador (II Cr 5:13-14). Em seu livro “O Brilho da Vida”, Marcos de Benedicto afirma categoricamente que, “se a adoração não despertar nenhuma reação espiritual, emocional ou mesmo física em você, então é uma adoração superficial e questionável. Quando adora e louva ao Senhor, você põe o coração em Deus e Deus no coração”. Quando você se eleva numa adoração inspiradora, espiritual e verdadeiramente sacra, movido pelo poder do Espírito Santo, o próprio Deus desce a Terra, até você; e, você sente a Sua impactante presença. Infelizmente muito adorador jamais teve esse extraordinário privilégio, nunca provou essa maravilhosa e revigorante experiência porque “se aproxima de mim”, diz Deus, “com sua boca, e com os seus lábios me honra, mas o seu coração está longe de mim. O seu temor (reverência) para comigo consiste só em mandamentos de homens, em coisa aprendida por rotina” (Isaías 29:13).

Deus quer encher a tua alma com a Sua glória. Deus quer invadir o espaço físico em que você se encontra agora e quando você está na igreja, mas você deve louvá-lO e adorá-Lo de forma correta, de todo coração, com sinceridade e, movido por poder do Espírito Santo. Aproxime-se de Deus de forma correta e sinta Ele Se aproximando de você. Experiente esse privilégio e tenha um bom dia hoje ♪♫ – Heber Toth Armí.



2CRÔNICAS 5 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
19 de outubro de 2019, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Puseram os sacerdotes a arca da Aliança do Senhor no seu lugar, no santuário mais interior do templo, no Santo dos Santos, debaixo das asas dos querubins” (v.7).

Terminada a edificação do templo, Salomão “pôs entre os tesouros da Casa de Deus”, “as coisas que Davi, seu pai, havia dedicado” (v.1). Então, reunindo os principais do povo, fez “subir a arca da Aliança do Senhor, da Cidade de Davi, que é Sião, para o templo” (v.2). Seguindo as orientações dadas por Deus para o transporte da arca, da tenda da congregação e dos utensílios sagrados, “os levitas sacerdotes é que os fizeram subir” (v.5). Transporte que foi acompanhado de “tão numerosos” sacrifícios, que “não se podiam contar (v.6).

Chegando ao templo, colocada a arca em seu lugar determinado, no lugar Santíssimo, saindo os sacerdotes e iniciada a ministração dos cantores e dos sacerdotes com suas trombetas, “quando em uníssono, a um tempo, tocaram as trombetas e cantaram… para louvarem o Senhor, porque Ele é bom, porque a Sua misericórdia dura para sempre, então, sucedeu que a Casa, a saber, a Casa do Senhor, se encheu de uma nuvem… porque a glória do Senhor encheu a Casa de Deus” (v.13-14).

A inauguração e dedicação do templo foi precedida de ofertas voluntárias, obediência às instruções divinas, sacrifícios, engrandecimento e submissão aos mandamentos de Deus, representados pelas “duas tábuas que Moisés ali pusera” (v.10) dentro da arca, e louvor agradável a Deus. Foi nesse cenário de verdadeira adoração e genuína entrega, que o Senhor manifestou a Sua glória.

Quando Jesus veio à Terra, Ele fez tudo segundo o Pai Lhe orientou. A Sua vida iluminava o mundo com a atmosfera de Seu caráter santo e justo. Tudo o que fazia, não o fazia por vontade própria, mas movido pelo amor do Pai em cumprimento de Sua sagrada Lei. Ele era o próprio tesouro da Casa de Deus, o Filho da obediência, o sacrifício perfeito, o cumprimento da Lei, o mais sublime louvor. Ele nos precedeu para que pudéssemos ter acesso à glória do Senhor.

Como naqueles momentos solenes não havia grande ou pequeno, rico ou pobre, escravo ou livre, assim Cristo nos uniu para que “em uníssono, a um tempo” (v.13), como corpo de Cristo, louvemos ao Senhor, “porque Ele é bom, porque a Sua misericórdia dura para sempre” (v.13). Sendo que Jesus “não veio para ser servido, mas para servir” (Mc.10:45), e devemos imitar-Lhe o exemplo, precisamos nos despir de nossa natureza egoísta e combater nossos gostos não santificados, buscando na verdade presente para os nossos dias toda a sabedoria e conhecimento necessários para andarmos na presença de Deus.

O relógio deste mundo já está marcando os minutos finais. Há um cenário profético em rápido andamento. Será que estamos como Jonas, fugindo da vontade de Deus, adormecidos dentro do barco do comodismo enquanto há uma terrível tempestade lá fora? Ou como Salomão e os levitas estamos prontos e preparando o Israel espiritual de Deus para a manifestação do glorioso advento de Cristo?

Jesus está agora no “santuário, que se encontra no Céu” (Ap.14:17), no Santo dos Santos, como nosso Sumo Sacerdote, prestes a concluir a Sua obra. Logo Ele virá “com as nuvens, e todo olho O verá” (Ap.1:7). Que Ele nos encontre apercebidos e como templos preparados para a glorificação. Vigiemos e oremos!

Feliz sábado, templos do Espírito Santo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #2Crônicas5 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



II CRÔNICAS 5 – VÍDEO COMENTÁRIO PR. RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
19 de outubro de 2019, 0:10
Filed under: Sem categoria



II CRÔNICAS 5 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
19 de outubro de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria

859 palavras

A arca de Deus, que era o objeto mais sagrado, é trazido até o templo. Este texto faz paralelo com 1Rs 8:1-12. Andrews Study Bible.

Por que é colocada tanta ênfase no templo no Antigo Testamento? … (5) Ele preparou o povo para o Messias. No Novo Testamento, Cristo disse que Ele veio para cumprir a Lei, não destruí-la. Hebreus 8:1, 2 e 9:11, 12 usa o ritual do templo para explicar o que Cristo realizou quando morreu por nós. Life Application Study Bible.

1 Assim, se acabou. Este verso, na realidade, se encaixaria melhor no final do capítulo 4, pois resume os materiais mencionados. No relato paralelo ele é o último verso do capítulo (1Rs 7:51). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol 3, p. 227.

O templo demorou sete anos para ser construído. Life Application Study Bible.

2 Cidade de Davi. A arca havia sido guardada numa tenda na Cidade de Davi. A Cidade de Davi eraa área mais baixa, no extremo sul da cidade de Jerusalém: a velha fortaleza jebusita de Sião, conquistada or Davi, onde ele fez a residência real (2Sm 5:6-9; 1Cr 11:5, 7). CBASD, vol 3, p. 227.

Sião. O nome foi primeiro utilizado para a cidade de Davi, mas depois foi aplicado a toda a cidade de Jerusalém. Andrews Study Bible.

3 todos os homens de Israel. A arca foi trazida com a presença de uma imensa assembleia de anciãos de Israel, que vieram prestigiar a solenidade. Bíblia de Estudo Mathew Henry.

Festa. A Festa dos Tabernáculos, também chamada a Festa da Colheita (Êx 23.16). Bíblia Shedd.

no sétimo mês. No mês de Tisri, quando acontecia a Festa dos Tabernáculos, que comemorava a habitação de Israel no deserto (Lev 23:33-34). Andrews Study Bible. [NC: E prefigurava que Jesus “tabernacularia” ou “viveria em tendas”, ou “viveria temporariamente” entre nós.]

6 sacrificaram carneiros e bois. Quando … a lei é escrita no coração, a arca do concerto é colocada ali para que se torne o templo do Espírito Santo … haverá grande satisfação naquela alma. Bíblia de Estudo Mathew Henry.

10 Até ao dia de hoje. Se todo o livro das Crônicas foi compilado após o exílio (ver Introdução a Crônicas, p. 107-109), o compilador aqui preserva uma declaração feita antes da destruição do templo (2Rs 24:13; 25:9, 13-17) e da ocultação da arca numa caverna (ver PR, 453). CBASD, vol 3, p. 228.

Sob inspiração divina, alguns livros da Bíblia foram compilados e editados de outras fontes. Tendo em vista que 1 e 2 Crônicas cobriam muitos séculos, eles foram compilados de várias fontes por uma simples pessoa. A frase “aí estão … até os dias de hoje” (v.tb. 1Rs 8:8) foi retirada de material escrito anteriormente ao exílio de Judá em 586 a.C. Apesar de 1 e 2 Crônicas terem sido compilados após o exílio e após a destruição do templo de Salomão, o escritor julgou ser melhor deixar esta frase na narrativa. Life Application Study Bible.

Horebe. Outro nome para o Monte Sinai, onde Deus apareceu a Moisés (Êx 3:1). Andrews Study Bible.

Nada havia na arca. Na arca propriamente dita se encontravam apenas  as duas tábuas de pedra que continham a lei de Deus. O vaso de maná e a vara de Arão já não estavam mais ali (ver com. de 1Rs 8:9). CBASD, vol 3, p. 228. [cf. Nm 17.10-11 e Êx 16.32-34.]

Supõe-se que esses artigos foram perdidos, talvez enquanto a arca estava na mãos dos filisteus. Bíblia de Estudo NVI Vida. [ou, “… talvez se perderam durante a época dos juízes, o qua se prolongara por quatro séculos”. Bíblia Shedd.]

Fez aliança. A lei de Deus foi a base da antiga aliança que Deus fez com Israel no Horebe quando o povo saiu do Egito (Êx 19:5-8; 34:27, 28), e também foi a base da nova aliança, segunda a qual Ele prometeu escrever essa lei no coração (Jr 31:33, 34). CBASD, vol 3, p. 228.

11 Todos os sacerdotes. Normalmente, o serviço do templo se dividia entre os 24 turnos de sacerdotes (1 Cr 23.6 a 24.31; Lc 1.8-9). Cada quinzena servia um novo turno; mas a solenidade de um acontecimento daquela relevância exigia a presença integral do corpo sacerdotal. Bíblia Shedd.

12-13 Crônicas enfatiza o uso da música no culto (ver 1Cr 15.16, nota). Bíblia de Genebra.

12 Asafe e Hemam e Jedutum. Os três músicos líderes no templo indicados por Davi. Os cantores mencionados são seus descendentes cuja execução de músicas sagradas coincidiu com a aparição da nuvem divina. Andrews Study Bible.

13 Para louvarem o SENHOR e render-Lhe graças. A música é uma forma de adoração, e o louvor e as ações de graças são um importante elemento da oração. Enquanto as pessoas elevavam a voz em alegre louvor a Deus e em grata lembrança de Suas maravilhosas misericórdias, o Senhor Se aproximou, e uma nuvem encheu o templo. CBASD, vol 3, p. 228.

porque ele é bom … para sempre. Uma linha familiar de louvor descritivo que honra a Deus por sua bondade e misericórdia perpétuas (7.3, 6; Sl 106.1; 107.1, 136). Bíblia de Genebra.

a casa se encheu de uma nuvem. Dessa forma, Ele simbolizou a Sua aceitação de que este templo significava para Ele o mesmo que o tabernáculo de Moisés significava. Assim, Ele considerou a fraqueza e debilidade daqueles a quem se manifestava, os quais não conseguiam suportar o brilho da luz divina. Bíblia de Estudo Mathew Henry.

Os profetas esperavam que a glória de Deus retornasse ao templo após o exílio na Babilônia (Ez 43.1-5; Ag 2.7-9; Zc 2.10; 8.3). Bíblia de Genebra.




%d blogueiros gostam disto: