Reavivados por Sua Palavra


Ezequiel 29 – Comentários selecionados by Jeferson Quimelli
20 de janeiro de 2021, 0:50
Filed under: Sem categoria

1073 palavras

29:1 – 32:32 Sete profecias contra o Egito, a maioria delas durante os últimos anos antes da destruição de Jerusalém, quando o faraó-Hofra … insistia em que o rei Zedequias se rebelasse contra Nabucodonosor (Jr 37:5-8; Ez 17:15). Bíblia de Estudo Andrews.

O Egito tinha grande tesouros artístico, uma florescente civilização e poder militar mundialmente reconhecido. Infelizmente, era um país mau, egoísta, idólatra e tremendamente cruel com os cativos. Por estes pecados Deus condenou o Egito. Na batalha de Carquemis em 605 a.C., Babilônia esmagou o Egito junto com a Assíria, seus rivais à posição de potência hegemônica mundial. Life Application Study Bible Kingsway.

1 No décimo ano. Do cativeiro de Joaquim (ver com. de Ez 1:2). A data do mês aqui dada corresponde a janeiro de 587 a.C. … Talvez a profecia tenha sido dada pouco depois de os babilônios levantarem temporariamente o cerco a Jerusalém por causa da aproximação dos egípcios enviados por Hofra (Jr 37:5, 11). Jeremias havia profetizado o fracasso dessa tentativa (37:6-10). A notícia desses acontecimentos pode ter produzido nos exilados nova esperança de que Jerusalém seria livrada, e talvez a profecia de Ezequiel contra o Egito tenha sido dada por causa dessas circunstâncias. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 745.

3 Faraó. O faraó que estava no trono era Hofra, o Ápries dos gregos, o qual reinou de 589 a 570 a.C. (vol. 2 [CBASD], p. 65, 76). CBASD, vol. 4, p. 745.

eu o fiz. Ver também Ez 29:10. … Esta era uma reivindicação de divindade por parte do faraó-Hofra. O historiador grego Heródoto (ii.170) relata a arrogância de Ápries ao afirmar que nem mesmo um deus poderia tirá-lo do poder. Os faraós da 26ª dinastia ousaram sonhar que seriam capazes de reconstruir o antigo império egípcio na Ásia e desafiaram o então recente império neobabilônico. Bíblia de Estudo Andrews.

O Nilo é meu. O Nilo era e alegria e o orgulho do Egito, um rio doador de vida que cortava o deserto. Em vez de agradecer a Deus, contudo, o Egito dizia: “O Nilo é meu, eu o fiz”. … Muitas vezes não damos valor o que Deus nos tem dado, pensando que tudo o que fazemos é de nosso único crédito. Sem dúvida, nós colocamos um bocado de esforço, mas Deus nos forneceu os recursos, nos deu as habilidades e nos proveu as oportunidades para que tudo viesse a acontecer. Em vez de proclamar nossa grandeza, como os egípcios fizeream, devemos proclamar a grandeza de Deus e dar a Ele a glória. Life Application Study Bible Kingsway.

O meu rio. De acordo com Heródoto (ii.170), Ápries se gabava de estar tão bem estabelecido que nem mesmo um deus poderia tirá-lo do poder. Os monumentos do Egito dão testemunho do orgulho dos faraós. CBASD, vol. 4, p. 745.

4 Os peixes dos teus rios. Provavelmente, representavam os exércitos egípcios ou os aliados do Egito. O faraó não pereceria sozinho; envolveria outros na mesma ruína. CBASD, vol. 4, p. 746.

5 Campo aberto. Lançados em campo aberto, eles seriam devorados pelas aves de rapina e por animais predadores. O Egito seria destinado à pilhagem. CBASD, vol. 4, p. 746.

6 Um bordão de cana. A figura é local. Canas ou juncos crescem abundantemente nas margens do Nilo (ver Êx 2:3). … A aliança de Zedequias com o Egito estava fadada ao fracasso (Jr 37:5-7). CBASD, vol. 4, p. 746.

Os habitantes de Judá depositaram falsas esperanças em Hofra, julgando que a cidade [Jerusalém] seria poupada se confiassem nele. Bíblia de Estudo Andrews.

10 Sevene. Uma cidade na fronteira do sul do Egito, representada pela moderna Aswân (ou Assuã), que está situada próxima às ruínas da antiga. As duas cidades, Migdol e Sevene, representam as extremidades norte e sul da terra. CBASD, vol. 4, p. 746.

11 Quarenta anos. O número 40 lembra o castigo que a geração do deserto recebeu por ter se rebelado contra o Senhor. O Egito sucumbiu aos babilônios em 568 a.C.; Nabucodonosor atacou o palácio do Faraó em Tafnes, queimou o templo dos deuses egípcios e destruiu o obelisco do faraó de Heliópolis (Jr 43-44; ver notas sobre Ez 30:13-18). Não existe nenhum registro preservado de um exílio de 40 anos do povo egípcio, seguido de um retorno (durante o governo persa), mas isto não é improvável. Bíblia de Estudo Andrews.

reino humilde. O Egito nunca mais recuperaria sua glória do passado. Bíblia de Estudo Andrews.

13 Ajuntarei os egípcios. Diferentemente de Tiro, de outras cidades-estados cananeias e, posteriormente, de Babilônia, o Egito devia ter uma restauração. É difícil determinar o evento histórico aqui predito. CBASD, vol. 4, p. 746.

15 Nunca mais se exaltará sobre as nações. Isto se cumpriu historicamente. O Egito foi dominado por nações estrangeiras pouco mais d meio século depois dessa época, e embora tenha sobrevivido a todos os dominadores estrangeiros, nunca mais voltou a ter grandeza e o prestigio antigos. CBASD, vol. 4, p. 746.

16 A confiança. O povo de Deus havia pecado repetidamente ao olhar para o Egito em busca de ajuda (2Rs 17:4; 23:35; Is 30:2, 3; cf. Is 35:4, 6). Esta tentação seria inteiramente removida. CBASD, vol. 4, p. 746.

17 No vigésimo sétimo ano. Do cativeiro de Joaquim (ver com. [CBASD] de Ez 1:2); a data do mês se dá em abril de 571 ou 570 a.C. (ver p. [CBASD] 624). Esta é a data mais tardia em Ezequiel. A mensagem dos v. 17 a 21 foi colocada aqui a fim de que todas as profecias sobre o Egito fossem agrupadas. CBASD, vol. 4, p. 746.

18 Não houve paga. O cerco de Tiro, que durou 13 anos, terminou em 573 a.C. Nabucodonosor não conseguiu conquistar a cidade que ficava na ilha (ver com. [CBASD] de Ez 26:7). O cerco de Tiro é representado como um serviço prestado a Deus, pelo qual Nabucodonosor não havia sido devidamente recompensado. CBASD, vol. 4, p. 746.

19 Nabucodonosor. Tabletes cuneiformes de Nabucodonosor falam de uma campanha contra o Egito no 37º ano desse rei … O tablete está quebrado e, por isso, não se tem o relato completo da campanha. CBASD, vol. 4, p. 746.

21 Naquele dia. Fórmula comum para indicar um período escatológico e/ou a era messiânica (ex., 38:19; 39:11; ocorre mais de 40 vezes em Isaías). Bíblia de Estudo Andrews.

O poder. No hebraico, “chifre”, um símbolo do poder (ver Dt 33:17; Sl 92:10). Quando Israel aprendesse a colocar a confiança unicamente em Deus, e não em um poder terreno como o Egito, esse chifre que fora cortado começaria a despontar novamente. CBASD, vol. 4, p. 747.

Farei brotar o poder. Prediz a vinda do Messias, ecoando a oração profética de Ana (ver nota sobre 1Sm 2:10; ver também Sl 132:17; 148:14). É uma das cinco profecias messiânicas em Ezequiel. Bíblia de Estudo Andrews.

E te darei que fales livremente. Provavelmente, não uma referência ao silêncio imposto a Ezequiel (mencionado em Ez 24:27), mas à obra do profeta como ensinador do povo. CBASD, vol. 4, p. 746.


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: