Reavivados por Sua Palavra


AVISO – VÍDEO DO PASTOR RONALDO DE OLIVEIRA  by Maria Eduarda
8 de setembro de 2019, 7:38
Filed under: Sem categoria

 

Bom dia Amigos!

O vídeo do Pastor Ronaldo de Oliveira não está sendo postado pela Novo Tempo no Canal do YouTube, por motivos técnicos. Assim que normalizarem postaremos também em nossas redes sociais. Abraços. Maria Eduarda/Equipe #rpsp


2 REIS 18 by Jobson Santos
8 de setembro de 2019, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/2rs/18

Ezequias é uma ilustração clara de uma vida centrada em Deus. Embora seu pai adorasse ídolos, Ezequias decidiu afastar as pessoas de seus maus caminhos, removendo os altos. Por que a má influência de Acaz não afetou Ezequias? Provavelmente porque havia outras pessoas que tiveram uma influência mais forte sobre ele, incluindo talvez sua mãe, “Abias, filha de Zacarias” (verso 2).

Nossos antecedentes e experiências podem ter um enorme impacto em nossas vidas. Mas isso nunca deve se tornar uma desculpa para pecarmos. Podemos viver uma vida santificada, apesar do ambiente pecaminoso em que vivemos, e podemos seguir a Deus no meio de adoradores de ídolos.

Por outro lado, nunca devemos receber crédito por qualquer coisa boa que tenhamos feito. Embora Ezequias confiasse no Senhor, e “não houve ninguém como ele entre todos os reis de Judá, antes ou depois dele” (versículo 5), ele cometeu os mesmos erros que seus predecessores. Quando o rei da Assíria atacou o seu país no décimo quarto ano do seu reinado, Ezequias pagou ao rei da Assíria prata e ouro para resolver o problema, e falhou completamente.

Quando desviamos o olhar de Deus, acabamos falhando vergonhosamente.

Daniel Jiao
União Missão Chinesa
Hong Kong

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=577
Equipe de tradução: Pr. Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



2 REIS 18 – VÍDEO COMENTÁRIO PR. ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
8 de setembro de 2019, 0:55
Filed under: Sem categoria



2 REIS 18 – COMENTÁRIO PR. HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
8 de setembro de 2019, 0:45
Filed under: Sem categoria

Onde há declínio espiritual, é necessário haver reavivamento espiritual; o qual será correto, unicamente sendo pautado pela orientação do Deus Onipotente.

Por não viver o ideal divino, ignorar planos revelados, decidir pelas exigências do coração, o antigo povo de Deus decresceu – não evoluiu; na verdade, regrediu! Mesmo com tanto amor paternal, mesmo com tanto empenho, dedicação e devoção divinos, Israel entregou-se aos caprichos da carnalidade perniciosa. Mas, Deus não desistiu de Israel.

• Deus não abandona Seu povo nem mesmo quando Seu povo O abandona.

Ao afastar-se de Deus, o povo teve que lidar com serpentes venenosas; então, Deus possibilitou a cura mediante o olhar a uma serpente de bronze içada numa haste – o que não consistiu em idolatria, mas numa didática evangelística.

Entretanto, transcorrendo o tempo, o povo transformou este meio evangelístico em objeto idolátrico; por isso, Ezequias destruiu o que veio a se chamar Neustã (v. 4). Assim, Deus observa e corrige os passos dados por Seu povo, mesmo havendo instabilidade na conduta.

Neste capítulo encontramos os seguintes pontos importantes:

• Quando Satanás parece ter introduzido a idolatria de todas as formas entre o povo de Deus, causando deformação na religião, Deus não cruza os braços. Ele providencia alguém disposto a fazer uma reforma, na tentativa de reavivar e restaurar o povo que o diabo intenta arrastar para a destruição (vs. 1-5).

• Há diferença gritante na vida do indivíduo, família, igreja ou nação que serve fielmente a Deus, obedece a Seus santos mandamentos e vive em constante relacionamento com Ele buscando um reavivamento e reforma espirituais. Os resultados contrastantes da história de Israel e Judá nos evidenciam a diferença de servir e não servir a Deus (vs. 6-12).

• Pequenas brechas na vida espiritual são oportunidades suficientes para surgimento de afrontas ferozes e massacrantes dos incrédulos. Os ataques de Senaqueribe a Ezequias exemplificam esse ponto (vs. 13-37).

A ousadia dos incrédulos é tremenda. Eles usam a lógica, intimidam com evidências, argumentam fortemente, confrontam arrogantemente. Intrepidamente provocam ao próprio Deus. Eles não temem a Deus e ainda intimidam ao povo que crê nEle.

Isso é verdade em todas as áreas do conhecimento. A Bíblia e seus temas são escrupulosamente atacados pelos incrédulos. Como Deus lidará com isso? Saberemos no próximo capítulo!

Não percam! – Heber Toth Armí.



2REIS 18 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
8 de setembro de 2019, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Fez ele o que era reto perante o Senhor, segundo tudo o que fizera Davi, seu pai” (v. 3).

O rei Ezequias foi o primeiro rei de Judá cuja fidelidade foi comparada a de Davi. O que os seus antecessores não fizeram, fez Ezequias: “Removeu os altos, quebrou as colunas e deitou abaixo o poste-ídolo” (v.4); removendo do meio de Judá tudo aquilo que fosse abominável ao Senhor. Mas a sua fidelidade, destacada nas Escrituras, foi fruto de que? Ezequias “confiou no Senhor” de forma que não houve nem antes e nem depois dele, rei semelhante em Judá. Ele “se apegou ao Senhor” seguindo Seus passos e observando os Seus mandamentos (v.6). Então, para onde quer que fosse, Deus o acompanhava e o fazia lograr bom êxito.

Confiança e entrega. Esses dois ingredientes são fundamentais para uma vida cristã vitoriosa. Ezequias confiou e se apegou. Geralmente confiamos nas pessoas que sabemos que nos amam. Mas precisamos em nosso dia a dia depositar certo grau de confiança até em pessoas que não conhecemos. E em Deus? Confiamos? Uma coisa é certa: não existe alguém que nos ame mais do que Ele! E da confiança na operação divina dependem todas as coisas, inclusive, e, principalmente, a salvação. Porém, apegar-se a alguém é diferente. Aquela pessoa torna-se seu confidente, com quem se pode contar em todos os momentos; que sempre estará ao seu lado.

Nas primeiras horas de cada manhã, Deus se apresenta a cada ser humano e aguarda pacientemente pelo convite de fazer morada no coração e de conduzi-lo pelo caminho da verdade. Quando confiamos, nos apegamos. Portanto, apegar-se é resultado da confiança.

E a pergunta feita pelo rei da Assíria ao povo de Judá por intermédio de Rabsaqué foi desafiadora: “Que confiança é essa em que te estribas?” (v.19). Em outras palavras: Que confiança é essa em que você se apega? A fé de Ezequias e do povo foi provada através de palavras de desânimo e maldição. E o “assim diz O Senhor” foi desafiado pelo “Assim diz o rei” (v.29). “Calou-se, porém, o povo” (v.36), obedecendo às ordens do rei Ezequias.

Todo cristão é desafiado a cada dia com a mesma pergunta: Que confiança é essa em que você se apega? E se essa confiança não gerar o apego ao Senhor, a entrega completa do coração, não se trata de confiança, mas de presunção. Muitos afirmam seguramente confiar em Deus, contudo, nas oportunidades de provar a teoria, a prática falha. E, nem sempre falar é a melhor solução. Bater de frente com quem testa a nossa fé pode ser a resposta da nossa falta de confiança na ação divina. Conforme está escrito, calar-se diante da afronta é sábio: “o homem prudente, este se cala” (Pv.11:12) e é cristão: “e, como ovelha muda perante os Seus tosquiadores, Ele não abriu a boca” (Is.53:7).

O nosso desafio diário é viver em conformidade com Aquele em quem dizemos confiar. Somos cartas de Cristo para o mundo (2Co.3:2-3) e nossa vida deve ser uma linguagem entendida por todos. Porque, assim como Rabsaqué usou o idioma local para intimidar o povo, o mal que nos cerca e tenta nos abalar sabe bem qual o idioma do nosso coração. E ele vem para trazer os dejetos do pecado e nos fazer acreditar numa falsa paz; ou até mesmo numa falsa aparência de piedade.

Ao nos questionarem a respeito de nossa confiança, que nossa resposta seja: Eu confio no Senhor dos Exércitos!

Ezequias foi um líder que conduzia o Seu povo a seguir-lhe os passos da fé. Que tipo de liderança estamos exercendo sobre nossos semelhantes? Muitos estão como o povo que estava sobre os muros, ouvindo palavras desencorajadoras e sem saber para que lado seguir. A oferta de Senaqueribe era tentadora, assim como é a oferta do pecado. Se Ezequias não tivesse demonstrado com sua vida que valia a pena confiar em Deus e manter um relacionamento íntimo com Ele, o povo não teria escolhido seguir suas ordens. Ezequias permaneceu seguro e firme no poder do Senhor dos Exércitos! Que a sua vida seja uma resposta diária de confiança e de intimidade com Deus. Confie e apegue-se a Deus e Ele fará de você um instrumento singular em Sua obra. Vigiemos e oremos!

Feliz semana, apegados ao Senhor!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #2Reis18 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



2 REIS 18 – VÍDEO COMENTÁRIO PR. RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
8 de setembro de 2019, 0:10
Filed under: Sem categoria



2 REIS 18 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
8 de setembro de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria

387 palavras

serpente de bronze. Ver Nm 21:6-9. Esta é a primeira referência a esta serpente depois do tempo de Moisés. … Por esse tempo … era considerada uma relíquia sagrada e se pensava que possuísse qualidades especiais. Ao queimar incenso diante dela, o povo dava a esta serpente de bronze a veneração que deveria prestar somente a Deus. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 2, p. 1052.

Neustã. Possivelmente “deus de bronze”, da mesma raiz da palavra heb. nehosheth, “bronze”. CBASD, vol. 2, p. 1052.

não deixou de segui-Lo. Ezequias também errou (2Rs 20:12-19), mas ele nunca abandonou o Senhor. CBASD, vol. 2, p. 1052.

13 as cidades fortificadas. Senaqueribe alegou ter conquistado 46 cidades muradas em Judá. CBASD, vol. 2, p. 1054.

19 que confiança…? Ezequias havia posto sua confiança em Deus (2Cr 32:7, 8), e os embaixadores assírios se referiam a essa confiança no Senhor (2Cr 32:10, 11). CBASD, vol. 2, p. 1055.

23 dois mil cavalos. O mensageiro assírio tentou ridicularizar a limitada força militar de Judá. Os assírios subiram com um grande exército de cavalaria, e por isso 2 mil cavalos não significavam nada para eles. CBASD, vol. 2, p. 1056.

24 um só capitão. Zombou do povo por não ser forte o suficiente para repelir um único capitão do exército assírio, responsável por um dos mais fracos batalhões dentre os muitos que os assírios tinham em campo. CBASD, vol. 2, p. 1056.

26 aramaico. Esta afirmação mostra que a linguagem siríaca ou aramaica [de Aram, outro nome para a Síria] ainda estava em uso, entre assírios e hebreus. Materiais contemporâneos mostram que o aramaico passava a ser a linguagem da diplomacia e do comércio por toda a Ásia Ocidental. Entre os hebreus não era comum porque o povo não a compreendia. Após o exílio babilônico, o aramaico, aos poucos, tomou o lugar do hebraico entre os judeus. CBASD, vol. 2, p. 1056.

em judaico. Além de nesta narrativa e em seus paralelos (2Cr 32 e Is 36), a expressão ocorre somente em Neemias 13:24. A palavra “judeu” aparece primeiro em 2 Reis 16:6, mas, nos textos bíblicos posteriores o nome se torna comum. De acordo com o costume assírio contemporâneo, o povo do reino do sul já era conhecido como Yehudim ou judeus, e a linguagem deles [o hebraico], como judaica. CBASD, vol. 2, p. 1056.

34 de Hamate. Todas as cidades aqui listadas haviam caído diante do poder assírio havia pouco tempo. CBASD, vol. 2, p. 1057.




%d blogueiros gostam disto: