Reavivados por Sua Palavra


I Coríntios 9 by jquimelli
23 de março de 2015, 1:00
Filed under: evangelismo, liderança, serviço | Tags: , ,

Comentário devocional:

Depois de lidar com uma série de questões que vão da sexualidade à alimentação, o apóstolo Paulo agora fala aos crentes de Corinto sobre as  motivações para o comportamento. Por trás das ações deve haver um padrão de auto-negação. Isso é importante porque erram aqueles que simplesmente fazem valer os seus “direitos” (v. 4). Em vez de fazer valer os seus direitos individuais, eles devem suportar “tudo para não colocar obstáculo algum ao evangelho de Cristo” (v 12 NVI).

No cerne da questão está o evangelho: “Contudo, quando prego o evangelho, não posso me orgulhar, pois me é imposta a necessidade de pregar. Ai de mim se não pregar o evangelho!”(v 16 NVI). Esse serviço deve ser feito de boa vontade. Como um líder cristão, ele lhes lembra que ele tem uma responsabilidade sagrada de não abusar de sua autoridade (v 18).

Nos versos 19 a 23 o apóstolo Paulo recorda seus leitores que um verdadeiro líder é focado no serviço. Como servo demonstra um espírito flexível, pois servir não tem a ver com ser líder, mas com Jesus! “Para com os fracos tornei-me fraco, para ganhar os fracos. Tornei-me tudo para com todos, para de alguma forma salvar alguns” (v 22 NVI).

O espírito de sacrifício e serviço descrito pelo apóstolo Paulo é o mesmo espírito que exibiu o presidente da Associação Geral William A. Spicer. O que muitos adventistas provavelmente não têm conhecimento é que uma das mais incomuns sessões da Conferência Geral na história denominacional ocorreu em 1922. A igreja estava tentando decidir se reelegia A. G. Daniells como presidente da Associação Geral ou se elegia W. A. Spicer que, durante a sessão da Conferência Geral prometera à esposa que iria se aposentar. Um dos documentos mais fascinantes da história adventista é a carta que ele escreveu a sua mulher explicando como ele se tornara presidente eleito da Conferência Geral. Ele encerrou a carta com as palavras: “No reino de Cristo não há posições de honra, mas [apenas] posições de serviço.” Estas são as palavras que devemos viver ao buscarmos lembrar o verdadeiro espírito de sacrifício do cristianismo.

Em conclusão, o apóstolo Paulo nos lembra de exercer o controle em todas as coisas, como o “atleta em tudo se domina” (v 25 ARA). Quando as nossas prioridades estão na ordem certa, estamos dispostos a nos disciplinar para servir (v 27). Assim, alcançamos o equilíbrio que inicia com nossas motivações e transforma todos os aspectos de nossas vidas para Cristo.

Michael W. Campbell, Ph.D.
Professor Assistente, Estudos Históricos / Teológicos
Instituto Adventista Internacional de Estudos Avançados
Filipinas

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/1co/9/

Traduzido por JAQ/GASQ           
Texto bíblico: I Coríntios 9 
Comentários em áudio 



Os Sete Diáconos by jquimelli
4 de fevereiro de 2015, 9:00
Filed under: serviço, Trabalho de Deus, unidade | Tags: ,
O coração daqueles que se converteram mediante o trabalho dos apóstolos, abrandou-se e uniu-se pelo amor cristão. A despeito de preconceitos anteriores, todos estavam em harmonia uns com os outros. Satanás sabia que, enquanto essa união continuasse a existir, ele seria impotente para deter o
progresso da verdade do evangelho; e procurou tirar vantagem de anteriores hábitos de pensar, na esperança de que, por esse meio, pudesse introduzir na igreja elementos de desunião.Os discípulos de Jesus tinham chegado a uma crise em sua experiência. Sob a sábia direção dos apóstolos, que trabalhavam unidos no poder do Espírito Santo, a obra indicada aos mensageiros do evangelho havia-se desenvolvido rapidamente.

Havia necessidade de uma redistribuição das responsabilidades que tão fielmente tinham sido levadas por uns poucos nos primeiros dias da igreja. Os apóstolos precisavam dar, então, um importante passo para a organização do evangelho na igreja, pondo sobre outros alguns dos encargos até então levados somente por eles.

A designação dos sete para tomarem a direção de ramos especiais da obra mostrou-se uma grande bênção para a igreja. Esses oficiais tomaram em cuidadosa consideração as necessidades individuais, bem como os interesses financeiros gerais da igreja; e, pela sua gestão acautelada e seu piedoso exemplo, foram, para seus colegas, um auxílio importante em conjugar os vários interesses da igreja em um todo unido.

“Tal proposta agradou a todos. Então escolheram Estêvão, homem cheio de fé e do Espírito Santo, além de Filipe, Prócoro, Nicanor, Timom, Pármenas e Nicolau, um convertido ao judaísmo, proveniente de Antioquia.” Atos 6:5.

Que este passo estava no desígnio de Deus é-nos revelado nos imediatos resultados para o bem, que se viram. “Crescia a Palavra de Deus, e em Jerusalém se multiplicava muito o número dos discípulos, e grande parte dos sacerdotes obedecia à fé”. Atos 6:7. Esse crescimento notável era tanto o resultado de maior liberdade assegurada aos apóstolos como do zelo e poder mostrados pelos sete diáconos. O fato de terem sido esses irmãos ordenados para a obra especial de olhar pelas necessidades dos pobres, não os excluía do dever de ensinar a fé. Ao contrário, foram amplamente qualificados para instruir a outros na verdade; e se empenharam na obra com grande fervor e sucesso. Atos dos Apóstolos, Ellen G White, Cap 9.

Compilação: Tatiana W



Isaías 62 by jquimelli
27 de abril de 2014, 0:00
Filed under: amor, Sem categoria, serviço | Tags: , , , , ,

Comentário devocional:

Deus tinha planos maravilhosos para Jerusalém. Ele fez promessas incríveis a seu respeito. Jerusalém foi o lugar aonde Ele colocou o Seu Nome; o lugar em que o seu trono de adoração foi estabelecido no Santo dos Santos do templo; o lugar do qual Ele planejava governar as nações. 

Quando Israel como nação finalmente rejeitou a Deus e Jerusalém foi destruída (no ano 70 AD), todos os planos e promessas para Jerusalém e Sião passaram a valer para o remanescente final. Os herdeiros são aqueles que aceitam os planos de Deus (Gl 3:29); são os contritos e humildes que tremem diante da Sua Palavra (Is 66:2b). Individualmente e coletivamente, os fiéis se tornaram o templo de Deus – mini-Jerusalens – esplendorosos troféus na mão divina (v. 3). Agora, chamados de “cristãos”, eles estão casados com o Seu noivo ( 61:10) que os ama com o hesed, o amor fiel de um marido (Is 54:5).

Sempre fico profundamente tocada pelas expressões de prazer mútuo e alegria que caracterizam a nossa relação de amor com Deus. Quão terna, quão profunda, quão abrangente é esta união que Deus deseja ter com cada um de nós (Veja por exemplo: Isaías 61:10; Sofonias 3:17). Assim como nós chamamos uma pessoa a quem queremos muito bem de “querido” ou “querida”, Deus chama a sua noiva de nomes hebraicos especiais, Hephzibah (Delícia) e Beulah (Procurada e Casada) .

Assim como Deus colocou Adão e Eva para serem cuidadores de sua nova criação, Deus coloca aqueles a quem Ele ama para vigiar pelo seu novo reino. Deus e Sua “esposa” são um em propósito e atitude. Nosso Marido Celestial não dormita nem dorme (Sl 121:4 ), nem sua “esposa”. Eles estão de plantão dia e noite (v. 7). Na verdade, eles incentivam-se um ao outro até alcançarem seu objetivo mútuo. Os amados de Deus oram sem cessar e são ousados em pedir “grandes coisas”. O objetivo deles e do Senhor é o mesmo: estabelecer “Jerusalém”, como “uma cidade elogiada no mundo todo” (v. 7, NTLH), tornarem-se eles próprios confiáveis e tornarem as igrejas de Deus lugares seguros de adoração para todas as pessoas (v. 8; 56:8)

Devemos seguir em frente, abrir caminhos, instruir as pessoas, remover obstáculos. Devemos levar a todas as nações a bandeira da vitória (v. 10), o padrão de justiça, a bandeira manchada de sangue do Príncipe Emanuel. Então, quando o juízo pré-advento se completar, nosso Salvador voltará, trazendo com Ele a Sua recompensa  (v. 11). Que dia emocionante será esse! Nós, Sua Santa noiva, os remidos do Senhor (v. 12a), finalmente entraremos na cidade celestial (v.12b). A cidade fundada, projetada e construída por Deus (Hb 11:10 Bíblia de Jerusalém ). Entraremos juntamente com todos aqueles que através de todas as eras amaram ao Senhor e ansiaram por Seu aparecimento. Então, ao lado do nosso Noivo celestial, viveremos felizes para sempre! Amém.

Aleta Bainbridge
Sydney, Austrália

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/isa/62/

Traduzido por JAQ/JDS

Texto bíblico: Isaías 62 



Neemias 2 by jquimelli
4 de junho de 2013, 23:44
Filed under: serviço

Resumo:
O rei concede a Neemias permissão para ir e reconstruir Jerusalem. Sambalate não gosta nada disso. Neemias inspeciona os muros e diz: "Vamos reconstruí-los".

Comentário devocional:
Este capítulo é, todo ele, sobre confiar em Deus. Neemias não só confiou em Deus para lhe dar as palavras certas a serem ditas ao rei, mas também para abrandar o coração do rei e, assim que ele pudesse, responder ao seu pedido favoravelmente.

Deus é capaz! E, como pedir permissão para visitar Jerusalém não fosse suficiente, Neemias pede ao rei uma carta que lhe autorizasse a reconstruir os muros de Jerusalém, a paixão que Deus implantara em seu coração. Deus impressiona o rei e ele concede isso. Amém!

Como é sempre o caso, ninguém é feliz quando começa a fazer algo para Deus. Oposição sempre aparece quando se tenta realizar a vontade de Deus. Satanás leva as pessoas a se oporem à obra de Deus. Neste caso, Satanás usou Sambalate e Tobias, os funcionários amonitas a se oporem a Neemias.

A resposta de Neemias foi: "O Deus dos céus é quem nos dará bom êxito" (v. 20). A chave para a prosperidade e sucesso, quando nos propomos a fazer a vontade de Deus, é confiar plenamente em Deus.

Além disso, Neemias era um trabalhador cuidadoso. Ele não começou a trabalhar antes de fazer uma avaliação clara dos prejuízos, de forma que pudesse conhecer a amplitude do trabalho a ser feito. É exigido rigor sempre que fizermos a obra de Deus.

"Deus de Abraão, ajuda-nos sempre a fazer o Seu trabalho com perfeição."

Pardon Mwansa
Vice-Presidente Geral
Conferência Geral
Trad JAQ/GASQ



II Crônicas 17 by jquimelli
5 de maio de 2013, 0:01
Filed under: serviço | Tags: ,

Comentário devocional:

O rei Josafá “não buscou aos ídolos de Baal, mas procurou o Deus de seu pai e andou nos Seus mandamentos …. seu coração teve prazer nos caminhos do Senhor” (versículo 3,4 e 6 NKJV).

Que bela descrição do que um cristão deve ser!

“Andou” nos mandamentos de Deus significa atividade, portanto, muito além do que simplesmente professar com palavras. Ter “prazer nos caminhos do Senhor” é ainda mais profundo. Mostra o trabalho interior do Espírito Santo escrevendo a lei no coração até que seja uma alegria estar com Deus e fazer o que Ele requer.

Por isso “o Senhor confirmou o reino nas suas mãos, e todo o Judá deu presentes a Josafá” (v. 5). Deus tem prazer em abençoar seus filhos. A obediência a Deus freqüentemente traz o sucesso, assim como o bom favor das pessoas.  

Josafá removeu ainda mais ídolos, e no terceiro ano do seu reinado enviou líderes a toda Judá para ensinar o Livro da Lei do Senhor. Inimigos vizinhos sentiram o temor de Deus e não atacaram. Alguns deles ainda trouxeram presentes! Isso também é um exemplo de como podemos conduzir aqueles sob nossa influência para uma maior alegria ao compartilhar com eles os conselhos de Deus.

Encontre hoje alguma maneira de ser como um Josafá, servindo, ensinando, tendo prazer em Deus!

Pastor Scott Griswold

Recrutador de Missionários

Apoio a Projetos para o Sudeste da Ásia

Trad JAQ/GASQ/JDS


– – – – –

Texto bíblicoII Crônicas 17

FonteBlog da Bíblia



I Crônicas 24 by jquimelli
13 de abril de 2013, 0:01
Filed under: adoração, serviço | Tags: ,

Comentário devocional:

Os sacerdotes e levitas viviam espalhados pelo país, nas cidades designadas a eles. A fim de participarem nos serviços do tabernáculo tinham que viajar uma certa distância e para isso precisavam saber com antecedência em que data os seus préstimos seriam necessários.

Para definir quem iria trabalhar com quem e quando isto ocorreria, em primeiro lugar foram montadas as equipes de trabalho. Zadoque e Aimeleque, os dois sacerdotes principais, organizaram vinte e quatro equipes de sacerdotes tendo como base os grupos de famílias. Cada pessoa trabalharia com seus parentes mais próximos sob a coordenação do patriarca da família.

A seguir, a escala de serviço foi definida por meio de um sorteio realizado na presença do rei Davi, do líderes da nação e dos representantes de todas as famílias envolvidas. A maneira transparente e imparcial com que a escala foi montada contribuiu para que cada sacerdote se sentisse valorizado.

A escala de trabalho dos levitas também foi definida por sorteio. Desse modo ninguém se sentiu favorecido ou excluído e todos foram motivados a dar a melhor contribuição possível, independente de ter sido escalado para trabalhar em dias de festividade nacional ou em dia comuns.

A maneira como os sacerdotes e levitas foram escalados para trabalhar aponta para o fato de que Deus não tem favoritos. Ele valoriza a todos e trata a todos igualmente. Nós, como seus seguidores, devemos também estimular o companheirismo e a cooperação entre as pessoas.

Pai nosso, ajude-me a tratar aqueles que me cercam com a mesma consideração com que Você me trata.

Jobson Santos

Rede Novo Tempo

Ministério da Oração

 

Texto bíblicoI Crônicas 24

 



I Crônicas 24 – comentários bíblicos by jquimelli
13 de abril de 2013, 0:00
Filed under: adoração, serviço

Comentários bíblicos selecionados:

1-2 O relato segue a divisão tradicional dos filhos de Arão (cf. 6.3; Ex 6.23; Nm 3.2-4). Os descendentes de Eleazar e de Itamar eram os únicos que serviam como sacerdotes (6.1; Lv 10.1-3) (Bíblia de Genebra).

1-31 O capítulo continua o relato das listas levíticas, com foco especial na linhagem de Aarão. Vinte e quatro divisões de sacerdotes no santuário foram introduzidas por Davi (Andrews Study Bible).

1 Foram divididos em 24 turnos cabendo 15 dias anuais para cada um. Tinham também de estar prontos para as grandes festas, durante as quais, aliás, os sacerdotes se congregavam em Jerusalém. Visto que no calendário judaico o ano tem 13 meses, o período de prestação de serviços não caía na mesma data (época) de cada ano  (Bíblia Shedd).

morreram perante seu pai. Os dois filhos mais velhos de Aarão morreram porque cometeram sacrilégio no tabernáculo (Lev. 10:1-2).

Eleazar. Os filhos de Levi e Aarão foram listados consistentemente ordenados pela idade. Itamar, o irmão de Eleazar também servia no tabernáculo neste tempo (Andrews Study Bible).

dezesseis […] oito. 24 divisões, ao total, foram selecionadas por sortes. […] Os nomes da primeira, segunda, quarta, nona e 24ª divisões foram achados num rolo do mar Morto da quarta caverna em Qumran (Bíblia de Estudo NVI Vida).

Repartiram-nos por sortes. O lançamento de sortes em conformidade com os padrões revelados tinha por desígnio assegurar que as decisões fossem feitas de acordo com a orientação divina e não segundo os preconceitos humanos (Pv 16.33; Lc 1.8-9; At 1.26) (Bíblia de Genebra).

Jeoiaribe. O pai dos Macabeus (Matatias) pertencia ao turno de Jeoiaribe (cf 1Macabeus 2.1) (Bíblia de Genebra). [NC: Não obstante os livros de Macabeus não pertencerem ao cânon hebraico do VT, eles reúnem importantes informações históricas a respeito dos judeus no período intestamentário.]

10 Abias. O pai de João Batista (Zacarias) pertencia ao turno de Abias (Lc 1.5) (Bíblia de Genebra).

15 Hezir. A divisão pertencente à família de Hezir destacou-se no período intertestamentário; o nome aparece num dos túmulos grandes no vale do Cedrom, a leste de Jerusalém (Bíblia de Estudo NVI Vida).

31 como a seus irmãos menores. O tratamento igual para com todas as famílias foi um modelo a ser seguido durante o período que se seguiu ao exílio na Babilônia (24.5, nota). Talvez estivesse havendo uma controvérsia que requeresse a ênfase sobre o tratamento justo (Bíblia de Genebra).




%d blogueiros gostam disto: