Reavivados por Sua Palavra


GÊNESIS 15 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
27 de outubro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria


“Ele creu no Senhor, e isso lhe foi imputado por justiça” (v.6).


Quão difícil fora a peregrinação de Abrão! Tendo que lidar com povos inimigos, conflitos, a separação de seu sobrinho Ló e o risco de perder sua esposa. Afinal de contas, será que de fato valeu a pena obedecer a Deus, sair de sua terra e viver como um forasteiro em terra estranha? O que faria um homem viver desse modo não fosse a confiança no Deus que ele conhecia? Os últimos acontecimentos, porém, certamente abalaram as emoções do ancião que, diante das ameaças que o cercavam, foi consolado pela voz familiar: “Não temas, Abrão, Eu sou o teu escudo, e teu galardão será sobremodo grande” (v.1).

É certo que Abrão estava cercado de povos pagãos, mas a angústia que lhe consumia a alma estava em um berço vazio. Além da esterilidade de Sara, ambos já alcançavam idade avançada. O tempo tornou-se inimigo do idoso peregrino. Mas ao contemplar os céus e a infinidade de estrelas, algo diferente aconteceu. Sob o manto de um céu que palavra alguma pode descrever, Abrão foi convidado a vislumbrar o plano divino e compreendeu que o mesmo Deus que criara cada uma daquelas estrelas, era poderoso para suscitar-lhe descendência na velhice. E o tempo que dantes lhe roubava o sonho, se tornaria em aliado para a realização de um milagre, pois “de um, aliás já amortecido, saiu uma posteridade tão numerosa como as estrelas do céu e inumerável como a areia que está na praia do mar” (Hb.11:12).

Abrão “creu no Senhor” e foi justificado (v.6). Ele tanto confiou, que foi declarado justo por isso. Você consegue conceber essa ideia de justificação? Não por ter saído de sua terra, não por ter lutado bravamente, não pelos sacrifícios que ofereceu, não pelo dízimo que devolveu. Mas pelo simples motivo de ter crido, isso lhe foi atribuído por justiça. Sem dúvida alguma, a justificação pela fé é uma das doutrinas bíblicas mais difíceis de se compreender, simplesmente porque a ideia humana sobre justificação implica em explicação, esclarecimento, motivo. E, ao colocarmos na balança da vida um ser humano pecador, é difícil entender como o simples gesto de crer o torna justo diante de um Deus santo.

Fazendo distinção, contudo, entre crer de fato e apenas dizer que crê, entendemos melhor esta doutrina. Quando avançamos até o livro de Hebreus, ali encontramos o verdadeiro significado da fé: “Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não veem” (Hb.11:1). Então, mais à frente, percebemos, através da trajetória de vários homens e mulheres, que a fé sempre precedia a ação. Foi pela fé que “Abraão, quando chamado, obedeceu” (Hb.11:8). Eis o verdadeiro sentido da obediência: ela é movida pela fé. É até possível ser obediente sem crer (os fariseus que o digam), mas é impossível crer e ser desobediente. Porque a obediência genuína e agradável a Deus provém de um coração completamente dependente e submisso a Ele.

Quando Deus chama Seus filhos, os chama para a liberdade. Foi assim com Abrão: “Eu sou o Senhor que te tirei de Ur dos caldeus, para dar-te por herança esta terra” (v.7). Foi assim com Israel: “Eu sou o Senhor, teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão” (Êx.20:2). Foi com esse objetivo que Jesus veio ao mundo: “Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” (Jo.8:36). E será com esse objetivo que Ele virá segunda vez: “O vencedor herdará estas coisas, e Eu lhe serei Deus, e ele Me será filho” (Ap.21:7). Pela fé em Cristo, todos nos tornamos filhos de Abraão e herdeiros segundo a promessa, o derradeiro “Israel de Deus” (Gl.6:16). E o conselho de Jesus ao antigo Israel ecoa aos nossos corações, hoje: “Se sois filhos de Abraão, praticai as obras de Abraão” (Jo.8:39).

Amados, não é o mero conhecimento da Bíblia, nem tampouco uma obediência legalista o que nos libertará de nossa condição miserável. Assim como Abrão foi acometido de “grande pavor e cerradas trevas” (v.12), mas logo após, “fez o Senhor aliança com Abrão” (v.18), os filhos de Deus também têm sofrido pela inconstância de um enganoso coração. E somente o verdadeiro conhecimento poderá libertar-nos desta prisão: “Desventurado homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte? Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor” (Rm.7:24-25). “E a vida eterna é esta: que Te conheçam a Ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a Quem enviaste” (Jo.17:3). Portanto, meus irmãos, “conheçamos e prossigamos em conhecer ao Senhor; como a alva, a sua vinda é certa; e Ele descerá sobre nós como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra” (Os.6:3).

Feliz sábado, amigos de Deus! (Leiam Is.41:8 e Jo.15:14)

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Gênesis15 #RPSP


1 Comentário so far
Deixe um comentário

Que Deus continue te usando para que cada vez mais possamos ouvir a voz do Senhor através dos seus comentários! Essa mensagem falou fortemente comigo, grata a Deus por seus comentários!

Comentário por Maria Eduarda Moura




Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: