Reavivados por Sua Palavra


MIQUEIAS 5 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
25 de dezembro de 2017, 0:20
Filed under: Sem categoria

1 Ajunta-te … ó filha de tropas. Jerusalém é chamada a convocar seus exércitos em vista da aproximação do perigo. Ela é chamada de “filha de tropas”, provavelmente por causa da concentração de tropas reunidas ali. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 1129.

Ferirão com a vara a face. Um dos piores insultos (ver 1Rs 22:24; Jó 16:10; Mt 26:67, 68). A profecia é messiânica e prediz o tratamento que Messias devia receber das mãos dos inimigos. CBASD, vol. 4, p. 1129.

2 Este que há de reinar é Jesus, o Messias. Miqueias predisse com precisão o local de nascimento de Jesus centenas de anos antes de Jesus nascer. … Apesar de eterno, Cristo entrou na história humana como homem, Jesus de Nazaré. Life Application Study Bible Kinsgway.

Belém-Efrata. Sobre o significado, ver Gn 35:19. Uma cidade que dista 8,5 km do sul de Jerusalém, a moderna Beit Lahm. A cidade era também chamada Efrata (Gn 35:19; cf. Rt 4:11) e de Belém-Judá, sem dúvida, para distingui-la de Belém, em Zebulom (Js 19:15, 16). Belém era a terra natal de Davi (1Sm 16:1, 4; cf. Lc 2:11). CBASD, vol. 4, p. 1129.

De ti me sairá. Os judeus reconheceram essa profecia como messiânica, e em resposta à pergunta de Herodes sobre onde o Messias havia nascido, eles citaram a passagem de Miqueias (Mt 2:3-6; cf. Jo. 7:42). CBASD, vol. 4, p. 1130.

Da eternidade. Miqueias apresenta a pré-existência daquele que devia nascer em Belém. As manifestações de Cristo alcançam a eternidade no passado. “No princípio, era o Verbo” (ver Jo 1:1-3). “Desde os dias da eternidade o Senhor Jesus Cristo era um com o Pai” (DTN, 19; cf. DTN, 530; Ev, 615). CBASD, vol. 4, p. 1130.

4 Ele se manterá. Como “o bom pastor”, o Messias permaneceria firme no cuidado e na defesa de suas ovelhas. CBASD, vol. 4, p. 1130.

Até os confins. O domínio do Messias seria universal (ver Sl 2:7, 8; 72:8; Lc 1:30-33). CBASD, vol. 4, p. 1130.

5 A nossa paz. O Messias não governaria em paz, mas Ele próprio é o autor e a fonte da paz (ver Jo 14:27; 16:33; Ef 2:13, 14). CBASD, vol. 4, p. 1130.

Este capítulo apresenta uma das mais claras profecias do Antigo Testamento da vinda de Cristo. A frase descritiva chave é “Ele será a sua paz” (v. 5, NVI). Em uma de suas palavras finais Ele disse: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o mundo. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize.” (Jo 14:27). Por causa do primeiro advento de Cristo, temos a oportunidade de experimentar paz com Deus sem mais medo do juízo e sem mais conflito ou culpa. A paz de Cristo nos dá certeza mesmo embora a guerra continue. Quando da segunda vinda, todas as guerras e armas serão destruídas (v. 3-5). Life Application Study Bible Kinsgway.

Assíria. Já que a era messiânica está em discussão aqui, a Assíria, sem dúvida, representa as nações que se oporiam ao desenvolvimento do Israel restaurado (ver com. de Mq 4:11; ver a p. 17[CBASD, vol. 4]). CBASD, vol. 4, p. 1130.

Sete pastores. Os números dados aqui, “sete” e “oito”, embora indiquem uma cifra indefinida, mostram que Israel havia ajustado sua liderança contra a agressão estrangeira. CBASD, vol. 4, p. 1130.

6 Ninrode. Aqui empregado como sinônimo para Assíria. CBASD, vol. 4, p. 1130.

7 Como orvalho. De acordo com o plano de Deus para o antigo Israel, a vitória sobre a oposição do inimigo deveria ter sido seguida de intenso programa de evangelismo. Os filhos de Israel deveriam iluminar o mundo com o conhecimento de Deus (ver p. 13-17; cf. DTN, 27). CBASD, vol. 4, p. 1130.

8 Como um leão. Uma figura do poder conquistador. Era propósito de Deus que Seu povo fosse a “cabeça” e não a “cauda” (Dt 28:13). CBASD, vol. 4, p. 1130.

9 Serão eliminados. Completa vitória foi assegurada (ver Is 60:12). Esta deveria ter sido a sorte de Israel após o exílio; no entanto, o povo falhou e Deus vai cumprir esse plano de evangelismo mundial através do novo Israel (ver p. 21-23). CBASD, vol. 4, p. 1130, 1131.

10 Eliminarei. Os v. 10 e 11 descrevem a eliminação daqueles artefatos de guerra nos quais Israel havia confiado em vez de confiar no Senhor. Era proibido multiplicar cavalos (Dt 17:16; ver com. de 1Rs 4:26). CBASD, vol. 4, p. 1131.

11 As cidades. As fortalezas e as cidades fortificadas, como fontes de confiança humana, seriam removidas. CBASD, vol. 4, p. 1131.

12 Feitiçarias. Feitiçaria ou necromancia, ou consultar os mortos, era comum nos tempos antigos (ver Dn 1:20; 2:2). Os israelitas foram proibidos de praticar feitiçaria e adivinhação (Dt 18:9-12). CBASD, vol. 4, p. 1131.

13 Imagens. Do heb. Pesilim, de pasal, “cortar”, “talhar”. … Desde os primeiros tempos, Israel mostrou uma tendência para a idolatria. O segundo mandamento do decálogo proibia a fabricação e a adoração de um pesel. CBASD, vol. 4, p. 1131.

Colunas. Em todos os tempos, houve e há a tendência de se confiar em coisas materiais e seculares, em obras humanas em vez de se confiar no Deus que dá ao ser humano tudo que proporciona “satisfação” (1Tm 6:17, NVI). Na devoção idólatra às coisas feitas humanamente, as pessoas se esquecem daquele que é o Criador de todas as coisas (ver Dt 8:17-20). CBASD, vol. 4, p. 1131.


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: