Reavivados por Sua Palavra


II CRÔNICAS 16 by jquimelli
30 de outubro de 2019, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/2cr/16

Enquanto as primeiras atividades do rei Asa apresentam qualidades dignas de admiração e mesmo imitação, (capítulos 14-15) lamentavelmente suas últimas são dignas de total evitamento. O contraste do informado no capítulo 16 é notável em relação aos dois imediatamente anteriores. Neles as descrições de fidelidade e sucessos são marcantes, já no 16, o fracasso, infidelidade, desobediência e reprovação profética são infelizmente enfáticos.

Neste capítulo Asa não busca ao Senhor quando em perigo, mas o apoio estrangeiro. Enquanto no capítulo anterior Asa promovera aliança com Deus, neste ele entra em aliança com um pagão. Como resultado ele sofre reprovação do profeta Hanani e diferente da louvável reação anterior ao discurso do profeta Azarias, desta feita Asa repudia a fala do vidente Hanani e o lança na prisão (v. 10). Portanto, a ênfase da busca por Deus no início de seu governo faz contraste com a não busca por Ele no desfecho de seu reinado. A busca pelo divino fora substituída pela busca no amparo humano. Deste modo, as lições apresentam-se claras: experiências de fé no passado têm sua importância, mas não anulam a necessidade presente da contínua dependência de Deus.

Isael Santos Souza Costa
SALT – Seminário Adventista Latino Americano

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=629
Equipe de tradução: Pr. Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



II CRÔNICAS 16 – VÍDEO COMENTÁRIO PR. ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
30 de outubro de 2019, 0:55
Filed under: Sem categoria



II CRÔNICAS 16 – COMENTÁRIO PR HEBER by jquimelli
30 de outubro de 2019, 0:45
Filed under: Sem categoria

II CRÔNICAS 16 – O suborno é uma tentativa de solução de certos problemas que, por ser errado na origem, pode levar ao fracasso e à frustração. É por isso que Deus não o aprova (II Crônicas 16). O capítulo bíblico que pessoas do mundo inteiro estão lendo hoje nos mostra o rei Asa – que no capítulo anterior havia feito proezas por ter confiado em Deus – fazendo a besteira de subornar o rei sírio para agir como seu aliado contra Baasa, rei de Israel. Deus enviou o profeta Hanani para repreendê-lo por esse ato de desconfiança e ele adquiriu uma doença nos pés, vindo logo a falecer. Com prata e ouro do templo o rei Asa sacrificou sua piedade revelada em II Crônicas 15 e desprezou as bênçãos de Deus tirando tesouros do templo para seduzir a Ben-Hadade, rei pagão de Damasco, a fim de que realizasse um ato de perfídia (v. 3), objetivando “proteção” a seu reino. Refletindo em tudo isso concluí o seguinte: Como é fácil parar de confiar em Deus! É tão simples trocar Deus por coisas ou pessoas! Parece ser muito mais fácil buscar proteção terrena do que divina. Sendo assim, cada um de nós deve tomar cuidado para não trocar nosso compromisso com Deus por qualquer outro compromisso! O suborno é a pior forma de se comprometer com alguém e revela desconfiança em Deus! Cuidado, a desconfiança em Deus traz consequências!

O verso 9 é ponto alto do capítulo. É uma mensagem ao rei Asa, mas também uma mensagem universal que pode ser muito bem dirigida a cada um de nós. Leia-a como sendo dita diretamente a você: “Porque, quanto ao SENHOR, seus olhos passam por toda a terra, para mostrar-se forte para com aqueles cujo coração é perfeito para com ele; nisto, pois, procedeste loucamente porque desde agora haverá guerras contra ti”. Eis as lições espirituais deste extraordinário versículo:
1. Porque os olhos do Senhor passam por toda a terra, o povo de Deus deve saber que não existe problema no mundo que Deus desconheça;
2. Além de conhecer todos os tipos de problemas que atingem os seres humanos, Deus tem a solução para cada um deles à nossa disposição;
3. Deus protege, cuida e liberta aqueles cujo coração é totalmente dEle, ou seja, o que é integro (perfeito) em seu relacionamento com Deus (nota-se que o texto refere-se a “perfeito” no relacionamento, não no comportamento);
4. Por fim, o texto encerra com um tom negativo: Aqueles que não confiam em Deus tentam qualquer solução para seus problemas, que se agravarão ainda mais.
A confiança em Deus é tudo, a desconfiança não vale nada. A minha atitude diante de Deus marcará minha atitude diante da vida, e cada atitude tem sua consequência ou recompensa! Nada como confiar em Deus! Você confia?

A repreensão de Deus por meio de um de seus servos só funciona com aqueles que são humildes e submissos a Deus. Quando Davi foi repreendido pelo profeta Natã, ele prontamente reconheceu seu pecado; mas o mesmo não se deu com o rei Asa que, ao invés de dar ouvidos à voz profética tentou silenciá-la como muitos tentam fazer com a Bíblia (v. 7-14). Quando Hanani lhe disse que, se tivesse confiado em Deus teria desbaratado os exércitos combinados de Baasa e dos sírios, sua resposta foi colocar o profeta não apenas numa prisão, mas na casa do tronco (v. 10). Por não reconhecer seu erro, Deus permitiu que Judá colhesse o que plantara enfrentando guerras contínuas, e, a Asa o sofrer de uma doença nos pés. Asa deveria buscar a Deus, mas preferiu confiar em médicos cujos tratamentos eram mais feitiçarias do que medicina. Não é errado confiar em médicos; errado é não confiar que Deus usa os médicos para auxiliar na cura, mas quem cura de fato é Deus, o Médico dos médicos. A lição é clara, quem não confia em Deus se apega a qualquer coisa. Incrível é que alguém que já confiou em Deus pode abandoná-lO por nada e ainda não admitir seu erro quando confrontado. É comum os servos de Deus caírem nesse ponto; portanto, abra os teus olhos, fique atento: quem está em pé cuide para não cair. Confie em Deus sempre, não há nada melhor! Ele se mostra poderoso “para com aqueles cujo coração é perfeito para com Ele”. Agora é com você! – Heber Toth Armí.



2CRÔNICAS 16 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
30 de outubro de 2019, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Porque, quanto ao Senhor, Seus olhos passam por toda a terra, para mostrar-Se forte para com aqueles cujo coração é totalmente dEle” (v.9).

Após uma vitória milagrosa contra a Etiópia e anos de paz e de reformas espirituais significativas, parecia que Judá estava começando a reviver a glória do reinado de Salomão. Contudo, Israel tornara-se uma ameaça constante a essa paz. Por algum motivo, Asa, outrora tão firme em seu propósito de servir a Deus, seguiu por um caminho sobremodo perigoso, fazendo aliança com o rei da Síria. Viu na nação pagã a oportunidade de fazer tombar seu irmão do Norte.

Através desta aliança bélica, Asa revelou um coração bem diferente dos anos em que havia empreendido como reformador de Judá. Aproveitando-se de sua função, tratou de exercê-la tomando decisões precipitadas e certificando-se de que seus planos tivessem êxito. Aos seus olhos, a vitória da Síria contra Israel e os despojos de Ramá eram provas do sucesso de sua liderança. “Naquele tempo” (v.7), ou seja, no momento em que celebrava suas conquistas, a alegria do rei foi interrompida pelas duras palavras de Hanani, e a sua reação mostrou o quanto estava longe do Senhor.

Encerrando o profeta no cárcere e oprimindo “alguns do povo” (v.10), indignado e enfurecido, Asa não compreendeu a ação divina por trás da repreensão profética. Como no Éden, na mais triste viração do dia, o Senhor indagou ao insensato rei: “Onde estás?” (Gn.3:9). Onde estava aquele líder espiritual revolucionário? Onde estava aquele rei que promoveu a purificação da nação eleita? Onde estava aquele guerreiro cujo escudo era a fé? Mas ele preferiu confiar em homens do que em Deus, e “na sua enfermidade não recorreu ao Senhor, mas confiou nos médicos” (v.12).

Sabem, amados, todos os dias o Senhor nos desperta para reafirmar o Seu fiel concerto conosco. Um Deus que entregou o Seu Filho unigênito como sacrifício por pessoas imerecedoras e rebeldes, deveria ser o nosso mais profundo objeto de estudo diário. Um dia que seja sem esse vínculo com o Céu pode significar duas coisas: um tempo precioso que foi perdido ou o fim do tempo que nos foi concedido.

Certamente, Asa teve muitas oportunidades de retornar ao primeiro amor, mas as desperdiçou. Ao invés de ser um perfume de Deus em vida, seu corpo foi preparado “segundo a arte dos perfumistas” (v.14) na morte. Há um tempo precioso que não podemos desperdiçar: “eis, agora, o tempo sobremodo oportuno, eis, agora, o dia da salvação” (2Co.6:2). “Hoje, se ouvirdes a Sua voz, não endureçais o vosso coração” (Hb.3:15). Hoje, agora, é o tempo que temos de andar com Deus. Ele Se mostra “forte para com aqueles cujo coração é totalmente dEle” (v.9). Vigiemos e oremos!

Bom dia, amados por Deus!

• Deixe nos comentários o seu pedido de oração. #euoroporvocê

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #2Crônicas16 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



II CRÔNICAS 16 – VÍDEO COMENTÁRIO PR. RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
30 de outubro de 2019, 0:10
Filed under: Sem categoria



II CRÔNICAS 16 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
30 de outubro de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria

663 palavras

1-6 A batalha de Asa contra Baasa, de Israel, deu início à sua queda. Ele buscou a ajuda de Ben-Hadade, da Síria, em nítido contraste com a sua batalha contra Zerá, quando ele confiou no Senhor (14.2-16.14). Biblia de Genebra.

2 Ao entrar em acordo com o rei sírio, Asa abriu outra frente de guerra para Baasa, forçando-o a se retirar o território de Judá. Andrews Study Bible.

Os atos de Asa foram errados em dois pontos. Ele tirou tesouros do templo, mostrando desconsideração pelo templo e seu culto (cf. 20.21). Em segundo lugar, aliou-se a uma potência estrangeira, em lugar de confiar no Senhor. O historiador demonstra muitas vezes quão benéfico é confiar em Deus (1Cr 5.20; 2Cr 13.18; 14.11-15; 16.7-8; 32.20-22). Ele também deplora alianças com o estrangeiro e salienta suas terríveis consequências (18.1; 19.2; 20.35=37; 22.3-9; 25.7; 28.16-21; 35.21, nota), uma advertência adequada para aqueles que estavam reedificando a nação, depois da volta do exílio na Babilônia. Biblia de Genebra.

Até pessoas com um longo histórico de serviços fiéis podem vir a macular seu registro ao olhar para as dificuldades do momento, em vez de colocar a confiança no Senhor. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 3, p. 262.

7-10 Não é pecado usar meios humanos para resolver nossos problemas, mas é pecado acreditar mais neles do que em Deus, pensar que eles são melhores que os caminhos de Deus ou deixar Deus completamente de fora do processo de resolução dos problemas. Life Application Study Bible Kingsway.

Se a fé e a coragem de Asa não tivessem falhado nessa ocasião, seu reino teria sido ampliado e o nome do Senhor exaltado entre as nações da Terra. CBASD, vol. 3, p. 262.

por toda a Terra. Os olhos de Deus estão em toda parte, procurando os que O servem de todo o coração, para, por meio deles, revelar Seu grande poder e realizar Suas maravilhosas obras. Através dos atos de pessoas justas, o mundo se familiariza com a natureza e o poder de Deus. Ao deixar de manifestar fé em Deus, Asa cometeu uma injustiça, não apenas para consigo mesmo e para com a nação, mas também para com Deus. No momento em que Deus procurava alguém por meio de quem pudesse Se revelar ás nações e quando o rei de Judá parecia ser a pessoa certa para isso, Asa fracassou. Se tivesse sido forte e corajoso, avançando em nome do Senhor, a reforma que ele havia começado em Judá poderia ter-se estendido para outras nações, e muitos dentre os pagãos conheceriam a  Deus e tomariam posição ao lado dEle e de Seu povo. CBASD, vol. 3, p. 263.

cujo coração é totalmente dEle. A palavra totalmente é a mesma que em heb se traduz por “perfeito” em 15.17. A ideia, inclusive na palavra shalem ou shalom, significa inteireza, fidelidade, integridade, digno de confiança. Há o sentido de plenitude e de saúde na saudação shalom, que se pode traduzir “a paz do Senhor”. Biblia Shedd.

10 oprimiu Asa alguns do povo. Presumivelmente aqueles que concordavam com o profeta Hanani. Bíblia de Genebra.

12 os médicos. Asa falhou em reconhecer o poder de Deus para curar sua doença. Andrews Study Bible.

Não foi só na guerra e nas políticas nacionais que Asa colocou indevida dependência na ajuda humana, mas também no caso de sua enfermidade. Tornou-se fraca a fé do rei que um dia fora tão forte. Uma vitória nunca é garantia de outra. A força de hoje não é certeza da força de amanhã. Na ocasião de sua grande vitória sobre Zerá, Asa foi forte na fé e poderoso em atos. No entanto, são as pessoas fortes que se tornam alvos principais do inimigo. Em vez de continuar crescendo em força e coragem, Asa foi declinando, até que chegou aos últimos dias de sua vida doente, desapontado e amargurado, com pouca fé em Deus e sem ajuda humana. CBASD, vol. 3, p. 263.

14 Foi mui grande a queima. Não se tratava de cremação, uma vez que essa prática não era seguida pelos hebreus. Talvez a referência seja à queima de incenso e de especiarias. CBASD, vol. 3, p. 263.




%d blogueiros gostam disto: