Reavivados por Sua Palavra


Marcos 13 by Jobson Santos
7 de março de 2018, 1:00
Filed under: Marcos, Sem categoria
Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/marcos/mc-capitulo-13/

Comentário devocional:

Jesus tinha acabado de compartilhar a parábola da vinha de Deus. O copo dos 490 anos do tempo concedido a Israel, de que falara o profeta Daniel, estava quase cheio. Tudo o que Deus poderia fazer para chamar as pessoas do perigo para a segurança havia sido feito.

Deus tinha feito tudo ao Seu alcance ao dar repetidos avisos através de Seus profetas. Seu maior desejo era o de reunir Seu povo sob Seu poderoso cuidado protetor e mantê-los a salvo dos ataques ferozes do inimigo, mas eles não quiseram ouvir.

II Crônicas 20:20 diz: ““Escutem-me, Judá e povo de Jerusalém! Tenham fé no Senhor, o seu Deus, e vocês serão sustentados; tenham fé nos profetas do Senhor, e terão a vitória” (NVI). Entretanto, eles não quiseram dar ouvidos aos profetas, deixando de receber Suas bênçãos. Assim, sua casa seria deixada desolada!

Caro leitor, como você está nesta questão? Você ouve os profetas e segue tudo o que eles dizem? Pelo Espírito Santo você terá poder para obedecer às orientações de Deus – o seu destino eterno depende disso!

Deus nos enviou Seus profetas para nos conduzir do perigo para a segurança. Você os ouvirá e os seguirá?

Jim Ayer
Vice-Presidente – Rádio Mundial Adventista


Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1216

Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli/Jeferson Quimelli
Comentário em áudio Pr Valdeci: http://vod.novotempo.org.br/mp3/Reavivados/Reavivados07-03-2018.mp3    


MARCOS 13 – COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
7 de março de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



MARCOS 13 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
7 de março de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria
MARCOS 13 – Cristãos não devem ser movidos à curiosidade, mas à expectativa. Conhecer o futuro não deve ser considerado tão importante quanto preparar-se para os eventos finais. Mais que informação escatológica, cada crente deve ansiar pela transformação do caráter.
 
Após o conflito com líderes eclesiásticos de Seu tempo, Jesus proclamou Seu último sermão, com um tom profético enfatizando a vigilância no tempo do fim.
 
• Jesus iniciou desde onde estavam Seus discípulos, por isso despertou-lhes a curiosidade com profecias referentes à destruição do suntuoso templo construído por Herodes; então, eles indagaram: “Quando estas coisas vão acontecer? Que sinal teremos de que tudo caminha para um desfecho?” (vs. 1-4).
 
• Jesus sacia a curiosidade, mas avança para alertar Seus seguidores quanto à preparação para as adversidades iminentes: enganos, perseguição, decepção, falsa acusação, condenação e morte aos cristãos. A vida cristã não seria parecida a parques de diversões, mas a campos de batalha (vs. 9-13).
 
• Jesus alerta para a situação do mundo entre Sua ascensão aos Céus e Sua segunda vinda à Terra (vs. 14-27). O abominável da desolação é sinal para não permanecer onde e como está. A abominação desoladora refere-se imediatamente à destruição de Jerusalém por Tito Vespasiano no ano 70 d.C. Profecia dada por Daniel em Babilônia (Dn 9:26-27). Contudo, “os eventos relativos à queda de Jerusalém seriam uma prefiguração do que acontecerá por ocasião do retorno de Cristo” (Bíblia de Estudo Andrews).
 
Sobre “a tamanha tribulação” (v. 19), além de apontar diretamente para as ações de Roma no ano 70 d.C., também refere-se ao tempo antes do desfecho da história. “A perseguição ao povo de Deus continua na tribulação durante os 1.260 anos (Ap 12:13, 14) até a segunda vinda (Mc 13:24-27). Pouco antes da chegada de Cristo, o mal será predominante, como nos dias de Noé (Gn 6:1-7)” (Bíblia Andrews).
 
• Após destacar os efeitos cataclísmicos e a glória de Seu retorno à Terra (vs. 24-27), Jesus contou uma parábola objetivando exortar-nos quanto à preparação (vs. 28-36).
 
Algumas considerações importantes: NÃO…
 
• …existirá um arrebatamento da igreja para, então salvar Israel.
• …há arrebatamento secreto na profecia de Cristo, nem vinda secreta (somente dos falsos cristos).
• …haverá tratamento diferente entre Israel e a Igreja.
• …consta na profecia sete anos de tribulação.
 
Estudemos a Palavra para reavivarmo-nos! – Heber Toth Armí.


MARCOS 13 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
7 de março de 2018, 0:40
Filed under: Sem categoria

“Estai vós de sobreaviso; tudo vos tenho predito” (v.23).


Diante do cenário estonteante do templo cujas pedras de mármore branco refletiam a luz do sol, grande admiração tomou conta do coração dos discípulos. Aquele lugar era o que tinham como referência de sagrado e despertava-lhes profunda reverência. Quando Jesus lhes disse que não ficaria “pedra sobre pedra” no templo “que não fosse derribada” (v.2), ficaram sobremodo aflitos. Mas, “Pedro, Tiago, João e André” (v.3) não guardaram a aflição para si. Em momento oportuno, pediram ao Mestre que lhes revelasse qual seria o sinal que precederia o fim dos tempos.

O relato que se segue apresenta não somente um sinal, mas diversos sinais que devem ser observados sob o prisma de que algo maior está para acontecer. E diante de tão solene mensagem, as primeiras palavras de Cristo são: “Vede que ninguém vos engane” (v.5). Portanto, o primeiro sinal apontado por Ele, como grande evidência de que o fim está próximo, foi o engano. Sucessivamente, outros sinais foram apresentados como “princípio das dores” (v.8). Comparando o cumprimento do tempo profético com uma mulher que está prestes a dar à luz, Jesus revelou quais seriam as primeiras e as derradeiras “contrações” até que Ele viesse segunda vez.

Apesar da aplicação desta profecia ser também referente à destruição de Jerusalém no ano 70 d.C., o seu maior enfoque está na segunda vinda de Jesus à Terra, a Sua gloriosa aparição. Insistentemente, Ele mostrou aos Seus atentos discípulos a importância da vigilância: “Estai vós de sobreaviso” (v.9 e 23); “vigiai e orai” (v.33); “Vigiai” (v.35); “O que, porém, digo a todos: vigiai!” (v.37).

O profeta Habacuque, compreendendo a importância de tal atitude, logo a colocou em prática: “Pôr-me-ei na minha torre de vigia, colocar-me-ei sobre a fortaleza e vigiarei para ver o que Deus me dirá e que resposta eu terei à minha queixa” (Hc 2:1). E a sua decisão logo resultou em resposta: “Porque a visão ainda está para cumprir-se no tempo determinado, mas se apressa para o fim e não falhará; se tardar, espera-o, porque, certamente, virá, não tardará” (Hc 2:3).

Deus tem um povo que, vigilante, tem aguardado o tempo determinado da vinda de Seu Salvador. Assim como as dores de parto vão aumentando de intensidade, os sinais têm se intensificado apontando para o maior evento de todos os tempos, que está “às portas” (v.29). Todos, crentes e descrentes, “verão o Filho do Homem vir nas nuvens, com grande poder e glória” (v.26). Não sabemos o dia e nem a hora, mas sabemos como devemos estar diante da expectativa do retorno do nosso Senhor: “com toda oração e súplica, orando em todo o tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica por todos os santos” (Ef 6:18).

Tamanha tribulação como nunca houve desde o princípio do mundo” (v.19) nos aguarda e precisamos estar prontos para enfrentá-la. Vigiar, ou seja, estar atentos aos sinais e alicerçados na verdade, nos livrará dos enganos do maligno. Assim como o profeta Habacuque, aguardemos com perseverança a resposta do Senhor. Pois que “a nossa salvação está, agora, mais perto do que quando no princípio cremos” (Rm 13:11).

Vigiemos e oremos!

Bom dia, “escolhidos” (v.27) do Senhor!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Marcos13
#RPSP



MARCOS 13 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
7 de março de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

1-37 Este capítulo em Marcos, como seus paralelos (Mt 24, Lc 21), tem sido um desafio aos intérpretes ao longo dos séculos. Está Jesus falando sobre a queda de Jerusalém em 70 d.C., ou sobre os eventos precedentes à Segunda Vinda, ou uma combinação dos dois? Muitos estudantes dos Evangelhos acreditam que esta passagem combina os dois eventos, constituindo os eventos relacionados à queda de Jerusalém uma prefiguração do que acontecerá no retorno de Cristo. Andrews Study Bible.

1 Este capítulo que se inicia, chamado por alguns de “o pequeno Apocalipse”, recebe uma boa ampliação em Mt 24 e Lc 21 e no Apocalipse. Isto se deve ao fato de as verdades aqui reveladas não nos foram dadas para responder a todas as perguntas acerca do futuro, mas para encorajar os crentes a resistir ao mal, ficar firmes na perseguição e esperar sempre em Cristo. Bíblia Shedd.

Este capítulo … faz predições em três áreas: a próxima destruição do templo (vs 1-4); futuras perseguições (vs. 5-25) e a vinda do Filho do Homem (vs. 26-37). Bíblia de Genebra.

Que pedras enormes! (NVI). Segundo Josefo (Antiguidades, 15.11.3), eram brancas, e algumas delas tinham 11,5 metros de comprimento, 3,7 de altura e 5,5 de largura. Bíblia de Estudo NVI Vida.

não ficará pedra sobre pedra. Jerusalém foi saqueada e o templo foi queimado e destruído no ano de 79 d.C. por Tito, general romano (depois feito imperador). O Arco de Tito, comemorando a sua vitória, ainda existe em Roma. Bíblia de Genebra.

quando sucederão estas coisas. A pergunta dos discípulos tem em vista a destruição do templo. A resposta de Jesus parece incluir tanto este evento específico como o tempo que conduz à vinda do Filho do Homem (v. 26; cf Mt 24.3). Os eventos em torno da destruição do templo parecem anteceder e tipificar aqueles momentos associados à segunda vinda. Bíblia de Genebra.

que sinal haverá. Jesus deixa claro que perturbações como guerras e desastres não são os “sinais” ou indicadores do tempo em que Ele retornará. Eles não nos dizem quando Ele voltará, mas que Ele voltará. Andrews Study Bible.

5 Vede. Vigiai! Esteja alerta! Esteja de guarda! O maior foco deste capítulo. Existe o perigo da decepção e o perigo da complacência. Andrews Study Bible.

Muito virão. No ano 130 d.C., Bar Kochba – líder de uma rebelião judaica contra os romanos – reivindicava ser o Messias e era aceito como tal por seus seguidores, e a lista (de supostos messias) tem crescido desde então. Bíblia de Genebra.

Sou eu. Esta expressão é também o nome de Deus (Êx. 3.14) e é o título escolhido por Jesus (Jo 8.28, 58). Bíblia de Genebra.

9-13 Perseguições aguardam àqueles que se lançam à proclamação do evangelho em todo o mundo (v. 10). Bíblia Shedd.

tribunais. Sem dúvida, uma referência ao sinédrio local, ou tribunais, que se reuniam nas diversas sinagogas. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 713.

açoitados. A infração dos regulamentos judaicos era sujeita ao castigo com açoites, sendo a pena máxima 39 açoites (v. 2Co 11.23, 24). Bíblia de Estudo NVI Vida.

10 é necessário que o evangelho seja primeiro pregado a todas as nações. Perturbações e desastres acontecerão até que Jesus retorne. Mas nenhum destes é um indicador que Ele está próximo de chegar. O único indicador é que o evangelho será pregado a todas as nações. Mas somente saberá quando este sinal estiver cumprido. Andrews Study Bible.

nações. Gr ethne “gentios”, “nações”. Os gentios ouvirão o evangelho, e não apenas os judeus (cf Ap 7). Não há, entretanto, a mínima indicação relativa à eficiência da pregação, nenhuma sugestão de que o mundo se tornará cada vez mais cristão. Bíblia Shedd.

11. não vos preocupeis. Isto é, “não andeis ansiosos”. CBASD, vol. 5, p. 713.

13 perseverar até o fim. Esta afirmação pode também significar o fim da vida de cada pessoa. Bíblia de Genebra.

será salvo. Não da perseguição mas do juízo divino. Bíblia Shedd.

Esta perseverança não é para merecer a salvação, mas é a prova de que a verdadeira salvação, em certo sentido, já aconteceu (Rm 8.24). Bíblia de Genebra.

14 abominável da desolação. … a destruição de Jerusalém que aconteceu em 70 d.C.  [cf. nota em Mt 24:15]. Andrews Study Bible.

fujam para os montes. Quando os romanos, em sua marcha para Jerusalém, no ano 69 d.C., saquearam Qumran, os membros desta comunidade esconderam seus manuscritos em cavernas, no alto das montanhas, acima do mar Morto. Eusébio, historiador da igreja, no século IV, afirma que os cristãos deixaram Jerusalém, naquele tempo, e fundaram a igreja em Pella, a leste do Jordão, cerca de 78 km ao norte de Jerusalém. Bíblia de Genebra.

18 no inverno. A estação em que as densas chuvas deixavam os riachos transbordantes e impossíveis de ser atravessados, de modo que muitos seriam impedidos de alcançar um lugar de refúgio. Bíblia de Estudo NVI Vida.

19 aqueles dias serão de tamanha tribulação. Este e os versos precedentes parecem ser referências à queda de Jerusalém, em 70 d.C. Contudo, a perseguição ao povo de Deus continua da tribulação do período de 1.260 anos (Ap 13:24-27). Logo antes da volta de Jesus o mal alcançará o seu auge, como nos dias de Noé (Gn 6:1-7). Andrews Study Bible.

21 Cristo. Literalmente, o Messias. A palavra é usada aqui como um título e não como um nome pessoal. CBASD, vol. 5, p. 713.

24-26 A ênfase, aqui, focaliza claramente a segunda vinda do Senhor (cf Dn 7.13). Bíblia Shedd.

25 cairão. Ver com. de Mt 24.29. O texto grego ressalta o sentido de continuidade, como uma chuva de estrelas cadentes (ver com. de Ap 6.13). CBASD, vol. 5, p. 713.

30 esta geração. O cumprimento da promessa das profecias relativas à destruição de Jerusalém foi visto pela geração contemporânea de Jesus. Bíblia Shedd.

34 dá autoridade. Os dons do Espírito capacitam todo crente sincero a servir ao seu Senhor (cf 1Co 12; Rm 12; 1Pe 4.10s). Bíblia Shedd.

35 à tarde, … à meia noite, …ao cantar do galo, … pela manhã. Os quatro termos aqui utilizados se referem às quatro vigílias da noite, de acordo com o sistema romano que se empregava na Palestina. CBASD, vol. 5, p. 713.




%d blogueiros gostam disto: