Reavivados por Sua Palavra


EZEQUIEL 12 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
3 de janeiro de 2021, 0:50
Filed under: Sem categoria

970 palavras

1 A palavra do SENHOR. O propósito desta profecia é enfatizar a inutilidade e a loucura de se confiar na continuação do reino de Judá e da cidade de Jerusalém, bem como numa breve libertação do cativeiro babilônico. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 672.

3 A bagagem de exílio. Isto é, o equipamento que um emigrante necessitaria: roupas, utensílios, etc. Os preparativos deviam ser feitos durante o dia , e o equipamento devia ser levado para um local conveniente. CBASD, vol. 4, p. 673.

6 Cobre o rosto. Provavelmente um sinal de como Zedequias … se disfarçaria para evitar ser reconhecido, ou talvez como sinal de dor, um símbolo da desgraça e da tristeza da partida para o exílio. CBASD, vol. 4, p. 673.

7 Assim eu fiz. Talvez Ezequiel tenha realizado o ato simbólico sem compreender plenamente o que significava. O fato de os exilados lhe perguntarem: “Que fazes tu?”(v. 9) evidencia que o ato simbólico foi realizado de fato, e não em visão. CBASD, vol. 4, p. 673.

11 Vosso sinal. Isto é, um sinal para os que estavam no cativeiro.. Eles deviam parar de depositar esperança na sobrevivência de Jerusalém. CBASD, vol. 4, p. 673.

13 Mas não a verá. O cumprimento deste detalhe da profecia é registrado em Jeremias 52:11. Antes de Zedequias ter sido levado para Babilônia, seus olhos foram vazados em Ribla; portanto, ele não viu a terra dos caldeus. CBASD, vol. 4, p. 673.

14 Espalharei. A captura do rei resultaria na dispersão do restante do exército. CBASD, vol. 4, p. 673.

16 Alguns poucos. Estes sobreviventes, ao contarem sua vergonhosa história, fariam com que os pagãos soubessem que não era fraqueza da parte do Deus de Israel que ocasionara a grande angústia e sujeição de Seu povo, mas o fato de Israel ter deixado de cumprir o propósito divino. CBASD, vol. 4, p. 673.

18 Tremor. Anteriormente (Ez 4:16), Ezequiel predissera terrível escassez. Desta vez, ele demonstraria o terror e a angústia do cerco iminente. CBASD, vol. 4, p. 673.

19 Povo da terra. Sem dúvida, alguns dos pronunciamentos proféticos de Ezequiel chegaram aos ouvidos dos habitantes de Judá. Mas as predições também eram significativas para os exilados, muitos dos quais esperavam que os restantes de Judá sobreviveriam e que Jerusalém seria poupada. O profeta lhes informou que a terra seria despojada de toda a exuberância anterior e que se tornaria em deserto e assolação. CBASD, vol. 4, p. 673.

22 Prolongue-se o tempo. Os habitantes de Jerusalém zombavam da confiabilidade das ameaças divinas. A resposta deles tomou a forma de um ditado. eles declaram, com efeito: “O tempo está passando e ainda não se cumpriu nenhuma predição de coisas boas ou más. Não há razão para esperarmos o cumprimento das predições agora.” A atitude deles reflete a tendência comum dos seres humanos pecaminosos de interpretar mal a longanimidade e a paciência de Deus (ver Ec 8:11; Am 6:3; Mt 24:48; 1Ts 5:3). Os zombadores dos últimos dias pronunciam um refrão semelhante: “Onde está a promessa da Sua vinda? … Todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação”(2Pe 3:4). CBASD, vol. 4, p. 674.

24 Visão falsa. Os falsos profetas prediziam prosperidade e o breve retorno dos cativos de babilônia. Os verdadeiros profetas falavam de um cativeiro longo, uma grande perda de vidas e a destruição e desolação da cidade e do templo. Os zombadores provavelmente argumentavam que as predições de Ezequiel eram tão vãs quanto as que ele declarava ser as dos falsos profetas. Ao dar rápido cumprimento à calamidade predita, Deus responderia de forma eficaz a esse raciocínio, convencendo os falsos profetas de que suas profecias eram mentirosas e levando os zombadores a ver que seus argumentos eram ilógicos. CBASD, vol. 4, p. 674.

25 Em vossos dias. Os efeitos da visão não viriam sobre uma geração por vir, mas sobre a que viviam naquela época. CBASD, vol. 4, p. 674.

27 Tempos que estão mui longe. … Pode-se surgir a pergunta: “Mas, por que a aparente demora na vinda de Jesus? Falharam as palavras do Senhor?” A Inspiração faz a pergunta e dá a seguinte resposta: “Falhou, por;em, a Palavra de Deus? Absolutamente! Cumpre lembrar que as promessas e as ameaças de Deus são igualmente condicionais” (Ev, 695). …

É verdade que Cristo não voltou tão logo quanto o povo remanescente a princípio esperava, com base no cumprimento da profecia. É repetidamente atestado que era possível Cristo ter vindo antes disso (DTN, 633, 734; GC, 458; T6, 450; T8, 115, 116; T9, 29). A razão para a demora é ainda declarada nestas palavras: “A longa noite de tristeza é difícil; mas a manhã é adiada em misericórdia, porque se o Mestre viesse, muitos seriam achados desprevenidos. A recusa de Deus em permitir que Seu povo pereça tem sido a razão de tão longa demora”(T2, 194). Isto está em harmonia com a declaração de 2 Pedro 3:9. O mesmo apóstolo acrescenta que é dever do cristão apressar a vinda de Jesus (2Pe 3:12). O comentário inspirado sobre o tema deste texto diz: “É privilégio de todo cristão, não só aguardar, mas mesmo apressar a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo”(T8, 22).

Algum dia o tempo não mais se prolongará. “Ela [a vinda do Senhor] não será retardada para além do tempo em que a mensagem for levada a todas as nações, línguas e povos” (Ev, 697). Quando Deus perceber que o momento é o melhor, fará ocorrer eventos que precipitarão o fim “mais rapidamente do que os homens esperam” (GC, 531).

Contudo, o tempo definido do advento de Cristo não pode ser conhecido. E os seres humanos não devem conjecturar quanto ao tempo preciso. Excelente conselho foi dado nas seguintes palavras: “Não podereis dizer que Ele virá daqui a um ano, ou dois, ou cinco anos, nem deveis postergar Sua vinda declarando que não se ocorrerá antes de dez ou vinte anos . … Não nos é dado saber o tempo definido, nem do derramamento do Espírito Santo, nem da vinda de Cristo” (Ev, 221). … “É o dever do povo de Deus ter suas lâmpadas limpas e acesas, ser como pessoas que aguardam o Esposo, quando Ele voltar das bodas”(ME1, 189). CBASD, vol. 4, p. 674, 675.


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



<span>%d</span> blogueiros gostam disto: