Reavivados por Sua Palavra


I CRÔNICAS 17 by jquimelli
2 de outubro de 2019, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/1cr/17

Deus fez uma promessa para você?

Instalado em seu palácio, Davi desejava honrar a Deus construindo para Ele uma habitação adequada. Mas esse desejo não aconteceria desse modo. Davi tinha um plano, mas Deus lhe apresentou promessas, promessas magníficas que amorteciam o divino “Não”, tornando-o mais palatável. Lembre-se: as promessas de Deus são sempre maiores que nossos planos.

Prometendo honra, provisão, herança e o mais significativo de todos, amor duradouro, Deus deu garantias a Davi, seus descendentes e todo o Israel. Depois de louvar a Deus por ter um vislumbre do futuro, Davi ousadamente reivindicou as promessas: “Faze como prometeste, … para que o teu nome seja engrandecido para sempre” (v.23 NVI).

Que promessa Deus fez para você?

Talvez seja algo que apenas você saiba, um segredo sussurrado por Deus e enterrado no fundo do seu coração. Talvez você não ouse esperar que isso se torne realidade. Você poder achar que a promessa de Deus é boa ou impossível demais. Escolha acreditar em Deus que cumpre as promessas. Seja ousado como Davi. Diga a Deus: “Faze como prometeste!” E quando a promessa se realizar, glorifique o nome fiel de Deus vivendo uma vida amorosa de fé e serviço prodigiosos.

Em um mundo de promessas quebradas e esperanças destruídas, Deus ainda faz e mantém promessas!

Lori Engel
Capelã (atualmente com deficiência)
Eugene, Oregon EUA

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=601
Equipe de tradução: Pr. Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



I CRÔNICAS 17 – VÍDEO COMENTÁRIO PR. ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
2 de outubro de 2019, 0:55
Filed under: Sem categoria



I CRÔNICAS 17 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
2 de outubro de 2019, 0:45
Filed under: Sem categoria

I CRÔNICAS 17 – Adoração sem alegria soará como serviço fúnebre. É claro que Jesus, o Emanuel, o Filho de Deus, perfeito e sem pecado, morreu injustamente. Contudo, Ele ressuscitou. E venceu a morte para dar-nos vida. Assim temos o maior dos motivos para adorar e cultuar com alegria.

Mesmo antes de Jesus morrer na cruz, a alegria deveria caracterizar a religião judaica. Mesmo após 70 anos de cativeiro em Babilônia e ao retornar a Jerusalém sem o esplendoroso Templo de Salomão, a satisfação deveria tomar conta do coração em cada ato de adoração.

Comentando sobre Crônicas, Richard Pratt Jr. destaca que, a parte iniciada no capítulo em foco (17:1-29:25) é a “terceira e mais importante parte do reinado de Davi [e] apresenta o ponto alto de sua vida, segundo o ponto de vista do cronista. Tendo registrado a alegria resultante do amplo apoio à dinastia de Davi (ver 9.35-12-40), bem como a celebração pela presença da arca em Jerusalém (ver 13.1-16.43), o cronista em seguida volta à parte mais ampla e mais importante do reinado de Davi (17.1-29.30). Aqui Davi trouxe alegria indizível a Israel ao fazer os preparativos para a construção do templo por Salomão”.

• Deus é grande, merece respeito. Deus é bom, merece adoração. Deus é misericordioso, merece louvor (v. 20).

Observe estes pontos:

• Precisamos priorizar Deus, fazer o melhor para Ele com ânimo e alegria. Em nossos planos, Deus deve estar em primeiro lugar (vs. 1-2);
• Precisamos saber ouvir o “não” de Deus com alegria como quando ouvimos o Seu “sim”. Mesmo que o profeta volte atrás no que havia aprovado não devemos nos sentir frustrados (vs. 3-15);
• Precisamos aprender a ser gratos a Deus quando Ele aborta planos que consideramos nobres, importantes e corretos. A alegria de fazer a vontade divina deve ser maior que a frustração quando Deus não aprova nossas intenções (vs. 16-27).

“Embora Davi esteja proibido de construir uma casa para Deus, Deus vai construir uma casa para Davi (v. 10). Ou seja, Ele vai prover uma linhagem de descendentes cuja tarefa será pastorear Israel” (J. Keir Howard).

O foco desta promessa é o Messias. Só através de Cristo as promessas são cumpridas. Comprometa-se com Ele e serás feliz! Assim, alegria reinará na adoração, independente da situação! – Heber Toth Armí.



1CRÔNICAS 17 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
2 de outubro de 2019, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Sê, pois, agora, servido de abençoar a casa de teu servo, a fim de permanecer para sempre diante de Ti, pois Tu, ó Senhor, a abençoaste, e abençoada será para sempre” (v.27).

Davi habitava “em sua própria casa” (v.1) quando expressou ao profeta Natã a sua angústia: “Eis que moro em casa de cedros, mas a arca da Aliança do Senhor se acha numa tenda” (v.1). Aquela situação incomodou o homem segundo o coração de Deus. Como ele poderia morar em uma linda casa, enquanto a Casa do Senhor não passava de uma tenda? Percebendo a sinceridade do rei e reconhecendo seu propósito louvável, o profeta Natã o encorajou: “Faze tudo quanto está no teu coração, porque Deus é contigo” (v.2).

Davi tinha as melhores intenções, mas essas não estavam de acordo com a vontade de Deus. Não seria por meio dele que o templo seria construído, mas por seu filho e sucessor, Salomão.

Muitas vezes temos as melhores intenções possíveis em realizar a obra do Senhor, mas esquecemos de perguntar ao Senhor da obra se realmente estamos no caminho certo. Davi não foi o escolhido por Deus para construir o templo, e sim para iniciar uma dinastia que faria parte da genealogia do Rei dos reis, Jesus Cristo.

Não podemos confundir bênção com permissão. Ainda que estejamos debaixo da bênção do Senhor, isso não nos autoriza a fazer tudo o que desejamos, ainda que tenha a ver com o serviço cristão. Agir dessa forma acaba gerando resultados insatisfatórios e causando decepções que poderiam ser evitadas simplesmente se fizéssemos o que estudamos essa semana: antes da ação, vem a oração. Tenho aprendido a viver dessa forma, e posso lhes garantir: vale muito a pena! É tão maravilhoso que você pedirá a Deus todos os dias para nunca mais voltar a fazer qualquer coisa sem antes pedir a Sua orientação. Afinal, Cristo mesmo disse: “porque sem Mim nada podeis fazer” (Jo.15:5).

Davi queria fazer algo maravilhoso, mas sem a permissão divina, não passaria de uma simples construção. E sabem o que é mais lindo? O diálogo entre o Senhor e Davi. A intimidade que havia entre Davi e Deus pode ser claramente vista todas as vezes que Davi expressava a sua gratidão. Como ele mesmo escreveu: “A intimidade do Senhor é para os que O temem, aos quais Ele dará a conhecer a Sua aliança” (Sl.25:14). Deus realmente deu a conhecer a Davi a Sua aliança com ele e com a sua descendência: “de maneira que também falaste a respeito da casa de teu servo para tempos distantes” (v.17). Os salmos que compôs são verdadeiras orações cantadas. Davi não escondia suas intenções, nem tampouco fingia ser o que não era. Por isso que com ousadia, disse ao Senhor: “Pois Tu conheces bem teu servo” (v.18). E com humildade se fez o menor dentre todos: “Quem sou eu, Senhor Deus, e qual é a minha casa, para que me tenhas trazido até aqui?” (v.16).

Ele mesmo confessou: “que é o homem, que dele Te lembres?” (Sl.8:4). Contudo, Deus tem prazer em abençoar Seus filhos e torná-los bem-sucedidos onde quer que andem (v.8). E a bem-aventurança de Davi seria perpetuada por meio do Filho de Davi. Competia a Davi fazer preparativos para a construção do templo, entretanto, não lhe competia edificá-lo. De uma coisa, porém, ele poderia ter certeza: o Senhor o amava e amava a sua casa com amor eterno (v.27).

O ‘felizes para sempre’ existe, meus amados. Não é apenas uma frase de contos infantis. É uma promessa de Deus para “todo aquele que nEle crê” (Jo.3:16). O que Davi conquistou com guerras foram despojos de dor. As guerras que Deus venceu por ele foram milagres do amor. Amor de um Deus que escolhe esquecer os nossos pecados, e os lança “nas profundezas do mar” (Mq.7:19).

Se você nunca experimentou a intimidade do Senhor, não perca mais tempo! Busque agora mesmo um lugar onde possa conversar com Aquele que deseja ser o seu melhor Amigo, continue sendo reavivado pela Palavra, e, certamente, muito em breve, ouvirás: “o confirmarei na Minha casa e no Meu reino para sempre” (v.14). Vigiemos e oremos!

Bom dia, amigos do Senhor!

  • Deixe nos comentários o seu testemunho e/ou pedido de oração. #euoroporvocê

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #1Crônicas17 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



I CRÔNICAS 17 – VÍDEO COMENTÁRIO PR. RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
2 de outubro de 2019, 0:10
Filed under: Sem categoria



I CRÔNICAS 17 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
2 de outubro de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria

729 palavras

1 Disse ao profeta Natã. No palácio que havia construído para si, Davi começou a pensar no quanto era impróprio que os serviços de Deus fossem realizados numa tenda. Era seu plano que Jerusalém fosse o centro de adoração para toda a nação. Moisés tinha instruído que ali devia ser um centro de adoração (Dt 12:13, 14). Davi planejava colocar em prática essa instrução construindo um majestoso templo que daria a honra devida ao grande Deus dos céus. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 3, p. 173.

O desejo de Davi estava correto, mas o tempo de sua ação [timing] estava errado. … Se você mora comparativamente bem enquanto a obra de Deus, casa ou seus ministros estão carentes, talvez Deus queira que você mude a situação. Como Davi, atue para corrigir o desequilíbrio, mas esteja desejoso de se mover de acordo com o tempo de Deus. Life Application Study Bible Kingsway.

2 Faze tudo. Natã era um profeta, mas aqui é evidente que estava expressando sua própria opinião. O conselho que deu a Davi estava em harmonia com seu modo de pensar; ele não o apresentou como sendo uma revelação de Deus. CBASD, vol. 3, p. 173.

7 Malhada. Do heb. naweh, “uma morada”. A morada pode ser tanto de pastores ou rebanhos, ou, no sentido poético, naweh pode descrever qualquer habitação. Aqui se refere à humilde habitação de Davi ou ao seu rebanho de ovelhas. CBASD, vol. 3, p. 173.

10 O Senhor te edificaria uma casa. A palavra “casa” neste contexto significa “dinastia”. Bíblia de Estudo Andrews.

12 Esse me edificará casa. A verdadeira morada de Deus é o Céu, mas o nome divino habita no templo. Bíblia de Estudo Andrews.

Para sempre. O cumprimento desta promessa dependia da obediência (1Cr 28:6, 7). Devido à falha humana, a promessa será finalmente cumprida apenas por meio de Cristo (ver Lc 1:32, 33; ver com. de 2Sm 7:13). CBASD, vol. 3, p. 174.

O Novo Testamento revela que as promessas feitas a Davi se cumpriram em Cristo. Cristo cumpriu de modo perfeito as condições da aliança com Davi (Hb 4.15); ele serviu de Mediador da aliança da graça (At 2.25-36); Hb 9.15) e prometeu voltar à terra como Rei conquistador (Mt 24.29-31; Mc 13.24-27; Lc 21.25-28). Bíblia de Genebra.

13 Eu lhe serei por pai … por filho. Essa linguagem indica uma adoção especial do rei escolhido e não uma crença na divindade do monarca como acontecia em outras culturas antigas do Oriente Próximo e Médio (Sl 2.7; 45.6; 89.27 e nota). Bíblia de Genebra.

14 seu trono será estabelecido para sempre. Deus designou a linhagem de Davi como a dinastia permanente sobre o seu povo. Quando os descendentes de Davi fracassavam, eram punidos (2Sm 7.14), mas Deus sempre levantava outro filho de Davi para continuar a linhagem. Essa promessa, que transmitia esperança à comunidade depois do exílio no século VI a.C. cumpriu-se em Jesus, o qual reina para sempre sobre o trono de Davi (vs. 7-14, nota; 2Cr 21.7). Bíblia de Genebra.

16 Quem sou eu. A sincera expressão de humildade de Davi traz um exemplo atraente e valioso (29.14-16; 2Cr 2.6). Bíblia de Genebra.

20 Além de Ti. O ser humano comete o maior dos erros e demonstra a maior das tolices quando confia em deuses falsos. Somente por meio do reconhecimento do verdadeiro Deus é que o ser humano terá plenitude de alegria e paz. CBASD, vol. 3, p. 174.

21, 22 As referências ao êxodo do Egito relembrariam aos leitores do cronista o segundo grande êxodo, em que a comunidade da restauração foi liberta do período do cativeiro babilônico. Bíblia de Estudo NVI Vida.

22 Por Teu povo. Para o verdadeiro israelita, saber que pertencia ao povo escolhido de Deus era motivo de constante conforto e alegria – um povo escolhido, protegido e redimido por Ele. Porém, o mesmo conhecimento tranquilizava a muitos, causando-lhes uma falsa segurança, fazendo com que ignorassem dois fatos: (1) que essa posição de “povo escolhido” também dependia da obediência (Êx 19:5, 6); e (2) que o verdadeiro Israel incluía não apenas os hebreus, mas povos reunidos desde as extremidades da terra “todos os que são chamados pelo Meu nome”(Is 43:1-7, 21; cf. Gn 12:3; 18:18; 22:18; 26:4). CBASD, vol. 3, p. 174, 175.

26. Tu mesmo és Deus. Davi … orou para que Deus confirmasse Sua palavra, não porque temesse que Ele voltasse atrás na promessa, mas movido por um sentimento de profunda indignidade, e porque todo seu desejo correspondia ao de Deus. Ao mesmo tempo, estava plenamente ciente da possibilidade de falha humana. Mas, como esse era o desejo de Deus, ele também desejou que fosse assim, e orou para que isso se cumprisse. CBASD, vol. 3, p. 175.




%d blogueiros gostam disto: