Reavivados por Sua Palavra


GÊNESIS 16 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
28 de outubro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria


“Então, ela invocou o nome do Senhor, que lhe falava: Tu és Deus que vê; pois disse ela: Não olhei eu neste lugar para Aquele que me vê?” (v.13).


A paciência como uma das virtudes do fruto do Espírito Santo é, em sua essência, um atributo divino que deveria ser praticado em nossa vida como parte integrante de nossa fé. Mas quão difícil é esperar! Possuímos alguns “relógios” na vida, que indicam a hora de certas coisas acontecerem. Quando sentimos fome, por exemplo, automaticamente pensamos que chegou a hora de comer. Quando vem o sono, nosso corpo avisa que chegou a hora de dormir. Sarai estava dando ouvidos ao seu relógio biológico quando sugeriu a Abrão que tomasse Agar por mulher. No entanto, quando está em jogo uma promessa divina, mais do que qualquer relógio indicando que a hora já vai avançada, a paciência torna-se um dom indispensável.

Quantas vezes as nossas angústias invadem a sede da emoção e nos fazem tomar atitudes precipitadas e sem a anuência divina. Nem Sarai e nem Abrão consultaram ao Senhor a respeito de Agar. Abrão simplesmente “anuiu ao conselho de Sarai” (v.2) e casou-se com a serva egípcia. Decisões precipitadas, porém, nunca afetam apenas quem as tomou, mas há uma influência direta e indireta sobre outros. Agar concebeu a Ismael e, de Ismael surgiria um povo sobremodo numeroso (v.10). Estamos sempre dispostos a limitar o tempo para determinadas situações em nossa vida, mas quão difícil é ter de arcar com as consequências.

Para Sarai, a consequência foi ter que conviver debaixo do desprezo da segunda esposa de Abrão, devido à sua infertilidade. É certo que Agar aproveitou-se da situação, mas ela simplesmente reagiu segundo a sua esfera de instrução. E, novamente, o “relógio” de Sarai avisou que era hora de tomar uma providência e fazer de tudo para interromper o curso do que dantes pensava ser o melhor a se fazer. Não sabemos que tipo de humilhação Agar sofreu, mas creio que foi tão severa que ela temeu a própria vida e de seu filho. Mas o que há de mais lindo em tudo isso, é que, ainda que nos falte a paciência de aguardar pelo relógio de Deus, Ele é pontual em Suas promessas e age na hora certa até mesmo Se valendo do tempo e das condições que nós mesmos estabelecemos.

Mesmo que Sarai e Abrão tenham agido de forma contrária aos planos divinos, o Senhor permanecia fiel e justo. Agar não foi consultada a respeito da decisão de seus senhores. Como serva, simplesmente se submeteu ao jugo que lhe fora imposto. E, “junto a uma fonte de água no deserto” (v.7), nunca imaginou que o Deus de Abrão viria pessoalmente lhe falar. E como o Mestre da comunicação, e o maior Psicólogo de todos os tempos, iniciou o diálogo com uma pergunta: “Agar, serva de Sarai, donde vens e para onde vais?” (v.8). Parece até uma pergunta simples e que com certeza Ele já sabia a resposta, mas que abriu uma porta a fim que pudesse alcançar o coração de Agar. “Fujo” (v.8), foi a sua resposta. Por vezes, quando pensamos que fugir é a melhor alternativa, Deus nos pede para voltar e nos submeter diante do que mais nos causa medo.

Humilha-te” (v.9), certamente não é o que queremos ouvir, nem tampouco o que queremos fazer, mas, aos olhos de Deus, é melhor ser o humilhado do que o opressor. Ismael não seria o filho da promessa, mas, para Agar, seria sempre a lembrança de que o Senhor a acudiu em sua aflição (v.11). Agar teve o privilégio de estar face a face com Jesus, porque Ele sempre está com o aflito no deserto. Eu não sei em que momento você está no relógio de sua vida, e nem se você decidiu acelerar o tempo e teve de colher consequências que têm te machucado. Talvez você seja vítima da falta de paciência de alguém e esteja enfrentando um deserto tentando fugir do que lhe causa dor. Agar “invocou o nome do Senhor” (v.13).

Vivemos hoje no limiar do tempo em que o relógio do Apocalipse está prestes a soar a meia-noite e “acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo” (Jl.2:32). Por mais que o caminho que o Senhor nos mostre não seja o mais fácil de se seguir, sem dúvida alguma, ele sempre será o melhor. Por que, como bem reconheceu Agar, o Senhor é o “Deus que vê” (v.13). Peça, agora, ao Espírito Santo que lhe conceda paciência para esperar, humildade para aceitar, coragem para enfrentar e fé para adorar. Creia que, hoje, “o Senhor te acudiu na tua aflição” (v.11).

Feliz semana, servos do Deus que tudo vê!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Gênesis16 #RPSP


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: