Reavivados por Sua Palavra


JÓ 5 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
27 de dezembro de 2019, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Quanto a mim, eu buscaria a Deus e a Ele entregaria a minha causa” (v.8).

Após o seu discurso nada animador, Elifaz projetou a condição de Jó a uma busca deficiente de Deus. A necessidade de um mediador é destacada, ao mesmo tempo em que é seguida de indiretas, apontando a Jó como homem louco e tolo. As palavras de Elifaz chegam a ser cruéis, visto expor a miséria e a morte dos filhos de Jó como castigos por sua impiedade. Elifaz ousou falar do que não sabia e sua oratória tornou-se para Jó em ferida pior do que as que lhe afligiam o corpo.

A experiência de Jó e a sua ignorância e de seus amigos quanto ao conflito cósmico que envolveu a sua vida, nos revela que o sofrimento humano nem sempre acontece como uma disciplina de Deus. Desde que o pecado entrou no mundo, há um inimigo que age de forma a levar o homem a pensar que Deus é o responsável por toda a miséria que nos sobrevém. Ao incitar Caim a matar Abel, ao dominar as paixões dos antediluvianos, ao sugerir que o homem é dono da própria razão, Satanás tem levado a humanidade a pensar nas ações de Deus como atos de um governo autoritário e cruel.

Sabemos que os sofrimentos de Jó não foram resultados de uma vida impiedosa e tola. Ele foi vítima da ira daquele que “vem somente para roubar, matar e destruir” (Jo.10:10). Notem que o inimigo seguiu exatamente esta ordem. Ele roubou de Jó seus bens, a vida de seus filhos e a sua saúde. O passo seguinte, não fosse a fidelidade e perseverança de Jó, seria a morte, e, por fim, a destruição que tem a ver com resultados definitivos e eternos. Essa ordem manifesta a soberania de Deus e Seu amor pelo ser humano, que não permite que Satanás atinja o seu propósito final sem antes nos prover acessível e suficiente livramento.

Amados, não é cristão colocar o dedo nas feridas uns dos outros. Fomos chamados para curar e não para diagnosticar. Se mesmo diante de pecados públicos Jesus declarou: “Nem Eu tampouco te condeno; vai e não peques mais” (Jo.8:11), quanto mais devemos nós agir com misericórdia! Não podemos exortar sem que antes recebamos do Espírito Santo a devida capacitação e sabedoria, ou confundiremos exortação com condenação. Que diante do sofrimento alheio, sejamos lenitivo ao nosso próximo e deixemos o julgamento a cargo do justo Juiz. “Ouve-o e medita nisso para teu bem” (v.27). Vigiemos e oremos!

Bom dia, compassivos de Deus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Jó5 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: