Reavivados por Sua Palavra


MARCOS 7 by jquimelli
1 de março de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/marcos/mc-capitulo-7/

É objetivo do inimigo manter a nossa atenção sobre as pequenas coisas da vida, em lugar do que é realmente importante: o nosso relacionamento com o Criador do universo. “E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste” (João 17: 3, ARA).

A mulher siro-fenícia não desistiria da bênção almejada apesar dos empecilhos plantados em seu caminho. Sua filha precisava de um milagre: libertação do demônio que a possuía! Ela juntou cada pedacinho de amor que tinha por sua filha, toda promessa de Deus que conhecia e os lançou aos pés de Jesus. Então o Mestre olhou para ela e disse: “Podes ir; o demônio já saiu de tua filha.” (v. 29 ARA).

Alguém já disse uma vez que se você quiser ter sucesso, “Mantenha em primeiro lugar aquilo que deve estar em primeiro lugar.”

Você quer ter sucesso em coisas celestiais? Quer permanecer na companhia de Jesus, independentemente das circunstâncias? Então não deixe que nada lhe distraia de aceitar a Jesus e permanecer em Sua companhia.

Jim Ayer
Rádio Mundial Adventista

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1209
Equipe de tradução: Jeferson Quimelli/Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli
Comentário em áudio Pr Valdeci: http://vod.novotempo.org.br/mp3/Reavivados/Reavivados01-03-2018.mp3



MARCOS 7 – COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
1 de março de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



MARCOS 7 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
1 de março de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

MARCOS 7 – Quem rejeita os ensinamentos de Jesus fundamenta sua vida em conceitos meramente humanos, pobres. É necessário rejeitar os ensinos humanos a fim de aceitar os mais nobres ensinamentos divinos; assim, nossa alma será alimentada, elevada e moldada por conceitos superiores.

Rejeitado entre Seus conterrâneos, Jesus foi mais além do território da Galileia. Contudo, os líderes eclesiásticos não deixaram de perseguir e importuná-lO. O capítulo em pauta pode ser assim sintetizado, conforme William L. Lane:

• Impureza segundo a tradição (vs. 1-8);
• Conflito entre mandamento e tradição (vs. 9-13);
• Verdadeira impureza (vs. 14-23);
• A fé dos gentios (vs. 24-30);
• Cura em Decápolis (vs. 31-37).

A tradição humana confronta a revelação divina, ainda que tal tradição seja altamente religiosa.

Por exemplo, fazer sinal da cruz, acender velas, reverenciar imagens e anjos, orar a Maria, água benta, canonização de mortos, quaresma, jejum na sexta-feira santa, confissão auricular a padres, guarda o domingo, etc. tudo isso está desprovido de fundamentação bíblica. Deus nunca pediu tais coisas; pelo contrário, elas ferem exatamente aquilo que Deus pede.

Tradições humanas interferem totalmente na prática da religião verdadeira. Muitos valorizam a tradição em detrimento da revelação, assim, a tradição é a desculpa para descumprir os mandamentos divinos.

• Fundamentados na tradição, negligenciaremos a revelação.
• Firmados na revelação, invalidaremos a tradição.

Toda religião fundamentada na tradição não passa de uma contradição com a revelação. É heresia pensar que a tradição ou a interpretação eclesiástica milenar é mais importante que a revelação de Deus. Que absurdo, não?

O profeta Isaías já alertava que seguir tradição é uma forma de ter uma religião que parece honrar a Deus com lindos discursos, mas o coração está longe dEle; assim, a adoração não passa de encenação (Isaías 29:13) e, líderes espirituais promotores da tradição ofendem a Deus (Isaías 56:11). Muitos judeus não aprenderam a lição, nós aprendemos?

Contrariando a tradição judaica, que rezava que judeus eram superiores aos gentios, Jesus valorizou e libertou a filha de uma gentia desvalorizada (vs. 24-30) e depois curou um gentio surdo e gago (vs. 31-37).

Quando conceitos humanos são valorizados, a Palavra de Deus é…

1. …Negligenciada;
2. …rejeitada;
3. …Invalidada.

O que contamina o ser humano não é a negligência da tradição, mas o desprezo à Palavra de Deus! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



MARCOS 7 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
1 de março de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Negligenciando o mandamento de Deus, guardais a tradição dos homens” (v.8).


A diferença entre o puro e o imundo e entre o santo e o profano havia sido transformada em um conjunto de regras e tradições que eram manipuladas pelos escribas e fariseus como um meio de expor sua religiosidade. Ao contrário dAquele que buscava a discrição (v.36), os líderes judeus faziam de tudo para serem notados e aclamados como exímios observadores da lei. Julgando estar fazendo a vontade de Deus, “jeitosamente” (v.9) rejeitavam o Assim diz o Senhor para guardar suas próprias tradições.

Jesus não condenou as leis de higiene e nem as leis de saúde, e sim a maneira como elas eram observadas. Na verdade, as regras citadas no capítulo de hoje não fazem parte do corpo de leis dadas por Deus a Moisés, mas faziam parte da “tradição dos anciãos” (v.3). Enquanto lavavam as mãos várias vezes, seus corações estavam cheios de imundícies. E por mais que Jesus os advertisse, a dura cerviz os impedia de entender o que realmente importa aos olhos de Deus. Considerando “puros todos os alimentos” (v.19), Jesus não autorizou a ingestão da carne de animais imundos, pois estes nem como alimento são considerados, mas considerou puro todo o alimento ainda que ingerido sem que fosse observada a tradição de lavar as mãos, porque o Seu objetivo era que o povo entendesse algo muito maior.

Ouvi-Me, todos, e entendei” (v.14), foi o apelo de Cristo para que toda a multidão compreendesse o real significado de Suas palavras. Pois longe de estar fazendo o mesmo que fizeram os escribas e fariseus para com os discípulos, Jesus não os estava criticando, mas admoestando quanto ao uso do rigor das tradições em detrimento da Lei de Deus. Se observarmos com atenção a lista dos “maus desígnios” (v.21) que procedem do coração humano, perceberemos que todos eles estão relacionados com a quebra dos dez mandamentos. A Lei de Deus, portanto, funciona como um espelho, para que possamos reconhecer a nossa natureza pecaminosa e a nossa necessidade de um Salvador, e não para contemplarmos a nossa própria imagem com o orgulho de um legalista.

Ser um observador da Lei está muito acima de ser um crítico praticante de rituais. Ser um observador da Lei envolve, em primeiro lugar, o que Cristo mesmo elencou como a primeira bem-aventurança: “Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o reino dos céus” (Mt 5:3). Felizes os que confessam diante de Deus a sua necessidade de um Salvador. Felizes os que assumem que, diante de sua condição pecaminosa e de seu coração “desesperadamente corrupto” (Jr 17:9), não conseguem fazer nada sem Jesus. Felizes aqueles que, à semelhança da mulher siro-fenícia, perseveram em humilhar-se perante o Senhor do Universo, porque, no final de suas súplicas, vem a vitória. Felizes os que têm um encontro com Jesus “à parte” (v.33), e permitem que Ele os cure de sua surdez espiritual e de sua língua impedida de louvá-Lo.

Não fomos chamados por Deus para sermos juízes de nossos irmãos, e sim para sermos servos uns dos outros. Deus conhece o nosso coração e sabe exatamente o que somos na essência. E todo aquele que O ama e O busca não sentirá orgulho próprio, mas em sua vergonha por sua condição tão dessemelhante de Cristo não encontram posição mais confortável a não ser prostrar-se diante do Único capaz de salvá-lo. A bênção do Senhor e a Sua aprovação não depende do que fazemos ou deixamos de fazer, mas do que permitimos que o Espírito Santo realize em nós. Toda a súplica que ascende aos céus com humildade promove o maior dos milagres, que é a transformação das “obras da carne” (Gl 5:19) em “fruto do Espírito” (Gl 5:22).

Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna” (Hb 4:16).

Bom dia, humildes de espírito!

DEZ DIAS DE ORAÇÃO, 8° dia: Oremos para que a nossa família seja constantemente guiada pelo Espírito Santo e receba todo o poder que Ele tem a nos oferecer.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Marcos7
#RPSP



MARCOS 7 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
1 de março de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

Ora, reuniram-se. Neste ponto da narrativa, tanto Mateus como Marcos passam por alto o incidente significativo na sinagoga de Cafarnaum, quando, no final do discurso sobre o “Pão da Vida”, a opinião popular na Galileia se voltou contra Jesus. … Contrariamente ao costume, Jesus permaneceu na Galileia durante a época da Páscoa …, sem dúvida, atendendo às necessidades das pessoas discretamente. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 678.

isto é, por lavar. Como escrevia para não judeus …, que poderiam não compreender a natureza da provocação que os espiões apresentavam, Marcos descreveu o que ele queria dizer com “impuras”. Mateus, provavelmente, escrevendo principalmente para judeus …, não faz tal declaração explicativa. A purificação aqui era estritamente ritual, não sanitária. Este rito consistia em verter uma pequena quantidade de água sobre a palma de uma mão, depois na outra, com a mão em tal posição que a água passasse da palma da mão para o punho, mas não mais além, cuidando-se o tempo todo para que a água corresse de volta para a palma da mão e, depois, alternadamente esfregando as duas mãos. A quantidade mínima de água prescrita era a que caberia em uma casca e meia de ovo. No entanto, onde não houvesse água disponível, uma ablução a seco era permitida, na qual uma pessoa poderia simplesmente simular o lavar das mãos de forma prescrita. CBASD, vol. 5, p. 679.

impuras. Não se refere à falta de higiene mas à pureza formal, cerimonial. Bíblia Shedd.

tradição dos anciãos. Refere-se à interpretação oral e expositiva da lei de Moisés, mais tarde codificada na Mishná. O Talmude é um comentário sobre a Mishná que executava um “cerco” em volta da lei para evitar qualquer transgressão. Bíblia Shedd.

Com o tempo, essa tradição oral, originalmente destinada a proteger a lei escrita do AT, chegou a ser considerada mais sagrada do que a própria lei (ver DTN, 395). Por uma obediência mecânica às exigências da tradição oral, a pessoa automaticamente estaria guardando a lei escrita, incluindo os dez mandamentos. CBASD, vol. 5, p. 679.

11 Corbã. Uma palavra hebraica e aramaica (que Marcos traduz para os leitores gentios) e que significa alguma coisa dedicada a um propósito religioso. Por um simples voto, para preservar suas posses como dádiva para Deus, uma pessoa poderia fugir à responsabilidade de sustentar seus pais. Bíblia de Genebra.

Os mestres da lei sustentavam que o juramento do Corbã era irrevogável, mesmo quando fosse feito de modo precipitado. Essa prática era uma das muitas tradições que obedeciam à letra da lei, enquanto desrespeitavam o seu espírito. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Este voto também era tomado para evitar obediência ao mandamento de cuidar do pobre e daqueles que passavam por tempos difíceis. Andrews Study Bible.

13 invalidando. Jesus não respondeu diretamente à pergunta dos judeus que aparece no v. 5. Indiretamente, Ele lhes dá uma resposta válida para todas as gerações vindouras. … Devemos ser como os bereanos (At 17.11). Bíblia Shedd.

15-23 Jesus ataca aqui a crença de que se os piedosos judeus observassem tais regras de pureza [cerimonial] eles estariam automaticamente limpos moralmente. Andrews Study Bible.

15 nada há fora do homem. Deve-se ressaltar que o problema em discussão entre Jesus e os fariseus nada tinha que ver com o tipo de alimento a ser consumido, mas apenas com o modo com que era ingerido, se com ou sem o ritual de purificação das mãos. CBASD, vol. 5, p. 682.

19 lugar escuso. Do gr aphedron, “uma latrina” ou uma “privada”. O termo não se refere, como frequentemente se supõe, a uma parte do corpo humano. CBASD, vol. 5, p. 683.

puros todos os alimentos. Jesus teria declarado “puros” todos os alimentos, em ralação ao tema discutido que tinha que ver com o ritual de purificação. … Deve-se notar que a palavra gr. bromata, traduzida como “alimentos”, significa simplesmente “o que é comido” … o contexto (v.1-14, 20-13) não trata da impureza biológica, mas da impureza cerimonial á qual, supostamente, as pessoas se expunham a partir da omissão da lavagem ritual. … Do começo ao fim, Cristo lida com a difícil questão do contraste entre o”mandamento de Deus” e a “tradição dos homens”. CBASD, vol. 5, p. 683.

21 prostituição. Do gr porneiai, um termo que inclui todas as formas de relações sexuais ilícitas. CBASD, vol. 5, p. 683.

26 grega. Em cultura e língua, não em nacionalidade. Bíblia Shedd.

34 suspirou. Do gr. stenazo, “suspirar” ou “gemer”. Isto não foi parte da comunicação com o homem afligido, mas uma expressão da reação do próprio Jesus como ser humano ao sofrimento e fraqueza das pessoas. … Na surdez do homem, Ele viu uma imagem enternecedora dos corações humanos à mensagem que Ele transmitia. CBASD, vol. 5, p. 685.

Efatá! Palavra aramaica que Marcos traduz para seus leitores gentios. Bíblia de Estudo NVI Vida.

37 Tudo Ele tem feito esplendidamente bem. Este foi o veredicto dos pagãos que aprenderam algo sobre Jesus por intermédio dos dois ex-endemoniados de Gadara. … Como as pessoas comuns da Galileia, os pagãos O “ouvia[m] com prazer”. CBASD, vol. 5, p. 685.




%d blogueiros gostam disto: