Reavivados por Sua Palavra


Gênesis 2 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
14 de outubro de 2018, 6:52
Filed under: Sem categoria


“E, havendo Deus terminado no dia sétimo a Sua obra, que fizera, descansou nesse dia de toda a Sua obra que tinha feito” (v.2).


Já na criação, o Senhor estabeleceu os dias da semana. Toda a natureza e todo ser vivente foi programado numa sequência de sete, e o sétimo dia foi estabelecido como uma espécie de selo de identificação. É o memorial da criação, a inconfundível assinatura do Criador, a conclusão da obra de Suas mãos. O ciclo de sete dias corresponde perfeitamente às necessidades do que fora criado. O número que representa “perfeição, plenitude”, foi estabelecido no último dia da semana da criação para o benefício da humanidade (Mc.2:27). E como o mais exímio Professor, Deus ensinou a nossos primeiros pais, pelo exemplo, como eles deveriam observar este dia, pois, no sábado, Deus “descansou nesse dia de toda a Sua obra que tinha feito” (v.2). O Senhor criou um templo no tempo para que o homem fosse especialmente abençoado e santificado pela bênção e santificação que Ele mesmo determinou para este dia (v.3).

Quando, no Sinai, o Senhor disse a Seu povo Israel: “Lembra-te do dia de sábado para o santificar” (Êx.20:8), Ele estava dizendo: “Lembrem do que Eu estabeleci na criação e sejam um testemunho para o mundo inteiro de que só há um Criador”. O nosso relógio biológico funciona numa sequência de sete. Ou seja, fomos criados para funcionar assim, como o significado do próprio número já diz: para vivermos de forma perfeita e plena. Ao transgredir essa lei biológica, três consequências são inevitáveis: ao contrário de descanso há fadiga, no lugar de bênção há maldição e o que fora criado para ser santo é tido como profano, comum. O sábado não é somente uma cláusula do Decálogo, uma exigência divina, mas a prova do amor e do respeito do Criador por Sua criatura, a celebração pelos feitos do Senhor durante a semana, o ápice da verdadeira adoração.

Este capítulo também apresenta um relato mais detalhado da criação do homem e da mulher, ambos feitos à imagem e à semelhança de Deus (Gn.1:26-27). A primeira família humana e o sábado foram estabelecidos antes da entrada do pecado no mundo. Não é sem razão que Satanás tem destruído as famílias e desviado o homem do verdadeiro dia de guarda. O primeiro casamento foi celebrado pelo próprio Criador, entre um homem e uma mulher, um macho e uma fêmea (Desculpem a ênfase, mas a verdade precisa ser dita. Leiam o que o apóstolo Paulo escreveu sobre isto em Romanos 1:26-27). Quando o mundo declara que não houve uma semana da criação com sete dias literais, mas uma evolução durante milhares e milhares de anos, exclui o casamento entre homem e mulher, o sábado, a entrada do pecado no mundo e a nossa necessidade de um Salvador. Percebem o terrível engano? Deus nos criou para sermos felizes e desfrutarmos de Sua criação. Mesmo com o pecado, Ele nos dá o privilégio de vivermos no sábado as bênçãos do Éden. Jesus observou este dia (Lc.4:16 e 31). As mulheres que O seguiam, inclusive Maria, “no sábado, descansaram, segundo o mandamento” (Lc.23:56). O apóstolo Paulo e seus companheiros de ministério guardavam o sábado (At.16:13). Até em Sua morte, Jesus observou as horas sabáticas, descansando em Seu túmulo e tornando este dia, também, um memorial da redenção.

Está se aproximando o tempo em que a nossa fidelidade ao Senhor será provada com grande intensidade. Deus programou o mundo e o homem para as bênçãos sabáticas. Satanás os reprogramou para dar as costas ao Criador e já tem caminhado para estabelecer, de forma universal, a sua contrafação. Enquanto Deus estabeleceu o casamento entre um homem e uma mulher, Satanás tem espalhado pelo mundo a ideia de que o que importa é ser “feliz”, una-se a quem ou o que quiser e com quantos achar que precisa. Enquanto o selo de Deus é o sábado (Ez.20:12 e 20), a marca do reino das trevas será estabelecida sobre o primeiro dia da semana. Deixar de fazer uma prova na faculdade ou ter que abandonar um emprego por causa do sábado são situações que o Senhor considera como fidelidade no pouco. Mas se não estivermos dispostos a confiar na provisão de Deus agora, quando ainda pouco nos é exigido, quando formos fortemente oprimidos e a nossa própria vida e de nossa família estiver em jogo, o fogo da mais terrível aflição provará quem de fato é ouro e quem é escória.

Um dia, o Eterno irá recriar este planeta (Ap.21:1), então, “de um sábado a outro, virá toda carne” (Is.66:23) adorar “Aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas” (Ap.14:7). Podemos aqui viver, à cada sábado, um vislumbre da eternidade. Todas as coisas criadas, amados, apesar da degradação que o pecado tem causado, declara que “Deus é amor” (1Jo.4:8). Em cada dia da semana, permita que esse amor penetre em seu coração e o recrie para a glória de Deus. E que cada sábado seja uma celebração em adoração ao Deus que cuida de você e que tem um novo Éden para lhe oferecer.

Bom dia, criados para a verdadeira adoração!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Gênesis2 #RPSP


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: