Reavivados por Sua Palavra


GÊNESIS 14 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
26 de outubro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria


“Abençoou ele a Abrão e disse: Bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo, que possui os céus e a terra” (v.19).


Este é o primeiro registro na Bíblia de guerras entre nações. Segundo o relato, havia uma espécie de acordo entre reinos. A partir do momento em que a parte mais fraca desta relação entre povos não suportou mais os danos sofridos, se rebelou e iniciou um conflito que resultaria na vitória do lado opressor e na captura de Ló, sobrinho de Abrão, bem como de “todos os bens de Sodoma e de Gomorra e todo o seu mantimento” (v.11). Quando Abrão tomou conhecimento do ocorrido, prontamente reuniu seus homens e alguns da parte de Manre, Escol e Aner, “os quais eram aliados de Abrão” (v.13).

Abrão não era um guerreiro, mas não hesitou em lutar em prol de resgatar o seu amado sobrinho. Em nome de Deus, marchou em direção a um exército bem maior e bem mais preparado, contudo, sua coragem e determinação provinham de sua fé nAquele que jamais perdeu uma só batalha, o Senhor dos Exércitos. Abrão retornou não somente com a vitória de um conflito terrestre, mas, seu encontro com Melquisedeque prefigurou a vitória do grande conflito cósmico. Além de rei, Melquisedeque também era “sacerdote do Deus Altíssimo” (v.18). Apesar de sua origem ser desconhecida, e o sacerdócio levítico só surgiria muito tempo depois pela descendência de Abrão, Melquisedeque prefigurou o sacerdócio de Cristo, que não foi “segundo a ordem de Arão”, e sim “segundo a ordem de Melquisedeque” (Hb.7:11 e 17). Ou seja, um sacerdócio superior e, portanto, originador de uma nova aliança.

Até então, a Bíblia também não havia feito referência à devolução do dízimo. A atitude de Abrão em devolver o dízimo de tudo (v.20) revela que este era um princípio que o Senhor já havia estabelecido. Não era uma barganha pela vitória obtida, mas o reconhecimento de que tudo quanto possuía e tudo quanto conquistara eram bênçãos concedidas por Deus. A devolução dos dízimos e das ofertas quando não compreendida como parte da verdadeira adoração, quando não se trata do fruto de um coração submisso e grato a Deus, torna-se tão vil quanto a oferta do rei de Sodoma, e, como Abrão, a mesma resposta é dada do Céu: “nada quero para mim” (v.24). Amados, Deus não precisa do nosso dinheiro. Ele é o Dono do ouro e da prata (Ag.2:8). O maior beneficiado no sistema de devolução dos dízimos e das ofertas sou eu e é você. Pois se “o amor do dinheiro é raiz de todos os males” (1Tm.6:10), a mordomia cristã através dos tesouros que o Senhor nos dá é uma forma de nos proteger do egoísmo e da avareza.

Dentro em breve, o Rei da Paz virá buscar os Seus verdadeiros adoradores, todo aquele que depositou o coração diariamente nos tesouros do Céu. Ele virá buscar o Seu exército que não temeu marchar em defesa da verdade e por amor a seus semelhantes. Como o exército de Abrão, e como nos dias de Noé, será um pequeno povo contra os reis desta terra. Mas, sob a bênção do nosso Sumo Sacerdote, e sob a bandeira ensanguentada do Cordeiro de Deus, marcharemos como exército triunfante rumo à Terra Prometida.

Bom dia, exército militante do Deus Altíssimo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Gênesis14 #RPSP


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: