Reavivados por Sua Palavra


LUCAS 21 by jquimelli
31 de março de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/lucas/lc-capitulo-21/

Comentário devocional:

Em Lucas 21, Jesus combina três momentos de dificuldade: a destruição de Jerusalém, a Idade das Trevas [Média] e os problemas a serem enfrentados logo antes de Seu retorno. A lista é longa e preocupante.

Falando das dificuldades à frente, foi escrito: “Dá-se muitas vezes o caso de se supor maior a angústia do que em realidade o é; não se dá isso, porém, com relação à crise diante de nós. A mais vívida descrição não pode atingir a grandeza daquela prova.”( GC 628, cap 39).

Mas Jesus não nos deixa a olhar, com corações tremendo, aos horrores que em breve nos rodearão. Não! Ele sinceramente procura dirigir nosso olhar dos problemas terrenos para Sua face de amor. Ele diz simplesmente: “Olhe para cima!” (cf v 28). “Voltem-se para mim e sejam salvos, todos vocês, confins da terra” (Is 45:22 NVI).

Nosso Salvador sabe que “necessitaremos de uma experiência que agora não possuímos, e que muitos são demasiado indolentes para obter.” (GC 628). Assim, com compaixão, Ele nos diz claramente que não devemos, em qualquer tempo, sobrecarregar nossos corações com os prazeres, cuidados e responsabilidades da vida, de forma que eles recebam toda a nossa atenção (cf v 34).

Jesus diz: “Estejam sempre atentos e orem para que vocês possam escapar de tudo o que está para acontecer, e estar em pé diante do Filho do Homem” (v 36 NVI).

Lynn Carpenter
Enfermeira Missionária aposentada

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1240
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli/Jeferson Quimelli
Comentário em áudio Pr Valdeci: http://vod.novotempo.org.br/mp3/Reavivados/Reavivados31-03-2018.mp3



LUCAS 21 – COMENTÁRIO PR. ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
31 de março de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



LUCAS 21 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
31 de março de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

LUCAS 21 – Você já se preparou para o maior evento prestes a acontecer no mundo? Estude o capítulo em pauta, depois leia abaixo…

1. Jesus mostra que fé independe do templo e, riqueza não evidencia a vida consagrada. O consagrado pode ser pobre tanto quanto o perdido pode trabalhar no templo e ainda ser rico (vs. 1-5).
2. Jesus apresenta aos judeus que fundiam as Suas duas vindas em uma só, aplicando características da segunda na primeira; confundindo, assim, a compreensão do povo.

Antes do segundo advento de Cristo,

• …haveria muitas dores, devido às dificuldades morais, sociais, políticas, econômicas e religiosas, e para isso seria necessário confiar nAquele que cuida até mesmo dos cabelos da cabeça e, perseverar firme na fé (vs. 7-19).
• …a cidade de Jerusalém seria destruída, seus habitantes mortos e espalhados: Os principais culpados da rejeição do Salvador sofreriam as consequências de suas escolhas (vs. 20-24).
• …haveria sinais no céu, na terra e no mar, objetivando o despertar do povo para o maior evento que ocorrerá no Universo (vs. 25-28).
• …as pessoas deverão se avivar ao perceber que o dia extraordinário está se aproximando como se percebe a aproximação do verão (vs. 29-36).

Na parábola da figueira, “nossa atenção é dirigida ao tempo em que nos é possível saber que a vinda de Cristo está ‘às portas’ com a mesma segurança que sabemos estar próximo o verão ao vermos as primeiras tenras folhas nascendo nas árvores […]. Ao chegar o momento de aprender a parábola, podemos estar certos de que é chegado o tempo em que Deus vai levantar mestres para ensiná-la” (J. N. Loughborough).

Na década de 1840, Deus levantou um povo que apregoaria com poder pentecostal a doutrina esquecida do segundo advento de Cristo. Após 1840, muitos evangelistas se tornaram avivalistas do advento. Pastores e pregadores de variadas denominações se uniram no movimento adventista para despertar o mundo para o maior dos eventos descritos na Bíblia.

A destruição de Jerusalém se deu em 70 d.C.; o escurecimento do sol e da lua aconteceu em 1780; a queda de estrelas, em 1833; as duas guerras mundiais no século XX.

Os sinais já foram interpretados e divulgados. Só falta Jesus aparecer. Portanto, não meça esforços para relacionar-se com Jesus (vs. 37-38)! – Heber Toth Armí.



LUCAS 21 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
31 de março de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“É na vossa perseverança que ganhareis a vossa alma” (v.19).


Sob o olhar do Senhor, os ricos depositavam “suas ofertas no gazofilácio” (v.1). Suas abastadas moedas tilintavam ecoando pelo pátio do templo como se fossem instrumentos de um aclamado “musical”, de forma que ninguém notara a presença de uma “certa viúva pobre” que lançava “ali duas pequenas moedas” (v.2). Ninguém, a não ser Jesus. Ao revelar o verdadeiro caráter de tão devotada oferta e minimizar o deslumbre de alguns “a respeito do templo” (v.5), despertou em “Pedro, Tiago, João e André” (Mc 13:3) o desejo de conhecer os sinais dos tempos.

E as primeiras palavras do Mestre, foram: “Vede que não sejais enganados” (v.8).

O engano é ardiloso e sutil. Ninguém é enganado com uma nota de trinta reais, mas uma nota falsa de cinquenta reais pode passar despercebida. Os sinais apresentados por Jesus denotam períodos críticos, aos quais Ele denominou “princípio das dores” (Mt 24:8). O mundo passaria por diversas mazelas, desde guerras até “epidemias e fome em vários lugares” (v.11), “pois é necessário que primeiro aconteçam estas coisas, mas o fim não será logo” (v.9). E como não bastasse “todas estas coisas” (v.12), Jesus declarou que os justos seriam perseguidos e presos e alguns seriam mortos por causa do Seu nome.

Munidos de fé inabalável e caráter determinante, os discípulos teriam de enfrentar situações extremamente conflitantes e perigosas. Contudo, a fala de Cristo parece que não faz sentido algum: “Assentai, pois, em vosso coração de não vos preocupardes com o que haveis de responder” (v.14). Mas como não se preocupar diante de “reis e governadores” (v.12) ávidos por sangue? Como não ficar preocupado quando o cárcere foi consumado pela delação de “parentes e amigos” (v.16)? De que forma sossegar enquanto o ódio alheio é uma constante ameaça?

Creio que Estêvão foi o primeiro e grande exemplo de alguém que colocou em prática as palavras de Jesus. Sendo um “homem cheio de fé e do Espírito Santo” (At 6:5), o primeiro dentre os diáconos eleitos pela igreja primitiva, “cheio de graça e poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo” (At 6:8). Mas sua vida de santa devoção despertou a inveja e o ódio no coração dos incautos religiosos, de forma que “discutiam com Estêvão” (At 6:9). No entanto, “não podiam resistir à sabedoria e ao Espírito, pelo qual ele falava” (At 6:10). Estêvão simplesmente decidiu confiar na promessa de Cristo e tornou-se a primícia dos mártires que, ao decorrer da história, deram testemunho de uma fé firme e de constante vigilância.

Conhecidos como “os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus” (Ap 12:17), os restantes dos últimos dias possuem responsabilidade ainda maior do que a que fora dada a Israel: ser “coluna e baluarte da verdade” (1Tm 3:15) em uma geração embriagada pelo engano. Homens que possuam tamanha hombridade a ponto de neles não se achar “nenhum erro nem culpa” (Dn 6:4). Mulheres cuja conduta virtuosa alcance o “favor de todos quantos as [vejam]” (Et 2:15). Cristãos sendo em tudo santificados, a fim de serem “conservados íntegros e irrepreensíveis na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (1Ts 5:23), que em breve virá “numa nuvem, com poder e grande glória” (v.27).

Vigiar e orar não são ordens dadas com a finalidade de criar uma expectativa sensacionalista, mas de preservar no coração a perseverança que redundará na vitória final. Não perseverar em práticas religiosas vazias e inclinadas à exaltação própria, mas em desenvolver o caráter do Céu:

Um caráter reto é de maior valor do que o ouro de Ofir. Sem ele ninguém pode subir a uma altura honrosa. Mas não se herda o caráter. Não pode ser comprado. A excelência moral e as belas qualidades mentais não são o resultado do acaso. Os mais preciosos dons não são de valor algum a menos que sejam aperfeiçoados. A formação de um caráter nobre é obra de uma vida inteira, e deve ser o resultado de esforço diligente e perseverante. Deus dá as oportunidades; o êxito depende do aproveitamento das mesmas” (EGW, Patriarcas e Profetas, p. 153).

Permita que Deus escreva a história de sua vida e, certamente, ela não terá fim.

Feliz sábado, perseverantes!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Lucas21
#RPSP



LUCAS 21 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
31 de março de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

Palavras: 886

1 gazofilácio. No pátio das mulheres havia 13 caixas – em forma de trombeta – para arrecadar ofertas, com dizeres que mostravam em que essas ofertas seriam aplicadas. Bíblia de Genebra.

2 pobre. Uma palavra incomum no original (somente aqui, no Novo Testamento), que significa “muito pobre”. Ela deu todo o seu sustento (v. 4): duas moedas de cobre do mais baixo valor. Bíblia de Genebra. [Nota textual: Gr. lepta, moedas de cobre muito pequenas]. Bíblia de Genebra.

5 como o templo era adornado (NVI). “Tudo que não era revestido de ouro era do branco mais puro” (Josefo, Guerra judaica, 5.5.6). Herodes deu uma videira de ouro como um dos enfeites. Cada um de seus cachos tinha a altura de um homem. A plena exuberância do templo, conforme foi melhorado e adornado por Herodes, só veio a ser descoberta recentemente, mediante investigações arqueológicas no monte do templo. Bíblia de Estudo NVI Vida.

8 Sou eu! Eu sou Jesus, o Messias (vindo pela segunda vez). Bíblia de Estudo NVI Vida.

12 Antes, porém, de todas estas coisas. Sinaliza o início de uma nova seção. Aqui Jesus adverte aquilo que os discípulos enfrentariam imediatamente – perseguição, que se tornaria oportunidade para testemunho inspirado pelo Espírito (e.g., At 4:1-10; 26:1-31). Andrews Study Bible.

os entregarão às sinagogas (NVI). As sinagogas eram usadas, não somente para o culto e para o ensino religioso, mas também para a administração comunitária e para confinar quem aguardasse julgamento. Bíblia de Estudo NVI Vida.

12 Antes, porém, de todas estas coisas. Aqui Lucas inclui (v. 12-16) uma parte do discurso profético no Monte das Oliveiras que Mateus não menciona, provavelmente porque Mateus já havia relatado quase a mesma linha de raciocínio, usando palavras bem parecidas, num discurso anterior (ver com. de Mt 10:12-16). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 951.

13 Os problemas para a igreja significam também oportunidades para testemunhar. Bíblia de Genebra.

18 não se perderá um só fio de cabelo. Jesus havia recém advertido que alguns seriam mortos (v. 16); portanto, esta promessa deve olhar para a certeza definitiva da vida eterna com Deus (ver 12:7). Andrews Study Bible.

21 fujam para os montes. Quando um exército cerca uma cidade, o mais natural é buscar proteção dentro dos muros. Mas Jesus manda Seus seguidores buscar a segurança dos montes, porque a cidade estava condenada à destruição. Bíblia de Estudo NVI Vida.

montes. Só poderá ser a Transjordânia, para onde os crentes de Jerusalém fugiram antes da destruição da cidade em 70 d.C. Bíblia Shedd.

os que estiverem nos campos não entrem nela [em Jerusalém]. …moradores das áreas rurais, que vivem em pequenas cidades e vilas. CBASD, vol 5. p. 951.

22 estes dias são de vingança, para se cumprir tudo o que está escrito. Uma referência às maldições pela desobediência (ver Dt 27:11-26; 28:15-69). CBASD, vol 5. p. 951.

23 ira contra este povo. Ou seja, contra os judeus (ver com. de Mt 23:35; cf 5:29; sobre o plano de Deus para Israel e sua rejeição como nação, ver vol. 4, p. 13-17). CBASD, vol 5. p. 951.

24 serão levados cativos. Em conexão com a aplicação a Daniel acerca da restauração do cativeiro babilônico (ver com. de Dn 9:24, 25), foi acrescentada uma advertência de que a repetição dos erros que ocasionaram o exílio numa segunda destruição de Jerusalém e do templo (ver com. de Dn 9:26, 27). É a esta segunda destruição e à dispersão dos judeus que Cristo se refere aqui (ver com. de Mt 24:15-290; cf Lc 21:20). CBASD, vol 5. p. 952.

tempos dos gentios. A aparente autonomia que os judeus desfrutaram sob domínio romano, até 70 d.C., não foi restaurada; e, desde aquele ano, Jerusalém sofreu controle gentílico. Por causa da revolta de Bar Cocheba, reprimida em 135 c.C., todos os judeus foram proibidos de entrar na cidade, com ameaça de morte para a desobediência. Desde o ano 70 d.C., o templo não foi mais reconstruído. Romanos, sarracenos, normandos, turcos, cruzados e árabes, dentre outros, estiveram no controle da cidade e da antiga área do templo. Durante a guerra dos “seis dias”, no ano de 1967, Israel assumiu controle de toda a cidade, mas não da antiga área do templo (ver p. 65, 66). CBASD, vol 5. p. 952.

26 haverá homens que desmaiarão de terror. A última parte do versículo diz que o principal motivo para os seres humanos desmaiarem de terror é o abalo dos “poderes dos céus”. A cena aqui retratada recorre durante a sétima praga e sexto selo (PE, 41; GC, 636). “Os ímpios contemplam a cena com horror e espanto” (GC, 636), pedindo às montanhas e rochas que caiam sobre eles (Ap 6:14-17). CBASD, vol 5. p. 952.

28 erguei a vossa cabeça. Os seguidores de Jesus podem olhar estes sinais assustadores (vv 7, 11, 25) com confiança e alegria, sabendo que seu Salvador está voltando para eles. Andrews Study Bible.

redenção. Esta palavra significa livramento mediante o pagamento de um preço. Jesus pagou o preço no Calvário e agora ele olha para o cumprimento final daquilo que o livramento significa. Bíblia de Genebra.

31 está próximo o reino de Deus. Isto é, o reino da glória, em contraste com o reino da graça (ver com. de Mt 4:17; 5:2). CBASD, vol 5. p. 952.

34 orgia. Do gr kraipale, “intoxicação” ou “ressaca”. … Escritores gregos da área médica usavam kraipale para se referir a náusea e letargia que ocorrem após o excesso de bebidas. CBASD, vol 5. p. 952.

preocupações. Isto é, “ansiedade”, “Inquietações”. CBASD, vol 5. p. 952.

36 vigiai. Do gr agrupneo, “ficar sem sono”, literalmente, “manter-se desperto”. CBASD, vol 5. p. 952.

estar em pé na presença do Filho do Homem. Este é o objetivo supremo da vida cristã. CBASD, vol 5. p. 952.




%d blogueiros gostam disto: