Reavivados por Sua Palavra


I Timóteo 2 by Jobson Santos
12 de maio de 2015, 0:30
Filed under: Cartas de Paulo | Tags: , , , ,

Comentário devocional:

Paulo deixou claro a Timóteo as necessidades espirituais da igreja. Por onde Timóteo devia começar? “Antes de tudo”, pela oração. (v. 1). É assim que devemos sempre começar. Vejamos o exemplo de Jesus: ao sair das águas do batismo, Ele se ajoelhou e orou. Dali, então, Ele foi levado ao deserto onde manteve comunhão com Deus pela contemplação e oração. Hoje, quando as forças do anticristo trabalham para assumir o controle do mundo, nós também precisamos orar.

Precisamos orar por nós mesmos e por aqueles em posição de autoridade para que defendam a liberdade e a justiça para todos os cidadãos, incluindo as minorias. Ao mesmo tempo devemos proceder coerentemente e não criticar as pessoas pelas quais estamos orando. Ore também para que todas as pessoas “cheguem ao conhecimento da verdade” (v. 4, NVI) sobre Deus e si mesmas e venham a se converter e salvar, que é a vontade de Deus, pelos méritos de Cristo. Cristo é o único Mediador. Ele deu a si mesmo a favor de todos. Isto inclui aqueles em posição de autoridade.

As palavras de Paulo às mulheres são ditas no contexto do culto a Diana, a deusa dos efésios (Cf. Atos 19:27-28, 35), no qual muitas mulheres, atuando como sacerdotisas-prostitutas, serviam como atração para as crenças pagãs e, assim, controlavam a espiritualidade e outros aspectos da vida dos homens . Paulo não queria que as mulheres cristãs tivessem qualquer semelhança com as mulheres que trabalhavam nos templos pagãos. Elas deveriam viver e agir como exemplos vivos do evangelho. As mulheres cristãs têm uma santa vocação como esposas, mães e trabalhadoras para Deus. Noutra parte de seus escritos, Paulo reconheceu pelo nome a Evódia e Síntique como mulheres que “trabalharam muito para espalhar o evangelho” (Filipenses 4:3, NTLH).

A competição entre os sexos é contrária ao propósito de Deus. Homens e mulheres possuem algumas habilidades diferentes e complementares. Quando se unem para servir aos semelhantes cumprem o propósito de Deus.

David Manzano
Pastor aposentado
Estados Unidos
Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/1ti/2/
Traduzido por JAQ/JDS/IB
Texto Bíblico: I Timóteo 2
Comentários em áudio



I Coríntios 9 by Jeferson Quimelli
23 de março de 2015, 1:00
Filed under: evangelismo, liderança, serviço | Tags: , ,

Comentário devocional:

Depois de lidar com uma série de questões que vão da sexualidade à alimentação, o apóstolo Paulo agora fala aos crentes de Corinto sobre as  motivações para o comportamento. Por trás das ações deve haver um padrão de auto-negação. Isso é importante porque erram aqueles que simplesmente fazem valer os seus “direitos” (v. 4). Em vez de fazer valer os seus direitos individuais, eles devem suportar “tudo para não colocar obstáculo algum ao evangelho de Cristo” (v 12 NVI).

No cerne da questão está o evangelho: “Contudo, quando prego o evangelho, não posso me orgulhar, pois me é imposta a necessidade de pregar. Ai de mim se não pregar o evangelho!”(v 16 NVI). Esse serviço deve ser feito de boa vontade. Como um líder cristão, ele lhes lembra que ele tem uma responsabilidade sagrada de não abusar de sua autoridade (v 18).

Nos versos 19 a 23 o apóstolo Paulo recorda seus leitores que um verdadeiro líder é focado no serviço. Como servo demonstra um espírito flexível, pois servir não tem a ver com ser líder, mas com Jesus! “Para com os fracos tornei-me fraco, para ganhar os fracos. Tornei-me tudo para com todos, para de alguma forma salvar alguns” (v 22 NVI).

O espírito de sacrifício e serviço descrito pelo apóstolo Paulo é o mesmo espírito que exibiu o presidente da Associação Geral William A. Spicer. O que muitos adventistas provavelmente não têm conhecimento é que uma das mais incomuns sessões da Conferência Geral na história denominacional ocorreu em 1922. A igreja estava tentando decidir se reelegia A. G. Daniells como presidente da Associação Geral ou se elegia W. A. Spicer que, durante a sessão da Conferência Geral prometera à esposa que iria se aposentar. Um dos documentos mais fascinantes da história adventista é a carta que ele escreveu a sua mulher explicando como ele se tornara presidente eleito da Conferência Geral. Ele encerrou a carta com as palavras: “No reino de Cristo não há posições de honra, mas [apenas] posições de serviço.” Estas são as palavras que devemos viver ao buscarmos lembrar o verdadeiro espírito de sacrifício do cristianismo.

Em conclusão, o apóstolo Paulo nos lembra de exercer o controle em todas as coisas, como o “atleta em tudo se domina” (v 25 ARA). Quando as nossas prioridades estão na ordem certa, estamos dispostos a nos disciplinar para servir (v 27). Assim, alcançamos o equilíbrio que inicia com nossas motivações e transforma todos os aspectos de nossas vidas para Cristo.

Michael W. Campbell, Ph.D.
Professor Assistente, Estudos Históricos / Teológicos
Instituto Adventista Internacional de Estudos Avançados
Filipinas

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/1co/9/

Traduzido por JAQ/GASQ           
Texto bíblico: I Coríntios 9 
Comentários em áudio 



Atos 3 by Jobson Santos
1 de fevereiro de 2015, 1:06
Filed under: Espírito Santo | Tags: , , , , ,
Comentário devocional:
Um dia Pedro e João estavam a caminho do Templo para orar. Quando entraram, um homem aleijado lhes pediu esmola. Eles não tinham dinheiro para lhe dar e poderiam ter dado ao homem somente esperanças de que alguém iria ajudá-lo. Mas eles não fizeram isso. “Não tenho prata nem ouro, mas o que tenho, isto lhe dou. Em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, ande.” (v 6 NVI). Mas não fizeram só isso. O tomaram pela mão, o ergueram, e quando o fizeram (atuando pela fé), os seus pés e tornozelos recuperaram sua força, e ele começou a pular e louvar a Deus.
Vendo alguém em necessidade, você já deve ter pensado: “Bem, eu realmente não tenho nada significativo para dar. Eu vou deixar para que alguém que tenha mais do que eu ajude”. Mas Deus não nos pede muito, ele só nos pede para dar o que temos, que é Jesus. No entanto, ao darmos Jesus, devemos também oferecer uma mão amiga. Esta é a parte assustadora e exige fé. Ela é chamada de “colocar o evangelho nos sapatos de trabalho”, ou seja, é precisar colocar o evangelho em prática. Se sairmos de nossa zona de conforto e nos exercitarmos mais neste cristianismo prático, faremos grande diferença em nosso mundo hoje!
“Por tudo que nos confere vantagem sobre outros – seja educação e refinamento, seja nobreza de caráter, educação cristã ou experiência religiosa – achamo-nos em dívida para com os menos favorecidos; e, o quanto estiver ao nosso alcance, cumpre-nos ajudá-los. Se somos fortes, devemos sustentar as mãos do fraco.”(O Desejado de Todas as Nações, p. 440).
Ao fazermos isso, o Espírito Santo nos concederá o sucesso. Mas também devemos dar toda a glória a Deus, como o fizeram Pedro e João. “Por que vocês estão olhando para nós, como se tivéssemos feito este homem andar por nosso próprio poder ou piedade?” (v 12 NVI), disseram à multidão surpresa. “Isto não vem de nós. Vem de Jesus. Agora arrependam-se e se convertam, e façam o mesmo.” (paráfrase do vs. 19).
Melody (Melodious Eco) Mason
Líder do Ministério de Oração ARME
Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/act/3/
Traduzido por JAQ/GAQ
Texto bíblico: Atos 3
Comentário em áudio

 



Marcos 9 – Comentários selecionados by Jeferson Quimelli
8 de dezembro de 2014, 0:00
Filed under: Messias, Reino de Deus | Tags: , , , ,

1 alguns há que, de maneira nenhuma, passarão pela morte. A ligação entre  as duas seções da narrativa [a cruz e a transfiguração] parece excluir a possibilidade de que Jesus aqui tenha se referido a qualquer coisa, a não ser a transfiguração, que foi uma demonstração em miniatura do reino da glória. Sem dúvida, Pedro entendeu assim (ver 2Pe 1:16-18). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 159.

Cf Mt 16.28n; Lc 9.27n. É possível que Marcos estivesse ligando esta profecia, a respeito da vinda do reino, com o acontecimento da transfiguração. Bíblia Shedd.

É mais provável que a referência seja ao texto que segue que descreve a transfiguração. Andrews Study Bible.

2 transfigurado. Uma transformação de Jesus em uma figura divina, fora deste mundo. Andrews Study Bible.

3 sobremodo brancas. Roupas brancas denotam status celestial (Mc 6.5) ou pureza e dignidade (Ap 3:4, 18). Andrews Study Bible

5 tabernáculos (NKJV). No gr. “tendas”. Pedro poderia estar pensando na Festa dos Tabernáculos, quando os judeus habitavam uma vez por ano em barracas por uma semana (Lv 23:39-43). Mas ele podia estar se referindo a Êx 29:42, que fala de Deus se encontrando e se comunicando com Seu povo através do tabernáculo (ver tb Êx  40:34-35). Andrews Study Bible.

Seja como for, parecia muito desejoso de ver naquele instante o cumprimento da glória prometida, antes dos sofrimentos que Jesus declarara necessários. Bíblia de Estudo NVI Vida.

7 a Ele ouvi. Baseado no significado forte de Dt 18.15, deve-se entender como”ouvi e obedecei”. Bíblia Shedd.

10 perguntando o que significaria “ressuscitar dos mortos” (NVI). Como judeus, conheciam bem a doutrina da ressurreição; o que os deixava perplexos era a ressurreição do Filho do Homem, porque a teologia deles não comportava um Messias que sofresse e morresse. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Não entenderam como Jesus ia ressurgir antes da ressurreição geral dos justos. Bíblia Shedd.

… os discípulos ficaram impressionados com a declaração de Cristo de que ressuscitaria dos mortos. No entanto, eles não podiam compreender a ideia de um Messias sofredor. Ainda estavam cegos pelo conceito popular do Messias como poderoso conquistador (ver com. de Lc 4:19). CBASD, vol. 5, p. 691.

A teologia judaica não previa um Messias sofredor, muito menos um que iria morrer. Não havia lugar para um Filho do Homem ressuscitado. Andrews Study Bible.

12 restaurará. A obra de restauração do culto a Deus foi realizada por Elias principalmente no monte Carmelo. João Batista, como Elias, veio reiniciar uma total restauração, obra essa que Jesus veio consumar. Bíblia Shedd.

14 os escribas discutiam com eles. Ou seja, eles os interrogavam, como o contexto deixa claro. A atitude dos escribas era hostil. … Nesta ocasião, eles procuravam expor Jesus e os discípulos como impostores, explorando o fato de que ali estava um demônio diante do qual os discípulos era impotentes (cf. DTN, 427). CBASD, vol. 5, p. 691.

15 toda a multidão, ao ver Jesus, tomada de surpresa. A razão da surpresa com a aproximação de Jesus, possivelmente, seja melhor explicada como a reação da multidão diante dos traços de glória que sem dúvida permaneceram na face dos que testemunharam a transfiguração (cf. Êx 34:29-35; DTN, 427). CBASD, vol. 5, p. 691.

16 Ele interpelou os escribas. Os escribas podem ter ficado em silêncio ao Jesus se aproximar. Sem dúvida, o clima tendo que prevalecia e que era derivado da própria presença dos escribas tornou evidente que eles estiveram ridicularizando os nove discípulos. … Uma vez que eles foram silenciados e contrariados por Jesus quando se esforçaram por desacreditá-Lo anteriormente, os escribas se retiraram do debate. CBASD, vol. 5, p. 691.

19 Ó geração incrédula. Isto é, “sem fé” ou “descrente. … Não é provável que Jesus Se referisse ao pai do menino possuído pelo demônio quando disse estas palavras, pois a fé do pai não era o único obstáculo no caminho da cura de seu filho. Uma vez que os próprios discípulos, principalmente , estavam em falta (ver com. de Mc 9:29), pode ser que o Salvador os tivesse em mente. Mas Ele não desejava censurá-los em público, portanto, não faria deles o objeto imediato de Suas observações. No entanto, se os discípulos estavam “descrentes”, quanto mais a multidão? CBASD, vol. 5, p. 692.

29 Esta casta. Os escribas tinham atribuído o desamparo dos nove discípulos a um suposto poder superior daquele demônio, afirmando que a autoridade de Jesus estava limitada a demônios menos poderosos (cf. DTN, 427). O verdadeiro problema, porém, não estava no poder do demônio, mas na impotência espiritual dos discípulos. CBASD, vol. 5, p. 693.

senão por meio de oração. Cristo não se referia á oração feita em relação à expulsão de demônios. Ele não estava falando da oração momentânea, mas de uma vida impulsionada pela oração. Durante a transfiguração, os nove discípulos [que ficaram] haviam dado lugar a desânimos e queixas pessoais, com espírito de ciúmes devido ao favor mostrado a seus companheiros ausentes (Pedro, Tiago e João; ver DTN, 431). A condição mental e espiritual deles tornou impossível que Deus operasse por seu intermédio. CBASD, vol. 5, p. 693.

e jejum. A evidência textual favorece a omissão … desta palavra, entre colchetes na ARA. CBASD, vol. 5, p. 693.

32 Eles, contudo, não compreendiam. Apesar de tudo que Jesus tinha dito, em linguagem simples …, os discípulos ainda não compreendiam… A principal razão pela qual não conseguiam entender é que eles não queriam aceitar ser necessário que o Messias sofresse e morresse… Essa ideia era um desafio às suas opiniões preconcebidas sobre o Messias… Eles esperavam que, afinal, Cristo reinaria como um príncipe temporal e não estavam dispostos a abandonar as expectativas entusiásticas da honra que eles esperavam compartilhar com Ele quando o tempo chegasse. CBASD, vol. 5, p. 694.

temiam interrogá-Lo. Cientes de que compartilhavam do ponto de vista havia pouco apresentado por Pedro e de que, se falassem naquele momento, seria apenas para expressar os mesmos pensamentos …, permaneceram em silêncio. De acordo com Mateus 17:23, eles estavam “muito tristes” (NTLH), isto é, “muito angustiados”. CBASD, vol. 5, p. 694.

35 Se alguém quer ser o primeiro. Aqui, Jesus chega ao centro do problema, cada um dos doze desejava ser o “primeiro” no reino. Todos esperavam que o Senhor assumisse o poder … Esqueceram-se de que a verdadeira grandeza consiste na renúncia ao poder como um objetivo de vida. … O reino dos céus é essencialmente uma questão de prestar serviço a Deus e aos semelhantes, não de receber isso deles. … O maior é aquele que ama mais a Deus e aos semelhantes e que melhor os serve. CBASD, vol. 5, p. 694.

38 vimos um homem. O fato de o incidente aqui referido envolver apenas João e Tiago sugere a possibilidade de que tenha ocorrido durante a terceira viagem pela Galileia, quando os dois irmãos haviam saído juntos. CBASD, vol. 5, p. 694.

o qual não nos segue. Não se tratava de um dos discípulos regulares, reconhecidos por Jesus. CBASD, vol. 5, p. 694.

não era um dos nossos (NVI). Parece que o homem tinha fé em Cristo sem, porém, fazer parte do grupo exclusivo dos Doze. Mesmo assim, agia em nome de Jesus e conseguira fazer o que os discípulos, pelo menos numa ocasião, não haviam conseguido (cf. v. 14-18, 28). Bíblia de Estudo NVI Vida.

e nós lhe proibimos. Ou, “nós o impedimos”. … Na ocasião aqui relatada, eles justificaram sua conduta com base na preocupação deles com a honra de seu Mestre; na realidade, a preocupação com sua própria honra havia motivado a ação (ver DTN, 437). Eles repreenderam o homem por fazer o que eles julgavam ter o direito exclusivo de fazer. … Eles eram zelosos no cumprimento das ordens que lhes foram dadas, mas não tinham o direito de dar ordens aos outros. É a maldade que leva líderes religiosos a pensar que é seu dever coagir outros ao padrão de conduta e crença que eles entendem como o correto. CBASD, vol. 5, p. 695.

39 não lho proibais. Isto é, deixem de impedi-lo. Não temos o direito de forçar a s pessoas a estar de acordo com as nossas ideias e opiniões, ou a seguir os nossos métodos de trabalho. CBASD, vol. 5, p. 695.

A visão de discipulado de Jesus era mais ampla e inclusiva do que a estreita e sectária de Seus discípulos. Porque o outro exorcista não fazia parte do círculo mais íntimo dos discípulos de Jesus não significava que ele não era apoiador e discípulo. O discipulado inclui todos que com professam a Jesus com fé. Andrews Study Bible.

40 não é contra nós. Se o homem que Tiago e João repreenderam fora encontrado fazendo o mesmo trabalho que Jesus fazia, e realizava isso em nome de Jesus, era porque Deus trabalhava com e por meio dele. CBASD, vol. 5, p. 695.

41 porque sois de Cristo. … dar um copo de água em nome de Cristo é dá-lo “porque sois de Cristo”. … O caráter da ação é determinado pelo motivo que a determina. CBASD, vol. 5, p. 398, 695.

43 corte-a (NVI). Como no exemplo da pedra de moinho, Jesus não está sendo literal aqui. Andrews Study Bible.

44, 46 Não lhes morre o verme. A evidência textual apoia … a omissão dos vs. 44 e 46, como tendo sido inseridos em repetição ao v. 48. CBASD, vol. 5, p. 695.

Estes vv não constam nos melhores manuscritos. Bíblia Shedd.

48 verme. Do gr. skolex, “larva” ou “verme”. A ilustração de “o verme não morrer não é uma indicação de uma alma que não pode ser aniquilada, mas é símbolo da corrupção que não pode ser removida” (H. D. A. Major, T. W. Manson, e C. J. Wright, The Mission ant the Message of Jesus, p. 123). No v. 43, “vida” é mostrada em contraste com “o fogo que nunca se apaga”. Em muitas passagens das Escrituras, “vida eterna” se contrasta com a “morte” (ver Rm 6:23). em João 3:16, o contraste é entre “vida eterna” e “perecer”. É óbvio que Jesus pretendia, aqui, o mesmo contraste. “O fogo que nunca se apaga” (ARC) está paralelo a “seu verme não morre” (NVI), sendo uma expressão equivalente. Contudo, parece incoerente que as larvas continuassem seu trabalho na presença do fogo. Mas não há nada na palavra skolex, “verme”, que, mesmo remotamente, justifique a explicação que compara o “verme” à “alma” (ver com. de Is 66.24), abordagem defendida por muitos comentaristas, ao refletir sua própria compreensão sobre o estado da morte. CBASD, vol. 5, p. 695, 696.

50 sal. Utilizado tanto para preservar alimentos quanto para dar sabor. … Ter o “sal” ou o sabor do evangelho é um chamado a viver em paz (e aceitar todos os demais discípulos, como ilustrado nos vv. 39-42). Andrews Study Bible.

O sal é agente de preservação… O fogo pode ser considerado como agente purificador ou como símbolo do juízo final (ver com. de Mt 3:10). … Ser “salgado com fogo”, provavelmente, signifique que “cada um” passará pelo fogo da aflição e da purificação nesta vida (ver com. de Jó 23:10) ou pelo fogo do último dia. O fogo removerá as impurezas da vida presente ou destruirá a própria vida no último dia. O sal preservará o que é bom (ver com. de Mt 9:50). CBASD, vol. 5, p. 696.

Pois todas as pessoas serão purificadas pelo fogo, assim como os sacrifícios são purificados pelo sal (NTLH. ARC: cada sacrifício). No ritual do antigo santuário, o sal era adicionado a todos os sacrifício (ver com. de Lv 2:13). Seu uso significava que somente a justiça de Cristo pode tornar a oferta aceitável a Deus (cf. DTN, 439). CBASD, vol. 5, p. 696. 

50 Tende sal em vós mesmos. Se os discípulos tivessem o “sal da aliança” (Lv 2:13), este reprimiria as tendências impróprias que os levaram a discutir sobre quem seria o maior no reino dos Cpeus. CBASD, vol. 5, p. 696.

paz. Um clímax apropriado para o discurso, uma admoestação para reprimir outro argumento sobre o assunto e uma advertência contra a inveja e o espírito de rivalidade. CBASD, vol. 5, p. 691.



Zacarias 2 by Jobson Santos
16 de outubro de 2014, 0:12
Filed under: Amor de Deus | Tags: , , , , ,
Comentário devocional:

“Que quadro maravilhoso do plano de Deus para o Seu povo!” Na visão de Zacarias 2, o Senhor deu a garantia de que seu plano para Jerusalém de ser o grande centro de Sua obra redentora para o mundo ainda era possível. As 70 semanas de anos proféticos dadas para os Judeus cumprirem os propósitos de Deus (ver Daniel 9:24.) tinha apenas começado. Zacarias proclamou o convite divino ao seu povo que havia sido espalhado para que saíssem de Babilônia e retornassem a Jerusalém.

Diversas denominações ensinam que essa visão e outras que Zacarias teve devem ser cumpridas pelos Judeus na Palestina. Eles ignoram as palavras pronunciadas por Cristo quando chorou sobre Jerusalém, “Ah! Se conheceras por ti mesma, ainda hoje, o que é devido à paz! Mas isto está agora oculto aos teus olhos”. Ignoram também as declarações de julgamento de Cristo, quando disse: “Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas os que te foram enviados! Quantas vezes quis eu reunir os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo das asas, e vós não o quisestes! Eis que a vossa casa vos ficará deserta” “Portanto, vos digo que o reino de Deus vos será tirado e será entregue a um povo que lhe produza os respectivos frutos” (ver Lucas 19:42; Mateus 23:37, 38, ARA; 21:43, ARA).

“Os propósitos do Senhor para o seu povo tem sido sempre os mesmos. Ele deseja conceder aos filhos dos homens as riquezas de uma herança eterna. O seu reino é um reino eterno. Quando aqueles que optam por tornarem-se súditos obedientes do Altíssimo forem finalmente salvos no reino da glória, o propósito de Deus para a humanidade terá sido cumprido” (Ellen White, Bible Commentary, vol. 4, p. 1.177).

Este capítulo contem profecias belíssimas. “Canta e exulta, ó filha de Sião, porque eis que venho e habitarei no meio de ti, diz o SENHOR. Naquele dia, muitas nações se ajuntarão ao SENHOR e serão o meu povo; habitarei no meio de ti, e saberás que o SENHOR dos Exércitos é quem me enviou a ti” (Zac. 2:10, 11, ARA). Estes versos se cumpriram quando Jesus viveu em meio a humanidade. O ajuntamento de muitas nações ao redor do Senhor se deu quando os discípulos levaram o conhecimento de Cristo aos gentios e estes aceitaram o evangelho. Contudo, essas profecias gloriosas encontrarão realização completa na Nova Jerusalém de Deus, quando pessoas de muitas nações habitarão na presença de Jesus.

Alegremo-nos pelo amor que o Senhor tem por nós e pelos planos gloriosos que Ele tem para todos os que o aceitam como Senhor de suas vidas. Tomemos a firme decisão de pertencermos ao reino de Cristo e de cumprirmos a missão de pregar o evangelho que o Senhor nos deixou. Amém.

David Manzano
Pastor aposentado
Estados Unidos

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/zec/2/

Traduzido por JDS

Texto bíblico: Zacarias 2

Comentário em áudio

 


Zacarias 1 by Jobson Santos
15 de outubro de 2014, 0:12
Filed under: Trabalho de Deus | Tags: , , , ,
Comentário devocional:

O ano era 520 aC quando o Senhor chamou Zacarias para unir-se a Ageu a fim de despertar os Judeus que retornaram a Jerusalém vindos do cativeiro na Babilônia. Dezesseis anos se passaram desde que Zorobabel os levara de volta para sua terra natal prometida. Eles chegaram com a autoridade do rei persa. Com entusiasmo as pessoas se estabeleceram em suas cidades e, em seguida, reuniram-se em Jerusalém, onde os sacerdotes tinham construído um altar para o Deus de Israel. Sacrifícios da manhã e da tarde passaram a ser oferecidos. A festa dos Tabernáculos foi celebrada. Em seguida, o alicerce do templo foi construido.

Em seguida, surgiram problemas com as pessoas ao redor. O trabalho foi interrompido. O profeta Ageu levou-os a renovar seus esforços para completar a missão que Deus tinha para eles – a reconstrução do Templo. O templo de Deus e seus serviços os uniu como nação e iria separá-los das práticas das nações ao seu redor. As primeiras palavras de Zacarias, (vs. 1-6) foram para convence-los da veracidade das palavras de Deus. Lá na Babilônia seus pais foram forçados a admitir: “O Senhor dos Exércitos fez conosco o que os nossos caminhos e práticas mereciam, conforme prometeu” (v. 6, NVI).

Esta lição é para nós. Nossa segurança está em Deus. Devemos crer em Suas palavras. A mensagem do homem montado no cavalo vermelho, “a terra está em repouso”, refere-se ao fato de que o conflito sobre a soberania Persa tinha acabado. Dario, o novo rei era mais favorável aos judeus. O Senhor disse: “Estou me voltando para Jerusalém com misericórdia, e ali o meu templo será reconstruído” (v. 16, NVI).  Seu povo estava para cumprir a missão para a qual Ele os havia trazido de volta. Os quatro chifres são explicados como aqueles que trabalharam contra o povo de Deus. A quatro carpinteiros-artesãos, referem-se a Zorobabel, Neemias, Ageu e Zacarias.

A mensagem é que Deus está muito ciente dos acontecimentos na Terra. Ele está particularmente consciente dos esforços feitos para prevenir a Sua igreja de cumprir a missão a ela confiada. Este capítulo faz-me perguntar: A minha primeira preocupação é ter uma boa vida neste mundo? Ou a minha primeira preocupação é apoiar a última igreja de Deus e participar proclamando as mensagens de Apocalipse 14:6-12 a todo o mundo?

David Manzano
Pastor aposentado
Estados Unidos

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/zec/1/

Traduzido por JDS

Texto bíblico: Zacarias 1

Comentário em áudio



Ageu 2 by Jobson Santos
14 de outubro de 2014, 0:10
Filed under: Trabalho de Deus | Tags: , , , , ,
Comentário devocional:

Quando uma criança rebelde volta para casa, o que acontece na família? Celebração! Da mesma forma, quando Deus viu o trabalho feito por Seu povo, Ele lhes disse: “Estou feliz. Estou com vocês! Estou feliz não porque o que vocês fizeram foi perfeito, ou  impecável. Mas estou feliz porque vocês retornaram para mim”.

“Olhem para o novo templo”, Deus diz, “ele pode ser comparado com a sua primeira glória?” “Não”, respondeu o povo. Mas o Senhor disse-lhes: “Eu estou com vocês”, portanto, sejam fortes … e trabalhem. Quando o povo obedeceu ao Senhor e fez o que Ele lhes pediu para fazer, Ele revelou o seu segredo e prometeu que, em pouco tempo, o Desejado de todas as nações viria para preencher de glória este Templo. E a sua glória futura haveria de superar a sua glória passada. Aleluia!

Toda a prata e ouro pertencem a ele. Tudo o que Deus precisa de nós, hoje, é a entrega total de nossos corações e mentes a ele. Nossa oração deve ser: “Senhor, por favor, burila-nos à sua própria maneira”

Como um povo que aguarda a segunda vinda do Desejado de todas as Nações, demos de bom grado nossos corações a Deus. Subamos as montanhas para trazer madeira para a construção do templo. O principal templo que precisamos construir hoje é a nossa vida espiritual, o nosso relacionamento com o nosso amoroso Criador que nos levará a trabalharmos de coração para Ele.

Se aceitarmos este desafio e entregarmos completamente o coração ao Senhor, então nos últimos dias, o Senhor nos dirá, eu vou levá-lo para o meu reino e farei de você o meu sinete, o meu anel de selar.

“Querido Senhor Jesus, entregamos nosso coração a Ti. Aceita-nos e permita que Jesus, o Desejado de todas as Nações, nos molde e nos cubra com o Seu manto de justiça. Torna-nos especiais em Teu serviço, como um sinete real”

Emmanuel S. D. Manu

Tesoureiro da Divisão Centro-Oeste Africana

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/hag/2/

Traduzido por JDS

Texto bíblico: Ageu 2

Comentário em áudio



Jeremias 45 by Jeferson Quimelli
15 de junho de 2014, 0:00
Filed under: confiança em Deus, coragem, testemunho, verdade | Tags: ,

Comentário devocional:

O capítulo anterior (Jer. 44) tratava de acontecimentos ocorridos dez anos após a destruição de Jerusalém pela Babilônia (586-576 a.C.). Este capítulo (Jer. 45) está fora de sequência e complementa o capítulo 36, que é um registro da mensagem de Deus que Jeremias deveria entregar ao rei Joaquim de Judá anos antes, em 604 aC. Por alguma razão, Jeremias não pôde ir, então ele pede que Baruque leia a mensagem de Deus ao rei impenitente e aos seus servos. 

Jeremias 45:3 deixa claro que Baruque tinha um medo terrível de executar seu dever: “Ai de mim! O Senhor acrescentou tristeza ao meu sofrimento. Estou exausto de tanto gemer, e não encontro descanso.” (NVI). Baruque deve ter desejado alguma palavra de Deus assegurando-lhe Sua proteção contra o ímpio rei Joaquim.

Há pelo menos quatro pontos que Deus deixa claro. Em primeiro lugar, Deus iria permitir a destruição de Jerusalém (Jer 36:29). Em segundo lugar, Deus também se sentia triste por destruir o que Ele mesmo tinha construído, e arrancar o que Ele mesmo havia plantado (Jer 45:4). Em terceiro lugar, Baruque não deveria esperar bons resultados nesta tarefa (v. 4, 5). Por fim, Deus garantia a segurança da vida de Baruque após a entrega desta mensagem (v. 5).

De fato, o rei Joaquim queimou o rolo que Baruque escreveu (Jer 36:23) e ordenou aos seus servos que prendessem Baruque e Jeremias, mas Deus os escondeu dos olhos do rei e dos seus servos (Jer 36:26). Após Joaquim queimar o livro, Deus ordenou a Baruque que reescrevesse a mesma mensagem em um novo rolo (Jer 36:28, 32).

Após este incidente, o etíope Ebede-Meleque recebeu uma mensagem divina de incentivo (Jer 39:16-18), assim como Baruque também recebeu (Jer 45:4,5).

O que podemos aprender com este capítulo? “O Senhor não dá lugar na Sua obra aos que têm maior desejo de alcançar a coroa do que de transportar a cruz. Deseja homens que pensem mais em cumprir o dever do que em receber recompensas — homens que sejam mais amantes dos princípios do que de promoção” (A Ciência do Bom Viver, 476.2)

Precisamos orar para sermos como Jeremias e Baruque, cumprindo o nosso dever independente das circunstâncias, sem esperar recompensa.

Yoshitaka Kobayashi
Japão

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/jer/45/

Traduzido por JAQ/JDS

Texto bíblico: Jeremias 45 



II Crônicas 12 by Jeferson Quimelli
30 de abril de 2013, 0:00
Filed under: confiança em Deus | Tags: , ,


Comentário devocional:

Após Roboão ter seguido a Deus por três anos, apenas dois anos depois “ele e todo o Israel abandonaram a lei do Senhor” (v.1 NVI) e perderam totalmente a proteção de Deus. Um enorme exército, de 1.200 carros, 60 mil cavaleiros, e um povo incontável de várias nações, liderado por Sisaque do Egito, marchou contra Judá e tomou todas as suas cidades fortificadas.

Quando eles estavam prestes a entrar em Jerusalém, Deus deixou claro através de Semaías, o profeta, por que isso havia acontecido. “Vocês me abandonaram, por isso estou colocando vocês nas mãos de Sisaque.” (v. 5 NKJV).

Rapidamente os líderes e o rei se humilharam. Deus, com Sua graça característica, abrandou-se e disse que eles não seriam destruídos. No entanto, Deus disse que eles iriam experimentar a diferença entre servir a Deus e servir a Sisaque.

Com isso, Sisaque marchou contra Jerusalém e despojou a casa do Senhor e a casa do rei de todos os tesouros de ouro que Salomão havia reunido. E os colocou sob tributo.

Você já se iludiu pensando que é difícil servir a Deus? Seu alto padrão de caráter é muitas vezes visto como um muro que limita a nossa liberdade, em vez de ser uma fortaleza que nos protege. No entanto, quando o inimigo nos invade torna-se muito claro que o pecado é realmente o mais cruel de todos os feitores. Ele concede a seus escravos apenas os salários da mágoa, do sofrimento, dos vício e da morte.

Foque, hoje, a sua mente nas alegrias da obediência,. Deste modo você não perderá a  sua liberdade em Cristo pela invasão de algum Sisaque estrangeiro em sua vida espiritual.


Pastor Scott Griswold

Recrutador de Missionários

Apoio a Projetos para o Sudeste da Ásia

Trad JAQ – Rev GASQ/JDS


– – – – –

Texto bíblicoII Crônicas 12

FonteBlog da Bíblia



II Crônicas 10 by Jeferson Quimelli
28 de abril de 2013, 0:00
Filed under: liderança | Tags: ,

Comentário devocional:

Após a morte de Salomão, o reino passou para seu filho Roboão. O rei Roboão tinha três grandes “livros textos” sobre liderança dos quais poderia aprender: as incríveis vidas de Saul, Davi e Salomão. Ele, aparentemente, não gastou muito tempo aprendendo com os erros e acertos de seus antecessores. Em vez disso, ouviu os jovens de sua idade. Ele declarou que iria aumentar os impostos e reinar através de chicotes com flagelos. Ele iria governar em vez de servir.

 Imediatamente o reino de Israel se separou dele, do modo como Deus havia profetizado. Somente Judá e Benjamin ficaram.

 O Rei Jesus chamou a você e a mim para que exercêssemos o Seu estilo especial de liderança. “Quem quiser tornar-se importante entre vocês deverá ser servo” (Mc 10:43 NVI). “O próprio Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos” (v. 45).

 Como pai, você simplesmente exige obediência ou você direciona os seus filhos com amor e gentileza? Como líder de igreja, você busca verdadeiramente fazer o melhor para cada membro? E em seu local de trabalho? A disposição de servir e incentivar o crescimento dos demais é maior do que o desejo de lucro e sucesso? Qualquer direcionamento diferente irá desqualificá-lo para o reino de Deus. Ter Jesus no coração construirá a sua cidadania celeste.

Decida, hoje, servir como Jesus.

Pastor Scott Griswold 

Recrutador de Missionários

Apoio a Projetos para o Sudeste da Ásia

Trad JAQ – Rev GASQ/JDS

 

– – – – – 

Texto bíblicoII Crônicas 10

Fonte: Blog da Bíblia




%d blogueiros gostam disto: