Reavivados por Sua Palavra


EZEQUIEL 17 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
8 de janeiro de 2021, 0:50
Filed under: Sem categoria

945 palavras

A terceira parábola é sobre duas águias e uma videira. Refere-se a uma situação política. Revela, de maneira especial a Zedequias, qual seria seu destino (e o de seu exército), caos ele não obedecesse a palavra de Deus (v. 16-21). A primeira grande águia representa o rei Nabucodonosor, que havia nomeado Zedequias (“muda”que se transforma em “videira”, v. 5, 6) rei de Jerusalém (simbolizada por “Líbano”, v. 3). O “cedro” aponta para a dinastia de Davi e “a ponta mais alta dos seus ramos”para Joaquim, a quem Nabucodonosor levou prisioneiro para “uma terra de negociantes”, identificada como babilônia (v. 12). Infelizmente, o último rei de Judá, Zedequias, rebelou-se e se aliou ao Egito, cujo faraó (Psamético II, 595-589 a.C., ou Hofra, 589-570 a.C.) é a segunda águia (v. 7). Bíblia de Estudo Andrews.

Estes fatos aconteceram enquanto Ezequiel, a quilômetros de distância, descrevia esses eventos. Jeremias, um profeta em Judá, também estava advertindo Zedequias a não formar esta aliança (Jr 2:36, 37). Apesar de estarem um a muitos quilômetros do outro, os profetas tinham a mesma mensagem porque ambos falavam por Deus. Deus ainda dirige seus porta-vozes escolhidos para falar a verdade em todo o mundo. Life Application Study Bible Kingsway.

Os v. 12 a 24 permitem fixar a data da profecia como sendo o tempo em que Zedequias procurava o auxílio do Egito contra Nabucodonosor. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 696.

3 Uma grande águia. Literalmente, “a grande águia”. Segundo o v, 12, o símbolo representa o rei da babilônia (cf. Jr 48:40; 49:22). CBASD, vol. 4, p. 696.

2 Parábola. No Antigo Testamento, ninguém usava mais parábolas do que o profeta Ezequiel. Em método de ensino, Ezequiel era, portanto, um precursor de Jesus Cristo. Note-se que as parábolas de Ezequiel devem ser classificadas como alegorias, parabolas nas quais todas as minúcias representam algum objeto ou acontecimento real. Bíblia Shedd.

4 A ponta mais alta dos seus ramos. A referência é a Joaquim, que Nabucodonosor levou cativo para Babilônia (2Rs 24:12). CBASD, vol. 4, p. 696.

A “terra de negociantes”representa Babilônia (Ez 17:12). CBASD, vol. 4, p. 696.

5 Muda da terra. Isto se refere a Zedequias, que Nabucodonosor tornou rei em lugar de Joaquim. É possível que Joaquim tenha sido removido devido às tendências pró-Egito. Esperava-se que Zedequias, um vassalo de Babilônia, permanecesse fiel a seu senhor. CBASD, vol. 4, p. 696.

O propósito do rei Nabucodonosor, da Caldeia (ou seja, da babilônia), era transferir para sua capital os melhores elementos da cultura dos judeus, para tornar o seu império mais glorioso ainda (Dn 1.3-7). Um segundo propósito era privar Jerusalém da liderança dos que podiam liderar uma rebelião (2 Rs 24.10-17). Só depois de muita rebelião dos restantes, é que Nabucodonosor procedeu ao seu terceiro propósito, de destruir completamente a Jerusalém (2 Rs 25.8-22). As datas destas três etapas são 605 a.C., 597 a.C. e 587 a.C. Bíblia Shedd.

6 Videira mui larga. Foi permitido ao estado judaico, sob o governo de Zedequias, se tornar um reino frutífero e próspero, embora dependente. Zedequias havia jurado reconhecer a Nabucodonosor como suserano (2Cr 36:13). Nabucodonosor, sem dúvida, esperava que Israel, sendo um reino florescente, servisse como um tipo de para-choque entre ele e a nação do Egito, que tinha pretensões imperialistas. CBASD, vol. 4, p. 696.

7 Outra grande águia. O faraó Hofra, também chamado Ápries (v. 15; cf. Jr 44:30). CBASD, vol. 4, p. 696.

Para ela. Embora tivesse jurado lealdade a Babilônia (2Cr 36:13; cf. Ez 17:14), Zedequias buscou traiçoeiramente a ajuda do Egito. Jeremias se esforçou para dissuadir o rei de fazer essa aliança (Jr 37:7). CBASD, vol. 4, p. 696.

10 Vento oriental. Um símbolo apropriado dos babilônios, que habitavam ao leste da Palestina. O vento leste ou oriental é notório por seu efeito destruidor sobre as plantas (Jó 27:21; Ez 19:12; Os 13:15; Jn 4:8). CBASD, vol. 4, p. 696.

19 Meu juramento. O Senhor designa o juramento e a aliança feitos com Nabucodonosor como sendo Seus, sem dúvida porque foram feitos em Seu nome (2Cr 36:13). Além disso, sendo o Senhor o árbitro da história, era Seu plano que os judeus nesse momento se submetessem ao jugo da babilônia (Jr 27:12). CBASD, vol. 4, p. 697.

22, 23 o renovo mais tenro. Esta profecia é messiânica. De maneira completamente nova e inesperada, um renovo cresce da casa de Davi, estabelecendo um novo Rei e expandindo seu reino. O monte representa Jerusalém. A figura do rei davídico aponta, em última instância, para Jesus, o Messias (Is 11:1-5; Jr 23:5, 6; 33:25; Zc 3:8; 6:12). Bíblia de Estudo Andrews.

22 Também Eu tomarei. Uma promessa de restauração futura. … A predição se refere ao Messias. CBASD, vol. 4, p. 697.

23 Aves de toda espécie. Representando os vários habitantes da Terra (cf. Mt 13:32), pessoas de “cada nação, e tribo, e língua, e povo”. CBASD, vol. 4, p. 697.

24 Todas as árvores. Isto é, as nações vizinhas. Elas testemunhariam a restauração da nação de Israel e reconheceriam que o poder vem de Deus, que, de forma silenciosa e paciente, executa os propósitos de Sua vontade. Deus designa uma tarefa para cada nação e para todo indivíduo. A todos é permitido ocupar um lugar para cumprir o propósito divino (ver Ed, 178; PR, 535, 536). CBASD, vol. 4, p. 697.

A aplicação moral da parábola é que o ser humano fraco e inútil (o renovo mais tenro do v 22) pode se entregar nas mãos do Senhor, para Este o transformar, mdificar e exaltar, glorificando-o na eternidade. Mas quem se glorifica a si mesmo, não aceitando a condição de necessitado da graça de Deus, é um louco na terra (Dn 4.30-37) e louco perante o ju;izo eterno de Deus (Lc 12.20). Bíblia Shedd.

A profecia de julgamento de Ezequiel termina com esperança. Quando as pessoas colocam sua esperança em alianças estrangeiras, elas serão desapontadas. Somente Deus poderá lhes dar verdadeira esperança. Deus disse que ele plantaria um ramo novo [renovo], o Messias, cujo reino cresceria e se tornaria um abrigo a todos os que viessem a Ele (ver Is 11:1-5). Esta profecia foi cumprida com a vinda de Jesus Cristo. Life Application Study Bible Kingsway.

 

 

 


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



<span>%d</span> blogueiros gostam disto: