Reavivados por Sua Palavra


OSEIAS 13, comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
2 de dezembro de 2017, 0:30
Filed under: Sem categoria

“A tua ruína, ó Israel, vem de ti, e só de Mim, o teu socorro” (v.9).

O verso acima apresenta a diferença entre os resultados da obra humana e os da obra divina. O pecado frequente de Israel o levou a esquecer-se de Deus e envolver-se em uma idolatria sem precedentes. Ignoravam as palavras do Senhor enquanto beijavam a “obra de artífices” (v.2). E apesar das inúmeras manifestações das misericórdias divinas, rebelavam-se “mais e mais” (v.2) contra a aliança do Senhor.
 
Desde o Egito, os filhos de Israel receberam provas suficientes do amor e do cuidado de um Deus misericordioso, o Único capaz de salvar (v.4). No deserto lhes sobreveio abundância de milagres; em Canaã, fartura e segurança. Bem pouco compreendido é o objetivo do deserto e a maioria deixa de receber as benesses “em terra muito seca” (v.5).
 
Há um certo equívoco quanto à vida cristã que tem custado o distanciamento de muitos do caminho eterno. Quando Cristo foi batizado, logo após Ele foi “levado pelo Espírito ao deserto” (Mt 4:1). Tomando posse do trio espiritual – jejum, oração e Bíblia – Jesus venceu o diabo e foi servido pelos anjos. Da mesma forma, cada ser humano que decide entregar a sua vida a Deus, torna-se objeto da ira do inimigo e alvo de seus “dardos inflamados” (Ef 6:16). Mas, da maneira que Jesus venceu, podemos ser vitoriosos com Ele.
 
Observem a sequência: Israel saiu do deserto para entrar em uma terra que manava leite e mel. Jesus venceu no deserto e foi servido pelos anjos. Os salvos dos últimos dias sairão “da grande tribulação” (Ap 7:14) para um lugar onde “jamais terão fome, nunca mais terão sede, não cairá sobre eles o sol, nem ardor algum” (Ap 7:16).
 
Não podemos permitir que a fartura do “pasto” (v.6) deste mundo torne soberbo o nosso coração a ponto de nos esquecermos do Senhor. Uma vida destituída de oração e do estudo das Escrituras está fadada não somente ao fracasso, mas à morte espiritual e ao castigo definitivo. Infelizmente, nem todos compreendem isso e, provados no deserto das tentações e angústias, julgam demasiado pesado o fardo que não souberam depositar aos cuidados dAquele que prometeu: “Vinde a Mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e Eu vos aliviarei” (Mt 11:28).
 
As “dores de parturiente” (v.13) estão aumentando e enquanto isso multidões têm rejeitado o último chamado de Deus. “O último inimigo a ser destruído é a morte” (1Co 15:26), e, a respeito disto, a promessa foi garantida: “Eu os remirei do poder do inferno e os resgatarei da morte” (v.14). Apeguemo-nos, pois, a tão maravilhosa promessa e os desertos de nossa vida não serão o fim, mas o caminho que nos provará e conduzirá ao banquete da eternidade.
 
Feliz sábado, provados para a eternidade!
 
Jornada de oração, dia 16/21: Oremos consagrando nossa família ao Senhor e firmando uma aliança para a realização do culto familiar, pela manhã e ao findar do dia.
 
Rosana Garcia Barros
 
#PrimeiroDeus
#Oseias13
#RPSP
 
Deixe seu comentário:

Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: