Reavivados por Sua Palavra


Tiago 4 by jquimelli
10 de junho de 2015, 1:00
Filed under: submissão, Vida Cristã, vitória | Tags: , , , , ,

Comentário devocional:

Precisamos fazer esta pergunta a nós mesmos: “Qual a origem das brigas, guerras e contendas?” (v. 1). Este comportamento conflituoso começa dentro de nós e está diretamente relacionado a nossos desejos (v. 2). Pelo fato de querermos certas coisas e não as alcançarmos, não importa o quão duro trabalhemos, nos sentimos amargos ou derrotados. Então discutimos e expressamos raiva.

Por outro lado, existem coisas que desejamos que o Senhor nos conceda, mas não nos preocupamos em pedir a Ele, então não as conseguimos. Às vezes, até nos lembramos de pedir ao Pai Celestial por nossos desejos, mas Ele não concede nossos pedidos porque pedimos pelas razões erradas (v. 3). Pedimos egoisticamente.

O que a Bíblia quer dizer ao afirmar que Deus é zeloso pelos seus filhos (v. 5)? Significa que Deus anseia em estabelecer um relacionamento com eles. Ele deseja ter uma conexão significativa conosco para que possa nos ajudar a crescer até o nosso pleno potencial. Então Ele graciosa e livremente oferece Sua maravilhosa graça para nos ajudar a mudar e amadurecer. As Escrituras dizem que Deus concede a Sua graça àqueles se submetem a Ele (v. 7a). Ele não oferece a mesma graça ao orgulhoso e arrogante. Não se trata de Ele não estar disposto a dar-lhes Sua graça; é que eles não iriam reconhecê-la e submeterem-se ao poder transformador de Deus.

A chave para tudo isso é a nossa vontade. Precisamos render nossa vontade a Deus e estabelecer uma resistência mental ao diabo e suas tentações. Quando fazemos isso de forma consistente, em nome de Cristo, o demônio acabará por fugir de nós (v. 7b). 

Não devemos tomar parte em fofocas contra os nossos amigos e familiares. Qualquer um que fala falsidades contra seus irmãos ou irmãs nas suas costas para destruir sua reputação está assumindo o papel de juiz. Quando fazemos isso, estamos nos colocando não só acima da lei de Deus, mas acima do próprio Deus (vs. 11-12).

Em resumo, devemos rejeitar tudo o que é mau à nossa volta e deixar que Deus purifique nossos processos de pensamento. Acima de tudo, precisamos parar de tentar manter um pé no mundo e outro pé na igreja. Não podemos amar o mal e a Deus ao mesmo tempo.

Querido Deus, purifica nossos motivos e palavras para que possamos glorificar o Teu nome.

Robin Pratt
Estados Unidos
Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/jam/4/
Traduzido por JAQ/JDS/IB
Texto bíblico: Tiago 4 
Comentário em áudio



Tiago 4 – Comentários Selecionados by tatianawernenburg
10 de junho de 2015, 0:30
Filed under: religião viva, Vida Cristã, virtude | Tags: , , , ,

1 De onde. O apóstolo fala dos males específicos dentro da igreja, produto de línguas desenfreadas e corações facciosos. A causa de toda divisão e contenda é o egoísmo (Tg 3:14). Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 7, p. 579.

Nos vossos membros. Referência ao corpo propriamente dito ou à igreja. A despeito da interpretação, o egoísmo que constantemente busca reconhecimento e satisfação é a fonte de todo conflito pessoal que, com frequência, leva a discussões. CBASD, vol. 7, p. 579.

3 Não recebeis. Respostas à oração dependem tanto da natureza dos pedidos quanto do espírito com que se pede (Lc 11:9). CBASD, vol. 7, p. 580.

Amizade do mundo. Isto é, amizade com o mundo. O principal objetivo do “mundo” é satisfazer o desejo de complacência pessoal. O evangelho convida o ser humano a servir ao próximo. Entre o espírito e a prática do “mundo” e o da igreja deve haver uma diferença marcante (I Jo 2:15). CBASD, vol. 7, p. 580.

6 Graça. Do gr. charis (Rm 3:24). Devido ao amor de Deus por Seu povo, continuamente se renova e se amplia entre eles a graça para habilitá-lo a resistir às tentações mundanas. Aquele que, com sinceridade ora pela graça, estará constantemente desenvolvendo o caráter cristão. Deus pede obediência completa, mas também provê força suficiente para nos capacitar a obedecer (Hb 4:16). CBASD, vol. 7, p. 581.

7 Sujeitai-vos. Tiago dá início a uma série de dez imperativos, aos quais todo membro de igreja sujeito ao perigo de se tornar “amigo” do mundo (v. 4) faria bem em atentar. Para que Deus conceda Sua “graça”, (v. 6) os “humildes” devem estar dispostos a submeter sua vontade ao plano divino. Submissão implica confiança plena de que todos os desígnios de Deus são para o bem (Hb 12:9). CBASD, vol. 7, p. 581.

10 Humilhai-vos. Ver Mt 11:29; 23:12; Tg 1:9. Tiago resume desta forma as várias admoestações sobre a lealdade completa à vontade de Deus. Para quem é honesto consigo mesmo, sua deplorável condição produz um espírito humilde diante de Deus, que está sempre disposto a perdoar (Is 57:15). CBASD, vol. 7, p. 582.

11 Não faleis mal. Ou, “parai de falar mal” ou “deixai de difamar”. Tiago deixa de se ocupar dos deveres dos membros da igreja para com o Senhor, a quem professam servir, e condena alguns males específicos que prejudicam a igreja. A falta de humildade perante Deus inevitavelmente leva a uma falta similar perante o semelhante. A prática de criticar os irmãos de fé revela flagrante egoísmo e se torna fonte de dissensão na igreja (Tg 3:2-6). CBASD, vol. 7, p. 583.

14 E logo se dissipa. Isto é, a vida humana começa a desaparecer quase tão logo quanto se inicia. Como o vapor, a vida pode se dissipar repentinamente. CBASD, vol. 7, p. 584.

16 Pretensões. Do gr. alazoneiai, “alardes”. Está implícita a confiança presunçosa na esperteza, habilidade e força. Esses membros que confiavam em si mesmos agiam como se o futuro estivesse nas mãos deles e seu êxito dependesse de sua capacidade. CBASD, vol. 7, p. 584.

17 E não o faz. Aqueles que são apenas “ouvintes” e não “praticantes” mostram que sua religião é “vã” (Tg 1:23, 26). Uma pessoa de fé pervertida confia apenas no conhecimento e prova sua falsidade quando evita atos que o crente sincero faria com alegria (Tg 2:17, 20, 26). Esta também é uma repreensão para quem negligencia o estudo da Palavra de Deus, tendo em vista que mais conhecimento aumentaria sua obrigação pessoal. CBASD, vol. 7, p. 585.



Mateus 27 by jquimelli
28 de novembro de 2014, 0:30
Filed under: Barrabás, ilusão, Julgamento de Jesus, Pilatos | Tags: , ,

Comentário devocional:

Este capítulo registra o julgamento de Jesus perante Pilatos, bem como a Sua crucificação, morte e sepultamento. Também neste capítulo se encontra o suicídio de Judas. O grande ato de Cristo em sofrer e morrer por nossos pecados nos toca profundamente. Ao mesmo tempo, as histórias de Judas, Barrabás, e Pilatos podem nos trazer importantes lições morais.

Judas havia servido a Cristo por muito tempo, na esperança de alcançar uma alta posição social no novo reino messiânico. Quando Cristo escolheu não usar seu poder divino para Se livrar de seus perseguidores, Judas percebeu que Cristo seria crucificado. Então ele viu cairem por terra suas esperanças de utilizar Jesus e Sua religião para ganhar destaque e importância. Seu desencanto com o verdadeiro propósito de Cristo culminou com seu suicídio.

Como Judas, a multidão queria um Messias que os elevasse acima dos romanos, tornando-os os governantes do mundo. Assim, na escolha entre um pacificador Jesus e um lutador experiente, como Barrabás, eles escolheram o lutador, pois este mais provavelmente os ajudaria a alcançar suas ambições mundanas. Vemos aqui, novamente, como os valores com os quais a pessoa se identifica podem cegar o seu discernimento espiritual e moral, abrindo caminho para racionalizar qualquer injustiça ou imoralidade em nome da preservação de seus sonhos. 

Finalmente, Pilatos. Ele sabia que Jesus era inocente, entretanto o entregou para ser cruelmente tratado e açoitado apenas para tentar satisfazer uma multidão indisciplinada e conservar o seu poder como governador. Esta primeira concessão falhou em acalmar a turba e, para evitar um tumulto, ele entrega um homem inocente para a execução mais cruel. Por quê? Para ele, preservar seu status como governador era mais importante do que a moralidade ou a justiça. Quão facilmente a manutenção do status pessoal e o auto interesse cegam as pessoas mais experientes e mais bem informadas para as coisas espirituais.

Muitos de nós almejamos a estabilidade financeira e o reconhecimento social que a posição e o poder podem conferir. Estejamos alerta, entretanto, para que estas coisas não nos afastem do caminho da justiça e do dever. Entreguemos cada um de nossos sonhos e planos ao senhorio de Cristo. Esse caminho é o único que pode trazer a verdadeira felicidade.

Stephen Bauer, Ph.D. 
Professor de Teologia e Ética 
Southern Adventist University

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/mat/27/
Traduzido por JAQ/JDS
Texto bíblico: Mateus 27 
Comentário em áudio 



Mateus 26 by jquimelli
27 de novembro de 2014, 0:30
Filed under: comunhão, equilíbrio, Israel, submissão | Tags: , ,

Comentário devocional:

Mateus 26 discorre sobre as horas finais da vida terrena de nosso Senhor. Neste capítulo encontramos a conspiração para matar Jesus, a Páscoa, a Ceia do Senhor, a traição e prisão de Jesus e a negação de Pedro. O simbolismo da Páscoa e da Ceia do Senhor são altamente familiares, portanto, vamos nos concentrar na dinâmica da conspiração para matar a Jesus.

Durante os mais de três anos de ministério público de Jesus, os líderes religiosos O haviam testado de todas as formas, mas não haviam conseguido enganá-lo ou apanhá-lo em contradição. Jesus viveu uma vida de inquestionável pureza moral e, no entanto, os sacerdotes e líderes religiosos, os autoproclamados guardiões da teologia e da moralidade judaica, fazem planos para matá-Lo, um homem inocente. Eles procedem deste modo porque Jesus foi percebido como uma ameaça ao poder deles sobre as pessoas. Que contrassenso! Os professores da moralidade divinamente revelada serem moralmente tão corrompidos!

Quando a religião torna-se uma ferramenta para o auto-engrandecimento e o poder, estabelece-se uma identidade ideológica que o seu possuidor se dispõe a defender ferrenhamente. Neste ponto, essa identidade se torna mais dominante na tomada de decisão moral do que a realidade ou mesmo a revelação divina. Qualquer ameaça a essa identificação será recebida com resistência feroz. O ensinamento de Jesus acerca do poder pessoal de que o maior deveria tornar-se servo é totalmente oposto a essa teologia e ética que favorece a dominação. 

Os ensinos e exemplo de Jesus seriamente desafiou a identidade sacerdotal como peritos revestidos de autoridade do céu, com poder sobre o povo. Para esses líderes religiosos, preservar a sua imagem como líderes espirituais e suas estruturas institucionais era tão importante que justificava o uso de todos os meios possíveis, morais ou imorais. 

Ao enfrentarmos discussões desafiadoras na igreja, devemos ser cuidadosos para que a identidade pessoal e empresarial não substitua o espírito dócil, que busca fazer a vontade do Senhor, qualquer que seja o custo. 

Somente a comunhão diária e a submissão de todos os aspectos de nossa vida ao Salvador nos permitirão colocar os conceitos e valores do reino de Deus acima dos nossos, para a Sua glória e a salvação de muitos. 

Stephen Bauer, Ph.D.
Professor de Teologia e Ética
Universidade Adventista do Sul

 

Texto original:  http://revivedbyhisword.org/en/bible/mat/26/

Traduzido por JDS/JAQ

Texto bíblico: Mateus 25 

Comentário em áudio 



Ezequiel 23 by jquimelli

Comentário devocional:

Como? Jerusalém, uma prostituta? Isso é difícil de acreditar. Qual marido de respeito não ficaria incomodado com a ideia de que sua esposa se vende para estranhos? No entanto, esta não é a primeira vez que Ezequiel falou desta forma a respeito de Jerusalém (ver Ez 16).

O quadro é ainda mais sombrio porque esta também é a história de sua irmã, Samaria. E descobrimos que a prostituição dessas duas irmãs não é coisa nova. Ela remonta ao tempo em que elas moravam no Egito.

Cobiça, a destruidora da vida e da família. Os assírios pareciam tão bonitos em seus belos uniformes, assim como os babilônios. Qual mulher casada não cairia de amores por eles? Por que se resguardar e investir em um relacionamento quando uma solução rápida sedutora está à disposição? Mesmo quando o desejo não é sexual, o desejo pela segurança que esse exército pode fornecer é sedutor. Mesmo países cristãos sucumbiram à sua cobiça por poder militar.

A história de Amnon e Tamar nos lembra como o sexo ilícito pode levar da cobiça à repulsa e até mesmo ao ódio (2 Sam 13:15). Coloque a sua confiança no mundo e um dia ele se voltará contra você e o devorará. Mas, se no dia da batalha – e contra o pecado, todo o dia é dia da batalha – você estiver ao lado do Senhor, você nunca será derrotado ou exposto.

Se, no entanto, você cair, saiba que o fundo do poço não é o fim. Ali é onde o pecador vê que somente Deus o pode levantar. E o pecador que clama a Ele por ajuda nunca será rejeitado! 

Ross Cole
Avondale College, Austrália

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/eze/23/

Traduzido por JDS/JAQ

Texto bíblico: Ezequiel 23 

Comentário em áudio



Jeremias 27 by jquimelli
28 de maio de 2014, 0:00
Filed under: confiança em Deus, profecias, verdade | Tags:

Comentário devocional:

Os profetas não só deviam entregar suas mensagens verbalmente, mas, às vezes, eram desafiados a dramatizar suas mensagens. Jeremias 27 é uma profecia encenada que teve como propósito alertar as pessoas sobre o próximo período de cativeiro sob os babilônios.

Em nossos dias houve uma época em que a pregação chamava a atenção de todos em uma cidade. Hoje, isto já não acontece mais. Enquanto a pregação continua sendo o método principal, alguns encontraram formas criativas de apresentar a mensagem para chamar a atenção das pessoas.

Jeremias foi instruído por Deus : “Faça para você um jugo com cordas e madeira e ponha-o sobre o pescoço” (v. 2 NVI). Jeremias 27 está entre as passagens que apresentam Deus como Criador e Soberano Senhor sobre todas as nações. Deus está no comando. E agora Ele usa Babilônia para punir Judá. Esta não foi uma experiência agradável para Judá. Mas Babilônia, por sua vez, também seria julgada por Deus e dominada pelos medos e persas.

As nações do mundo atual pensam que controlam seus próprios destinos, mas Deus está no comando. Às vezes, Deus envia um alerta para que reconheçamos Sua soberania. O pecado tem causado a deterioração de nosso planeta. Às vezes, Deus tolera que as calamidades aconteçam para trazer as nações do mundo aos Seus joelhos. Em última análise, cada nação e cada indivíduo que vive neste planeta irá reconhecer que Deus está no comando.

A mensagem de Jeremias era que submeter-se ao julgamento de Deus reduziria o nível de sofrimento. E que a rebelião contra o juízo de Deus aumentaria o sofrimento. No verso 12 o rei Zedequias é admoestado: “Coloquem o pescoço sob o jugo do rei da Babilônia, sujeitem-se a ele e ao seu povo, e vocês viverão” (NVI). Através desta disciplina redentora Deus busca restaurar o Seu povo de volta a um relacionamento de aliança saudável com ele.

Há momentos em que temos que nos submeter, individual ou coletivamente, ao julgamento redentor de Deus. Isto pode acontecer através de uma pessoa ou igreja que Deus envia para nos confrontar. Precisamos nos submeter à disciplina de Deus para que assim possamos retornar a um relacionamento saudável com ele.

Os falsos profetas davam a falsa impressão de que estavam defendendo a causa de Deus dizendo, enganosamente, que os recipientes tirados da casa de Deus pelos babilônios seriam devolvidos em breve. Deus havia permitido que os babilônios retirassem esses itens do templo, mas isso não indicava que, ao permitir isso, Ele estava se submetendo a seus deuses. Deus ainda estava no comando, pois Ele diz: “Serão levados para a Babilônia e ali ficarão até o dia em que eu os quiser buscar”, declara o Senhor. “Então os trarei de volta e os restabelecerei neste lugar” (Jer 27:22 NVI).

“Senhor , ajuda-nos a ter fé em Seu plano para nossas vidas e acreditar que a restauração virá exatamente como prometeste. Amém”. 

Michael Sokupa
Heidelberg College , África do Sul



Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/jer/27/

Traduzido por JAQ/GASQ/JDS

Texto bíblico: Jeremias 27 



II Crônicas 26 by jquimelli
14 de maio de 2013, 0:00
Filed under: humildade | Tags: ,

Comentário devocional:

O capítulo começa contando que o jovem rei Uzias, de dezesseis anos, “fez o que era reto aos olhos do Senhor” (v. 4). No entanto, mais tarde ele tornou-se orgulhoso, entrou no santuário e queimou incenso sobre o altar, coisa que só os sacerdotes poderiam fazer. Ele foi, então, atingido com lepra e passou a ser lembrado como o rei orgulhoso que se tornou “leproso até o dia de sua morte” (v. 21). Como a história de Uzias poderia ter sido diferente se ele tivesse lembrado de que tudo o que ele era e tinha conseguido era obra de Deus e não a sua própria.

Se um jovem rei temente a Deus, através do qual Deus realizou tanto, pôde tão facilmente tornar-se orgulhoso, com quanta facilidade nós também podemos cair nesse erro? Nossa única segurança está em lembrarmos que somos “maravilhosamente ajudados” (v. 15) em tudo o que fazemos.

Brandon Schroeder
Geração Juventude para Cristo.
Trad JAQ/JDS

– – – – – – – –
Texto bíblico: II Crônicas 26
Fonte: Blog da Bíblia




%d blogueiros gostam disto: