Reavivados por Sua Palavra


MARCOS 12 by jquimelli
6 de março de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/marcos/mc-capitulo-12/

Comentário devocional:

Poderíamos chamar esse de o capítulo das uvas amargas. O plano de Deus era estabelecer a mais espetacular vinha do mundo na terra de Israel, no sentido espiritual de um povo amoroso e dedicado a Ele.

Mas não houve sucesso. O profeta Isaías lamentou: “A vinha do Senhor dos Exércitos é a nação de Israel, e os homens de Judá são a plantação que ele amava. Ele esperava justiça, mas houve derramamento de sangue; esperava retidão, mas ouviu gritos de aflição” (Isaías 5:7, NVI).

Aqueles que foram deixados a cargo da vinha não aceitaram nenhuma instrução, apesar dos muitos conselheiros enviados a eles por parte do proprietário da vinha. Os profetas foram apedrejados, espancados e até mesmo serrados ao meio por oferecerem conselhos para o cultivo das uvas.

Israel desperdiçou o tempo de misericórdia concedido. A qualidade dos frutos da vinha de Deus não melhorou, mas piorou. Então Deus enviou o seu próprio filho para resgatá-los. Agora que o Santo Filho de Deus estava diante deles, eles tramaram a sua morte. Mas Deus, em Seu amor, lhes fez um último apelo para que se tornassem uvas doces: “Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma, de todo o seu entendimento e de todas as suas forças” (Marcos 12:30, NVI).

Você e eu também recebemos um valioso tempo de misericórdia para nos tornarmos como Jesus, a fim de representá-Lo corretamente ao mundo. Como está a sua condição perante Deus? Está você seguindo as instruções entregues por Seus mensageiros? Está você permitindo que o Criador lhe transforme de uva amarga em uva doce?

Jim Ayer
Vice-presidente da Rádio Mundial Adventista

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1215
Equipe de tradução: Jeferson Quimelli/Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli
Comentário em áudio Pr Valdeci: http://vod.novotempo.org.br/mp3/Reavivados/Reavivados06-03-2018.mp3



MARCOS 12 – COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
6 de março de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



MARCOS 12 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
6 de março de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

MARCOS 12 – Desde Marcos 11:27 até 13:2 o evangelista registra um confronto de Jesus “com a classe dirigente de Jerusalém”, analisa R. T. France.

Na introdução do capítulo em questão Jesus conta uma parábola interessante intentando alcançar líderes eclesiásticos de Seu tempo. Na parábola dos lavradores maus Jesus revela que foi enviado de forma especial aos judeus após Deus ter revelado muita paciência, amor e bondade para com Israel.

Porém, a dureza do coração dos judeus e seus líderes levou-os a rejeitar aos enviados de Deus para solucionar seus problemas e avivar-lhes a esperança (vs. 1-12). Após intentar abrir-lhes os olhos, diferentes opiniões religiosas se uniram ecumenicamente para se opor a Jesus:

1. Primeiramente, o grupo dos fariseus apresentaram suas questões objetivando encurralar Jesus em assuntos de economia e política (vs. 13-17); a sábia e imprevisível resposta dEle fez com que a multidão intensificasse mais a admiração por Sua pessoa.

2. Após os ineficazes ataques intelectuais dos fariseus, os saduceus entraram em cena com o mesmo propósito, mas com estratégia diferente. Eles polemizaram ensinamentos revelados escritos na Torá questionando a ressurreição (vs. 18-27). Mas Jesus expôs publicamente a ignorância estúpida deles mascarada de inteligência.

3. Após surpreender Seus interlocutores envenenados de inveja e ódio, era hora dos escribas entrarem em cena com argumentos mais sutis – mas não menos diabólicos e anti-Cristo. Todavia, num elixir teológico, Jesus elogiou-os, mas declarou que ainda não estavam no reino de Deus: “Não estás longe…” (vs. 28-34). Consequentemente, “ninguém mais ousava interrogá-lO”.

A conclusão do capítulo possui uma censura aos escribas sobre sua arrogante forma de viver, empanturrados de hipocrisia (vs. 38-40); em seguida, Jesus elogiou uma viúva pobre que, diferentemente dos que ofertavam muito das suas sobras, ofertou no Templo todo seu sustento (vs. 41-44).

Interessante, não? Então, fique alerta:

• Sonegar o que é do governo e/ou do que é de Deus significa falhar como cidadão da Terra e também do céu;
• Ser uma pessoa profundamente religiosa, mas desprovida de submissão genuína ao enviado de Deus, é pura perca de tempo;
• Entregar dízimos/ofertas meramente por tradição ou para vangloriar-se é bem diferente da atitude da mulher que arrancou elogios de Jesus.

Você ama a Deus verdadeiramente como a viúva ou parcialmente como os líderes eclesiásticos questionadores de Cristo? – Heber Toth Armí.



MARCOS 12 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
6 de março de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Porque todos eles ofertaram do que lhes sobrava; ela, porém, da sua pobreza deu tudo quanto possuía, todo o seu sustento” (v.44).


A Israel foi dada a missão de ser a representante de Deus na Terra. Foi escolhida para ser uma nação cujos princípios alicerçados no Assim diz o Senhor despertasse nos demais povos a admiração, a ponto de dizerem: “Certamente, este grande povo é gente sábia e inteligente” (Dt 4:6). Contudo, a cada nova geração, os princípios eram esquecidos e ao invés de ser uma nação modelo, tornou-se palco de guerras e dissensões.

O povo havia perdido o foco. Ergueram seus “holocaustos e sacrifícios” (v.33) acima da vontade do Senhor. E, condiderando-se os únicos herdeiros do reino de Deus, vituperaram e mataram os profetas do Senhor que contrariavam as suas tradições. Estavam tão cegos por seus próprios conceitos que não reconheceram em Jesus o cumprimento das profecias que há tanto esperavam que fossem cumpridas. Bem como aconteceu à maior parte dos profetas, Cristo foi rejeitado, maltratado e, por fim, morto.

Os líderes judeus “compreenderam que contra eles” foi que Jesus proferiu “esta parábola” (v.12). Seus corações, porém, não estavam dispostos a ceder um grama de sua arrogância e orgulho. Prosseguiram em seu intuito de prender e matar Aquele que os expunha à reflexão. Indisponíveis para aceitar as palavras de Jesus, permaneceram fiéis, não à vontade de Deus, mas aos seus próprios caminhos.

A oferta da viúva pobre representa bem o que Deus espera de Seus adoradores: entrega total e confiança em Sua provisão. De uma forma marcante e singular, cada profeta do Senhor foi experimentado. Jeremias foi impedido de constituir família. Ezequiel não pôde chorar a morte de sua esposa. Daniel foi lançado aos leões. Oseias teve de casar com uma mulher que lhe era infiel. A disposição em aceitar a vontade de Deus e de passar por tremendas provações não seria possível se, antes, não tivessem entregado o controle de suas vidas nas mãos do Onipotente.

O Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó” (v.26) nos chama para, antes de qualquer coisa, ouvi-Lo: “Ouve, ó _______, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor!” (v.29). E, para ouvi-Lo, precisamos estar em silêncio. Calar o coração para que o Consolador fale. Amar a Deus e amar ao próximo não é uma ação de nossa competência, mas uma reação de um coração governado pelo Espírito Santo. Primeiro, precisamos ouvir para, então, executar.

Como “diante do gazofilácio” (v.41), hoje, do santuário celestial, o Senhor observa a todos. Mas quão preciosa é aos Seus olhos a oferta de um coração que se entrega por completo, que não faz nada por vanglória, mas como resposta ao amor que lhe salvou. Agora, é o tempo que temos para ouvir a voz de Deus e segui-la. Agora, Ele nos chama a ouvi-Lo “com prazer” (v.37). Que cada dia de nossa vida seja uma oferta de tudo quanto possuímos no altar do Senhor.

Bom dia, amados!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Marcos12
#RPSP



MARCOS 12 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
6 de março de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

1 entrou Jesus a falar-lhes. Marcos omite as parábolas dos dois filhos e a das bodas. Ambas se encontram em Mateus e Lucas neste contexto. Aparentemente, Marcos escolheu o que mais o impressionou como uma representação das verdades que Cristo procurava ilustrar nessas parábolas finais. CBASD – Comentários Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 708.

lhes. Este pronome, aparentemente, se refere aos principais sacerdotes e escribas, uma vez que concorda com a terceira pessoa do plural (“eles”), no v. 12 (os que buscavam um meio de prendê-Lo). Bíblia de Genebra.

Um homem plantou uma vinha. Esta parábola usa a linguagem do cântico em Is 5:1-2. Nas duas passagens a vinha claramente simboliza Israel. Andrews Study Bible.

lagar. Do gr hupolenion, a vasilha ou recipiente sobre o qual se espremia o suco das uvas. CBASD, vol. 5, p. 708.

2 servos. Frequentemente, um termo para designar os profetas (Êx 14.31; 2Cr 1.3; Is 20.3; Am 3.7). Bíblia de Genebra.

6 Seu Filho amado. É provável que Jesus pensasse nas palavras do Pai por ocasião do Seu batismo [e a transfiguração, Mc 9.7]. CBASD, vol. 5, p. 709.

8. mataram-no  e o atiraram para fora. A parábola descreve a rejeição dos líderes judeus a Jesus. Andrews Study Bible.

9 e passará a vinha a outros. Mt 21.43 lê: “Será entregue a um povo que lhe produza os respectivos frutos”, sugerindo tanto a comunidade dos discípulos que estavam em torno de Jesus (Lc 22.29-30) quanto a missão dos gentios (Mt 8.11-12; Rm 9.22-26). Bíblia de Genebra.

12 desistindo, retiraram-se. Ver Mt 22:15. Isto é, depois de Jesus ter apresentado a parábola do homem sem a veste nupcial. CBASD, vol. 5, p. 709.

13-17 Esse episódio ocorreu provavelmente na terça-feira da Paixão, num dos átrios do templo. Bíblia de Estudo NVI Vida.

13 fariseusherodianos. Os fariseus eram nacionalistas religiosos que se opunham à dominação romana do povo judeu. Os herodianos eram provavelmente um grupo político que aprovava a acomodação de Herodes o Grande e de seu sucessor a Roma. Tanto os fariseus quanto os herodianos se opunham a Jesus e O consideravam um ameaça – os primeiros, porque Sua autoridade messiânica não se encaixava com a sua expectativa; os últimos temiam que Ele abalasse a estrutura política através de uma desestabilização do poder de Roma. Andrews Study Bible.

14 tributo. A taxa do censo ou “por cabeça”. Era uma fonte de discussão àquele tempo. Os herodianos a apoiavam; os fariseus não gostavam, mas pagavam; era impopular perante o povo comum; os zelotes se recusavam a pagá-la. Os esforços dos zelotes finalmente levaram à destruição de Jerusalém em 70 d.C. Se Jesus dissesse “sim”, Ele estaria ofendendo às multidões e perderia Sua popularidade. Se tivesse dito “não”, Ele poderia ser acusado de traição perante o poder imperial. Andrews Study Bible.

17 Deem a César o que é de César. Existem obrigações para com o estado que não entram em choque com nossas obrigações para com Deus (v. Rm 13:1-7; 1Tm 2.1-6; Tt 3.1,2; 1Pe 2.13-17). Bíblia de Estudo NVI Vida.

18 saduceus. Partido aristocrático no judaísmo cujos membros eram ricos, sempre ocupavam a posição de sumo sacerdote, aceitavam somente os cinco livros de Moisés (Gênesis – Deuteronômio: o Pentateuco), e não acreditavam na ressurreição ou em anjos. Andrews Study Bible.

… e rejeitavam categoricamente a tradição oral … Tais crenças colocavam-nos em conflito com os fariseus e a piedade comum judaica. Bíblia de Estudo NVI Vida.

24 Não provém o vosso erro? A forma interrogativa em grego significa que Jesus esperava uma resposta afirmativa. CBASD, vol. 5, p. 709

28 um dos escribasvendo. O escriba escolhido para este complô final dos fariseus a fim de prender Jesus (ver com. de Mt 22:34, 35) parecia ser de coração sincero. Ele foi justo em reconhecer que “Jesus lhe houvera respondido bem”. CBASD, vol. 5, p. 709.

28 qual é o mais importante? Os rabinos judeus contavam 613 estatutos na lei, e procuravam diferenciar entre mandamentos “pesados” (ou “mais importante”) e “leves” (ou “menos importantes”). Bíblia de Estudo NVI Vida.

29 Ouve, ó Israel. Palavras iniciais da confissão judaica de fé chamada Shema (Dt 6:4). O judeu piedoso a repetia a cada manhã e tarde, afirmando sua crença em um único Deus (monoteísmo). Jesus reafirma isto. Andrews Study Bible.

O Senhor, nosso Deus, é o único Senhor! Ver com. de Dt 6:4. A passagem das Escrituras aqui citada tem sido a senha sagrada de Israel através de sua extensa história. Ela reflete a crença distintiva dos judeus no Deus único e verdadeiro, em contraste com os múltiplos deuses das outras nações. Estas palavras eram pronunciadas para iniciar o serviço de oração pela manhã e à tarde no templo, e são uma parte regular das reuniões nas sinagogas até o dia de hoje. CBASD, vol. 5, p. 709.

A unidade do Deus único (fato que nega o politeísmo) implica no Seu absoluto direito sobre toda a Criação em geral, e sobre o homem em particular. … Agostinho proclamou: “Ama a Deus e faze o que queres”, porque o amor purifica as intenções. Bíblia Shedd.

[Nota: A Lei do Thelema, divulgada pelo satanista Alester Crowley – filósofo base da Sociedade Alternativa/Movimento Hippie – prega: “Faze o que queres e cumprirás a lei”. Altera a frase de Agostinho, retirando dela o essencial: o amor a Deus.]

30 de todo o teu entendimento. Jesus expande o texto de Dt 6:5 para incluir o entendimento. Ele chama Seus discípulos a uma religião holística: o coração e a alma (emocional), o entendimento/mente (intelecto) e a força (físico). Andrews Study Bible.

31 Jesus acrescentou ao shema’ o mandamento de Lev 19.18, para demonstrar que o amor ao próximo é o fruto natural e lógico do amor a Deus. Bíblia de Estudo NVI Vida.

O primeiro e o segundo mandamentos não podem se separar. Bíblia Shedd. 

Amarás o teu próximo [vizinho, NJKV] como a ti mesmo. Jesus fala de três objetos de amor: Deus, o próximo e a si mesmo. Se alguém não tem um senso positivo de auto-estima, o amor pelo próximo estará longe do ideal que Deus requer. Andrews Study Bible.

É fato conhecido da psicologia que quem não valoriza a si mesmo não pode valorizar ao seu próximo. Bíblia Shedd.

32 com verdade disseste. O escriba reconheceu que as respostas de Jesus eram precisas e adequadas … e, então, honestamente elogia a Jesus. CBASD, vol. 5, p. 709.

33 holocaustos. Comparar com 1Sm 1:22. Esta admissão voluntária por parte do escriba demonstra sua percepção da importância relativa e do significado do ritual do templo. CBASD, vol. 5, p. 709.

todos os sacrifícios e ofertas (NVI). Sem dúvida, a comparação foi inspirada pelo fato de o debate ter-se dado no átrio do templo (v. 11.27). Bíblia de Estudo NVI Vida.

34 Não estás longe do reino de Deus. O escriba discernia a verdade (ver v. 33) e sinceramente a reconhecia como verdade (ver v. 32). Ele estava no limiar do reino. CBASD, vol. 5, p. 709.

35 os mestres da lei dizem que o Cristo é filho de Davi. A maioria do povo sabia que o Messias viria da família de Davi. Bíblia de Estudo NVI Vida.

36 O Senhor disse ao meu Senhor (NVI). Deus disse ao Senhor de Davi, i.e., o superior de Davi – em última análise, o Messias (v.nota em Sl 110.1). O propósito da citação era demonstrar que o Messias era mais que descendente de Davi – era Senhor de Davi. Bíblia de Estudo NVI Vida.

O primeiro “senhor” traduz a palavra Yahweh, enquanto o segundo, o termo Adonai (lit “meu senhor”), ambos do AT. Destaca-se, aqui, a impossibilidade de acontecer que um filho apenas humano seja senhor do seu pai. Davi declara, assim, que o Cristo é divino. Bíblia Shedd.

Disse o Senhor ao meu Senhor (ARA). Esta citação de Sl 110:1 quer deixar claro que o Messias não era meramente um descendente de Davi, mas Ele é o Senhor. Ele existe antes de Davi na Sua origem e é divino. Mas também, de forma paradoxal, Ele é o filho humano de Davi. Esta é a apresentação da teologia de Marcos de Deus Se tornando homem que João apresenta de uma forma diferente no prólogo de seu Evangelho (Jo 1:1-18). Andrews Study Bible.

Jesus mostra que, conquanto o Messias descenda de Davi, sua dignidade real e poder sobrepujam os de Davi, porque Davi se dirige a este Rei, chamando-O de “meu Senhor” 9Sl. 110.1). … Uma tal interpretação clara e fiel das Escrituras é ouvida “alegremente”. Bíblia de Genebra.

38-40 O desafio e as duras palavras de Jesus são reservadas para aqueles que se orgulham de sua piedade e ao mesmo tempo oprimem o socialmente marginal, como o pobre e as viúvas indefesas. Andrews Study Bible.

38 Guardai-vos dos escribas. Marcos apresenta somente um resumo do que foi um discurso bastante longo sobre a hipocrisia dos escriba e fariseus. CBASD, vol. 5, p. 710.

vestes talares (ARA. NVI: roupas especiais). Os mestres da lei usavam túnicas compridas de linho branco que tinham franjas e quase chegavam ao chão. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Estas vestes longas chegavam até os pés e faziam parte da vestimenta geralmente usada pelos doutores da lei como uma identificação de sua profissão. CBASD, vol. 5, p. 710.

39 lugares mais importantes nas sinagogas. Referência aos assentos defronte à “arca” que continha os rolos sagrados. Os que se assentavam ali podiam ser vistos na sinagoga por todos os adoradores. Bíblia de Estudo NVI Vida.

41 gazofilácio (ARA). Marcos … se refere aqui … às arcas das ofertas que se encontravam no amplo átrio das mulheres. CBASD, vol. 5, p. 710.

caixas de ofertas (NVI).Localizadas no átrio das mulheres. Tanto homens quanto mulheres tinham permissão de entrar nesse átrio, mas as mulheres não podiam ultrapassá-lo para adentrar o recinto do templo. Bíblia de Estudo NVI Vida.

42 viúva pobre. Do gr. ptochos, “mendigo” ou “indigente”. Lucas usa penichros, uma forma poética tardia de penes, que indica aquele que vive apenas com o essencial e precisa trabalhar cada dia a fim de ter alimento para o dia seguinte (cf Lc 21:2). CBASD, vol. 5, p. 710.

moedas. Gr. lepta “finas”. Bíblia Shedd.
… uma moeda de cobre que pesava menos de um grama e valia poucos centavos …. O lepton [singular] era a menor moeda judaica de cobre em circulação. CBASD, vol. 5, p. 710.

quadrante. Do gr kodrantes, que equivale a dois lepta, ou “moedas” … e que equivalia a 1/64 de um denário romano, o salário de um dia no tempo de Cristo … Com frequência se tem dado ênfase à pequenez intrínseca da oferta da viúva, mas se deveria dar mais ênfase à comparativa grandeza de seu sacrifício. CBASD, vol. 5, p. 710.

43 mais do quetodos. Significa que ela deu mais do que todos os doadores ricos juntos. Em realidade, à vista de Deus não é realmente a extensão da dádiva que conta, e sim o motivo que a impulsiona. Deus está interessado na magnitude do amor e da consagração que a dádiva representa, não em seu valor monetário. Esta é a única base que Deus emprega para recompensar as pessoas, como Jesus ilustrou na parábola dos trabalhadores na vinha (ver com. de Mt 20:15). O louvor de Jesus a essa viúva estava baseado no espírito que impulsionou sua oferta. CBASD, vol. 5, p. 710.

44 sobrava. Do gr. perisseuma, que significa “abundância”, mas também “o que sobra” ou “o excesso”. Os ricos tinham dinheiro de sobra;tinham mais do que necessitavam. Eles deram de seu excedente, e isso não lhes custava nada. O valor de suas ofertas em termos de amor e consagração era pequeno ou nada, porque elas não representavam abnegação. CBASD, vol. 5, p. 710.

tudo o que possuía. Uma evidência do máximo amor possível e da consagração a Deus. CBASD, vol. 5, p. 710.

sustento (ARA. NVI: tudo o que possuía para viver). Do gr. bios, “subsistência”. … Com toda segurança, a viúva não sabia de onde proviria sua próxima refeição. CBASD, vol. 5, p. 710.




%d blogueiros gostam disto: